Furacão transforma igreja em maternidade

Translate Page

Pontos chave:

  • Em 1970, após o furacão Celia, a Primeira Igreja Metodista Unida de Aransas Pass, Texas, tornou-se o hospital temporário para sua comunidade agredida.
  • Os relatos variam, mas 85 ou 86 bebês nasceram na igreja ao longo de quatro meses. 
  • A igreja realizou um culto especial e almoço em 14 de agosto para lembrar o período hospitalar e dar as boas-vindas de volta a alguns dos bebês do furacão Celia.

Cinquenta e dois anos atrás, logo após o furacão Celia, a Primeira Igreja Metodista Unida de Aransas Pass, Texas, tornou-se o hospital temporário para sua comunidade atingida.

Pneumonia e outras doenças graves foram tratadas lá. As cirurgias foram realizadas. Ambulâncias iam e vinham.

E embora os relatos históricos variem, 85 ou 86 bebês – incluindo três pares de gêmeos – nasceram em salas de escola dominical convertidas em salas de parto, todas a uma curta distância do santuário.

A mãe de Angelina “Angel” Childs deu à luz em um desses quartos.

"Ela me chamou de 'Anjo', pelo fato de eu ter nascido aqui", disse Childs em uma entrevista na igreja.

Em 14 de agosto, a Primeira Igreja Metodista Unida de Aransas Pass realizou um culto de reencontro e almoço, comemorando o período de quatro meses em que a igreja foi preenchida como o hospital comunitário.

Members and guests of First United Methodist Church of Aransas Pass, Texas, sing during an Aug. 14 service commemorating when the church filled in as its community’s hospital, following Hurricane Celia in 1970. More than 80 babies were born at the church in the four months before Aransas Pass Hospital was back in operation. Three of the Hurricane Celia babies, as well as one mother and a nurse, returned for the reunion. Photo by Sam Hodges, UM News.
Membros e convidados da Primeira Igreja Metodista Unida de Aransas Pass, Texas, cantam durante um serviço de 14 de agosto comemorando o tempo em que a igreja se tornou o hospital de sua comunidade, após o furacão Celia em 1970. Mais de 80 bebês nasceram na igreja nos quatro meses antes do Hospital Aransas Pass voltar a funcionar. Três dos bebês do furacão Celia, assim como uma mãe e uma enfermeira, voltaram para a reunião. Foto de Sam Hodges, Notícias MU.

Os participantes incluíram Childs, dois companheiros do furacão Celia “bebês” nascidos na igreja e outros que compartilharam histórias e lições de um período difícil, mas inspirador. 

“Você fazia o que tinha que fazer. Foi uma emergência”, disse Ernestine “Ernie” Brown, 80 anos, que deixou seu emprego regular de enfermeira no hospital para cuidar de pacientes na Primeira Igreja Metodista Unida Aransas Pass.

Billie Robinson arrancou risadas da multidão do culto de reencontro, descrevendo sua experiência na igreja em 7 de novembro de 1970.

“Eu tive minha pequena aqui – bem, ela não era tão pequena. Dez libras e 8 onças (quase 5 quilos)”, disse Robinson, 79.

Jeannie Zirkel veio para a reunião, tendo perdido seu marido, o Rev. Milford “Zeke” Zirkel, no início deste verão. Ele era o pastor quando a igreja servia como hospital.

“Eu nunca me lembro de Zeke voltar e dizer: 'Ah, alguém não quer fazer isso'”, disse ela. “Todo mundo estava disposto a ajudar, e todo mundo estava disposto a abrir mão de um pouco do seu espaço, um pouco do seu tempo, para ajudar a comunidade.”

Hurricane Celia hit the Coastal Bend of Texas on Aug. 3, 1970, killing 15 people and damaging thousands of buildings. The First United Methodist Church of Aransas Pass, Texas, was intact and served as its community’s hospital for four months, seeing more than 80 births in converted Sunday school rooms. Photo by Jay Phagan via Wikimedia Commons.
O furacão Celia atingiu a Curva Costeira do Texas em 3 de agosto de 1970, matando 15 pessoas e danificando milhares de edifícios. A Primeira Igreja Metodista Unida de Aransas Pass, Texas, estava intacta e serviu como hospital de sua comunidade por quatro meses, vendo mais de 80 nascimentos em salas de escola dominical convertidas. Foto de Jay Phagan via Wikimedia Commons.

O furacão Celia desapareceu na memória nacional, mas quando atingiu Corpus Christi e cidades costeiras próximas, como Aransas Pass, em 3 de agosto de 1970, era uma tempestade de categoria 4, com ventos de 225 quilômetros por hora. Quinze pessoas morreram no Texas e milhares de casas, empresas e barcos de pesca comercial foram destruídos ou seriamente danificados.

Ambos os hospitais que serviam Aransas Pass estavam fora de serviço. Mas a Primeira Igreja Metodista Unida se saiu melhor. 

O campanário se soltou e explodiu no ar, descendo primeiro a torre para perfurar o telhado como um dardo. Isso foi o pior de tudo, e foi remendável. 

Zeke Zirkel concordou com um pedido do Dr. William Tinnerman, o oficial de saúde pública local, para que a igreja se tornasse um hospital temporário. As condições em Aransas Pass eram desesperadoras, exigindo a Guarda Nacional e a Cruz Vermelha. 

"Sem energia, sem água, sem telefone por três semanas", disse Red Barker, 98, um membro da igreja de longa data.

Dewey Holden, também com 98 anos e amigo de Barker desde a sétima série, bem como um administrador da igreja em 1970, lembrou: “Eles conectaram um gerador gigantesco à igreja”.

O salão da irmandade tornou-se um centro de comunicações e área de administração do hospital, com operadores de rádio amador cuidando do despacho. A ala de educação da igreja foi transformada em uma ala de 18 leitos. O quarto do berçário – com sua grande janela de observação – recebeu berços extras para recém-nascidos.

As refeições dos pacientes eram preparadas na cozinha da igreja e uma sala de armazenamento tornou-se uma câmara escura para o desenvolvimento de raios-X. 

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

O hospital da igreja recebeu seu primeiro paciente registrado – um homem com problemas cardíacos – apenas três dias após o furacão, informou o Corpus Christi Caller-Times. Mas a igreja já foi palco de um esforço frenético para prevenir o tétano e a febre tifóide.

Uma enfermeira recrutou Carl Rohlfs, então diretor de jovens de 19 anos da Primeira Igreja Metodista Unida de Aransas Pass, para dar injeções.

“Ela me deixou praticar uma vez em uma laranja e, a partir de então, foi um braço após o outro”, disse Rohlfs, que teria uma longa carreira no ministério Metodista Unido e pregou no culto de reencontro.

O primeiro bebê nascido na igreja chegou em 8 de agosto de 1970. Mais nascimentos se seguiram rapidamente.

Em 26 de setembro, Cheryl Coronel - então Cheryl Weide - teve sua filha Sheila na igreja por meio de cesariana. Ela se lembra de estar deitada em um catre, com uma lâmpada brilhante pairando sobre ela. 

“Foi muito, muito estranho, mas nos saímos bem”, disse ela por telefone. “Graças a Deus eles montaram aquele pequeno hospital.”

As aulas da escola dominical da igreja se reuniam no santuário, para dar lugar aos cuidados médicos. Os cultos continuaram, mas não sem distrações, incluindo a preparação de refeições para os pacientes.

“Podíamos sentir o cheiro daquela boa comida cozinhando”, disse Holden. “Acho que todo mundo ficou um pouco ansioso, um pouco faminto, antes que o sermão terminasse.”

Os membros da igreja foram oficialmente desencorajados a entrar na ala hospitalar, mas não havia como impedi-los de entrar furtivamente para olhar pela grande janela da maternidade.

Isso incluía os filhos dos pastores.

“Nós três corríamos para lá e contaríamos os bebês e veríamos quais eram meninos e quais eram meninas”, disse a Dra. Louise Zirkel Forrister.

Ela cresceu para ser médica e credita o tempo de hospital da igreja como influenciando sua escolha de carreira.

Three Hurricane Celia “babies,” with one mom and a nurse, pose for photos at First United Methodist Church of Aransas Pass, Texas, after a special reunion service on Aug. 14. Hurricane Celia battered Aransas Pass on Aug. 3, 1970, and the church filled in as the community hospital for four months, seeing more than 80 births. Pictured from left: Jere Allen (born at the church), Angie Rodriguez (born at the church), Billie Robinson (gave birth at the church), Ernestine “Ernie” Brown (did nursing at the church) and Angel Childs (born at the church). Photo by Sam Hodges, UM News.

Três “bebês” do furacão Celia, com uma mãe e uma enfermeira, posam para fotos na Primeira Igreja Metodista Unida de Aransas Pass, Texas, após um culto especial de reencontro em 14 de agosto. A igreja preencheu o papel de hospital comunitário por quatro meses, vendo mais de 80 nascimentos. Na foto da esquerda: Jere Allen (nascido na igreja), Angie Rodriguez (nascida na igreja), Billie Robinson (deu à luz na igreja), Ernestine “Ernie” Brown (fez enfermagem na igreja) e Angel Childs (nascida na Igreja). Foto de Sam Hodges, Notícias MU.

Os bebês do furacão Celia nascidos na Primeira Igreja Metodista Unida de Aransas Pass têm agora 51 ou 52 anos. Enquanto eles não conseguem se lembrar de seus nascimentos, eles têm histórias. 

Angie Rodriguez, nascida na igreja em 11 de setembro de 1970, voltou para lá ainda menina para a escola bíblica de férias.

“Eu andava para cima e para baixo pelos corredores me perguntando em que quarto nasci”, disse ela.

Jere Allen, que viajou da Geórgia para o reencontro, lembra-se de pedir detalhes sobre seu nascimento na igreja em 20 de setembro de 1970. Em comentários no culto de reencontro, Allen citou o que seu pai lhe disse: 

“Lembro-me de andar para cima e para baixo pelos corredores e, de repente, você gritou, e eu sabia que você tinha nascido e sabia que teve sua primeira surra.”

Não foi a última, Allen assegurou à multidão do reencontro.

Timothy Dickey não participou do culto, mas compartilhou por telefone sobre ser um dos gêmeos nascidos na igreja. Ele cresceu ouvindo de sua mãe que ela não sabia que estava tendo gêmeos. 

“Eu nasci e a enfermeira gritou para o médico: 'Ei, tem outro'”, disse Dickey. 

A edição de 6 de setembro de 1970 do jornal Corpus Christi publicou uma foto de sua mãe feliz, mas claramente exausta, segurando ele e sua irmã gêmea, com o pai e a Dra. Gladys Auten, a administradora do hospital, por perto.

“Lembro-me de ver aquele recorte na casa da minha mãe”, disse Dickey. “Era sagrado para ela.”

A Primeira Igreja Metodista Unida serviu como hospital até 12 de dezembro de 1970, quando o Hospital Aransas Pass estava funcionando. 

O importante papel da igreja é ilustrado por uma foto de grupo em preto e branco tirada naquela época, mostrando jovens mães com 31 bebês do furacão Celia. Zeke Zirkel está radiante na fileira de trás.

Zirkel já havia passado muitos anos da idade de aposentadoria em 2019, quando novamente se tornou pastor da Primeira Metodista Unida de Aransas Pass, em regime de meio período. Os fins de semana encontravam ele e Jeannie saindo de sua casa em Medina, Texas, a três horas de distância. Ele pregou um último sermão na igreja em 26 de junho e morreu em 13 de julho, aos 92 anos.

Embora Zirkel não tenha vivido para comparecer ao reencontro, ele ajudou a membro da igreja Bobbie Lettiere a planejá-la. E, frágil, mas determinado, ele deu uma entrevista ao Aransas Pass Progress para um artigo de 29 de junho, antecipando a reunião e descrevendo os meses da igreja como hospital.

"Nós não vimos isso como um evento monumental", disse ele a Mark Silberstein, do jornal. “Vimos isso como algo que queríamos fazer para a comunidade.”

Mas vidas foram mudadas, incluindo a de Billy Ellis. 

Ellis, que serviu o almoço de reencontro, era um frequentador regular de 11 anos de idade na Primeira Igreja Metodista Unida de Aransas Pass quando o furacão Celia atingiu. Como tantos, ele estava se recuperando da destruição generalizada. 

Mas na igreja, ele podia entrar na ala educacional e espiar pela grande janela a sala os recém-nascidos.

“Provavelmente uma das melhores lições que já aprendi na vida foi daqueles bebês”, disse Ellis. “Eu não me importo com o quão ruim algo é, algo bom vai sair disso. Esses bebês me ensinaram isso.”

 

*Hodges é um escritor baseado em Dallas para o Notícias Metodista Unida. Entre em contato com ele pelo telefone 615-742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias dos Metodistas Unidos, assine os resumos quinzenais gratuitos.

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

 

Preocupações Sociais
Rev Calton Ngale, pastor de Manga, pregando no dia que a Paroquia ofereceu a casa a viuva Victoria Jamisse. Beira, foto de Eurico Gustavo.

Viúva recebe casa construída e doada pela Igreja

A congregação Metodista Unida da Manga, na região de Beira, Moçambique, se uniu para realizar a construção e doação de uma casa segura para acolher a viúva Victória Jamisse de 85 anos de idade, após sua residência precária ter sido destruída pelo ciclone Idai em 2020, e mais recentemente pelos ciclones, Eloise, Ana e Gombe.
Violência
Pessoas reagem do lado de fora do Centro Cívico Willie de Leon em Uvalde, Texas, para onde estudantes foram transportados da Robb Elementary School após um tiroteio que deixou 19 crianças e dois professores mortos. Foto de Marco Bello, Reuters.

Luto, orando após ataque na escola

Os Metodistas Unidos estão orando pelas famílias devastadas e por uma comunidade traumatizada após o assassinato de 19 crianças e dois professores. O presidente do Conselho de Bispos está exortando os leigos e o clero a “partir para ofensiva” para impedir os tiroteios em massa.
Ajuda humanitária
 Durante visitas de monitoria nas zonas afectadas em Nampula, alguns lideres tiverem que entrar dentro da agua e debaixo da chuva. Imagem de Arquivo, Norte do Save.

Moçambique Norte é fustigada pelo ciclone tropical Gombe

As depressões tropicais tem sido recorrentes em Moçambique, particularmente nas zonas centro e norte. Este cenário é resultado das acentuadas mudanças climáticas que o mundo enfrenta. Este cenário deixa milhares de famílias social e economicamente desestabilizadas, e com o psicológico e emocional perturbados.