Grupo esboça plano de separação para denominação

Other Manual Translations: English 한국어 español

O conflito da Igreja Metodista Unida sobre a homossexualidade é irreconciliável e pede uma separação amigável em diferentes denominações, de acordo com um grupo de centristas, tradicionalistas e progressistas de 12 pessoas que começou a se reunir no final de junho.

"Descobrimos que a Igreja Metodista Unida não pode morar na mesma casa pacificamente, mas podemos viver ao lado um do outro", disse o Rev. Kent Millard, presidente do Seminário Teológico Unido e um dos organizadores do grupo.

The Rev. Kent Millard.  Photo courtesy of United Theological Seminary. 

O Rev. Kent Millard. Foto cedida pelo Seminário Teológico Unificado.

Millard e os outros elaboraram disposições básicas do que eles chamam de Plano de Indianápolis, nomeado com o nome da cidade onde se reuniram no final de junho para discussões intensivas.

 

O grupo espera receber contribuições de toda a igreja para que o plano possa ser revisado e escrito em forma de petição até o prazo de 18 de setembro para a Conferência Geral de 2020.

O Plano de Indianápolis prevê uma Igreja Metodista Unida Tradicionalista que manteria as atuais restrições da denominação sobre casamentos entre pessoas do mesmo sexo e ordenação de clérigos homossexuais “praticantes autorizados”.

Uma Igreja Metodista Unida Centrista / Progressista separada removeria essas restrições, bem como os ensinamentos da Igreja que dizem que a prática da homossexualidade é incompatível com o ensino Cristão.

Os nomes no plano são marcadores de posição. Cada denominação decidiria o que seria chamado e poderia incorporar "Metodista Unido" nesse nome.

O Plano de Indianápolis também oferece a possibilidade de uma terceira denominação, uma Igreja Metodista Unida Progressista que praticaria a inclusão plena imediata de pessoas LGBT.

The Rev. Keith Boyette. Photo courtesy of the Wesleyan Covenant Association. 

O Rev. Keith Boyette. Foto cedida pela Associação Wesleyan Covenant.

Significativamente, o plano evita a dissolução, sugerindo que a “continuação legal” e a maioria das agências gerais da igreja permaneceriam com a Igreja Metodista / Progressista da Igreja Metodista Unida.

Isso estaria OK para o reverendo Keith Boyette, presidente da tradicional Associação Wesleyan Covenant e membro do grupo Plano Indianapolis.

“Um deles levaria a estrutura legal, inicialmente, da Igreja Metodista Unida”, disse Boyette. “Não foi difícil para mim, pessoalmente, dizer que a parte centrista / progressista da igreja faria isso. Eles indicaram mais de um investimento nesse quadro”.

Os redatores do Plano de Indianápolis incluem pastores de igrejas filiados à Rede de Ministérios de Reconciliação, que defende a inclusão plena de LGBT. Junto com Boyette, o Rev. Tom Lambrecht - vice-presidente e gerente geral de Boas Novas - representa a perspectiva tradicionalista.

Millard e outros são mais centristas em seus pontos de vista.

Todos do grupo são dos EUA, mas Millard disse que esteve em contato com o bispo John K. Yambasu, que lidera o Colégio Africano de Bispos.

Os membros do grupo enfatizaram que estão representando a si mesmos, não suas organizações, ao apresentar o Plano de Indianápolis. Eles vêem isso como um trabalho em progresso, mas todos endossam a ideia de que a denominação precisa se reformar em denominações separadas.

"Nosso conflito interno está nos impedindo de realizar a nossa missão primordial de fazer discípulos de Cristo para a transformação do mundo", disse Lynette Fields, diretora executiva de transformação da comunidade na Igreja Metodista Unida de St. Luke, uma congregação amiga dos LGBTQ em Orlando, Flórida. "Acredito que uma separação amigável ou o surgimento de novas expressões permitirá que cada novo grupo seja mais saudável, mais vibrante e focado na missão".

 Plan Indianapolis

Para ler as disposições básicas do plano, clique aqui.
O grupo por trás do plano está trabalhando em uma versão mais detalhada.
Para ler uma lista de clérigos e leigos Metodistas Unidos que trabalharam no plano, clique aqui.
Sua declaração observa que “nomes organizacionais são fornecidos apenas para fins de identificação e não implicam que essas congregações e organizações endossaram essas propostas”.

A Igreja Metodista Unida lutou durante décadas com a aceitação da homossexualidade. Depois que o cisma pareceu possível na Conferência Geral de 2016, os bispos criaram uma Comissão - Um Caminho a Seguir - e convocaram uma Conferência Geral especial, realizada em fevereiro deste ano em St. Louis.

Delegados de lá derrotaram o plano de uma Igreja favorecido pelos bispos e por uma margem de 438 a 384 votos aprovaram o Plano Tradicional, o que reforça as restrições da igreja à ordenação e ao casamento entre pessoas do mesmo sexo.

A retórica irada e o rancor geral em St. Louis foram seguidos por resistência aberta ao Plano Tradicional, bem como pela partida de algumas igrejas tradicionalistas cansadas do conflito.

A Conferência Geral especial e suas consequências levaram ao trabalho ímpar dos leigos no Plano de Indianápolis.

“Ao longo da história da igreja, houve ocasiões em que grupos de pessoas indo em direções diferentes eram necessárias”, disse Fields. "Acredito que estamos naquele momento na vida da UMC".

As disposições básicas do Plano de Indianápolis incluem:

As conferências centrais poderiam se alinhar com qualquer das denominações ou se tornarem denominações afiliadas autônomas. Aqueles que não decidirem, automaticamente farão parte da Igreja Metodista Unida Tradicionalista.

As conferências anuais dos EUA decidiriam por maioria de votos qual denominação ingressar. Aqueles que não votarem, por padrão, farão parte da Igreja Metodista Unida Centrista / Progressista.

Igrejas locais discordando da decisão de sua conferência anual poderiam decidir por maioria de votos se alinhar em outro lugar, mantendo suas propriedades, ativos e passivos.

O Clero decidiria sobre uma denominação para se juntar, mas por padrão iria com a decisão da sua conferência anual. Os bispos também podem escolher uma denominação.

Cada denominação desenvolveria uma nova Conferência Geral, bem como o seu próprio Livro de Disciplina, estruturas, política e finanças.

O Wespath, o Comité Metodista Unido de Socorro, as Mulheres Metodistas Unidas e a Casa Publicadora Metodista Unida seriam organizações independentes 501 (c) 3 posicionadas para servir as duas ou três denominações.

Todas as outras agências seriam parte da Igreja Metodista Unida Centrista / Progressista.

A Conferência Geral de 2020 forneceria financiamento para os ministérios da conferência central durante o quadriénio de 2021-2024, e as denominações separadas dividiriam os custos.

Um processo seria planejado para dividir os atuais ativos gerais da igreja, incluindo a criação de uma junta de arbitragem.

A separação precisa acontecer rapidamente, diz o grupo do Plano de Indianápolis. Eles vêem as conferências anuais começando a se realinhar em agosto de 2020, com Conferências Gerais inaugurais para as diferentes denominações ocorrendo no outono de 2021.

The Rev. Darren Cushman-Wood.  Photo courtesy of United Methodist Insight. 

O Rev. Darren Cushman-Wood. Foto cedida pela United Methodist Insight.

O Plano de Indianápolis poderia ser “absolutamente” aprovado pela Conferência Geral sem emendas constitucionais que consomem tempo, disse Boyette, que tem sido um advogado atuante e trabalhou no Conselho Judicial, o principal tribunal da denominação.

 

Embora semelhante em alguns aspectos com o Plano Bard-Jones, recentemente revelado, o Plano de Indianápolis vai mais longe, criando separação real de denominações, disse Boyette.

Como Millard, Boyette tem usado uma certa analogia para explicar. Ele comparou Bard-Jones a pessoas que moravam na mesma casa, mas em quartos diferentes.

"O que o Plano de Indianápolis alcança é essencialmente dizer, 'ok, vamos estar em casas diferentes no mesmo bairro, e o bairro é a maior família Wesleyana", disse Boyette.

Boyette reconheceu que faz parte de outras discussões sobre o futuro da Igreja Metodista Unida, mas descreveu o Plano de Indianápolis como "uma abordagem justa, equitativa e respeitosa para pôr fim ao que se tornou um conflito muito prejudicial".

Pensamentos sobre o plano?

O grupo por trás do Plano de Indianapolis recebe comentários. Contate o Rev. Kent Millard em kmillard@united.edu, o Rev. Keith Boyette em president@wesleyancovenant.org ou o Rev. Darren  Cushman-Wood a dcushwood@northchurchindy.com

O reverendo Darren Cushman-Wood faz parte do grupo Plano de Indianápolis e organizou suas discussões pessoais na Igreja Metodista Unida de Indianápolis, onde ele é pastor sênior.

"Somos uma congregação da Rede de Ministérios Reconciliados, então foi um pouco surreal que em nossa sala de visitas estivesse o presidente da WCA e o vice-presidente de Boas Novas", disse Cushman-Wood.

Mas ele acrescentou que as discussões do grupo foram honestas e orantes, e em sua opinião resultarão em legislação que vale a pena considerar na Conferência Geral de 2020, marcada para 5 a 15 de maio em Minneapolis.

"Eu vejo o trabalho do nosso grupo como sendo simplesmente um serviço para os delegados, que são os verdadeiros tomadores de decisão".

 

* Hodges é um escritor baseado em Dallas para a Notícias MU. Entre em contato com ele pelo telefone 615-742-5470 ou newsdesk@umcom.org. Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos diários ou semanais gratuitos.

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina @umcom.org

Preocupações Sociais
A UMCNext, uma coligação que inclui a Rede de Ministérios de Reconciliação, Unindo Metodistas e UMC Convencional, ofereceu um plano que acabaria com as restrições da Igreja Metodista Unida contra casamentos entre pessoas do mesmo sexo e ordenação LGBTQ, e oferecia uma saída graciosa às igrejas locais que discordam dessas mudanças.

O plano UMCNext acabaria com as restrições LGBTQ

A coalizão de setores centristas e progressistas favorece a eliminação de restrições à ordenação de pessoas LGBTQ e casamentos entre pessoas do mesmo sexo, além de permitir um plano de saída para igrejas que discordam.
Preocupações Sociais
A congregação da Primeira Igreja Metodista Unida de Moheto, no sudoeste do Quênia, vota para se reconciliar. Com a votação de 1º de setembro, a congregação anunciou suas intenções de apoiar a igualdade das pessoas LGBT na vida da igreja. Foto cortesia da Primeira Igreja Metodista Unida Moheto.

Primeira igreja na África se reconcilia

Uma congregação Metodista Unida no sudoeste do Quênia votou a favor da igualdade total das pessoas LGBT na vida da igreja.
Área Geral da Igreja
O Bispo John K. Yambasu, da Serra Leoa, discursa em uma reunião do Colégio de Bispos da África em Mutare, Zimbábue. Os bispos disseram que a igreja continuaria na África após a Conferência Geral de 2020. Foto de Tim Tanton, Notícias MU.

Bispos africanos se opõem a planos de separação

Em uma declaração no final do retiro do Colégio dos Bispos da África, os bispos disseram que a igreja continuaria na África depois da CG2020.