Futuro da Denominação em discussão - silenciosamente

Other Manual Translations: English 한국어 español

Discussões sobre o futuro da Igreja Metodista Unida correm em silêncio entre os líderes, após uma recente sessão especial da Conferência Geral que destacou as profundas divisões sobre a homossexualidade.

Um grupo de centristas e progressistas - incluindo alguns bispos dos EUA - está se reunindo para considerar opções para o “centro amplo”, disse o reverendo Adam Hamilton. Ele é pastor fundador da Igreja Metodista Unida da Ressurreição, de Leawood, Kansas, a maior congregação dos Estados Unidos em atendimento semanal.

Enquanto isso, o reverendo Keith Boyette, presidente da Associação do Pacto Wesleyano, que pressionou com sucesso pelo fortalecimento de restrições contra uniões de mesmo sexo e ordenação de clérigos abertamente homossexuais, disse que tem participado de diálogos difíceis com líderes do outro lado.

Boyette disse que as conversas são sobre como lidar com o conflito da denominação, incluindo evitar que na Conferência Geral de 2020, em Minneapolis, aconteça o tipo de rancor que caracterizou a reunião de 23 a 26 de fevereiro, realizada em St. Louis.

“Esse é certamente o objetivo desse diálogo. Se isso seria possível, é muito cedo para saber”, disse Boyette.

A Conferência Geral de 2019 viu a aprovação do Plano Tradicional, que mantém a política da Igreja de que a prática da homossexualidade é “incompatível com o ensino cristão” e fortalece a proibição de uniões entre pessoas do mesmo sexo e a ordenação de clérigos gays “auto-declarados”.

O plano derrotado foi o Uma Igreja, apoiado pela maioria dos bispos, que teria removido a linguagem “incompatível” e dado às igrejas e conferências margem de manobra sobre uniões e ordenação entre pessoas do mesmo sexo.

O Conselho Judicial da denominação deverá rever no final do mês a constitucionalidade de partes do Plano Tradicional, bem como uma petição aprovada - anteriormente julgada inconstitucional - para permitir que as igrejas deixem a denominação com a sua propriedade.

A votação para o Plano Tradicional foi 438-384, e o retorno tem sido considerável nos EUA e na Europa.

"Nós não estamos bem, tratando gays e lésbicas em nossas igrejas como cristãos de segunda classe", disse Hamilton.

The Rev. Keith Boyette, president of the Wesleyan Covenant Association, responds to questions from Judicial Council members during an oral hearing on May 22, 2018, in Evanston, Ill. Boyette said he's been part of discussions about the future of The United Methodist Church. Photo by Kathleen Barry, UMNS. 

O Rev. Keith Boyette, presidente da Asociação do Pacto Wesleyano, responde às perguntas dos membros do Conselho Judicial durante uma audiência oral em 22 de maio de 2018, em Evanston, Illinois. Boyette disse que participou de discussões sobre o futuro da Igreja Metodista Unida. Foto de Kathleen Barry, SMUN.

Os tradicionalistas afirmam que as pessoas LGBTQ têm um valor sagrado e são bem-vindas nas igrejas Metodistas Unidas, mas que as Escrituras e a tradição cristã se opõem às uniões de mesmo sexo e à ordenação de clérigos gays.

Hamilton disse que ele e outros líderes centristas começaram logo depois da Conferência Geral a falar sobre estratégias, concluindo rapidamente que os líderes progressistas deveriam estar envolvidos.

Ele disse que um grupo de 30 clérigos e leigos, entre eles o Bispo da Conferência do Norte do Texas, Mike McKee, e alguns outros bispos, se encontraram por seis horas em Dallas na semana passada. Ele disse que tanto os progressistas quanto os centristas estavam envolvidos, além de pastores e leigos.

Jan Lawrence, diretora executiva do grupo Rede de Ministérios de Reconciliação (Reconciling Ministries Network), participou da reunião em Dallas, como confirmou um porta-voz.

Uma reunião do mesmo tamanho, incluindo Hamilton e alguns outros que convocaram o encontro de Dallas, será realizada em Atlanta no dia 4 de abril. O bispo da Conferência do Norte da Geórgia, Sue Haupert-Johnson, fará parte do encontro de Atlanta.

"Eu quero fazer parte de qualquer conversa que ajude a nossa igreja a ser uma testemunha amorosa do mundo", disse Haupert-Johnson.

O Rev. Tom Berlin, um membro da Comissão Um Caminho a Seguir, que a pedido do Conselho dos Bispos apresentou planos legislativos para a Conferência Geral de 2019, estava na reunião de Dallas e planeja estar na reunião de Atlanta.

"As partes interessadas estão se reunindo para falar sobre o futuro", disse Berlim, pastor da Igreja Metodista Floris em Herndon, Virgínia. “Não é um grupo oficial. […] Nem sequer tem nome”.

Como Hamilton, Berlin descreveu os envolvidos como unidos por sua resposta ao resultado da Conferência Geral de 2019. "Somos um grupo de pessoas que considera inaceitáveis as medidas punitivas do Plano Tradicional", disse ele.

O Rev. Junius Dotson, principal executivo dos Ministérios do Discipulado, não pôde estar na reunião de Dallas, mas planeja comparecer em Atlanta. "Minha esperança é que esses tipos de conversas permitam que as pessoas processem (sobre a Conferência Geral de 2019), mas também pensem, sonhem, de uma perspectiva diferente", disse ele.

Dotson acrescentou que, como líder afro-americano, ele espera ser uma voz para a inclusão e um lembrete de que muitos em sua raça ficaram presos à denominação por meio da segregação. "Eu odiaria que a questão da raça seja subjugada porque eu acredito de muitas maneiras que leva à divisão que temos", disse ele.

Tanto Hamilton quanto Berlin destacaram que as discussões de Dallas e Atlanta são preliminares. Hamilton disse que uma terceira reunião, muito maior, foi programada para 20 a 22 de maio na Igreja da Ressurreição e provavelmente envolveria representantes de todas as conferências anuais dos EUA.

Um dia depois do encontro de 27 de março em Dallas, Hamilton fez uma palestra na Escola Teológica Perkins para os Leigos. Perto do final, ele mencionou “dois caminhos possíveis” para centristas e progressistas. “As pessoas dizem: 'Esta é a nossa igreja e não estamos desistindo e vamos resistir e vamos desobedecer à Disciplina', disse ele.

Hamilton acrescentou que “se for desconfortável o suficiente”, as igrejas tradicionalistas podem optar por sair e formar sua própria denominação, especialmente se puderem manter sua propriedade.

Em uma entrevista, Hamilton observou que a Associação do Pacto Wesleyano - Wesleyan Covenant Association (WCA) - discutiu abertamente a partida. No entanto, ele acrescentou que os tradicionalistas demonstraram na Conferência Geral de 2019 sua força na denominação.

“Eu diria que havia muita energia (no encontro de Dallas) em torno de 'ficar' e fazer uma saída graciosa para o WCA. Mas houve um reconhecimento de que a WCA tem mais votos do que os centristas e progressistas ”, disse Hamilton.

O segundo caminho, disse ele ao grupo Perkins, seria "criar dois novos Metodismos a partir de um Metodismo Unido existente".

Mas depois de sua palestra, Hamilton reconheceu que dividir em duas denominações seria muito mais difícil logisticamente do que um grupo escolher sair.

Boyette disse que estava em discussão com os defensores do Plano Uma Igreja. Ele não iria oferecer nomes ou compartilhar se algum deles é bispo, citando um acordo de confidencialidade. Ele também não falaria sobre as opções discutidas.

Mas Boyette disse que as conversas o levaram a fazer teleconferências com os líderes regionais da WCA, e pesquisá-los sobre o que está sendo discutido.

"Essa pesquisa será discutida em nosso conselho quando se reunir na quarta-feira (3 de abril) e informará nossa participação nas conversas em andamento", disse ele.

Boyette reconheceu que a resistência à passagem do Plano Tradicional foi generalizada.

“É perturbador ver segmentos da igreja rejeitarem o discernimento da Conferência Geral”, disse ele. "Isso ilustra as profundas divisões que temos mostrado há um bom tempo".

Quanto a saber se a WCA e as igrejas de mentalidade similar estão atualmente inclinadas a seguir seu próprio caminho - especialmente se os centristas e progressistas se unirem atrás de uma petição de saída constitucional - Boyette não comentaria.

“Todas as opções estão na mesa da Associação do Pacto Wesleyano. Nós não fechamos a porta para qualquer resolução em potencial”, disse ele.

Tanto Berlim quanto Hamilton disseram que são favoráveis a conversas de grupos que discordam na Conferência Geral.

"Eu acho que é sempre bom que as pessoas de boa vontade conversem umas com as outras, especialmente em tempos de desacordo e conflito", disse Berlin.

O bispo Kenneth Carter, presidente do Conselho dos Bispos, disse por e-mail que ele prefere ter várias palestras neste momento.

“Eu apoio mais conversa do que menos, e acho que é muito saudável. Eu sei que algumas conversas são dentro de grupos que diferem (conservadores que se inclinam e que se inclinam para fora), alguns são para encontrar um terreno comum (entre progressistas e centristas) e alguns são para  negociações de separações (entre conservadores e progressistas) ”, disse ele.

O grau de conflito na denominação ficou evidente em uma declaração emitida pelo Grupo de Área Nórdica e Báltica do Conselho da Europa do Norte e da Conferência Central da Eurásia.

O grupo anunciou que está formando uma mesa redonda com representantes de cada conferência anual na área para tentar encontrar “o máximo de unidade e força missional possível”.

"As muitas reações às decisões da Conferência Geral em todo o mundo indicam que será muito difícil para nós permanecermos juntos como uma denominação no futuro", disse o comunicado. “Várias respostas e declarações nos países nórdicos e bálticos apontam para uma divisão similar.”

 

*Hodges é um escritor localizado em Dallas para o Serviço Metodista Unido de Notícias. Entre em contato com ele pelo telefone 615-742-5470 ou newsdesk@umcom.org .

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina @umcom.org

 

Preocupações Sociais
A UMCNext, uma coligação que inclui a Rede de Ministérios de Reconciliação, Unindo Metodistas e UMC Convencional, ofereceu um plano que acabaria com as restrições da Igreja Metodista Unida contra casamentos entre pessoas do mesmo sexo e ordenação LGBTQ, e oferecia uma saída graciosa às igrejas locais que discordam dessas mudanças.

O plano UMCNext acabaria com as restrições LGBTQ

A coalizão de setores centristas e progressistas favorece a eliminação de restrições à ordenação de pessoas LGBTQ e casamentos entre pessoas do mesmo sexo, além de permitir um plano de saída para igrejas que discordam.
Preocupações Sociais
A congregação da Primeira Igreja Metodista Unida de Moheto, no sudoeste do Quênia, vota para se reconciliar. Com a votação de 1º de setembro, a congregação anunciou suas intenções de apoiar a igualdade das pessoas LGBT na vida da igreja. Foto cortesia da Primeira Igreja Metodista Unida Moheto.

Primeira igreja na África se reconcilia

Uma congregação Metodista Unida no sudoeste do Quênia votou a favor da igualdade total das pessoas LGBT na vida da igreja.
Área Geral da Igreja
O Bispo John K. Yambasu, da Serra Leoa, discursa em uma reunião do Colégio de Bispos da África em Mutare, Zimbábue. Os bispos disseram que a igreja continuaria na África após a Conferência Geral de 2020. Foto de Tim Tanton, Notícias MU.

Bispos africanos se opõem a planos de separação

Em uma declaração no final do retiro do Colégio dos Bispos da África, os bispos disseram que a igreja continuaria na África depois da CG2020.