A decisão da DACA traz alegria, mas a batalha não acaba

Other Manual Translations: English español
The Rev. Orlando Gallardo Parra (right), pastor of Drexel United Methodist Church in Drexel, Mo., and a DACA recipient, has been married to his wife, Emily, for four years. “DACA has made it possible for me to be ordained in the United Methodist Church (and) to get a job as a pastor.” Photo courtesy of Rev. Gallardo Parra.
O reverendo Orlando Gallardo Parra (à direita), pastor da Igreja Metodista Unida Drexel em Drexel, Missouri, e um beneficiário da DACA, está casado com sua esposa, Emily, há quatro anos. "O DACA tornou possível para mim ser ordenado na Igreja Metodista Unida (e) conseguir um emprego como pastor." Foto cedida por Rev. Gallardo Parra. 
Quando o reverendo Orlando Gallardo Parra esteve diante de sua congregação na Igreja Metodista Unida de Drexel, Missouri, em 21 de junho para pregar a palavra de Deus, ele estava respirando um pouco mais fácil e seu sorriso ficou um pouco mais brilhante depois que a Suprema Corte dos EUA confirmou a Deferred Action for Childhood Arrivals (Ação Deferida para Chegadas na Infância).
 
Gallardo Parra é um dos cerca de 650.000 jovens que são beneficiários da DACA - um programa iniciado pelo presidente Obama em 2012 para proteger crianças imigrantes trazidas ou enviadas quando crianças para os EUA por um parente. A Suprema Corte decidiu em 18 de junho que o programa, que está sob fogo desde a sua criação, poderia continuar.

“O DACA me possibilitou ser ordenado na Igreja Metodista Unida, conseguir um emprego como pastor, obter uma carteira de motorista, obter um número de Seguro Social, obter crédito e comprar uma casa”, Gallardo Parra disse à Notícias Metodista Unida.

What does the church say?

The church has called for passage of the Dream Act since 2012. See Book of Resolutions, #3164
Read UMNS coverage of the church’s ministry with migrants
Learn more about the work of National Justice for Our Neighbors

Ouvir a decisão da Suprema Corte lhe dá esperança, disse ele. Mas a batalha ainda não acabou.
 
“Continuarei orando e esperando por mais progresso. Um dia, espero que o governo dos EUA permita que os beneficiários da DACA obtenham cidadania. Eu próprio faria o teste para me tornar um cidadão hoje, se pudesse”, afirmou. “Eu considero os EUA meu país agora. Eu moro nos Estados Unidos há 22 anos.”

O Rev. Rob Rutland-Brown, diretor da National Justice for Our Neighbors (Justiça Nacional para Nossos Vizinhos), escreveu que estava "muito feliz" com a notícia, mas ele também disse que há mais trabalho a ser feito. 

A NJFON, uma rede Metodista Unida, apoia um ministério que fornece serviços jurídicos de imigração gratuitos ou de baixo custo para imigrantes de baixa renda, refugiados e requerentes de asilo. A NJFON tem 18 locais em todo o país que também se envolvem na defesa da justiça imigrante e oferecem educação às comunidades de fé e ao público.

"A juventude imigrante organizou e desafiou bravamente o governo levando a luta ao Supremo Tribunal dos Estados Unidos", disse Rutland-Brown. "Hoje, a Suprema Corte concordou com os peticionários em uma verdadeira vitória da justiça."

Claudia Marchan, uma beneficiária da DACA que é diretora da Justiça do Norte de Illinois para Nossos Vizinhos, foi trazida para os EUA por sua mãe aos 4 anos de idade.
 
 “Moro nos Estados Unidos há 33 dos meus 37 anos de vida. Eu fui para o jardim de infância aqui, consegui meu diploma de bacharel aqui, meu mestrado aqui, me casei aqui, tive meus filhos aqui e comemorei o aniversário de 60 anos da minha mãe aqui”, escreve ela. 

Claudia Marchan (center), executive director for North Illinois Justice for Our Neighbors, with her daughter Ximena, and son Enrique. Marchan is a DACA recipient. Photo courtesy of Justice for Our Neighbors website.
Claudia Marchan (centro), diretora executiva da North Illinois Justice for Our Neighbors, com a filha Ximena e o filho Enrique. Marchan é um destinatário da DACA. Foto cortesia do site Justice for Our Neighbors. 

Marchan chamou a decisão de "gratificante e surpreendente".

A votação na Suprema Corte foi de 5 a 4, com o juiz John Roberts escrevendo a opinião.

"Não decidimos se o DACA ou sua rescisão são políticas sólidas", escreveu Roberts. "A sabedoria dessas decisões não é da nossa preocupação. Aqui, abordaremos apenas se a Administração cumpriu os requisitos processuais da lei que insistem em 'uma explicação fundamentada para sua ação.' "

Em 5 de setembro de 2017, o governo Trump encerrou o programa DACA, deixando de permitir que novos americanos elegíveis para o DACA se candidatassem ao DACA e impactando milhares de famílias que moram nos EUA. O presidente Trump disse em 19 de junho, que renovaria os esforços de seu governo para finalizar o programa.
 
Os beneficiários da DACA são nossos vizinhos, disse a Revda. Susan Henry-Crowe, principal executiva do Conselho Metodista Unido de Igreja e Sociedade.
  
“Os destinatários do DACA são amigos, familiares e líderes em nossas congregações e comunidade que, como todos, merecem dignidade, boas-vindas e a oportunidade de florescer. Nós, chamados por Cristo a amar o próximo, afirmamos o valor, a dignidade e o valor inerente dos Sonhadores, de suas famílias e de todos os migrantes ”, disse ela.

Ela instou o Congresso a criar uma solução legislativa permanente, aprovando "uma Lei do Sonho limpo".

O Rev. John L. McCullough, presidente e CEO do Serviço Mundial da Igreja, disse que a decisão é “uma vitória importante na luta por todos os imigrantes e parte de um movimento maior que exige justiça, equidade, desinvestimento de sistemas e instituições racistas, e investimentos em comunidades negras e comunidades de cor.


Supporters march in Nashville, Tenn., in 2017 in favor of Deferred Action for Childhood Arrivals, an Obama-era program that prevents immigrants who were brought to the U.S. as children from being deported. The Supreme Court on June 18 blocked the Trump administration’s attempt to end the program. File photo by Kathleen Barry, UM News.

Apoiadores marcham em Nashville, Tennessee, em 2017, em favor daDeferred Action for Childhood Arrivals (Ação Diferida para Chegadas de Infância), um programa da era Obama que impede que imigrantes que foram trazidos para os EUA quando crianças sejam deportados. A Suprema Corte, em 18 de junho, bloqueou a tentativa do governo Trump de encerrar o programa. Foto de arquivo de Kathleen Barry, Notícias MU.

 

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

"Eu continuo orando para que as coisas melhorem", acrescentou ele por email. "Continuarei orando pelo meu país de origem, os Estados Unidos. Continuarei orando por todos os filhos de Deus fazendo o trabalho de Deus pelo progresso, para manter viva a fé e a esperança deles. Continuarei orando pelas almas perdidas que odeiam seus irmãos e irmãs, mas chamam isso de amor a Jesus. Deus, ofereço essas orações, não a minha vontade, mas a sua seja feita. Deus, eu sei que você tem sonhos maiores que eu. Amém. "

De acordo com o Center for American Progress (Centro para o Progresso Americano), os beneficiários do DACA obtiveram diplomas avançados, iniciaram negócios, compraram casas e tiveram filhos que são cidadãos dos EUA e 90% têm empregos. De fato, 29.000 são profissionais de saúde, trabalhando na linha de frente da resposta COVID-19.

Marchan se autodenomina "DACAmented".

"Muitos desses imigrantes do DACAmented arriscaram suas vidas em empregos na linha de frente todos os dias durante esta pandemia, enquanto se preocupavam em perder as proteções do DACA todas as noites", disse ela.

“Essa realidade nos deixou aquém do sonho americano e, em vez disso, nos deixou em um pesadelo. Hoje, podemos comemorar o despertar desse pesadelo, pois, mais uma vez, temos a oportunidade de compartilhar o sonho americano.”

 

*Gilbert é redatora de notícias da Notícias MU. Entre em contato com ela pelo telefone (615) 742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

 

 

 

 

 

 

 

 

Preocupações Sociais
O Rev. Gilbert Caldwell, pastor aposentado Metodista Unido e ativista dos direitos civis que marchou ao lado do Rev. Martin Luther King Jr., fala durante uma reunião do Black Lives Matter em 7 de junho em Willingboro, NJ. À direita de Caldwell está sua esposa, Grace Caldwell. À esquerda de Caldwell está a Revda. Vanessa Wilson, presidente da Comissão de Raça e Religião da Conferência Greater New Jersey e pastora da Igreja Metodista Unida Good Shepherd em Willingboro. O protesto foi um dos muitos ocorridos nos EUA em cidades menores envolvendo metodistas unidos. Foto de Aaron Wilson Watson.

Comunidades menores são afetadas por protestos

Os Metodistas Unidos se envolveram em comícios da Black Lives Matter em pequenas cidades e cidades de médio porte.
Área Geral da Igreja
O Bispo Kenneth H. Carter profere o sermão e a bênção durante o culto de abertura da Conferência Geral Metodista Unida de 2019, em St. Louis. Foto de arquivo de Kathleen Barry, UM News.

Delegados: use o atraso do GC2020 para obter uma nova visão

Um grupo informal de delegados da Associação Geral está convidando os membros da igreja a usar o adiamento para projetar uma nova visão para a igreja.
Missão
A diaconisa metodista unida Cindy Johnson visita regularmente os migrantes que vivem em um acampamento em Matamoros, México, enquanto procuram asilo nos Estados Unidos. O medo do coronavírus impediu que pessoas como Johnson fossem capazes de ministrá-las pessoalmente. Foto cedida por Cindy Johnson.

Pandemia ameaça ministério com migrantes

Os Metodistas Unidos estão ajudando, mas são prejudicados pela pandemia do COVID-19, que os impede de interagir pessoalmente com os migrantes.