Igrejas são incentivadas a se relançar, não apenas reabrir

Other Manual Translations: English Español

Pontos chave:

 • As igrejas foram forçadas a mudar pela pandemia.

 • A receptividade à mudança continua à medida que as restrições aumentam.

 • Os pastores encontraram sinais de esperança na pandemia, incluindo oportunidades de revisitar as práticas do ministério.


 

A adoração presencial está acontecendo novamente na Primeira Igreja Metodista Unida em Denton, após uma pausa de 400 dias por causa do COVID-19.

O reverendo Don Lee parecia prestes a levitar ao saudar uma longa fila de fiéis após o culto de reabertura de 6 de junho.

"Você é tão lindo!" ele gritou com emoção.

Mas por mais feliz que ele esteja por se reunir, o pastor sênior não anseia pela normalidade pré-pandêmica na Primeira de Denton.

Lee e o reverendo Jonathan Perry, pastor executivo de liderança estratégica, pretendem construir sobre o sucesso de sua igreja em alcançar pessoas online e por meio de transmissões locais de serviços na TV. Eles estão procurando sacudir o cronograma do serviço de adoração, redirecionar os programas e evangelismo, e fazer com que certos espaços da igreja sejam mais amigáveis ao usuário.

“Temos uma oportunidade, uma oportunidade rara, de relançar nossa igreja”, disse Lee.

The Rev. Don Lee, senior pastor of First United Methodist Church in Denton, Texas, greets people arriving for a June 6 service. Lee says the church wants to draw on lessons learned during the pandemic, including continuing its online presence. Photo by Sam Hodges, UM News.

O Rev. Don Lee, pastor sênior da Primeira Igreja Metodista Unida em Denton, Texas, cumprimenta as pessoas que chegam para um culto em 6 de junho. Lee diz que a igreja deseja aproveitar as lições aprendidas durante a pandemia, incluindo a continuidade de sua presença online. Foto de Sam Hodges, Notícias MU.

Milhares de igrejas Metodistas Unidas nos Estados Unidos estão saindo das restrições da pandemia e, em meio às felizes reuniões, estão avaliando o que passaram e o que virá a seguir. Os especialistas em liderança da Igreja tornaram-se pregadores neste momento, implorando ao clero e aos líderes leigos para não perderem uma oportunidade de mudança.

 O Notícias MU publica artigos ocasionais sobre como a Igreja Metodista Unida está emergindo da pandemia COVID-19. Foco de hoje: Vida na Igreja e Adoração. 

Notícias UM está fazendo artigos ocasionais sobre como a Igreja Metodista Unida está emergindo da pandemia COVID-19. O foco de hoje: vida da igreja e adoração. 

Leia a primeira história da série, Igrejas emergindo do Coronavírus.

“Estamos numa encruzilhada”, disse Tim Snyder, pesquisador sênior do Centro Lewis para liderança da Igreja e professor assistente visitante de teologia prática no Seminário Teológico Wesley. “Voltaremos a essas formas de ser a igreja que estão em declínio constante há várias décadas ou vamos arriscar a possibilidade de que o Espírito de Deus está mais uma vez prestes a fazer novas todas as coisas?”

Thom Rainer, que lidera o grupo de consultoria Church Answers, recentemente fez um webinar sobre a igreja pós-pandemia para a Conferência do Texas. Ele previu que a pandemia acelerará o declínio de membros e de comparecimento, visto há muito tempo pelas denominações.

Mas Rainer também vê oportunidade.

“Há mais abertura para mudar do que havia”, disse ele por telefone. “É uma janela que vai fechar.”

Até mesmo pastores cujas igrejas estão acostumadas a crescer concordam que a pandemia gerou uma inovação que precisa continuar.

“Gosto de dizer que passamos por uma reforma forçada do COVID”, disse o Rev. Duane Anders, pastor da Catedral de Rockies / Primeira Igreja Metodista Unida, em Boise, Idaho.

Anders tem ensinado recentemente em classes para novos membros, onde um terço das pessoas nunca experimentou a igreja a não ser online.

“Tenho uma multidão de pessoas dizendo: 'Amamos nossa igreja. Algum dia adoraríamos ver o prédio'”, disse ele.

The Rev. Duane Anders offers greetings on June 6 to parishioners happy to be worshipping together again at the Cathedral of the Rockies/First United Methodist Church in Boise, Idaho. Photo by Svend Knutsen.

O Rev. Duane Anders oferece saudações em 6 de junho aos paroquianos felizes por estarem adorando juntos novamente na Catedral de Rockies  / Primeira Igreja Metodista Unida em Boise, Idaho. Foto de Svend Knutsen.

Em grande parte do mundo, a pandemia continua a ser uma grande ameaça e, mesmo em partes dos Estados Unidos, as restrições foram suspensas recentemente, com algumas igrejas ainda planejando sua reabertura.

Um quadro estatístico completo dos efeitos da pandemia na Igreja Metodista Unida levará muito tempo, mas as indicações estão surgindo.

A Conferência das Great Plains, por exemplo, relatou recentemente que a frequência ao culto caiu quase 56% em 2020, mesmo incluindo a participação online. As profissões de fé despencaram, assim como a participação no trabalho missionário.

Pastor Margie Briggs. Photo © Lifetouch National School Studios Inc., used with permission.

Pastor Margie Briggs. Foto © Lifetouch National School Studios Inc., usada com permissão.

A Comunicações Metodista Unida fez quatro pesquisas com pastores desde o início da pandemia. Um relatório sobre o último - feito em maio e início de junho - será postado no ResourceUMC nas próximas semanas.

Os resultados preliminares mostram que a maioria das igrejas está se mantendo financeiramente, graças em parte à ajuda do Programa de Proteção ao Pagamento. A pesquisa reflete a preocupação sobre quando ou se o atendimento presencial voltará a ser o que era antes do COVID-19.

Isso certamente é sentido por Margie Briggs, uma ministra leiga cuja experiência na liderança de duas igrejas da Associação rural do Missouri é capturada em suas memórias. "Você pode simplesmente levá-las até o Natal?"

“Ir à igreja é um hábito”, disse Briggs por telefone. “É um bom hábito, mas depois que você o tira, é difícil voltar a adquiri-lo.”

Uma de suas igrejas está vendo cerca de 60 por cento de sua participação pré-pandemia, e a outra está em cerca de 50 por cento.

Essas porcentagens parecem ser comuns. Ainda assim, a grande maioria dos pastores que responderam à pesquisa UMCom se sentem esperançosos.

Muitos falaram de sinais de esperança que encontraram na pandemia, incluindo superar o medo de usar a tecnologia, experimentar um maior trabalho em equipe entre os funcionários e ter a chance de reavaliar os esforços do ministério.

"Isso permitiu que algumas coisas fossem embora, coisas que nunca teriam desaparecido se a pandemia não tivesse ocorrido", disse o Rev. Rodney Smothers, diretor de desenvolvimento de liderança da Conferência de Baltimore-Washington e pastor da Igreja Metodista Unida Grace em Fort Washington, Maryland.

The Rev. Rodney Smothers. Photo courtesy Baltimore-Washington Conference.
O Rev. Rodney Smothers. Foto cedida pela Conferência Baltimore-Washington.

Smothers escreveu o prefácio de “Sendo a Igreja em um Mundo Pós-Pandêmico”, um novo livro de Kay Kotan, que serviu nos gabinetes de duas conferências anuais e agora é consultor de igrejas e conferências.

Ela está entre as conferências de especialistas que estão promovendo eventos por meio de webinars e outros locais para ajudar as igrejas neste momento, e ela está entre aquelas que dizem que as igrejas devem aproveitar o dia.

“Em vez de apenas reabrir as portas, esta é uma oportunidade de relançar a igreja na comunidade”, disse ela. “Se eu agitasse uma varinha mágica, adoraria ver todos nós sendo treinados como plantadores de igrejas e ter a mentalidade desse plantador.”

O Rev. Clayton Smith, ex-pastor executivo de mordomia e generosidade da Igreja Metodista Unida Resurrection, em Leawood, Kansas, é outro que está sendo chamado para webinars da conferência. Ele co-escreveu um livro chamado “Growing Through Disaster” (Crescendo durante o desastre), que foi lançado pouco antes da pandemia.

O livro é voltado para comunidades religiosas que sofreram desastres naturais, mas Smith disse que a pandemia representa um teste igualmente severo.

“Agora é a hora de todas as igrejas pensarem em um plano de recuperação e examinar as necessidades de seu povo”, disse ele. “Ele precisa se basear não tanto na igreja, mas nas necessidades das pessoas às quais a igreja está servindo - um foco de missão.”

Choir members at First United Methodist Church in Denton, Texas, offer an anthem for a June 6 worship service. This marked the first time the church had gathered in the sanctuary since the pandemic closed churches in March 2020. Photo by Sam Hodges, UM News.

Os membros do coro da Primeira Igreja Metodista Unida em Denton, Texas, oferecem um hino para o culto de 6 de junho. Isso marcou a primeira vez que a igreja se reuniu no santuário desde que a pandemia fechou igrejas em março de 2020. Foto por Sam Hodges, Notícias MU.

 

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

A Fundação Metodista do Texas faz empréstimos às igrejas, mas nos últimos anos também forneceu treinamento de liderança da igreja. Fazer com que os líderes da igreja façam um discernimento sério, para determinar o que Deus os está chamando para fazer e que estejam dispostos a sair de suas rotinas - isso é uma grande parte do trabalho da fundação.

O COVID-19 forçou até certo ponto o discernimento e a ação das igrejas, sugere Tom Locke, presidente da fundação.

“Um dos efeitos da pandemia é que ela acelerou as mudanças”, disse ele.

A Revda. Lisa Greenwood, vice-presidente da Fundação Metodista do Texas para o ministério de liderança, disse que a mudança tem que ir além do superficial.

“Espero que as igrejas estejam fazendo perguntas profundas sobre discipulado e formação e como os indivíduos estão sendo formados e moldados, particularmente no espaço online”, disse ela.

Recursos

Especialistas em liderança de conferências e igrejas estão oferecendo ajuda para as igrejas encontrarem seu caminho durante o período pós-pandemia. Alguns exemplos:

Os Ministérios de Discipulado organizaram um webinar intitulado “Adaptive Stewardship in the Post-Pandemic Church” (Administração adaptativa na igreja pós-pandemia) baseado em especialistas da Fundação Metodista do Texas, Horizons Stewardship e Instituto de Fé e Doação Lake.

Kay Kotan escreveu o livro “Sendo a Igreja em um Mundo Pós-Pandêmico” e a Conferência de Baltimore-Washington publicou um artigo resumindo o conteúdo.

Thom Rainer da Church Answers foi apresentado em um webinar “Post-Quarantine Church” (Igreja Pós-quarentena) oferecido pela Conferência do Texas.

Os Ministérios de Discipulado reuniram os Revs. Clayton Smith e Ken Sloane para um webinar intitulado “Comece a Planejar o Ministério de Recuperação COVID-19 de Sua Igreja Agora!”

Na Igreja Metodista Unida Desert Spring em Las Vegas, o Rev. David Devereaux pregou recentemente uma série de sermões em quatro partes sobre "prioridades pós-pandemia".

Há alguns meses, ele e sua equipe tomaram a difícil decisão de fechar o segundo campus da igreja. O dinheiro economizado servirá para fortalecer ainda mais a presença online da igreja.

Desert Spring também planeja expandir seu centro de recursos comunitários, tendo visto a insegurança alimentar e outros desafios aumentados durante a pandemia.

“Isso é uma vantagem para nós daqui para frente”, disse Devereaux.

Na Primeira Igreja Metodista Unida em Miami, a Revda. Audrey Warren há muito advoga pelo risco dos líderes da igreja. Ela é coautora (com o bispo Ken Carter) de “Fresh Expressions of People Over Property” (Novas expressões de pessoas sobre propriedade), que desafia as igrejas a considerarem a reutilização de seu espaço de construção.

Antes da pandemia, os pequenos grupos da Primeira de Miami se reuniam pessoalmente. Agora estão todos no Zoom, e isso vai continuar.

“Miami é uma cidade grande e é difícil ir às reuniões à noite”, disse Warren. “Tivemos um atendimento melhor do que nunca, mesmo agora que as coisas estão se abrindo.”

De volta a Primeira de Denton, o momento está crescendo para um culto de 15 de agosto que marcará um retorno total às atividades presenciais, bem como mudanças no programa de adoração e outros aspectos da vida da igreja.

“Um novo normal” é como Don Lee, o pastor sênior, descreve para onde a igreja está indo.

Mas qualquer serviço futuro terá dificuldade em superar a reabertura de 6 de junho. Carol Rogers, presidente do comitê de relações da paróquia, chegou cedo.

“À medida que o santuário começou a encher”, disse ela, “eu queria fazer uma dança feliz”.

 

* Hodges é redator do Notícias Metodista Unida em Dallas. Contate-o em 615-742-5470 ou [email protected] . Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

 

 

 

 

 

 

Preocupações Sociais
O Rev. Joel Hortiales (à esquerda) ora com Carlos Ivan Baran Hidalgo; sua esposa, Danelly Mazariegos Morales; e sua filha de 3 anos, Scarlett Juliette, no abrigo Camino de Salvación em Tijuana, México. A família fugiu da violência na Guatemala e espera entrar com um pedido de asilo nos EUA. Hortiales é um missionário Metodista Unido e atua como diretor de ministérios hispânicos / latinos e questões de fronteira para a Conferência California-Pacific.

"Eu era um estranho"

Em setembro, uma equipe do Notícias MU acompanhou os líderes de La Igreja Metodista Unida e Igreja Metodista de México A.R. visitar comunidades migrantes ao longo da fronteira EUA-México para mostrar, através das lentes do fotojornalista Mike DuBose, os esforços que as igrejas fazem para ministrar às pessoas necessitadas que estão esperando por uma solução para sua situação de imigração.
Evangelismo
O Rev. Taurai Emmanuel Maforo. Foto de Mutsa Roy Maforo.

A igreja virtual é o novo paradigma do ministério

A mudança de reuniões cara a cara para uma “igreja sem paredes” era considerada impensável apenas alguns anos atrás, mas os fechamentos desencadeados pela pandemia COVID-19 aceleraram a prática do ministério online.
Evangelismo
O Rev. Taurai Emmanuel Maforo. Foto de Mutsa Roy Maforo.

A igreja virtual é o novo paradigma do ministério

A mudança de reuniões cara a cara para uma “igreja sem paredes” era considerada impensável apenas alguns anos atrás, mas os fechamentos desencadeados pela pandemia COVID-19 aceleraram a prática do ministério online.