Igrejas fornecem vacinas contra COVID-19 para milhares de pessoas

Other Manual Translations: English español

Em 30 de abril, a Casa Branca anunciou que os Estados Unidos haviam vacinado oficialmente 100 milhões de adultos. A Igreja Metodista Unida St. Mark's em Charlotte, Carolina do Norte, ajudou a alcançar essa marca. 

No mesmo dia daquele marco significativo, a St. Mark sediou uma clínica de vacinação, administrando cerca de 400 doses. É uma das 15 Igrejas Metodistas Unidas da área de Charlotte que servem como local de vacinação. O esforço, organizado pelo Distrito Metropolitano da Conferência Oeste da Carolina do Norte, resultou em aproximadamente 3.800 vacinações até agora. 

“Como as igrejas estão na comunidade, há um fator de confiança”, disse a Revda. Stephanie Moore Hand, que tem doutorado em ministério e atua como estrategista de vitalidade do distrito. “Sessenta por cento da população não vai à igreja, mas em uma crise, eles correm para a igreja. É um espaço seguro para as pessoas virem.” 

O Rev. Otto Harris, pastor de St. Mark's, disse que as clínicas estão de acordo com a tradição metodista e herança wesleyana.  

“Isso está contribuindo para o bem-estar de nossos vizinhos e consideramos um grande privilégio ser uma pequena parte da solução”, disse ele. 

The Rev. Dr. Stephanie Moore Hand (left) and her daughter Ashlee Hand monitor the line of people waiting to receive a COVID-19 vaccination at St. Mark’s United Methodist Church in Charlotte, N.C. Photo by Mike DuBose, UM News.

A Revda. Dra. Stephanie Moore Hand (à esquerda) e sua filha Ashlee Hand monitoram a fila de pessoas esperando para receber a vacinação COVID-19 na Igreja Metodista Unida de St. Mark's em Charlotte, NC.

 

St. Mark's é uma congregação afro-americana em um bairro predominantemente afro-americano e latino, e ambos os grupos estão sendo vacinados a uma taxa muito menor nos Estados Unidos do que a população branca. A falta de acesso e a desconfiança médica são dois fatores que contribuem para esses números, e a igreja espera que isso possa ajudar em ambas as frentes.

A igreja hospedou anteriormente o teste COVID-19, e 30 de abril foi sua segunda vez como local de vacinação. Antes da primeira clínica, St. Mark's trouxe profissionais médicos para cultos de adoração para falar sobre a segurança da vacina e responder a perguntas ou preocupações de qualquer um. 

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

“Dissemos que é uma vacina segura”, disse o curador da igreja André Dingle. “Procuramos ser esse farol na área e abrir a igreja para todos; essa é a nossa responsabilidade.” 

O membro da Igreja Tena Armstrong, que trabalhava na clínica, concordou. 

“Para controlar esse vírus, todos nós precisamos ser vacinados e usar máscara. O bairro confia em nós e podemos ser o exemplo para eles”, afirmou. 

 

Patients form a line in the church sanctuary as they wait to receive a COVID-19 vaccination at St. Mark’s United Methodist Church in Charlotte, N.C. Those who have already received their dose wait in the background while being monitored for any possible side effects. Photo by Mike DuBose, UM News.

Os pacientes fazem fila no santuário da igreja enquanto esperam para receber a vacinação COVID-19 na Igreja Metodista Unida St. Mark's em Charlotte, Carolina do Norte. Aqueles que já receberam a dose aguardam em segundo plano enquanto são monitorados para quaisquer possíveis efeitos colaterais. 

 

Harris disse que algumas pessoas que vieram em busca de vacinas disseram a ele que só vieram porque a igreja era a anfitriã. Ele mencionou um jovem que estava hesitante em receber a injeção, mas ficou consolado por ter alguém da igreja falando com ele enquanto esperava. 

Carl Wood, presidente e gerente de farmácia da Vax Van by MVS, a empresa que administra as vacinas, disse que as igrejas têm sido excelentes parceiras. 

“Acho que a UMC definiu o ritmo no que diz respeito a alcançar a comunidade”, disse ele. “Trabalhar com um parceiro da comunidade como uma igreja local oferece um certo fator de confiança. Ninguém me conhece, mas eles conhecem o pastor. Eles vêm aqui, veem pessoas que conhecem e entendem que essas pessoas nos avaliaram.” 

Carl Wood draws a dose of the Moderna COVID-19 vaccine during a clinic at St. Mark’s United Methodist Church in Charlotte, N.C. Wood is president and pharmacy manager of Vax Van by MVS, the company administering the vaccines. Photo by Mike DuBose, UM News.

Carl Wood administra uma dose da vacina COVID-19 da Moderna durante uma clínica na Igreja Metodista Unida de St. Mark's em Charlotte, Carolina do Norte. Wood é presidente e gerente de farmácia da Vax Van pela MVS, a empresa que administra as vacinas. 

Se alguém entrar um pouco hesitante, o membro da igreja James Horne disse que é seu trabalho “estimulá-los e dar-lhes um pouco de coragem”. 

“Uma senhora perguntou da última vez se ia doer e eu disse que não, e ela disse: 'Se doer, vou voltar e dançar em seus pés'”, disse ele, mas ela apareceu para a segunda dose e não teve que cumprir sua ameaça. 

“Ela disse: 'Estou feliz por ter voltado', e isso fez o meu dia”, disse Horne. 

Moore Hand, que ajudou a organizar o esforço distrital, disse que é importante enfatizar a hospitalidade e contar com as conexões para trazer o máximo de pessoas possível.

“Você tem que sacudir as árvores das redes que você tem em sua comunidade e congregações”, disse ela, acrescentando que as igrejas precisam alcançar os meios de comunicação locais e o rádio. Igrejas em cidades universitárias também precisam convidar alunos, uma vez que essa faixa etária atualmente não está sendo vacinada em altas taxas.

“Você precisa eliminar o máximo de barreiras possível”, disse ela.

Várias das igrejas estão localizadas em áreas com grandes populações indocumentadas e sua situação torna menos provável que busquem a vacina. Moore Hand disse que nenhum dos locais da igreja pede prova de seguro ou identidade e todos eles têm tradutores disponíveis. 

O Rev. Jonathan Coppedge-Henley, pastor da Igreja Metodista Unida Cokesbury, disse que sua igreja teve que traçar estratégias para convidar sua comunidade multiétnica e de língua não inglesa, que inclui hispânicos, caribenhos, africanos, haitianos, europeus orientais, cambojanos e Residentes do Nepal. Eles tiveram uma de vacinação no dia 13 de maio. 

A igreja trabalha em estreita colaboração com uma assistente social de uma escola primária próxima para promover eventos como a clínica de vacinação e obtém informações através dos serviços de apoio a refugiados da escola. 

The Rev. Otto Harris (right) visits with church volunteer Andra Sutton outside St. Mark’s United Methodist Church in Charlotte, N.C., which was holding a COVID-19 vaccination clinic, while other volunteers prepared snack bags for vaccine recipients as they exited the church. From left are: Walter Hand III, Patricia Moore and André Dingle. Photo by Mike DuBose, UM News.

O Rev. Otto Harris (à direita) visita a voluntária da igreja Andra Sutton do lado de fora da Igreja Metodista Unida de St. Mark's em Charlotte, NC, que mantinha uma clínica de vacinação COVID-19, enquanto outros voluntários preparavam sacolinhas para os destinatários da vacina quando saíam da igreja. A partir da esquerda: Walter Hand III, Patricia Moore e André Dingle.  

“Produzimos uma folha com informações sobre vacinação em nove idiomas diferentes e colocamos panfletos em inglês e espanhol”, disse ele. Eles enviaram mensagens no WhatsApp, realizaram eventos educacionais na igreja para responder a perguntas sobre a vacina e encorajaram todos a promoverem através do boca a boca também. 

Moore Hand disse que as igrejas devem buscar parcerias com serviços móveis se estiverem localizadas em comunidades com grande número de residentes que não podem sair de casa ou se não estiverem perto do transporte público. Dessa forma, eles irão para onde as pessoas estão, em vez de esperar que as pessoas venham até eles. 

“Se houver disparidades econômicas, de saúde ou educacionais, mostre a eles que a igreja está aqui para ajudar a preencher essas lacunas e entender quais são as necessidades”, disse ela. “Precisamos mostrar que, como igreja, não estamos aqui apenas para adorar no domingo, mas buscando um estilo de vida holístico.” 

Coppedge-Henley disse: “Temos que aparecer e continuar aparecendo para que eles saibam que não vamos parar de aparecer”. 

Booker Hopkins celebrates after receiving a COVID-19 vaccination during a clinic at St. Mark’s United Methodist Church in Charlotte, N.C. Photo by Mike DuBose, UM News.

Booker Hopkins comemora após receber a vacinação COVID-19 durante uma clínica na Igreja Metodista Unida de St. Mark's em Charlotte, NC. 

 

 

* Butler é produtor / editor de multimídia e DuBose é fotógrafo da equipe da Notícias MU. Contate-os em (615) 742-5470 ou [email protected] Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

 

Missão
IAMSCU é uma associação mundial conectada a mais de 1.000 instituições em 80 países e 5 continentes. Cortesia gráfica de IAMSCU.

Declaração da IAMSCU sobre Equidade Global da Vacina

A Declaração Global da IAMSCU sobre Equidade de Vacinas é o resultado de um processo de consulta que trouxe líderes, profissionais de saúde pública, acadêmicos e ativistas de 5 continentes.
Missão
Parte da instalação de arte na Igreja Metodista Unida Epworth, na 1953 Hopkins Street em Berkeley. Foto cortesia do IMU Epworth.

IMU Epworth revela instalação de arte em homenagem às afro-americanos mortos pela polícia

A arte em exibição é o culminar do mergulho profundo dos membros da igreja e da pesquisa sobre a vida de 18 pessoas mortas em suas interações com a polícia.
Missão
Durante as consultas em Mabumbuza, Moçambique, mães com seus filhos menores passam da esquina farmacêutica para receberem medicamentos. Foto de António Wilson.

Metodistas Unidos e clínicas móveis dão esperança aos moçambicanos

Os cuidados de saúde na população moçambicana ainda estão aquém do desejado, particularmente para as comunidades rurais que não tem hospitais, muito menos clínicas.