Capelães consolam e compartilham da tristeza durante o COVID-19

Other Manual Translations: English Español

O som de "Taps" (Toque do silêncio), tocado por um trompetista solitário, ecoou no pátio da comunidade de aposentados de Dallas, em homenagem a um morador recentemente falecido. O distanciamento social por causa do COVID-19 significava que a viúva de luto, Joan Jackson, mantinha distância do músico John Gould, de 94 anos. O mesmo fizeram outros residentes da comunidade do CC Young Senior Living, que apesar disso, viram o tributo em 22 de março a Bob Jackson de suas varandas e outras partes da comunidade.

John Gould plays a hymn on his trumpet for Joan Jackson in the courtyard of the CC Young Senior Living community in Dallas after Jackson’s husband Robert passed away Sunday, March 22, 2020. When social distancing prevented a typical memorial service, Gould offered to play a few hymns outside in the common area. Photo from video by Eric Markinson. 

John Gould toca um hino em sua trombeta para Joan Jackson no pátio da comunidade CC Young Senior Living em Dallas, depois que o marido de Jackson, Robert, faleceu no domingo, 22 de março de 2020. Quando o distanciamento social impedia um serviço memorial típico, Gould se ofereceu para tocar alguns hinos ao lado de fora, na área comum. Foto do vídeo de Eric Markinson.

 "Estou muito emocionado com a oferta de John de fazer isso em memória de Bob e de CC Young permitir", disse Joan Jackson a um representante do CC Young, que compartilhou com o Notícias Metodista Unida. "Parecia um memorial adequado para Bob, já que não podíamos realizar o serviço memorial tradicional de sempre."

A flexibilidade é fundamental para os capelães metodistas unidos, pois lidam com famílias que não conseguem ver seus entes queridos - às vezes até moribundos - por causa do coronavírus que matou milhares enquanto se espalha pelo mundo.

"Acho que estamos aprendendo novas maneiras de cuidar um do outro", disse a Revda. Kellie Sanford, pastora metodista unida da CC Young. “Gosto de pensar nisso agora que estamos alcançando nossos corações, em vez de apenas de nossas mãos. Eu acho que há algo de bom que está evoluindo a partir disso, mesmo que isso torne o nosso trabalho um pouco mais desafiador e leve mais tempo.”

Os capelães metodistas unidos em hospitais, comunidades de aposentados e hospícios estão navegando em novos caminhos, pois o contato pessoal com o qual eles contam para ajudar a confortar suas acusações é eliminado ou severamente reduzido. Dar apoio emocional e pastoral é muito mais difícil nessas condições.

"Eles estão tendo que ser muito criativos em como continuam a apoiar as pessoas por causa das condições em que estão fazendo isso", disse o Rev. Mitchell Lewis, diretor de endosso e agente endossante da Junta Metodista Unida de Ensino Superior e da Agência Metodista Unida de Endosso do Ministério.

The Rev. Kellie Sanford leads a worship service by closed circuit television at the CC Young Senior Living facility in Dallas. Photo by Jennifer Griffin. 

A Revda. Kellie Sanford lidera um culto pela televisão em circuito fechado na instalação CC Young Senior Living em Dallas. Foto de Jennifer Griffin. 

“Algumas das pessoas que eles visitam podem ser da porta, em vez de estarem diretamente ao lado da cama. ... ouvi falar de um capelão que está dando abraços virtuais à distância.”

Os exames de Heath em instalações como a Comunidade de Aposentadoria de Westminster, em Winter Park, Flórida, levam tempo e a gerência sênior não está isenta, disse o Rev. Jeffrey Parkkila, capelão sênior.

"Estamos com temperatura controlada", disse Parkkila. “Qualquer coisa acima de 99 degrees (37 graus) não podemos entrar. ... Quando vou para casa todas as noites, não sei se vou poder voltar ao trabalho no dia seguinte.”

Sanford não pode mais reunir pessoas para cultos na igreja ou estudos bíblicos no CC Young.

"Temos uma estação de televisão em circuito fechado no campus, então agora estamos transmitindo no canal local aqui no culto da manhã de domingo", disse ela. “Na quarta-feira, estou estudando a Bíblia. Estamos fazendo isso por teleconferência.”

Faz parte do trabalho de um capelão também estar presente para a equipe, além de pacientes e familiares. 

The Rev. Amanda Borchik visits with a young patient at Monroe Carell Jr. Children’s Hospital at Vanderbilt in Nashville, Tenn. Borchik is staff chaplain at the facility. Photo by Cayce Long. 

A Revda. Amanda Borchik visita um paciente jovem no Hospital Infantil Monroe Carell Jr. em Vanderbilt, em Nashville, Tennessee. Borchik é capelão da equipe na instalação. Foto de Cayce Long.

"Estou tentando permanecer muito focado em manter um padrão de atendimento que crianças e famílias sempre receberiam aqui", disse a Revda. Amanda Borchik, capelã da equipe do Hospital Infantil Monroe Carell Jr. em Vanderbilt, em Nashville, Tennessee.

“E também fornecendo mais cuidados para nossa equipe. ... Minha congregação é formada por enfermeiros, médicos, terapeutas respiratórios, fisioterapeutas e assistentes sociais. Parte do meu trabalho é cuidar deles.

Existem cerca de 1.600 capelães endossados pela Igreja Metodista Unida, disse Lewis.

"Eles servem em uma variedade de configurações - saúde, militar, prisão", disse ele. “Alguns deles são diretores espirituais ou terapeutas comportamentais da saúde ou terapeutas matrimoniais e familiares. Até endossamos as pessoas para servirem como pastores interinos e life coaches (treinadores da vida)”. O endosso certifica que uma pessoa do clero é credenciada pela Igreja Metodista Unida e está autorizada a realizar ministérios religiosos exigidos nesses ambientes especiais.

A pergunta mais complicada que os capelães têm em tempos como estes é "Por quê?"

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

"Acho que pessoas realmente fiéis fazem essa pergunta há muito tempo", disse Borchik. Ela observou que Jesus fazia perguntas semelhantes: "Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?", durante sua crucificação e "Pai, se você estiver disposto, tire este cálice de mim", no Jardim do Getsêmani.

Borchik disse que essas perguntas costumam ser uma maneira de lamentar uma situação ruim ou trágica.

"Os Salmos também fazem isso", disse ela. Os Salmos 44, 60, 74, 79, 80, 85 e 90 são lamentos de profunda tristeza, geralmente evocados após desastres naturais, pragas ou opressões de outras nações.

"Às vezes, fazer uma pergunta é uma maneira de dizer algo que não sabemos como dizer", disse Borchik. “Então aprendi a ouvir essa pergunta como parte de nossa dor e aprendi a dizer 'não sei. Mas estou aqui, sinto muito e sei que Deus sofre conosco.'”

Eric Markinson, capelão do hospício no CC Young, disse que é importante lembrar aos cristãos que Jesus experimentou a vida e a morte, para que "lembremos que a vida continua sem fim na presença de Deus".

"Agora que a vida e a morte estão tão agudamente presentes eletricamente no coração, corpo e mente das pessoas, acho que é um lembrete ainda mais claro", disse ele. "Então, acho que a fé para mim é incrivelmente curadora."

Parkkila disse que ainda não havia um teste COVID-19 positivo na Comunidade de Aposentadoria de Westminster.

"Mas é um demônio e está chegando", disse ele. "Se houver algum tempo em que a humanidade precise se reunir, a hora eé agora."

 

*Patterson é repórter da Notícias MU, ambas com sede em Nashville, Tennessee. Entre em contato com ele pelo telefone 615-742-5470 ou [email protected] . Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

Missão
Uma equipa da Comissão Metodista Unida de Socorro, juntamente com agências parceiras, distribui suprimentos de tratamento de água para as pessoas que vivem em um campo improvisado em Gressier, Haiti, em 2010. A directoria dos Ministérios Globais Metodistas Unidos e da Comissão Metodista Unida de Socorro designou US $110.000 para fornecer ajuda humanitária no Haiti. Foto de arquivo por Mike DuBose, UM News.

Ministérios Globais, UMCOR aprova US $10 milhões em subsídios

Embora reconhecendo o cansaço dos trabalhadores humanitários após desastres em todo o mundo, a directoria dos Ministérios Globais da Metodista Unida e da Comissão Metodista Unida de Socorro avançou, aprovando mais de $10 milhões em subsídios na sua reunião de Outono.
Preocupações Sociais
O Rev. Joel Hortiales (à esquerda) ora com Carlos Ivan Baran Hidalgo; sua esposa, Danelly Mazariegos Morales; e sua filha de 3 anos, Scarlett Juliette, no abrigo Camino de Salvación em Tijuana, México. A família fugiu da violência na Guatemala e espera entrar com um pedido de asilo nos EUA. Hortiales é um missionário Metodista Unido e atua como diretor de ministérios hispânicos / latinos e questões de fronteira para a Conferência California-Pacific.

"Eu era um estranho"

Em setembro, uma equipe do Notícias MU acompanhou os líderes de La Igreja Metodista Unida e Igreja Metodista de México A.R. visitar comunidades migrantes ao longo da fronteira EUA-México para mostrar, através das lentes do fotojornalista Mike DuBose, os esforços que as igrejas fazem para ministrar às pessoas necessitadas que estão esperando por uma solução para sua situação de imigração.
Preocupações Sociais
Fotografia do Capitão Pratt e alunos da Escola Industrial Carlisle, impressão fotográfica em preto e branco, 13 cm x 21,5 cm. O capitão Richard Henry Pratt serviu como chefe da Escola Industrial Carlisle, para onde os nativos americanos foram enviados. Imagem fotografada por volta de 1900 (sem data). Pratt morreu em 1924. Cortesia da Coleção de Yale de Western Americana, Biblioteca de Livros Raros e Manuscritos de Beinecke, Universidade de Yale, New Haven, Connecticut. Domínio público via Wikimedia Commons.

O legado traumático dos internatos indígenas

O Revda. Dra. Susan Henry-Crowe, Secretaria General de la Junta General de Iglesia y Sociedad, reflexiona sobre el dolor causado por los errores históricos en los internados para indígenas y la forma cómo la verdad sirve para sanar.