Perguntas difíceis para o futuro do Metodismo Unido

Other Manual Translations: English 한국어 español

Pontos chave:

 • As discussões sobre uma divisão denominacional levantam questões complicadas de política.

 •  Buscar essas respostas é essencial, caso os tribunais civis comecem a solicitá-las.


The Rev. Dr. William B. Lawrence. Photo by Todd W. Lawrence.

O Rev. Dr. William B. Lawrence. Foto de Todd W. Lawrence.

Artigos de opinião

Notícias MU publica artigos de opinião sobre tópicos específicos da denominação. Artigos de opinião refletem uma variedade de pontos de vista e são as próprias opiniões dos redatores, não refletindo as posições do serviço Notícias MU.

Um diácono ordenado na Igreja Metodista Unida, que é nomeado capelão hospitalar pelo bispo de sua conferência anual no Texas, pode ser reconhecido como leigo pela Igreja Católica Romana para que possa auxiliar na liturgia da Missa em seu hospital? 

Uma igreja local no Arizona, com o compromisso de ministrar entre os migrantes que cruzam a fronteira do México, pode refinanciar a hipoteca de seu prédio e direcionar a economia líquida de $ 1.000 por mês de seu fundo de construção para o programa de imigração?

Pode um ancião Metodista Unida aposentado na Geórgia, cuja membresia da conferência de cargo está em uma igreja local agora em processo de dissociação da Igreja Metodista Unida, manter sua filiação à conferência de cargo naquela congregação depois de ter completado a sua desfiliação?

Estas não são perguntas hipotéticas. Elas envolvem situações reais que foram discutidas no passado ou estão em discussão agora. À medida que a denominação se move em direção à possibilidade de cisma, essas questões ilustram os tipos de questões que qualquer forma de separação terá que acomodar. Qualquer futuro corpo “metodista” terá que decidir se os diáconos são ordenados ou leigos, se as leis denominacionais ou práticas congregacionais terão a palavra final sobre as finanças da igreja, e se um clero ou leigo pode pertencer simultaneamente a duas denominações. Cada sistema político da igreja tem que lidar com essas coisas.

Na política Metodista Unida hoje, quase todas as decisões devem ser tomadas conectivamente. A menos que seja uma decisão de um leigo retirar-se da membresia de uma igreja local ou por um membro do clero de uma conferência anual para entregar suas credenciais e deixar o ministério da denominação, ações de um indivíduo, de uma congregação, de um bispo ou de um conferência se conectar a alguma outra entidade com autoridade para revisar os atos.

Existem muitos exemplos.

Um ministro ordenado não pode “se aposentar”, mas é concedido o relacionamento de aposentado por uma votação da conferência anual ou por um mandato da lei da igreja. Uma igreja local não pode construir um novo prédio a menos que as autoridades do distrito deem sua aprovação para os aspectos arquitetônicos e financeiros do projeto. Uma pessoa pode dizer com ousadia: "Deus me chamou para o ministério!" Porém, afirmações e aprovações em nível de conferência local, distrital e anual devem confirmar se a pessoa foi chamada, ou não haverá uma chamada genuína. Qualquer reivindicação de auto autenticação por um indivíduo não tem sentido.

A melhor maneira de compreender essas práticas em nossa política é não começar a ler O Livro da Disciplina. Esse volume contém a Constituição da Igreja Metodista Unida e as leis que a Conferência Geral da denominação promulgou. Mas também contém muito outro material - os Princípios Sociais, por exemplo - que foi oficialmente aprovado, mas não tem autoridade constitucional ou legislativa. Ele contém materiais de caráter teológico e doutrinário também, mas alguns deles são atos que podem ser alterados por uma maioria simples da Conferência Geral, enquanto outros são constitucionalmente protegidos de qualquer possível alteração pela Conferência Geral. 

Na verdade, a melhor maneira de entender nossa política é fazer perguntas. Ao buscar respostas, podemos aprender as diferenças entre a Constituição, as leis da igreja e as políticas da igreja. Podemos aprender quem tem a autoridade final para determinar uma resposta. E podemos aprender como mudar tudo o que não gostamos nas respostas que encontramos.

Nos últimos meses, tive a experiência de receber muitas perguntas sobre a política Metodista Unida. As consultas vieram de bispos, leigos, pastores, delegados à Conferência Geral, membros vitalícios das igrejas Metodistas ou Metodistas Unidas e recém-chegados à denominação. Resolvi procurar algumas respostas e escrever sobre elas.

O produto desta atividade tornou-se vários textos que tentam abordar algumas questões Metodistas Unidas. Às vezes, tenho procurado e recebido ajuda de bibliotecários e outros estudiosos da igreja na busca de respostas. Em várias ocasiões, reconheci que as respostas definitivas que gostaríamos de encontrar podem ser evasivas.

Entre as primeiras questões que busquei estão as questões profundamente debatidas em torno da autoridade de uma conferência anual. Mas existem outros. Considere estes:

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

- Visto que a conferência anual constitucionalmente tem autoridade exclusiva para determinar quem são membros do clero das conferências anuais e quem são escolhidos para serem ordenados, e uma vez que a Conferência Geral tem constitucionalmente plena autoridade legislativa para promulgar leis sobre os processos para se tornar um membro do clero e um ministro ordenado , o que acontece se uma lei aprovada pela Conferência Geral disser que certa pessoa não pode ser ordenada, mas uma votação por uma conferência anual diz que tal pessoa será ordenada?

- Uma vez que um bispo constitucionalmente tem autoridade para nomear ministros após consulta com os superintendentes distritais, e a Conferência Geral tem autoridade constitucional para escrever leis que definam tal consulta, é a "consulta" sobre nomeações uma questão constitucional envolvendo bispos e superintendentes distritais ou é "consulta" uma questão de lei da igreja como a Conferência Geral a definiu?

- Uma vez que o Conselho Judicial toma decisões "finais" sobre a constitucionalidade e legalidade de várias ações, incluindo atos legislativos da Conferência Geral, o Conselho Judicial pode tomar uma decisão final sobre as leis da igreja que especificam os mandatos para seus próprios membros e suplentes?

Estamos em um ponto em que o futuro da denominação está em jogo. Muitas propostas para dividir a denominação aguardam a ação da Conferência Geral. O mais proeminente deles - o Protocolo de Reconciliação e Graça através da Separação - está levando alguns Metodistas Unidos, incluindo um superintendente distrital, a estabelecer um comitê de transição para uma nova denominação Metodista. Um dos bispos da Europa anunciou sua intenção de ingressar nessa nova denominação

Essas coisas levam a perguntas que precisam de respostas. E buscar respostas é essencial, caso os tribunais civis comecem a solicitá-las. 

Abordei várias questões Metodistas Unidas em artigos que se baseiam numa combinação de pesquisa histórica e experiência pastoral. Os links para todas as perguntas estão na barra lateral anexa. 

No mínimo, fazer perguntas e encontrar respostas deve preceder a tomada de decisões.

* Lawrence é professor emérito de História da Igreja Americana na Faculdade de Teologia Perkins, Universidade Metodista Southern, e pesquisador no Centro de Estudos da Tradição Wesleyana da Duke Divinity School. Ele também é ex-presidente do Conselho Judiciário. Contato para notícias: Tim Tanton ou Joey Butler em (615) 742-5470 ou [email protected] . Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

 


Evangelismo
O Rev. Thomas Kim. Foto de Kathleen Barry, Notícias MU.

Uma lamentação com esperança para o Afeganistão

Assistir às notícias da retirada dos Estados Unidos do Afeganistão lembra o reverendo Thomas Kim do tempo que passou com os missionários lá depois que seu cunhado foi morto em um bombardeio.
Preocupações Sociais
O Rev. Dr. William B. Lawrence. Foto de Todd W. Lawrence.

Lei sobre aborto do Texas ameaça ministério

No início de seu ministério, o Rev. Bill Lawrence serviu como conselheiro para mulheres grávidas que estavam considerando suas opções. De acordo com uma nova lei do Texas, esse papel pastoral pode levar a processos judiciais.
Igreja Local
Rev. Dr. Clayton Childers. Foto cortesia da Conferência Anual da Carolina do Sul.

Por que sou Metodista Unido?

Estou orgulhoso de nossa conferência, pelo trabalho que fez e pelas posições que assumiu em nome da justiça racial.