Bispos africanos se opõem a planos de separação

Other Manual Translations: English 한국어 español
Bishop John K. Yambasu of Sierra Leone addresses a meeting of the Africa College of Bishops in Mutare, Zimbabwe. The bishops said the church would continue in Africa after General Conference 2020. Photo by Tim Tanton, UM News.
Legenda: O Bispo John K. Yambasu, da Serra Leoa, discursa em uma reunião do Colégio de Bispos da África em Mutare, Zimbábue. Os bispos disseram que a igreja continuaria na África após a Conferência Geral de 2020. Foto de Tim Tanton, Notícias MU. 

Os bispos da África decidiram não apoiar quaisquer legislações ou planos propostos que possam resultar em uma divisão ou dissolução da Igreja Metodista Unida.

Em uma declaração no final do retiro do Colégio de Bispos da África, de 2 a 6 de setembro, os bispos disseram que a igreja continuaria na África após a Conferência Geral de 2020.

“Não apoiamos nenhuma legislação que exija a dissolução da Igreja Metodista Unida. Nós defendemos nossos valores como uma igreja conexional e mundial comprometida em 'fazer discípulos de Jesus Cristo para a transformação do mundo' ”, disse a declaração dos bispos.

O presidente do Colégio dos Bispos da África, John K. Yambasu, da Serra Leoa, disse que os bispos não permitiriam que outros definissem a agenda da igreja na África.

"Nós, bispos africanos e a galáxia do clero informado em todo este continente, devemos definir a agenda da igreja na África, em vez de permitir que outros a redigam em nosso nome para que possamos carimbar e selar", disse Yambasu.

Os bispos disseram estar preocupados com o fato de conversas sobre o futuro da Igreja Metodista Unida estarem ocorrendo nos Estados Unidos sem representantes africanos.

“Não podemos permitir que uma divisão na igreja global separe a igreja na África novamente. Não podemos permitir que uma divisão nos reduza ainda mais a cidadãos de segunda classe em uma igreja que só precisa de nós quando querem nossos votos”, dizia o comunicado. "Como africanos, temos o direito de autodeterminação e o direito de falar por nós mesmos e determinar quem queremos ser".

Durante seu discurso, Yambasu disse que o futuro da igreja não é ganhar e perder.

“Cristo veio e morreu por todos nós, e assim a igreja pertence a todos nós. Podemos concordar que o debate sobre a sexualidade humana não é sobre quem ganha ou perde; é sobre todos nós ganharmos. Tampouco se trata de expulsar outras pessoas para que possamos permanecer. Mais importante ainda, não se trata de um grupo de pessoas que toma decisões por, e em nome de todos os outros grupos”, afirmou.

Na reunião, os bispos africanos reiteraram sua posição sobre a homossexualidade, destacando a  afirmação em que concordam: "como Igreja Africana, não aceitamos nem apoiamos a prática da homossexualidade porque é incompatível com os ensinamentos das Escrituras".

Na Conferência Geral Especial de 2019, realizada em fevereiro passado em St. Louis, os delegados, com uma votação de 438 a 384, aprovaram o Plano Tradicional, que reforça as restrições da igreja à ordenação e ao casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Desde então, vários grupos desenvolveram planos alternativos para o futuro da igreja, incluindo o Plano de Indianápolis, a Proposta UMCNext e o Plano Bard-Jones.

A declaração dos bispos africanos exortou toda a denominação a conter as restrições na Conferência Geral 2020, "e trabalhar em direção a uma abordagem ao debate sobre a sexualidade humana de maneiras que sejam humanas e respeitadoras".

Em uma entrevista à Notícias MU, Yambasu disse que o retiro do Colégio dos Bispos deste ano na Universidade da África visa sensibilizar os bispos africanos em relação ao impacto das decisões no futuro da igreja na África.

"Existe um tipo de desenvolvimento de estratégia de preparação para a sustentabilidade econômica, estrutura funcional e continuidade de programas e ministérios já no continente", disse ele.

Yambasu também falou sobre a criação de cinco novas áreas episcopais na África em 2020.

“A colocação de cinco novos bispos foi uma decisão da Associação Geral e, portanto, esperamos que a Conferência Geral, por meio do Conselho Geral de Finanças e Administração, forneça o apoio necessário para esses bispos. No entanto, no caso de o financiamento não estar prontamente disponível, parte de nossa estratégia como faculdade é desenvolver meios alternativos de apoio ou formas alternativas de abordar a questão”, afirmou.

United Methodist bishops from Africa and the U.S. who attended the meeting of the Africa College of Bishops gather for a photo at the Zimbabwe West Conference in Harare. Photo by Eveline Chikwanah, UM News.
Bispos metodistas unidos da África e dos EUA que participaram da reunião do Colégio de Bispos da África se reúnem para uma foto na Conferência Oeste do Zimbábue, em Harare. Foto de Eveline Chikwanah, Notícias MU. 

 

Dez bispos africanos compareceram ao retiro, com o tema “Repensando a Igreja Africana: Um Chamado para Recuperar Nossa Identidade Africana à Luz das Realidades em Mudança na Denominação Metodista Unida Global”.

A agenda da reunião também permitiu que os bispos consultassem quem eles identificaram como bispos tradicionais dos EUA.

Quatro líderes episcopais dos EUA - Bispos L. Jonathan Holston, da Conferência da Carolina do Sul; Scott Jones da Conferência do Texas; Gary Mueller, da Conferência de Arkansas, e James Swanson Sr., da Conferência de Mississippi - participaram do retiro.

Representantes da Iniciativa Africana e da Coalizão de Renovação também estiveram presentes.

“Convidamos apenas os grupos que solicitaram ser convidados. Continuamos abertos a outros grupos que podem querer conversar conosco”, disse Yambasu.

Mueller disse que interagir com os bispos africanos foi “esclarecedor, ampliador, humilhante e, às vezes, convincente”.

“Nós, por natureza no Ocidente, tentamos resolver tão rapidamente problemas que não passamos tempo orando e ouvindo a Deus, permitindo que o Espírito Santo nos ajude a discernir, nem necessariamente temos a conversa que realmente precisamos ter um com o outro”, ele disse.

“Essa vez aqui ampliou tremendamente. Acho que chegamos ao ponto em que há muito dano sendo feito um ao outro, e é inevitável que haja algum tipo de desembaraço da bagunça”.

"Cheguei a um entendimento mais claro sobre o que é importante para a África", disse Mueller.

Swanson disse que participou do retiro para ouvir seus colegas africanos.

“Eu realmente não trouxe uma mensagem. O que eu realmente queria era ouvir e, ao fazê-lo, ouvi algumas coisas que senti que precisava ouvir, não apenas com a cabeça, mas também com o coração”, disse ele.

“Uma dessas mensagens que foi muito alta e muito clara foi que eu não acho que nós, nos EUA, entendamos o quão precioso e quão querido é o nome da Igreja Metodista Unida, não apenas para os bispos africanos, mas para o povo Metodista Unido da África.

"Não é apenas um nome, mas é um ativo realmente valioso, as portas que o nome abre, o respeito que gera em pessoas que não são metodistas unidas, até mesmo figuras políticas, instituições econômicas, instituições de ensino", disse ele.

“Esse nome tem muito peso na África e não acho que as pessoas entendam isso com seus corações e suas cabeças. Eles não entendem o que podem estar perdendo se a Igreja Metodista Unida Africana perder esse nome”.

* Chikwanah é um comunicador da Conferência Leste do Zimbábue. Contato com a mídia: Vicki Brown em (615) 742-5470 ou newsdesk@umnews.org.

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina @umcom.org



Preocupações Sociais
A UMCNext, uma coligação que inclui a Rede de Ministérios de Reconciliação, Unindo Metodistas e UMC Convencional, ofereceu um plano que acabaria com as restrições da Igreja Metodista Unida contra casamentos entre pessoas do mesmo sexo e ordenação LGBTQ, e oferecia uma saída graciosa às igrejas locais que discordam dessas mudanças.

O plano UMCNext acabaria com as restrições LGBTQ

A coalizão de setores centristas e progressistas favorece a eliminação de restrições à ordenação de pessoas LGBTQ e casamentos entre pessoas do mesmo sexo, além de permitir um plano de saída para igrejas que discordam.
Preocupações Sociais
A congregação da Primeira Igreja Metodista Unida de Moheto, no sudoeste do Quênia, vota para se reconciliar. Com a votação de 1º de setembro, a congregação anunciou suas intenções de apoiar a igualdade das pessoas LGBT na vida da igreja. Foto cortesia da Primeira Igreja Metodista Unida Moheto.

Primeira igreja na África se reconcilia

Uma congregação Metodista Unida no sudoeste do Quênia votou a favor da igualdade total das pessoas LGBT na vida da igreja.
Missão

Lágrimas de gratidão: Missouri oferece mobilidade à uma senhora, em Maputo

Um dos problemas de saúde pública que tem afetado muita gente em Moçambique, é sem sombra de dúvidas, a questão da hipertensão arterial nos adultos.