Igreja de maioria branca doa para fundo de reparações

Other Manual Translations: English Español

Pontos chave:

  • Membros de uma igreja Metodista Unida em Evanston, Illinois, doaram US$ 50.000 para um fundo a ser usado para reparações de cidadãos negros descendentes de pessoas que foram escravizadas.
  • A Revda. Grace Imathiu, que é negra, e Matt Johnson, um líder leigo branco, lideraram o esforço na igreja.
  • Os primeiros US$ 10 milhões arrecadados de um imposto sobre as vendas de cannabis no subúrbio de Chicago são destinados ao fundo de reparações.

O falecido reverendo Ernest Fremont Tittle, um pastor branco que morreu em 1949, ficaria orgulhoso de sua igreja em 2022, acredita sua sucessora, uma mulher negra. 

A Primeira Igreja Metodista Unida de Evanston, Illinois, doou US$ 50.000 para um fundo criado para pagar reparações à comunidade negra de lá. A igreja, iniciada em 1854 pelos fundadores desta cidade a 32 quilômetros ao norte de Chicago, tem uma congregação de maioria branca. Os negros ainda sofrem os efeitos da redlining que os impediu de viver em algumas comunidades.

“Eu pastoreio esta congregação que é 97% branca”, disse a Revda. Grace Imathiu, natural do Quênia. “Quando falamos de reparações, não é algo novo. É algo que o Dr. Tittle começou.

Isso não é verdade literalmente, mas Tittle, que pastoreou a igreja de 1919 a 1949, era um progressista em questões raciais à frente de seu tempo. Aqui está um exemplo de um sermão que ele pregou em 1944: 

“Devemos acelerar nossos esforços para fazer justiça aos nossos concidadãos da raça negra, que afirmam com razão que a questão da igualdade social, em particular a pergunta: 'Você quer que sua filha se case com um negro?' não tem nada a ver com a questão da moradia digna, das práticas justas de emprego, da oportunidade educacional ou da segurança pessoal contra o linchamento e contra o abuso ultrajante do poder policial”.

A cidade de Evanston destinou os primeiros US$ 10 milhões em impostos sobre vendas de cannabis para financiar reparações para sua comunidade negra, disse o ativista comunitário Robin Rue Simmons, ex-vereador que ajudou a aprovar a legislação, que se acredita ser a primeira do tipo. Os primeiros US$ 400.000 são destinados a subsídios voltados aos descendentes de escravos para obter US$ 25.000 que serão gastos em moradia. Dezesseis dos 122 candidatos selecionados aleatoriamente receberam a bolsa em 13 de janeiro.

Outras doações, possivelmente algumas focadas na educação, estão planejadas com o dinheiro do fundo de cannabis, da igreja e de outros doadores.

“(Primeira Igreja Metodista Unida de Evanston) está liderando pelo exemplo”, disse Simmons. “É a comunidade branca que historicamente prejudicou a comunidade negra, e é a comunidade branca que desfrutou de privilégios e acesso que a comunidade negra não teve. E assim a comunidade branca tem uma responsabilidade e um papel como líder aliada no movimento por reparações, e esta igreja está sendo modelo disso com este importante passo.”

A ideia de arrecadar dinheiro na Primeira Igreja Metodista Unida começou com discussões entre Imathiu e o líder leigo Matt Johnson, que é branco.

“Eu disse que a única maneira de me juntar ao comitê de administração é se pudermos dar ênfase às reparações, ou começar a falar sobre isso e arrecadar um pouco de dinheiro em torno disso”, disse Johnson.

Imathiu disse que achava importante que um homem branco fosse um catalisador de reparações em sua igreja.

“Matt é um leigo e Matt está mergulhado no Metodismo Unido”, disse ela. 

Houve discordância contra o programa em Evanston.

Dahleen Glanton, em uma coluna de 2021 publicada no Chicago Tribune, disse que o programa “é principalmente um gesto simbólico com pouca substância que o movimento de reparações esperava”.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Além dos 16 ganhadores da loteria, os afro-americanos não receberão nada por enquanto, disse ela. E mesmo os vencedores não receberão dinheiro para usar da maneira que escolherem, ressaltou. O dinheiro é usado para comprar ou reformar uma casa ou pagar uma hipoteca.

“Isso terá pouco ou nenhum impacto na vida dos outros aproximadamente 12.000 moradores de Black Evanston”, escreveu Glanton. “Provavelmente não fará diferença para lidar com as disparidades econômicas resultantes de décadas de negligência.”

Há planos para arrecadar pelo menos US$ 10 milhões e ainda não foi decidido especificamente como o dinheiro restante será gasto.

O programa até agora é uma reformulação como reparação das medidas que a cidade já deveria estar fazendo para ajudar os moradores desfavorecidos, disse Glanton. 

Johnson disse que, embora haja uma visão de que esse esforço não seja “verdadeiramente” de reparações, ele considera isso um começo.

“Sinto que o governo federal não está fazendo nada”, disse ele. “Há muito tempo existe um projeto de lei para tratar das reparações, mas nada aconteceu. Sinto que precisa haver uma onda em outros lugares para levar isso adiante de alguma forma, e é por isso que fiquei empolgado com o que a cidade de Evanston está fazendo.”

Há sinais de que o movimento está se espalhando, disse Simmons.

“Perdi a conta da quantidade de cidades que ouvi pessoalmente nos últimos três anos”, disse ela. 

Um simpósio de dezembro em parceria com o Comitê Nacional de Reparações Afro-Americanas atraiu 60 líderes, incluindo representantes de 25 cidades como São Francisco, Detroit e Amherst, Massachusetts.

“Demos a eles um passeio de ônibus por (Evanston), detalhando nossa segregação histórica e mostrando onde hoje, em 2022, continuamos segregados racialmente”, disse Simmons. Em abril, o grupo deve se reunir novamente em Washington para continuar as negociações.

Para a Primeira Igreja Metodista Unida, contribuir para as reparações “não é grande coisa”, disse Imathiu. 

“É isso que somos”, disse ela. “Isso faz parte do nosso DNA.”

Às vezes ela pensa em si mesma, a pastora negra de uma congregação majoritariamente branca, como “Dra. profecia de Tittle, em carne e osso”, disse Imathiu.

“Eu me pergunto então, com quem estou sonhando?” ela disse. “Se eles olhassem para meus sermões daqui a 100 anos, o que eu deveria estar sonhando e com quem eu deveria estar sonhando?”

 

* Patterson é repórter da Notícias MU em Nashville, Tennessee. Entre em contato com ele pelo telefone 615-742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias dos Metodistas Unidos, assine os resumos diários ou semanais gratuitos.

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

Racismo
O Rev. Giovanni Arroyo atua como alto executivo da Comissão Metodista Unida sobre Religião e Raça, a agência formada para responsabilizar a denominação pelo seu compromisso de rejeitar o racismo na vida da igreja. Foto por Mike DuBose, Notícias MU.

Fazendo as perguntas difíceis sobre raça

Nascido em Porto Rico, o Rev. Giovanni Arroyo sabe em primeira mão o que é ser uma minoria nos EUA, e essa experiência interfere na maneira como ele persegue sua missão como a principal responsável pela inclusão da Igreja Metodista Unida.
Missão
O Bispo Mande Muyombo fala durante a Conferência Geral Metodista Unida de 2019 em St. Louis. Muyombo foi o orador principal da reunião de 28 de abril a 1º de maio dos Black Methodists for Church Renewal (Metodistas Negros para a Renovação da Igreja), que foi realizada online. Foto de arquivo por Paul Jeffrey, Notícias MU.

Líderes negros discutem o futuro da Igreja

Os oradores da 55ª Assembleia Geral de Metodistas Negros para a Renovação da Igreja estavam desconfiados do que uma possível fragmentação da Igreja Metodista Unida significaria para as igrejas negras, se baseando parcialmente nos resultados de fusões e divisões anteriores.
Racismo
Até o momento, eles haviam acabado de participar de um comício no Statehouse (Casa do Estado) da Carolina do Sul em 23 de abril, com a National Association for the Advancement of Colored People (Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor) para denunciar a pena de morte e estavam se preparando para uma entrevista coletiva em 27 de abril com a South Carolina Black Activist Coalition (Coalizão de Ativistas Negros da Carolina do Sul), também na Casa do Estado, para continuar a conversa. Foto por Jackie Jackson, Conferência Anual da Carolina do Sul.

Metodistas se reúnem para acabar com a pena de morte após anúncio de execuções

Em março, funcionários de correções estaduais revelaram que as reformas foram concluídas na câmara da morte do estado para acomodar o pelotão de fuzilamento, e a data de execução de Moore foi marcada para 29 de abril.