Igrejas Metodistas Unidas abrem portas após tiroteio na escola

Other Manual Translations: English español
Photo courtesy of the California-Pacific Conference. 

A Revda. Nicole Reilley (esquerda), pastora da Igreja Metodista Unida de Valência e a Revda. Melissa MacKinnon, superintendente do Distrito Leste da Conferência California-Pacific, conversam com os participantes da Fresh United Methodism Summit sobre o tiroteio na Escola Saugus em 14 de novembro. Foto cortesia da Conferência California-Pacific.

David Stradling estava dando sua primeira aula de biologia marinha na Saugus High School quando um estudante de 16 anos entrou no terreno da escola, atirou em cinco alunos e depois usou sua última bala em si mesmo.

The Rev. Nicole Reilley. Photo courtesy of Valencia United Methodist Church 
David Stradling. Foto cedida pela Igreja Metodista Unida de Valencia.   

Dois dos estudantes e o atirador morreram; outros três estudantes ficaram feridos. Stradling disse que um dos alunos que morreu estava na sua turma do segundo período.

Stradling também é diretor de jovens da Igreja Metodista Unida de Valência, que fica perto de Santa Clarita, onde a escola está localizada. Uma das primeiras coisas que ele fez foi abrir a sala da juventude na igreja para quem precisasse de um lugar para conversar.

"Pode ser mais fácil para as crianças conversarem comigo porque eu passei por isso", disse ele à Notícias Metodista Unida. Stradling disse que fez o check-in e conversou com cada membro da juventude da igreja.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

A Igreja Metodista Unida de Valência e a Igreja Metodista Unida de Santa Clarita realizaram vigílias na noite do tiroteio.

A Revda. Nicole Reilley, pastora de Valência, e a Revda. Melissa MacKinnon, superintendente do Distrito Leste, foram participantes da Fresh United Methodism Summit realizada de 14 a 16 de novembro na Igreja Metodista Unida de Rolling Hills. Ambas as pastoras estavam ajudando a comunidade após os tiroteios e conversaram com os participantes da cúpula.

A Revda. Elaine Cho é pastora da Igreja Metodista Unida de Santa Clarita, mas não estava no evento.

"Nos reunimos às 19h e tínhamos cerca de 130 pessoas nos bancos e 30 ou mais pessoas no coral", disse Reilley. "Usamos as Escrituras do Bom Samaritano para falar sobre nossa necessidade de cuidar um do outro e não desistir em momentos como este."

Reilley disse que crianças e pais estão sofrendo e se sentindo vulneráveis." É uma oportunidade para sermos a igreja em um momento difícil e oferecer às pessoas uma luz em meio de muita escuridão", disse Reilley.

O tiroteio ocorreu no dia 16º aniversário do atirador. As autoridades disseram que o motivo do ataque ainda não foi determinado.

The Rev. Nicole Reilley. Photo courtesy of Valencia United Methodist Church 
A Revda. Nicole Reilley. Foto cedida pela Igreja Metodista Unida de Valencia.

"Eu simplesmente não consigo imaginar os pais que acordaram hoje de manhã e o filho deles está morto", disse MacKinnon. “Penso no garoto que atirou, em que tipo de inferno ele viveu, aos 16 anos escolheu a morte - morte para ele e morte para outros.”

"Nossas igrejas foram capazes de fornecer lugares para as pessoas irem falar sobre isso e encontrar alguma esperança."

Reilley disse que a igreja deve estar envolvida na crise da violência armada. Ela é membro da Moms Demand Action, um grupo nacional de mães que clama por controle de armas.

Ela disse que os recursos que recebeu desse grupo a ajudaram a conversar com sua congregação após o tiroteio na escola.

“Os membros da igreja devem se envolver em todas as questões que os preocupam através dos meios disponíveis, como tomar consciência da posição de nossos líderes políticos no controle de armas e oferecer apoio às vítimas e socorristas”, disse Reilley.

"Temos uma voz, temos que usá-la."

 

*Gilbert é redator de notícias do Serviço Metodista Unido de Notícias. Entre em contato com ela pelo telefone (615) 742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine o resumo semanal gratuito.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina @umcom.org

 

 

Preocupações Sociais
Camille Cody (esquerda), voluntária do Centenary Community Ministries Inc. em Macon, Geórgia, examina a papelada enquanto conversa com um homem sobre o programa de verificação de estímulo do governo dos EUA. Até agora, os voluntários ajudaram mais de 50 sem-teto e pobres a preencher os complicados formulários de impostos e solicitações necessárias para receber um cheque. Foto cedida pela página do Facebook dos Centenary Community Ministries.

As igrejas estendem as mãos para os sem-teto

Grupos Metodistas Unidos mantêm contato com pessoas sem-teto, devido à sua alta vulnerabilidade em meio à pandemia, para ajudá-las a permanecerem seguras.
Preocupações Sociais
Ahmaud Arbery, um homem de 25 anos de Brunswick, Geórgia, foi baleado e morto em 23 de fevereiro, mas foi somente após o lançamento de um vídeo do incidente em 5 de maio, que Gregory McMichael e seu filho, Travis McMichael, foram acusados do assassinato. Foto de família, cortesia do Twitter.

Tiroteio na Geórgia convoca a pôr um fim no racismo

Os líderes da IMU estão pedindo a erradicação do racismo após o assassinato de Ahmaud Arbery, um homem negro desarmado que foi baleado na Geórgia.
Missão
A diaconisa metodista unida Cindy Johnson visita regularmente os migrantes que vivem em um acampamento em Matamoros, México, enquanto procuram asilo nos Estados Unidos. O medo do coronavírus impediu que pessoas como Johnson fossem capazes de ministrá-las pessoalmente. Foto cedida por Cindy Johnson.

Pandemia ameaça ministério com migrantes

Os Metodistas Unidos estão ajudando, mas são prejudicados pela pandemia do COVID-19, que os impede de interagir pessoalmente com os migrantes.