Subvenções da UMCOR ajudam na resposta inicial do ciclone

Other Manual Translations: English

Os metodistas unidos estão começando a responder aos afectados pelo ciclone Idai, que deixou parte de devastação em três países africanos e matou 500 pessoas, com outras centenas ainda desaparecidas.

A Comissão de Emergências da Metodista Unida atribuiu três subvenções de  $10.000 para financiamento imediato e de emergência a curto prazo para satisfazer as necessidades humanas básicas em Moçambique, no Zimbabué e no Malawi. Essas necessidades incluem transporte e armazenamento de água para beber, cozinhar e higiene pessoal e doméstica, juntamente com abrigo temporário.

“Estamos avaliando e trabalhando com o nosso Coordenador de Gestão de Desastres no campo ", disse Laurie W. Felder, directora de resposta internacional aos desastres da UMCOR.

O ciclone Idai fe deslizar terras e atingiu a cidade de Beira, a quarta maior cidade de Moçambique, a13 de Março. Na semana seguinte, Idai deixou um rastos de destruição em Moçambique, Zimbábue e Malawi.

Altos níveis de pobreza na região tornam o impacto do ciclone muito pior, disse Isabel Apawo Phiri, uma das principais executivas do Conselho Mundial de Igrejas, nascido no Malawi.

“Nós nos sentimos tristes com a notícia de tantas pessoas que perderam suas vidas no Malawí, Moçambique e Zimbabué através deste ciclone, e muitas outras pessoas foram deslocadas”, disse ela.

Roturas nos canais de comunicação tornaram difícil para que os líderes Metodistas Unidos alcançassem uns aos outros e aos seus membros.

Como ajudar

Ofereça para o trabalho da UMCOR enviando mensagens de texto para a UMCOR para 91999.

Para fazer uma doação para a Resposta Internacional a Desastres da UMCOR, use Advance # 982450.

 

O Rev. Jacob Jenhuro, assistente episcopal na Conferência do Norte de Moçambique, não esteve em contacto com os Escritórios da Bispa Joaquina Filipe Nhanala até 21 de Março. “Não temos ideia sobre quanta chuva ainda podemos ter, mas recebemos tanta água que muitas casas (e) infra-estruturas incluindo estradas, pontes ainda estão submersas ”, relatou ele quando falava com o pessoal do Escritórios.

Milhares de famílias nas províncias de Sofala, Zambézia, Manica e Inhambane de Moçambique estão entre os deslocados.

Respeito Chirrinze, Coordenador de Gestão de Desastres da UMCOR em Moçambique, disse ao Serviço de Noticias da Metodista Unida que a subvenção de $10.000 ajudaria a satisfazer as necessidades nas comunidades de Nicoadala e Gondola. “Como há ajuda sendo canalizada para Sofala, Manica e Tete, muitas organizações sem fins lucrativos parecem estar se esquecendo doutras áreas onde as pessoas estão isoladas, mas precisam de ajuda também”, disse ele.

Uma campanha para doações foi lançada em toda a Igreja Metodista Unida na Área Episcopal de Moçambique, observou Chirrinze.

“As pessoas nas áreas afectadas não têm água potável, por isso precisamos de purificadores de água, precisamos de redes mosquiteiras, precisamos de remédios, precisamos de material escolar, precisamos de tudo - incluindo fundos que nos permitirão comprar os itens que não podemos trazer de nossos própria casa ”, disse ele.

Mas avaliar as necessidades imediatas e de longo prazo é difícil, especialmente com sistemas de comunicação fracos ou inoperantes.
 
"Estima-se que mais de 347.000 pessoas estão em risco porque algumas estão em áreas isoladas, outras em árvores, outras porque não comem há muitos dias", disse Chirrinze.

“As pessoas estão sobrevivendo sob condições desumanas”, acrescentou ele.

Nos Escritórios da bispa, todos os Oficiais da Conferência decidiram doar 10% de seus salários de Março para apoiar as necessidades dos sobreviventes. Na Igreja Metodista Unida em Malanga, uma congregação do centro da cidade em Maputo, o Conselho Cristão de Moçambique realizará um culto de solidariedade no dia 22 de Março e os presentes irão trazer itens para apoiar aqueles nas áreas afectadas.

Um concerto na igreja de Malanga, organizado por jovens, também solicitará doações para sobreviventes do ciclone. Alguns navios têm recebido doações no porto de Maputo para levar aos sobreviventes na Beira e Chimoio.

Os membros da igreja do Zimbabué foram afectados, e em áreas duramente atingidas, como o Circuito do Vale de Rusitu. O Reverendo Dom Kufazvineyi e sua paróquia estão em um lugar mais alto, então ele não sofreu, mas outros sofreram.

"Fiz a minha avaliação", ele relatou. “Três membros estão desaparecidos, as casas de membros destruídas são muitas e eu não consegui completar a avaliação porque algumas das áreas são inacessíveis. Muitos membros não têm comida, roupa ou cobertores, pois todos foram varridos pelas chuvas ”.

O Reverendo Simon Matende, do circuito Chibuwe Rimbi, disse que teve que deixar seu veículo na residência paroquial e caminhou 11 quilómetros até a estação mais próxima para apanhar o transporte para Mutare porque a água estava em toda parte. As casas dos membros da igreja foram destruídas, disse ele.

A Igreja Metodista Unida no Zimbabué “respondeu sadiamente” à crise, disse o Rev. Alan Masimba Gurupira, assistente do Bispo Eben K. Nhiwatiwa. A subvenção da UMCOR “irá auxiliar num longo caminho até responder ao fornecimento de abrigo temporário, comida e abastecimento de água”, acrescentou.

Até agora, dois caminhões de itens necessários foram despachados para Mutare”, relatou Gurupira. “A remessa incluiu farinha de milho, óleo de cozinha, líquidos de purificação de água, roupas e cobertores.” A igreja também está disponibilizando uma casa de hóspedes na Casa das Crianças de Isheanesu como moradia para 20 médicos que oferecem serviço gratuito nas áreas afectadas.

O reverendo Duncan Charwadza, vice administrador da Associação do Zimbabué e director dos Ministério Conexionais, disse que a primeira remessa de ajuda - suprimentos médicos - foi entregue a Sekai Nzenza, o Ministro do Serviço Público, Trabalho e Assistência Social.

Bloom é editora assistente de notícias do Serviço de Noticias da Metodista Unida e João Sambo é um correspondente da UMNS em Moçambique. Os comunicadores Chenayi Kumuterera e Kudzai Chingwe, do Zimbábue, contribuíram para este relatório.

Contacte Bloom em 615-742-5470 ou [email protected] Para ler mais notícias da Metodista Unida, inscreva-se nos resumos diários ou semanais gratuitos.

Preocupações Sociais
A Bispo da Conferência de Baltimore-Washington, LaTrelle Easterling, ajuda a realizar um “Serviço de Lamento, Arrependimento, Comunhão e Compromisso” on-line, em 24 de junho, em frente à Igreja Episcopal de São João, em Washington. O serviço de vídeo de uma hora faz parte da nova iniciativa da denominação para combater o racismo. Captura de tela do vídeo da Comunicações Metodista Unida.

ʽServiço de Lamento' desafia igreja sobre racismo

Bispos metodistas unidos, as agências colaboram em vídeos inflexíveis como o último passo na iniciativa anti-racismo.
Missão
O reverendo Mark Becker (centro) apresenta um cheque de US $ 50.000 ao bispo Hector F. Ortiz, líder episcopal da Igreja Metodista de Porto Rico, e Glorymar Rivera-Báez, diretor do programa de recuperação de desastres do Rebuilding Communities with Hope (REHACE). Os fundos ajudarão a REHACE a fornecer gerenciamento de casos e terapia de cuidados emocionais aos porto-riquenhos afetados pelos terremotos. Foto por Tita Parham, FUMF.

Fundação se une à agência para ajudar porto-riquenhos

Mas com US $ 21,2 milhões em subsídios da UMCOR e ajuda de 2.565 voluntários, o REHACE ajudou pessoas e igrejas a fazer progressos significativos.
Evangelismo
Directora Olga Maria Raimundo, Directora da Escola Comunitária Metodista Unida. Matola, foto de João Filimone Sambo.

Em tempos de COVID-19: Escolas Metodistas não cruzam os braços na educação das crianças

A evangelização e educação na Área Episcopal de Moçambique têm sido um dos grandes veículos para a proclamação do evangelho através de palavras e obras, bem como por esperança para todas as camadas e, em particular, para as crianças e jovens.