Uma lamentação com esperança para o Afeganistão

Other Manual Translations: español

Pontos chave:

 •  Em 2011, Kim viajou para Cabul, Afeganistão, para comparecer ao funeral de seu cunhado após um atentado a bomba.

 •  Muitos missionários com quem ele falou questionaram sua missão em um país onde sentiam que não estavam fazendo diferença.

 •  Ele foi lembrado de atitudes semelhantes de missionários na Coreia, décadas atrás, que nunca esperaram que a capacidade do país prosperasse como tem prosperado.


The Rev. Thomas Kim. Photo by Kathleen Barry, UM News. 

O Rev. Thomas Kim.
Foto de Kathleen Barry, Notícias MU.

Em abril, o presidente Joe Biden anunciou a retirada das tropas americanas do Afeganistão em 11 de setembro. Depois que a retirada total das forças dos EUA começou em julho e menos de dois meses depois, o governo afegão anunciou uma transferência pacífica do poder para o Taleban em 15 de agosto, muito mais cedo do que todos esperavam.

A notícia informa que milhares de pessoas estão em uma luta desesperada para escapar do Afeganistão.

Enquanto assistia ao noticiário, me lembrei do dia em que tive que ir ao Afeganistão em 2011.

Em 6 de dezembro de 2011, houve um atentado a bomba em Cabul, capital do Afeganistão, que matou 59 pessoas e feriu mais de 200. Na época, eu não sabia que tal incidente havia ocorrido ou que a capital do Afeganistão era Cabul. Mesmo se eu soubesse, teria pensado nisso apenas como um incidente ocorrido em um país distante do outro lado do globo, onde a guerra e o terror sempre foram constantes.

Então descobri que um dos meus familiares foi uma dessas vítimas.

Minha cunhada, que estava servindo em sua igreja com o marido e duas filhas em Michigan, fez uma viagem missionária de curto prazo ao Afeganistão. Pouco depois de retornar, ela vendeu sua clínica médica, seu marido pediu demissão e eles levaram seus filhos para o Afeganistão para começar o trabalho missionário prestando serviços médicos e ensinando inglês e informática.

Eu estava preocupada com o fato de ela ir com crianças pequenas para compartilhar o evangelho naquele lugar difícil. No final das contas, não dei uma palavra de incentivo caloroso e apenas fiz objeções.

Apenas 40 dias depois de chegar ao país, meu cunhado foi morto em um ataque a bomba antes mesmo de iniciar seu ministério. Não pude ficar em casa em Chicago depois de ouvir a trágica notícia, então fui a Cabul para assistir ao funeral.

This drawing was made by the Rev. Thomas Kim’s niece, then 8, after her father died in Afghanistan on Dec. 6, 2011. Photo by the Rev. Thomas Kim. 
Este desenho foi feito pela sobrinha do Rev. Thomas Kim, então com 8 anos, depois que seu pai morreu no Afeganistão em 6 de dezembro de 2011. Foto do Rev. Thomas Kim.

Cerca de 3.000 coreanos costumavam visitar o Afeganistão a cada ano como equipes missionárias de curto prazo. Na verdade, uma equipe missionária da Igreja Saemmool foi capturada em 2007 e duas delas foram executadas pelo Talibã . Mas os afegãos foram gentis com esses coreanos que construíram escolas e casas, cavaram fontes, fizeram próteses de pernas para aqueles que perderam membros nas minas, trataram dos doentes - tudo sem pedir nada em troca. Os afegãos sentiram pena e vergonha por seu povo ter matado gente tão boa.

Porém, os missionários nem sempre estão satisfeitos com sua missão. Todos os missionários que conheci em Cabul eram membros leigos e começaram a compartilhar as dificuldades, frustrações e dores que experimentaram e pareciam querer ser consolados pelo único clero de lá. Ficamos acordados a noite toda conversando sobre vários assuntos, alguns difíceis demais para serem compartilhados aqui.

Os problemas mais desanimadores e exaustivos para os missionários eram os sentimentos de que “as pessoas não são honestas, não são boas em cumprir suas promessas, preguiçosas e sem vergonha”. Quando eles tiveram esse tipo de experiência repetidamente, eles se perguntaram por que estavam ali, questionaram sua vocação e se perguntaram se era hora de fazer as malas e voltar para casa.

Depois de ouvir tal história, meu coração pesou ao voltar para Chicago, deixando minha cunhada, que havia perdido o marido, e sobrinhas que perderam o pai lá. Enquanto pensava sobre isso no avião, lembrei-me dos relatos de um missionário americano que li durante meu seminário.

Era mais ou menos assim:

“Os coreanos são preguiçosos, bons em mentir, viciados em bebida e jogo, e os eruditos ou ricos têm concubinas. Os coreanos são dóceis e educados, mas têm todos os costumes perversos possíveis, singularmente exceto não usar ópio.”

Era assim que a Coréia era há cerca de 150 anos.

Artigos de opinião

O MU News publica artigos de opinião sobre tópicos específicos da denominação. Artigos de opinião refletem uma variedade de pontos de vista e são as próprias opiniões dos redatores, não refletindo as posições do serviço MU News.

A Península Coreana foi dividida em Norte e Sul assim que foi libertada do domínio imperialista japonês em 1945 e depois sofreu a Guerra da Coréia, que destruiu tudo o que restou por três anos de 1950 a 1953. Assim, todos os recursos humanos e intelectuais foram esgotados.

É sabido pelos coreanos que o colunista de jornal britânico Norman Taylor escreveu sobre a situação na Coreia durante aquele período, "esperar que a democracia floresça na Coreia é como esperar que uma rosa floresça em uma lata de lixo".

Em 2 de julho de 2021, a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento elevou o status da Coréia de uma economia em desenvolvimento para uma desenvolvida. Esse tipo de mudança foi a primeira da agência desde seu início, em 1964.

A Coréia, que havia sido totalmente devastada, estava em 85º lugar entre 100 países em termos de exportações em 1950, mas saltou para 26º em 1980. Em 2020, exportou US $ 526,9 bilhões, ocupando o sexto lugar no mundo.

Este desenvolvimento não tem precedentes na história. Se você tiver algum interesse na Coréia, deve saber que o progresso milagroso é visto não apenas na economia, mas também na política e nas questões sociais, incluindo direitos humanos, cultura e religião.

Nos últimos 30 anos, a Coreia acolheu 33.000 desertores da Coreia do Norte, que os americanos acreditam ser um dos países mais perigosos e terroristas do mundo.

Existem muitas razões para o crescimento notável da Coréia, e eu acredito fortemente que pelo menos algum crédito pertence aos missionários que espalharam o Evangelho de Jesus e plantaram o espírito cristão nas mentes coreanas, e que enviam pão sobre as águas, os coreanos Península, embora às vezes tenham ficado decepcionados por 150 anos.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Eclesiastes 11: 1 diz: “Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o terás de volta”. Obviamente, “lançar o pão sobre as águas” é um ato inútil, sem uso e sem uma preocupação econômica. Mas Deus nos diz para enviar seu pão às águas.

Para ser claro, só porque o Afeganistão tem uma história parecida com a da Coréia, que sofreu numerosas privações e colonialismo, não significa que o Afeganistão se tornará igual à Coréia.

Talvez o Afeganistão hoje seja um país sem expectativas e esperança, e desejar mudanças pode ser como "esperar que uma rosa desabroche em uma lata de lixo".

Mas as pessoas que me preocupam e que me importam não são os Taleban com armas que cometem atos extremos, cegos e aterrorizantes em nome da religião, mas sim afegãos inocentes.

Acredito que é hora de as igrejas coreanas e coreanos que se beneficiaram com o Evangelho pensarem sobre o que podem fazer pelos refugiados afegãos. Ao mesmo tempo, pergunto aos cristãos que têm paixão pelo Evangelho: não é hora de nossa igreja pensar e ajudar os refugiados que arriscaram suas vidas para fugir do país?

Quem pode dizer que o Afeganistão não estará prosperando e crescendo como a Coréia de hoje? Oro e espero que um dia os afegãos possam testemunhar o que viveram enviando pão sobre as águas. Porque Deus vive, ainda estou otimista!

*Kim é diretor de notícias coreanas e asiáticas na Comunicações Metodista Unida. Contate-o em 615-742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected] .

Igreja Local
Salvador Albino Chinhangue, segurando os telefones nos Escritórios Centrais. Chinhangue é o motorista que distribuiu os aparelhos nas conferências de Moçambique Sudeste e Sul. Foto de João Filimone Sambo.

Bispa Nhanala responde às necessidades de comunicação dos pastores

Membros e comunidades eclesiásticas da Metodista Unida em Moçambique enfrentam dificuldades enormes para receberem orientações, informações de cultos e outros programas da igreja neste tempo de pandemia, isto porque seus pastores não tem telefones inteligentes.
Human Rights
Um aviador dos EUA com a Força Tarefa Conjunta de Resposta à Crise, abraça uma mãe depois de ajudar a reunir sua família no Aeroporto Internacional Hamid Karzai em Cabul, Afeganistão, em 20 de agosto. Igrejas Metodistas Unidas, conferências, agências e organizações sem fins lucrativos parceiras estão trabalhando para ajudar os refugiados a terem um bom começo nos EUA. Foto por Cpl. Davis Harris, Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA.

Metodistas Unidos contribuem com reassentamento afegão

Igrejas locais, conferências, agências e organizações sem fins lucrativos parceiras trabalham para ajudar os refugiados a ter um bom começo nos Estados Unidos.
Preocupações Sociais
O Rev. Dr. William B. Lawrence. Foto de Todd W. Lawrence.

Lei sobre aborto do Texas ameaça ministério

No início de seu ministério, o Rev. Bill Lawrence serviu como conselheiro para mulheres grávidas que estavam considerando suas opções. De acordo com uma nova lei do Texas, esse papel pastoral pode levar a processos judiciais.