Racismo e latinos: o muro da separação e do medo

Other Manual Translations: English Español
The Rev. David Maldonado. Video image courtesy of IMU Latina (Iglesia Metodista Unida Latina) via YouTube by UM News.
Rev. David Maldonado. Imagem retirada da reportagem em vídeo "La Iglesia Etnica", publicada no canal IMULATINA no Youtube da Notícias MU.
p>A atual discussão pública sobre racismo nos Estados Unidos é muito bem-vinda e pode ter muitos resultados positivos. É importante reconhecer a cobertura da mídia sobre a história e dinâmica dos negros e brancos. No entanto, é lamentável que outras pessoas de cor sejam geralmente ignoradas e esquecidas. Os latinos estão entre aqueles que são amplamente ignorados. No entanto, os latinos também estão sujeitos à dor e às consequências do racismo, racismo sistêmico e à uma história sombria de marginalização e violência. O massacre de El Paso, há apenas um ano, é um exemplo da violência que trouxe medo aos corações dos latinos em todo o país.

O "Muro" promovido e endossado por muitos, corta mais fundo do que simplesmente servir como uma fronteira nacional. É mais do que um muro físico entre os Estados Unidos e o México, bem como com o resto da América Latina. O Muro reflete e é um símbolo do medo dos imigrantes latinos e, por extensão, de outros latinos que vivem nos Estados Unidos. O desdém público e as atitudes negativas que o acompanham em relação aos imigrantes latinos afetam a população latina em nosso país. Os imigrantes latinos voltaram a se esconder, e os outros latinos que não estão se escondendo são suspeitos e muitas vezes são vistos e tratados como imigrantes indesejados.

No cerne da atitude e do tratamento anti-imigrante está o senso de superioridade Branca, o medo do estrangeiro e como os imigrantes mudarão a cultura desta nação. Em outras palavras, o medo de que a minoria se torne a maioria étnica alimenta muitas das ações e atitudes contra os imigrantes e latinos que trazem consigo sua língua e cultura. O Muro é um símbolo de medo e separação, uma barreira física que diz muito sobre como os latinos devem ser vistos e tratados. Eles são estrangeiros e diferentes; eles não pertencem aqui. Eles vão mudar nossas comunidades e nação. Esse medo amplo e resistência aos latinos é uma injustiça e desafia os valores e crenças centrais de nossas fundações cristãs.

Artigos de opinião
A Notícias MU publica artigos de opinião sobre tópicos específicos da denominação. Os artigos de opinião refletem uma variedade de visões e são as opiniões dos próprios autores, que não refletem as posições do Notícias MU.

Essas atitudes e ações não são novas. A história nos lembra o Manifest Destiny (Destino Manifesto) e como ele levou à conquista do sudoeste e à apropriação de territórios ao longo do caminho, tanto nativos quanto hispânicos, impondo a cultura, religião e estruturas sociais / políticas dos americanos brancos. Destino Manifesto é solidamente fundado na noção de que a população branca americana era o povo escolhido de Deus, chamado para conquistar, povoar e controlar o continente. Historicamente, os hispânicos experimentaram linchamento, opressão racial, segregação e marginalização social / política.

A igreja era parte integrante do Destino Manifesto. Isso incorporou a noção de que as populações ao longo do caminho não eram apenas racialmente inferiores, mas também suas religiões e culturas. O catolicismo romano foi definido como uma religião inferior e ignorante e, portanto, era importante converter a população latina ao protestantismo. O protestantismo foi trazido para os territórios conquistados, primeiro como um serviço à população Anglo, e depois como uma missão. O trabalho missionário tinha como objetivo converter os hispânicos e como meio de aculturação.

Como igreja, somos desafiados por nossa história de separação racial e étnica. Embora a linguagem tenha desempenhado um papel importante no desenvolvimento de estruturas e congregações separadas, a igreja tem participado da fuga dos brancos, deixando seus antigos bairros que se tornaram bairros pobres. Em vez de abraçar os novos latinos, muitas igrejas simplesmente fugiram da nova população em busca de áreas mais brancas, especialmente nos subúrbios. Em vez de se ajustar às novas realidades dos bairros urbanos em transição para mais diversidade, a igreja abandonou essas áreas e buscou áreas Brancas mais compatíveis.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Há quem sugira que tal ação da igreja não era racista nem seus membros racistas, a igreja estava simplesmente seguindo sua próxima geração que estava se mudando para os subúrbios. Foi reconectar famílias como um esforço para sobreviver. A conversão foi percebida e promovida como parte do mandato de evangelização.

Nossa igreja realmente tomou medidas para responder às questões raciais, estabelecendo agências e integrando equipes em nível nacional. Em nível local, tanto em nível de associação quanto em igrejas locais, a igreja iniciou “Ministérios Hispânicos”. No entanto, muitos deles continuam a separação durante uma longa parte do nosso passado. E ele se arrastou. Enfrentar o racismo requer mais do que resoluções e ministérios especializados para as minorias. Superar o sentimento de superioridade Branca exigirá que a igreja mais ampla olhe para dentro como congregações e como estruturas de conexão. Este não é um simples apelo para declarações de arrependimento, mas um apelo para tomar medidas intencionais para abraçar a população hispânica, especialmente o imigrante. A igreja deve ir além das declarações públicas de apoio e justiça, diante do que está acontecendo em nossas ruas hoje. A igreja não pode viver em negação cega. A igreja não deve partir do pressuposto da superioridade dos brancos para a supremacia dos brancos. Deve abraçar a criação diversa de Deus e a comunidade humana como uma família como seus princípios teológicos e sociais orientadores. Isso exigirá um novo coração e espírito renovado, rejeitando seu passado e abraçando a nova realidade presente e futura na qual a criação diversa de Deus será celebrada e vivida diariamente.

 

* Maldonado é um padre aposentado da antiga Conferência Anual do Rio Grande e da Escola de Teologia Perkins. Ele e sua esposa Charlotte moram em Albuquerque, Novo México. Contato com a mídia: Tim Tanton ou Rev. Gustavo Vasquez. Você pode ligar para eles em (615) 742-5470 ou escrever para eles em [email protected]. Para ler mais notícias, ideias e inspiração da Metodista Unida para o ministério, subscreva gratuitamente a UMCOMtigo.

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]    

 

Racismo
O Rev. Giovanni Arroyo atua como alto executivo da Comissão Metodista Unida sobre Religião e Raça, a agência formada para responsabilizar a denominação pelo seu compromisso de rejeitar o racismo na vida da igreja. Foto por Mike DuBose, Notícias MU.

Fazendo as perguntas difíceis sobre raça

Nascido em Porto Rico, o Rev. Giovanni Arroyo sabe em primeira mão o que é ser uma minoria nos EUA, e essa experiência interfere na maneira como ele persegue sua missão como a principal responsável pela inclusão da Igreja Metodista Unida.
Missão
O Bispo Mande Muyombo fala durante a Conferência Geral Metodista Unida de 2019 em St. Louis. Muyombo foi o orador principal da reunião de 28 de abril a 1º de maio dos Black Methodists for Church Renewal (Metodistas Negros para a Renovação da Igreja), que foi realizada online. Foto de arquivo por Paul Jeffrey, Notícias MU.

Líderes negros discutem o futuro da Igreja

Os oradores da 55ª Assembleia Geral de Metodistas Negros para a Renovação da Igreja estavam desconfiados do que uma possível fragmentação da Igreja Metodista Unida significaria para as igrejas negras, se baseando parcialmente nos resultados de fusões e divisões anteriores.
Racismo
Até o momento, eles haviam acabado de participar de um comício no Statehouse (Casa do Estado) da Carolina do Sul em 23 de abril, com a National Association for the Advancement of Colored People (Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor) para denunciar a pena de morte e estavam se preparando para uma entrevista coletiva em 27 de abril com a South Carolina Black Activist Coalition (Coalizão de Ativistas Negros da Carolina do Sul), também na Casa do Estado, para continuar a conversa. Foto por Jackie Jackson, Conferência Anual da Carolina do Sul.

Metodistas se reúnem para acabar com a pena de morte após anúncio de execuções

Em março, funcionários de correções estaduais revelaram que as reformas foram concluídas na câmara da morte do estado para acomodar o pelotão de fuzilamento, e a data de execução de Moore foi marcada para 29 de abril.