Perguntas sobre a força-tarefa repercutindo pela igreja

Other Manual Translations: English español

A integridade do órgão legislativo da Igreja Metodista Unida será o foco de uma força-tarefa especial que incorpora possíveis impropriedades de votação na recente Conferência Geral de 2019. 

Alguns já estão questionando se os membros da Comissão da Conferência Geral podem investigar com justiça, já que a comissão credencia e supervisiona a votação na Conferência Geral. A força-tarefa de 12 membros foi autorizada a negociar com empresas de auditoria para ajudar no trabalho. 

O debate está repercutindo em torno da igreja, questionando se um grupo independente é necessário para uma investigação completamente transparente. 

OS Metodistas Unidos, um grupo de apoio à unidade da Igreja Metodista Unida, pediu um "processo de livro aberto" para a investigação em uma declaração .
 
"Com todo o respeito pelo trabalho da comissão, dada a natureza séria das acusações relacionadas à votação na altamente polarizada sessão de St. Louis, as circunstâncias exigem uma investigação independente", diz a declaração. Mais de 800 delegados visaram estabelecer a direção da denominação em seu longo debate sobre a homossexualidade durante a Conferência Geral especial. 

Thomas Bickerton, bispo da área de Nova York, membro da Comissão da Conferência Geral e integrante da força-tarefa que analisará potenciais irregularidades na votação, disse que a integridade é também sua principal preocupação. 

"É decepcionante pensar que houve algum tipo de impropriedade", disse ele ao Serviço Metodista Unido de Notícias. Ele também apontou que a força-tarefa ainda não teve sua primeira reunião.

“Quando o comitê se organizar e começar a discernir que direção tomar, acredito que eles vão considerar o que for preciso para descobrir toda a verdade, o que pode incluir uma investigação independente”, disse ele.

Bishops confer during the 2019 United Methodist General Conference in St. Louis. From left are Bishops Thomas Bickerton, John Schol, and Cynthia Fierro Harvey. Bickerton, a member of the Commission of General Conference and a member of the task force that will be looking into potential voting irregularities, said integrity is his primary concern. “It is disappointing to think there has been any kind of impropriety whatsoever.” Photo by Mike DuBose, UMNS.

Os Bispos fazem revisão durante a Conferência Geral Metodista Unida de 2019 em St. Louis. À esquerda estão os bispos Thomas Bickerton, John Schol e Cynthia Fierro Harvey. Bickerton, um membro da Comissão da Conferência Geral e membro da força-tarefa que analisará possíveis irregularidades na votação, disse que a integridade é sua principal preocupação. "É decepcionante pensar que tenha havido qualquer tipo de impropriedade". Foto por Mike DuBose, SMUN.

Duncan McMillan, presidente da comissão, expressou sentimentos semelhantes. 

“A comissão está profundamente comprometida em assegurar a integridade do processo legislativo e nós levamos a sério nossa responsabilidade de examinar este assunto por completo. Depois de concluirmos uma revisão completa, consideraremos os próximos passos”, disse McMillan. 
 
A força-tarefa foi formada após revelações de possíveis irregularidades nas votações na assembleia legislativa. Delegados de lá adotaram o Plano Tradicional, que reforça a denominação de proibir casamentos entre pessoas do mesmo sexo e clérigos homossexuais “autoproclamados” ao mesmo tempo em que acrescentam medidas de fiscalização.

O reverendo Gary Graves, secretário da Comissão da Conferência Geral, disse que o número de eleitores inelegíveis era muito pequeno para afetar o resultado da votação do Plano Tradicional ou a derrota do Plano de Uma Igreja. O plano de Uma Igreja teria deixado questões de casamento ao clero e às igrejas individuais, e ordenação para as conferências anuais. 

No entanto, uma votação que permitiria que as igrejas, dentro de limites, deixassem a denominação enquanto mantinham a propriedade da igreja, foi decidida por uma margem de dois votos. Graves disse que, uma vez que a votação é por voto secreto, não se sabe se os possíveis eleitores inelegíveis apoiaram um resultado específico. 

Mike McCurry, que foi secretário de imprensa do ex-presidente Bill Clinton, e é um delegado da Conferência Geral de 2004 e 2008, também disse que a integridade é crucial.

“Eu acredito que é importante ter confiança na integridade da Conferência Geral. Dito isso, não acredito que isso seja uma maneira indireta de reverter a recente decisão da Conferência Geral, disse McCurry, agora um estrategista político veterano que também leciona no Wesley Theological Seminary. 
 
Um artigo do New York Times citou os filhos de dois bispos diferentes, o Bispo da Área do Leste do Congo, Gabriel Unda, e o Bispo da Área do Sul do Congo, Kasap Owan, como possíveis eleitores inelegíveis. 

Kasap disse ao Serviço Metodista Unido de Notícias que achava que uma investigação independente seria melhor, desde que a Comissão da Conferência Geral tivesse os fundos. As credenciais de seu filho, Philippe Kasap Kachez, estão entre as que estão sendo questionadas.

"Espero não perder tempo com culpa", disse Kasap, que afirma que o furor sobre a votação é porque as pessoas estão descontentes com o resultado da Conferência Geral especial. 
 
Embora Kasap Kachez não esteja listado nos registros de comparecimento dos delegados, tanto ele como o bispo disseram que ele foi eleito como reserva em 2018. O bispo Kasap forneceu uma cópia do jornal da Conferência do Congo do 2018, que lista a eleição de Kasap Kachez como uma reserva. 
 
Uma organização investigando a si mesma é "uma receita para o desastre", disse Stephen Drachler, consultor de comunicações de crise que trabalha com grupos religiosos, entidades governamentais e outras organizações. Ele também serviu como um delegado da Conferência Geral em 1992, 1996 e 2012.

“Na eleição do ano passado para o 9º Distrito da Carolina do Norte na Câmara dos Deputados dos EUA, alegações de conduta imprópria com votos ausentes fizeram com que o comitê eleitoral estatal ordenasse uma nova eleição. As evidências mostraram que, embora o número de votos fraudulentos nas eleições apertadas não tenha sido suficiente para mudar o resultado final, a eleição foi marcada ao ponto de precisar ser refeita. Isso poderia ser o que aconteceu com a Conferência Geral de 2019. Uma investigação independente é a única maneira de descobrir com credibilidade”, escreve ele em um blog. 

O Rev. Keith Boyette, presidente da Associação do Pacto Wesleyano, disse que a Comissão da Conferência Geral procedeu adequadamente ao nomear uma força-tarefa de seus membros de acordo com o Livro da Disciplina Metodista Unida e as Regras da Conferência Geral.

O Pacto Wesleyano apoia o Plano Tradicional aprovado pela Conferência Geral de 2019. 

“A Comissão da Conferência Geral estabeleceu meios robustos para proteger a integridade da conferência e elogiamos seus esforços contínuos para fortificar esses meios onde necessário”, disse ele. 

O reverendo Jim Harnish, membro do Metodistas Unidos, disse que uma investigação independente poderia fornecer algumas recomendações para seleção e credenciamento de delegados para 2020. 

Harnish disse que a principal intenção em falar é de garantir transparência e veracidade. Rumores e acusações depois da Conferência Geral aumentam a desconfiança na denominação, disse ele.

“Isso danifica o testemunho da igreja no mundo. […] Espero que possamos superar algumas das coisas que nos dividem em vez de reforçar nossas diferenças”, disse ele. 


* Gilbert é um repórter multimídia do Serviço Metodista Unido de Notícias. Entre em contato com ela pelo telefone (615) 742-5470 ou newsdesk@umcom.org . 

** Sara Novaes é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina @umcom.org

Área Geral da Igreja
O Plano de Indianápolis visualiza a integração de duas outras denominações "metodistas unidos" tradicionalista, centrista / progressista integrada ou separada de acordo com sua perspectiva sobre a inclusão da comunidade LGBTQ+ na igreja. Foto ilustração Rev. Gustavo Vasquez, MU News.

Grupo esboça plano de separação para denominação

Um grupo de líderes de igrejas centristas, progressistas e tradicionalistas elaborou um plano para a Igreja Metodista Unida se separar amigavelmente
Área Geral da Igreja
Os bispos Thomas J. Bickerton (centro) e Gregory V. Palmer (à direita) conversam com colegas sobre procedimentos legislativos durante a Conferência Geral Metodista Unida de 2019 em St. Louis. Bickerton é o representante do Conselho dos Bispos na Comissão da Conferência Geral. A Comissão da Conferência Geral - que se reuniu a portas fechadas - revisou uma investigação que encontrou evidências de quatro pessoas inelegíveis votando com as credenciais dos delegados que não estavam presentes. Foto de arquivo por Mike DuBose, Notícias MU.

Votação indevida no GC2019 anula voto chave

Uma investigação sobre a Conferência Geral determinou que o número de eleitores inelegíveis era suficiente para afetar um voto sobre como as igrejas podem deixar a denominação.
Área Geral da Igreja
O bispo Rodolfo Alfonso “Rudy” Juan, que lidera a Área de Davao, no sul das Filipinas, prega na Comissão sobre a reunião da Conferência Geral em Lexington, Ky. Juan expressou desapontamento com a decisão de não realizar a Conferência Geral de 2024 nas Filipinas. Foto de Heather Hahn, Notícias MU.

Planos cancelados para GC2024 nas Filipinas

Os organizadores cancelaram, por enquanto, os planos para realizar a primeira Conferência Geral da Igreja Metodista Unida fora dos Estados Unidos.