Homem de Sweetwater experimenta como é parecer e falar diferente

Other Manual Translations: español

SWEETWATER, Tenn. - Cam Belk tem uma mãe afro-americana e um pai branco. Ele trabalha em um restaurante mexicano onde fala espanhol a maior parte do dia.

Aos 21 anos, Belk é um estudante universitário Metodista Unido que tenta discernir o seu futuro numa época em que o racismo e a divisão são proeminentes nas notícias locais e nacionais.

“Ser afro-americano ou ter a pele morena na América é como ter uma ferida constante do seu lado”, explica ele.

Quando Belk vê pessoas sendo tratadas injustamente ou até mortas por causa da cor da pele, “é como rasgar a bandagem da ferida. Dói e não consigo processar”.

Ele é membro da Primeira Igreja Metodista Unida em Sweetwater e frequentou a Universidade Tennessee Wesleyan nos últimos três anos. Depois que um amigo o convidou para a Primeira Metodista Unida, foi uma jovem líder, Crystal Ragan, que manteve Belk voltando para a igreja e o ajudou a aprofundar sua fé.

“Crystal Ragan meio que nos acolheu como se fôssemos seus próprios filhos. Ela nos fez sentir importantes”, disse ele.

Belk achava que estava caminhando para uma carreira na área da saúde, mas percebeu que isso não era para ele depois de começar seus estudos no Tennessee Wesleyan. O interesse de uma vida inteira por falar outras línguas e o desejo de viajar o levaram a se perguntar se ele foi chamado para ser um missionário.

“Sou de uma cidade pequena onde as pessoas nem sempre querem sair ou ver muita coisa”, disse ele. “Conheci muitos estudantes internacionais [no Tennessee Wesleyan] e queria ir a algum lugar.”

Como membro jovem da Primeira Igreja Metodista Unida, Belk adorou aprender a falar português com outro membro da igreja. Quando começou a trabalhar no restaurante mexicano, mergulhou no aprendizado da língua espanhola.

O último ano o expôs a novas realidades sobre como as pessoas tratam as outras que não apenas falam, mas parecem diferentes.

“Eu meio que vi como é para eles”, disse ele sobre seus colegas de trabalho e amigos na comunidade mexicana. “As pessoas simplesmente olham para você como 'menor que'. Eles quase pensam que você não tem educação porque fala espanhol.”

Ele também notou uma diferença no racismo vivido por negros e hispânicos nos Estados Unidos:

“[Os negros] são aceitos por estar aqui, mas cuidado com o que você faz. Sinto que, com a comunidade mexicana e hispânica, a atitude é: 'Não queremos você aqui e observe o que você faz' ”.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Ele acrescentou: “Não estou dizendo que todos os americanos são assim, apenas alguns”. Belk também se sentiu desrespeitado por alguns falantes de espanhol que o desprezaram porque sua primeira língua é o inglês. "Isso pode acontecer para os dois lados."

Como uma pessoa birracial, Belk disse estar muito ciente de como as pessoas tendem a se categorizar. “As crianças birraciais se confundem com tantas coisas. Eles não sabem o que você é. Eles apenas sabem que você é alguma coisa.” Em seu trabalho, ele costuma ser questionado se é dominicano ou porto-riquenho. Quando se socializa com amigos internacionais na faculdade, pergunta se é meio brasileiro ou tailandês.

Por ser birracial, ele diz que se sente ainda mais confuso com o racismo comum nos noticiários hoje - especialmente o racismo revelado nas mortes violentas de Trayvon Martin, George Floyd e Breoanna Taylor. “Não chego a uma escala ainda maior”, explicou ele. “Porque meu pai é branco e meu pai me ama, e eu tenho pessoas brancas em minha vida que me amam.”

Seis meses atrás, Belk fez uma pausa de seus estudos no Tennessee Wesleyan para trabalhar e pensar sobre seu futuro. Ele teve um sonho em que ouviu o Senhor chamando-o para trabalhar nos ministérios hispânicos, mas suas investigações ainda não deram certo.

Determinado a expandir seu mundo e melhorar seu espanhol, ele recentemente programou viagens sozinho para a cidade de Nova York e para Porto Rico.

“Vou descobrir sozinho, para onde ir e o que dizer”, disse ele. Em Porto Rico, “Quero ser forçado a falar espanhol o dia todo”.

O risco de COVID-19 o deixa “muito nervoso”, mas ele se sente chamado a seguir em frente. “O que quer que eu faça, no exterior ou aqui, quero trabalhar com pessoas e ajudá-las. Eu posso me ver lutando pelos direitos humanos. Este pode ser o meu período de preparação.”

 

 

*Annette Spence é editora do The Call, o jornal da Conferência Holston. A Conferência Holston inclui 853 congregações Metodistas Unidas em East Tennessee, Southwest Virginia e North Georgia.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]. Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

Preocupações Sociais
Cindy Andrade Johnson (centro), uma diaconisa Metodista Unida, ajuda migrantes que vivem em um campo improvisado em Matamoros, México, a escrever cartas para o presidente eleito dos EUA, Joe Biden. Biden prometeu reforma da imigração durante sua campanha presidencial. Foto cedida por Cindy Andrade Johnson.

Migrantes procuram Biden para reforma da imigração

O presidente eleito Biden prometeu reforma da imigração durante sua campanha presidencial, e agora os migrantes estão escrevendo para ele pedindo que cumpra essas promessas.
Preocupações Sociais
A Bispa Metodista Unida LaTrelle Easterling (à direita) oferece uma oração durante uma vigília inter-religiosa perto da Casa Branca em 3 de junho. À esquerda está o prefeito de Washington Muriel Bowser. As conferências Metodistas Unidas estão a enfrentar o pecado do racismo através de orações, apelos por justiça e educação sobre a supremacia branca. Foto de arquivo: Melissa Lauber, Conferência de Baltimore-Washington.

Tomando medidas concretas para lutar contra o racismo

As conferências Metodistas Unidas estão a enfrentar o pecado do racismo através de orações, apelos por justiça e educação sobre a supremacia branca.
Preocupações Sociais
Rev. David Maldonado. Imagem retirada da reportagem em vídeo "La Iglesia Etnica", publicada no canal IMULATINA no Youtube da Notícias MU.

A igreja deve ouvir vozes hispânicas / latinas

A falta de vozes da América Latina representa uma grande lacuna nas conversas globais que ocorrem na Igreja Metodista Unida.