Metodistas se reúnem para acabar com a pena de morte após anúncio de execuções

Translate Page

A Revda. Hillary Taylor, a área de Advocacia dos Ministérios Conexionais da Conferência e outros com a IMU, estão se unindo aos da South Carolinians for Alternatives to the Death Penalty (Carolina do Sul para Alternativas à Pena de Morte) para parar o que muitos consideram a prática bárbara de execução humana neste estado.

Até o momento, eles haviam acabado de participar de um comício no Statehouse (Casa do Estado) da Carolina do Sul em 23 de abril, com a National Association for the Advancement of Colored People (Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor) para denunciar a pena de morte e estavam se preparando para uma entrevista coletiva em 27 de abril com a South Carolina Black Activist Coalition (Coalizão de Ativistas Negros da Carolina do Sul), também na Casa do Estado, para continuar a conversa.

Muitas atividades recentes surgiram quando foi anunciado em março que a data de execução havia sido marcada para Richard Moore, condenado pelo assassinato em 1999 do balconista de loja de conveniência James Mahoney em Spartanburg. A última execução na Carolina do Sul ocorreu em 2011 e, desde então, funcionários do Departamento de Correções afirmaram que não tiveram sucesso na obtenção de drogas injetáveis letais. A Carolina do Sul aprovou uma lei em 2021 que tornou a cadeira elétrica o método de execução padrão em vez da injeção letal, com o pelotão de fuzilamento como alternativa.

Em março, funcionários de correções estaduais revelaram que as reformas foram concluídas na câmara da morte do estado para acomodar o pelotão de fuzilamento, e a data de execução de Moore foi marcada para 29 de abril.

Foi-lhe dada a escolha entre o pelotão de fuzilamento e a cadeira elétrica.

Em abril, Moore escolheu a execução por pelotão de fuzilamento, embora tenha declarado que considerava ambas as opções inconstitucionais, mas foi forçado a tomar uma decisão dentro de um prazo.

Em 20 de abril, a Suprema Corte da Carolina do Sul emitiu uma suspensão temporária bloqueando a execução de Moore. Eles não disseram por que emitiram a suspensão, mas estão em questão vários desafios, incluindo se a sentença de Moore foi proporcional ao seu crime, a constitucionalidade dos métodos de execução do estado, a legitimidade das alegações dos funcionários da prisão de que eles não podem obter drogas injetáveis letais, e se o pelotão de fuzilamento e a cadeira elétrica são punições cruéis e inusitadas.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Um segundo preso no corredor da morte, Brad Keith Sigmon, está programado para ser executado em 13 de maio. Sigmon foi condenado por duas acusações de assassinato e roubo em primeiro grau em 2002.

Meredith Matthews, organizadora da comunidade da Carolina do Sul para Alternativas à Pena de Morte, disse estar chocada que este estado não apenas legalize execuções públicas, mas use o que ela chama de práticas cruéis.

“O pelotão de fuzilamento é algo que vemos em outras partes do mundo”, disse Matthews, que cresceu na IMU e considera a pena de morte uma prática que não está de acordo com o cristianismo.

“Espiritualmente, é difícil para mim conciliar como um estado que se orgulha dos valores cristãos pode se virar e não oferecer graça.”

Matthews observou que Moore está extremamente arrependido pelo crime, que ela disse não ter sido assassinato premeditado, pois Moore matou o balconista com a arma do balconista e não trouxe uma arma para a loja. Ela também observou que Moore é um homem negro, mas não havia uma única pessoa negra em seu júri, e o juiz, promotor e advogado de defesa eram todos brancos.

“Ele não é apenas um 'detento no corredor da morte', mas um pai, um filho, e precisamos nos lembrar disso porque é um reflexo de todos nós”, disse Matthews.

Taylor disse o mesmo, observando que a pena de morte é arbitrária, politicamente motivada e cara, mas o mais importante, não está de acordo com a teologia cristã.

“Há todos os tipos de razões práticas pelas quais não devemos ser a favor da pena de morte, mas, além disso, como cristãos, devemos ser contra a pena de morte porque acreditamos que ninguém está além da redenção”, disse Taylor, que é convocador interino da Carolina do Sul para Alternativas à Pena de Morte. “Somos mais do que a pior coisa que já fizemos.”

Além disso, ela observou, Jesus foi executado – nós adoramos um Deus executado.

“O cinturão da Bíblia tornou-se o cinturão da morte, mas existem alternativas à pena de morte onde podemos restaurar a imagem da pessoa criada por Deus que fez essa coisa terrível, e também trabalhar para curar uma família de traumas e impedir que essas coisas aconteçam novamente.”

Ela disse que endossar a pena de morte faz os cristãos parecerem bárbaros, fazendo com que as pessoas tenham um olhar enviesado para nossa fé.

“A verdadeira pergunta que devemos fazer é quem Jesus executaria, e a resposta é nenhuma”, disse Taylor.

Para saber mais sobre a luta por alternativas à pena de morte e o que a organização está fazendo em relação à execução de Moore, visite SCADP.org.

 

*Jessica Brodie, é advogada e editora do jornal South Carolina United Methodist Advocate (Defensoria Metodista Unida da Carolina do Sul).

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]. Para ler mais notícias dos Metodistas Unidos, assine os resumos quinzenais gratuitos.

Conferência Anual
O Rev. Andrew C. Kjorlaug, um ancião da Conferência do Arkansas e capelão do Exército dos EUA, apresenta uma resolução na Conferência Anual do Arkansas que convida a delegação do Congresso do estado a agir sobre a “legislação responsável sobre armas de fogo”. Em um ano que viu vários tiroteios em massa, o Arkansas estava entre várias conferências Metodistas Unidas pedindo aos líderes eleitos que fizessem mais para regular as armas. Captura de tela cortesia da Conferência do Arkansas via YouTube pela Notícias MU.

Conferências agem a respeito da violência armada

Mesmo que as conferências anuais se encontrem no meio de discussões sobre desfiliações da igreja local e desacordos sobre a inclusão LGBTQ, elas estão pedindo ação e aprovando resoluções, além da retórica e dos chamados necessários à oração, sobre o grave problema da violência armada na sociedade americana.
Preocupações Sociais
Durante uma vigília de oração em 5 de julho, o Rev. Cal Haines de Lake Bluff, Diácono Patricia Bonilla de Grace UMC e o Rev. Esther Lee, da Christ UMC em Deerfield, segure velas e lembre-se das vítimas e feridos no desfile de 4 de julho em Highland Park. Foto cortesia da Conferência Anual do Norte de Illinois.

Comunidades religiosas se reúnem para lamentar, lembrar e orar após a tragédia do Desfile de Highland Park

A IMU Cristo abriu suas portas para a comunidade para uma vigília de oração no dia 5 de julho, cantando o hino “Amazing Grace”, com leitura das escrituras, iluminação de velas e um momento para lembrar as vítimas e suas famílias.
Violência
Pessoas reagem do lado de fora do Centro Cívico Willie de Leon em Uvalde, Texas, para onde estudantes foram transportados da Robb Elementary School após um tiroteio que deixou 19 crianças e dois professores mortos. Foto de Marco Bello, Reuters.

Luto, orando após ataque na escola

Os Metodistas Unidos estão orando pelas famílias devastadas e por uma comunidade traumatizada após o assassinato de 19 crianças e dois professores. O presidente do Conselho de Bispos está exortando os leigos e o clero a “partir para ofensiva” para impedir os tiroteios em massa.