Metodistas nas Bahamas lidam com o trauma do Dorian

Other Manual Translations: English español

O reverendo Kenneth Lewis, morador de Freeport e superintendente do Circuito Grand Bahama da Igreja Metodista no Caribe e nas Américas, vivenciou seu primeiro furacão aos 5 anos de idade. 
De todos os furacões pelos quais ele passou, ele declarou que Dorian "foi de longe o pior".
Mesmo em Freeport, a 3 km do olho do furacão, Dorian foi uma experiência punitiva, com quatro dias de ventos com força de furacão, incluindo um período devastador de 48 horas, enquanto a tempestade se acalmava.

Cerca de uma dúzia de pessoas - Lewis e sua esposa, Dularie, e membros da família estendida – escaparam do Dorian na casa que ele construiu após um furacão em 2004, com suas tiras de metal expansíveis, plantadas dentro de concreto armado, amarradas ao aço, e pregadas a ele, molduras de madeira do telhado. As baterias solares mantinham as luzes acesas e os ventiladores funcionando quando necessário. 
Ainda assim, Lewis temia que o telhado saísse de sua casa, deixando-os sem lugar para onde ir. "Orei a cada minuto da tempestade", disse ele à Notícias MU.
O impacto prolongado do furacão Dorian, depois de atingir as Bahamas em 1º de setembro, foi uma grande devastação, que gerou o deslocamento de dezenas de milhares de residentes e um número oficial de 56 mortos. Em 28 de setembro, quase um mês depois, a estimativa de desaparecidos foi ajustada de 1.300 para 600

Como ajudar

As doações para as Bahamas podem ser feitas através do Avanço  
Internacional de Resposta a Desastres da UMCOR # 982450 . O dinheiro desse fundo é usado para responder a desastres em todo o mundo.

"Emocionalmente, isso vai nos assustar por algum tempo", disse Lewis. “Eu tenho que lidar com membros que perderam tudo. A casa se foi, os pertences se foram, e ficaram sem comida, sem roupas, sem veículos”.

Membros das duas denominações metodistas nas Bahamas responderam às necessidades imediatas após o desastre, com subsídios iniciais de solidariedade do Comitê Metodista Unido de Socorro. Mas eles acreditam que ajudar os sobreviventes com o impacto psicológico de Dorian será tão significativo quanto fornecer os meios para a sobrevivência diária. 

"Na minha opinião, haverá uma grande necessidade de aconselhamento, porque muitas pessoas ficaram traumatizadas", disse o bispo Theophilus Rolle, presidente da Conferência das Bahamas, Ilhas Turks e Caicos, Igreja Metodista no Caribe e nas Américas.

Muitos dos deslocados das ilhas Abaco e Grand Bahama foram evacuados para Nassau. Os pedidos contínuos de cuidado pastoral exigiram atenção contínua dos membros da Conferência das Bahamas da Igreja Metodista, incluindo seu presidente, Rev. L. Carla Culmer.

No meio da entrega de suprimentos a abrigos e casas de acolhimento que acolheram membros evacuados da família, a conferência estabeleceu um retiro de um dia no dia 5 de outubro, para ajudar os líderes e evacuados da igreja a aprender a lidar com o trauma. Vários representantes da Conferência Metodista Unida do Alabama do Norte liderarão o retiro.
 
Por meio do Habitat Metodista das Bahamas, seu ministério de resposta a desastres, a Conferência das Bahamas tem uma vasta experiência na reconstrução de casas após furacões. Esse trabalho eventualmente fará parte do trabalho de recuperação de Dorian.

Rotary Club president Susan Culmer presents backpacks to students in a shelter for Hurricane Dorian evacuees at Bahamas Methodist Habitat on Eleuthera Island. The backpacks were donated by the local Rotary Club. Photo by Maisie Thomson.
A presidente do Rotary Club, Susan Culmer, apresenta mochilas para os alunos em um abrigo para os refugiados do furacão Dorian no Habitat Metodista das Bahamas, na Ilha Eleuthera. As mochilas foram doadas pelo Rotary Club local. Foto de Maisie Thomson. 

"Quero voltar à reconstrução", disse Culmer enquanto se preparava para presidir o funeral de alguém que morreu após sofrer o trauma da tempestade. “Mas você precisa reconstruir vidas primeiro”.


Na ilha de Eleuthera, onde o Habitat Metodista das Bahamas está localizado, em Camp Symonette, mais de 70 pessoas usaram o abrigo criado para evacuados e pessoas deslocadas.

A vida continua muito instável para as pessoas afetadas pelo furacão Dorian, disse a Revda. Stephanie Gottschalk, diretora executiva da organização desde janeiro de 2018. Ela é ex-coordenadora de Voluntários em Missão da Conferência Metodista Ocidental da Pensilvânia.

"As últimas semanas foram um borrão", disse ela. “Estamos tentando ajudar os evacuados a encontrar uma sensação de normalidade em meio a perdas incríveis e garantir que eles tenham apoio e que não serão esquecidos.” O Bahamas Methodist Habitat está fornecendo apoio temporário, ajudando seus convidados a determinar seus próximos passos e se conectar aos grupos e indivíduos que possam prestar assistência. "Isso varia de acordo com a família, algumas ficam aqui por 24 horas antes de seguir em frente ou demoram um pouco mais para se auto-sustentar", explicou ela. “É difícil começar do zero”.

“Os alunos estão começando a escola e os adultos estão começando a trabalhar ou se voluntariar para ajudar um ao outro. Todos os dias, nossos moradores lidam com alguma nova imagem, lembram-se de outra coisa que foi perdida ou recebem notícias de amigos desaparecidos, às vezes boas notícias e às vezes confirmando piores medos”, disse Gottschalk.
 
Representantes de ambas as denominações metodistas se reuniram com Katherine Hills-Uzoka, gerente internacional do programa de Resposta a Desastres da UMCOR, quando ela visitou as Bahamas na última semana de setembro.

Suscríbase a nuestro nuevo boletín electrónico en español y portugués UMCOMtigo

¿Le gusta lo que está leyendo y quiere ver más? Regístrese para recibir nuestro nuevo boletín electrónico UMCOMtigo, un resumen semanal en español y portugués, con noticias, recursos y eventos importantes en la vida de La Iglesia Metodista Unida. 

¡Manténgase informado/a!

Gottschalk também participou de uma conversa em Nassau, organizada pela Agência Nacional de Gerenciamento de Emergências das Bahamas.

A assistência administrativa com voluntários será fundamental quando essas equipes chegarem, disse ela.

"Estamos no processo de estabelecer o sistema de apoio a voluntários em Abaco e Grand Bahama, mas também continuaremos nosso trabalho de alívio de desastres em Eleuthera e outras ilhas", acrescentou Gottschalk, observando que algumas ilhas ainda sofrem danos causados pelo furacão Matthew, de 2016.

Segundo ela, os efeitos do Dorian são óbvios, mas a cura está acontecendo dia após dia também. A hora de adorar e conversar oferece uma saída para a dor e para liberar o estresse, mesmo que momentaneamente.

"A igreja em todos os níveis deixou claro que estamos comprometidos em caminhar com as pessoas nesta temporada de recuperação e cura e temos grandes esperanças para os próximos capítulos da vida em Abaco e Grand Bahama", disse Gottschalk.

Nas ilhas, os metodistas estão coletando suprimentos necessários e se organizando para apoiar os necessitados dentro e fora de suas comunidades.
 
Os alunos do Queen's College em Nassau, uma escola afiliada à Conferência das Bahamas, doaram itens e montaram kits de higiene em 6 de setembro para enviar ao Habitat e a outros lugares, além de fazer entregas de comida quente.
 
"A escola é grata pela magnitude da resposta", disse um relatório no site do Queens College. “Milhares de itens chegaram no dia seguinte. Durante todo o dia, os pais pararam para ajudar e entregar itens adicionais”.

Students and teachers at Queen’s College in Nassau, Bahamas, assemble hygiene kits for those in need on Grand Bahama and Abaco islands following Hurricane Dorian. Photo courtesy of Queen’s College.
Alunos e professores do Queen's College em Nassau, Bahamas, montam kits de higiene para quem precisa nas ilhas Grand Bahama e Abaco, após o furacão Dorian. Foto cortesia do Queen's College. 

Em Freeport, a capela da Igreja Metodista de St. Paul, onde fica a sede de Lewis, sofreu danos significativos do Dorian, mas o salão da irmandade e o prédio da juventude foram poupados.


A igreja foi criada como um centro de distribuição e os planos estavam em andamento no final de setembro para expandir os ministérios existentes para ajudar a atender a necessidade dos moradores. Quase 200 pessoas, por exemplo, compareceram no dia 24 de setembro para um evento de demonstração e distribuição de kits de purificação de água.

Na extremidade de Grand Bahama, a infraestrutura permanece em vigor. Isso não se aplica à Ilha de Abaco e ao extremo leste de Grand Bahama, a cerca de 65 quilômetros de Freeport, que Lewis visitou em 23 de setembro.

"Eu contei talvez cinco casas... que você poderia restaurar em um período de tempo razoável", ele disse. "Nas outras casas, você teria que reconstruí-las". 

O mais perturbador é que Lewis disse que podia "cheirar a presença da morte". As casas mais próximas à costa foram destruídas e as que estavam a menos de 6 metros acima do nível do mar foram danificadas ou inundadas pela água que varreu tudo. 

Como centenas de pessoas se mudaram do extremo leste de Grand Bahama para morar com amigos e familiares em Freeport, a demanda por suprimentos de socorro aumentou.

Além disso, ele disse, “muitas empresas foram danificadas, então as pessoas estão sem trabalho. As empresas tiveram que suspender as operações por causa do furacão”.

A maior parte do alívio imediato em Freeport veio de doadores internacionais, parceiros, amigos e familiares. Os navios de cruzeiro fornecem 10.000 refeições por dia, mas esse serviço está terminando, disse Lewis.

As igrejas metodistas da Grande Bahama em breve poderão oferecer até 750 refeições por dia em Freeport, observou ele. As igrejas já têm um ministério semanal de café da manhã de longo prazo para crianças em idade escolar nas igrejas de St. Paul e St. David, juntamente com o ministério “Despensa de Deus” em St. Paul. Detalhes ainda estão em andamento, incluindo como e de onde os recursos virão. 

"A demanda e a necessidade são tremendas", relatou Lewis. “Eu nunca vi isso assim”.


*Bloom é editora assistente de notícias do Serviço de Notícias Metodista Unida e está sediada em Nova York.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina@umcom.org. Siga-a em https://twitter.com/umcscribe ou entre em contato com ela em 615-742-5470 ou newsdesk@umcom.org. Para ler mais notícias da metodistas unidas, assine gratuitamente o UMCOMtigo, um resumo semanal de notícias e recursos.

 

 

 

Área Geral da Igreja
Bispo Cynthia Fierro-Harvey. Foto Mike Dubose, Notícias MU

Bispo Cynthia Harvey eleita presidente do Conselho Metodista Unido dos Bispos

O bispo Fierro Harvey foi a segunda mulher de origem ltino consagrada como bispo da Igreja Metodista Unida.
Evangelismo
Membros presentes na apresentacao oficial do Censo Geral da Igreja Metodista Unida, no auditoria da UMA. Foto de Orlando da Cruz.

O primeiro Censo Geral da População e Habitação da Igreja Metodista de Angola

Na história da denominação, passados 135 anos de Metodismo Unido em Angola, arrancou no passado dia 1 de Agosto e vai estender-se até Novembro deste ano, em 12 das 18 provincias do país o censo da população e patrimonio da Metodista Unida.
Área Geral da Igreja
O membro do Conselho Judicial Metodista Unido Warren Plowden (à esquerda) faz uma pergunta sobre a investigação de votação indevida durante a Conferência Geral Metodista Unida de 2019. Ele estava interrogando o bispo Kenneth H. Carter, presidente do Conselho de Bispos da denominação, e William Waddell, consultor jurídico do conselho, durante uma audiência na reunião do Conselho Judicial em Evanston, Illinois. Foto de Mike DuBose, Notícias MU.

Tribunal superior levanta questões em intensa audiência

Uma investigação de longa duração sobre votação indevida durante a Conferência Geral de 2019 ferveu em 30 de outubro, durante uma audiência pública realizada pelo Conselho Judiciário Metodista Unido.