Cruzando barreiras linguísticas para o santuário em Charlottesville, Virginia

Other Manual Translations: español

A Igreja Metodista Unida Wesley Memorial, em Charlottesville, Virgínia, tinha menos de um dia para decidir oferecer santuário à Maria Chavalan Sut. Em 29 de setembro de 2018, a Coalizão de Recursos e Defesa de Imigração da área de Charlottesville se aproximou do pastor de Wesley, o Rev. Isaac Collins, para perguntar se a igreja aceitaria uma nativa guatemalteca de Kaqchikel para santuário. Após o culto de 30 de setembro, Collins e membros da congregação sentaram-se com líderes da comunidade para discutir seu caso. Então, o conselho da igreja votou unanimemente para aceitá-la como sua primeira hóspede do santuário e abriu suas portas naquele dia.

Chavalan Sut está na faixa dos 40 anos, e experimentou o tipo de violência que deixa cicatrizes profundas, cicatrizes que a incomodam e dificultam a sensação de segurança. Ela é uma sobrevivente da Guerra Civil Guatemalteca de 36 anos (1960-1996), mas sua casa e vila foram queimadas até o chão. Seu tio e primos foram enterrados vivos. O Kaqchikel é um dos 26 grupos indígenas maias da Guatemala. A BBC relata que mais de 200.000 pessoas foram mortas durante a guerra, e 83% delas eram descendentes de maias. 

O legado da violência contra as mulheres indígenas deixadas por esses anos de terror continua até hoje.
Apesar das probabilidades, Chavalan Sut se formou na escola e se tornou professora. Ela também trabalhou para salvar sua língua nativa, produzindo e distribuindo literatura Kaqchikel na Cidade da Guatemala. Mas em 2014, sua família foi mais uma vez alvo, desta vez por pessoas que queriam a terra de sua família. Quando ela se recusou a vender, eles colocaram fogo em sua casa enquanto sua família ainda estava dentro. Em 2015, ChavalanSut fez o seu caminho para os Estados Unidos.

Iglesia Metodista Unida Wesley Memorial en Charlottesville, Virginia. Foto: Cortesía de la Iglesia Metodista Unida Wesley Memorial.

IMU Memorial Wesley em Charlottesville, Virgínia. Foto: Cortesia de IMU Memorial Wesley.

Buscando segurança e o devido processo

Chavalan Sut seguiu o caminho legal aberto para entrar nos EUA, se voltando aos agentes de fronteira dos EUA e pedindo asilo. Ela passou na entrevista de "medo crível" com um agente de fronteira e foi liberada para esperar até que seu caso pudesse ser ouvido em um tribunal de imigração na Virgínia. Mas o documento de Aviso para Aparecer que o Serviço de Imigração e Alfândega forneceu a ela não deu nenhuma data ou tempo para sua aparição. Ela esperou por mais detalhes, que ela nunca recebeu. Ela perdeu a data da audiência e, como não compareceu, o tribunal ordenou sua remoção. Chavalan Sut está contestando a ordem com base em sua falta de notificação, e seu advogado apresentou uma moção para reabrir seu caso, que está pendente de uma nova data no tribunal de imigração em Arlington. Mas a ICE agiu no pedido antes que o recurso pudesse ser decidido. À Chavalan Sut foi negado o devido processo e seu direito de contestar a ordem, um direito garantido pela lei internacional sob o Protocolo das Nações Unidas de 1967 sobre o Estatuto dos Refugiados.

Dentro das paredes da igreja, no cuidado de membros e voluntários da comunidade, Chavalan Sut admitiu que fazia muito tempo desde quando se sentiu segura. “Pela primeira vez posso respirar; a primeira vez que posso dormir; Pela primeira vez, eu não senti medo”, disse ela em um comunicado divulgado pela igreja uma semana depois que ela entrou no santuário.

Para parte da congregação, Collins disse que o santuário era mais uma resposta espiritual do que política. “Quando abrimos nossas portas para Maria, não se tratava apenas de dar a ela um lugar para ficar. Queríamos recebê-la plenamente em nossa comunidade”. Wesley Memorial é o lar de uma congregação mais antiga, e alguns temiam que as demandas de hospedar de um convidado sobrecarregassem a igreja. Membros da comunidade de Charlottesville além de Wesley se prepararam para preencher as lacunas de voluntários. Em média, 50 voluntários ajudam com várias tarefas a cada semana.

A igreja preparou um espaço seguro para Maria, convertendo uma sala de escola dominical com encanamento em um apartamento. A igreja e Chavalan Sut é aberta e pública sobre seu santuário, conforme exigido por lei, e quer que os membros da comunidade e líderes políticos entendam sua situação e apoiem seu caso.

Servicio del Domingo de Ramos en el santuario de la Iglesia Metodista Unida Memorial Wesley con el Rev. Isaac Collins, al centro. Foto: Cortesía de de la Iglesia Metodista Unida Memorial Wesley.

Culto de Domingo de Ramos no santuário UMC Wesley Memorial, com o Rev. Isaac Collins, no centro. Foto: Cortesia da IMU Memorial Wesley. 

Em casa em qualquer igreja

No início de 2019, a UMC Wesley Memorial submeteu um pedido incomum ao Comitê de Assistência Metodista Unida, para uma concessão de Migração Global. Como Chavalan Sut não é totalmente fluente em inglês, a congregação queria estender sua hospitalidade oferecendo tradução simultânea de inglês para espanhol durante o culto e outros eventos que a igreja realizava. Isso torna o serviço acessível para seus hóspedes e para outros falantes de espanhol na comunidade que começaram a participar da adoração em solidariedade com Chavalan Sut. O subsídio da UMCOR fornece equipamento de tradução e fundos para manter uma rotação de tradutores experientes por um ano.

"Sentimos que não havia maneira de dar as boas-vindas a Maria, a menos que ela fosse bem-vinda em nossa comunidade de adoradores e pudesse entender o que estava acontecendo lá", disse Collins em uma entrevista. “O equipamento de interpretação é importante, porque essa tecnologia torna mais fácil para ela, mas também para todos ao seu redor. Outros em nossa congregação têm problemas para ouvir”. Ter tradutores na maioria dos eventos ajudou a congregação a conhecer Chavalan Sut melhor, e ela aprendeu mais sobre a congregação.

Collins diz que a hospedagem no santuário ocorre sem problemas na maior parte do tempo, mas ele observou que a tensão mental do santuário é real. “Maria é basicamente encarcerada aqui, voluntariamente, mas ela mal tem tempo lá fora. Tentamos tornar este local o mais agradável e acolhedor possível. Mas o custo mental que isso pode levar é muito intenso”. O esforço extra que a igreja tem feito para se conectar com Chavalan Sut como um ser humano ajudou a aliviar essa tensão. Mas o objetivo de todos os envolvidos é, em última análise, Chavalan Sut para adquirir status legal permanente nos EUA para que ela possa sair das portas novamente e caminhar livremente para a comunidade.

NOTA: Para mais informações sobre Wesley Memorial Church, visite https://wesleymumc.org/giving/. Contribuições para o Fundo Santuário podem ser designadas na caixa de comentários. Fundos para apoiar a Migração Global podem ser feitos no site dos Ministérios Globais, Advance # 3022144

 

*Christie R. House é a escritora / editora sênior dos Ministérios Globais. Ela é membro da UMC de St. Paul e St. Andrew, em Nova York, NY, que se estende há mais de um ano para Debra Barrios-Vasquez, que é da Guatemala.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected] 

Preocupações Sociais
O reverendo Orlando Gallardo Parra (à direita), pastor da Igreja Metodista Unida Drexel em Drexel, Missouri, e um beneficiário da DACA, está casado com sua esposa, Emily, há quatro anos. "O DACA tornou possível para mim ser ordenado na Igreja Metodista Unida (e) conseguir um emprego como pastor." Foto cedida por Rev. Gallardo Parra.

A decisão da DACA traz alegria, mas a batalha não acaba

Cerca de 650.000 jovens obtiveram alívio temporário da deportação com a decisão da Suprema Corte dos EUA de sustentar a Ação Diferida por Chegadas de Infância.
Missão
A diaconisa metodista unida Cindy Johnson visita regularmente os migrantes que vivem em um acampamento em Matamoros, México, enquanto procuram asilo nos Estados Unidos. O medo do coronavírus impediu que pessoas como Johnson fossem capazes de ministrá-las pessoalmente. Foto cedida por Cindy Johnson.

Pandemia ameaça ministério com migrantes

Os Metodistas Unidos estão ajudando, mas são prejudicados pela pandemia do COVID-19, que os impede de interagir pessoalmente com os migrantes.
Preocupações Sociais
Jesús, um migrante do estado de Michoacán, no oeste do México, tenta proteger sua filha Kataleya, de um ano de idade, de uma garoa fria que cai no acampamento onde moram aos pés da ponte Paso del Norte, em Juárez, México. Michoacán está entre os cinco estados do México, com o aviso de maior risco de “não viajar” do Departamento de Estado dos EUA.

Cúpula leva os Metodistas Unidos ao coração dos problemas da fronteira

A Força-Tarefa Metodista Unida para Imigração viajou para El Paso, Las Cruces e Juárez para ver os efeitos da política de imigração que mantém os migrantes presos no México.