Lewis e Vivian provaram que a fé pode mudar uma nação

Other Manual Translations: English español

Os Revs. John Lewis e Cordy Tindell "CT" Vivian eram modelos de religião autêntica que provavam que pessoas de fé podem mudar uma nação, disse o Rev. James Lawson, um pastor metodista unido que trabalhou lado a lado com os dois homens nos primeiros dias do movimento dos direitos civis.

Lewis e Vivian morreram em 17 de julho.

Lawson disse que as notícias que se seguiram - enquanto mencionavam que os dois homens eram clérigos - deixam de fora esse importante componente religioso e o verdadeiro impacto da vida de ambos.

"Eles não apontam John Lewis e CT Vivian como modelos do que é a religião autêntica", disse ele. "A religião autêntica permite que um país veja essas questões sem espírito de vingança ou ódio."

Deixar isso de fora "cria em mim sofrimento espiritual, moral e agonia", disse ele.

 

Two Alabama state troopers pose with Congressman John Lewis following the 2009 reenactment of the 1965 voting rights march in Selma, Ala. The officers saw Lewis walking alone and asked if he would pose with them for a photograph. Always gracious, he agreed. File photo by Kathy L. Gilbert, UM News.

Dois policiais estaduais do Alabama posam com o congressista John Lewis após a reencenação de 2009 da marcha dos direitos de voto em 1965 em Selma, Alabama. Os policiais viram Lewis andando sozinho e perguntaram se ele posaria com eles para uma fotografia. Sempre gracioso, ele concordou. Foto de arquivo de Kathy L. Gilbert, Notícias MU. 

O congressista Lewis, um pregador batista ordenado, morreu aos 80 anos de idade. Lewis representava o 5º Distrito da Geórgia, que compreende a maior parte de Atlanta. Ele havia anunciado em dezembro de 2019 que havia sido  diagnosticado com câncer de pâncreas.

Vivian, que tinha 95 anos, morreu de causas naturais.

O trabalho de justiça social de Vivian precedeu o do Rev. Martin Luther King Jr. Ele protestou com violência e sucesso em Peoria, Illinois, em 1947. Mais tarde, ele se tornou parte da equipe executiva de King na Conferência Christian Leadership no sul de Atlanta.

Enquanto era Freedom Riders (Cavaleiros da Liberdade), Lawson, Lewis e Vivian foram presos e passaram algum tempo em prisões, incluindo a infame Prisão de Pergaminho - A Penitenciária Estadual do Mississippi. "A câmara de tortura de pergaminho é como eu chamei", disse Lawson.

The Rev. James Lawson talks about the early days of the civil rights movement. 2016 file photo by Mike DuBose, UM News. 

O Rev. James Lawson fala sobre os primeiros dias do movimento pelos direitos civis. Foto de arquivo de 2016 por Mike DuBose, Notícias MU.

O bispo aposentado Woodie White disse que Vivian, Lewis e outros discípulos de King consideravam a resistência não-violenta um princípio.

"Eles sobreviveram e nunca se afastaram, por mais difícil que fosse a resistência", disse ele. "Foi baseado na fé e é por isso que eles foram capazes de se distanciar."

O Rev. Gil Caldwell, pastor metodista aposentado e veterano do movimento pelos direitos civis, escreveu um comentário para o jornal semanal em Asbury Park, Nova Jersey, refletindo sobre a morte de Lewis e Vivian e a morte no início deste ano do Rev. Joseph Lowery.

"Rev. Joseph Lowery, Rev. CT Vivian, e o congressista John Lewis, foram pessoas que deram seu sangue, suor e lágrimas para desmontar e transformar as desigualdades raciais de nossa nação. Que suas vidas e mortes nos motivem a fazer de 2020 o ano em que uma Reconstrução da América começou”, escreveu ele.

A Revda. Jasmine R. Smothers, pastora da Primeira Igreja Metodista Unida de Atlanta, cresceu em Atlanta. Ela disse que Lewis e Vivian "não eram apenas pessoas que você leu nos livros de história ou viu no noticiário". 

"Independentemente do que eles estavam fazendo ou para onde estavam indo, eles sempre paravam para nos lembrar (especialmente as crianças) quem somos, de quem somos e nossa responsabilidade de lutar por equidade e justiça", escreveu ela em um post no Facebook.

Ela também lembrava de Lowery como um dos "gigantes".

“Obrigado, Senhor, por permitir que esses gigantes forjassem o caminho. Obrigado por seu impacto na minha vida. Dê-nos a força para continuar o trabalho. Não há tempo para ficar cansado."

Em seu livro de memórias de 1998, "Walking with the Wind" (Andando com o vento), Lewis escreveu sobre suas esperanças para as novas gerações de jovens ativistas.

“O que eu digo a eles é que a melhor maneira de ajudar a si mesmos é ajudar um ao outro. Trabalhar um para o outro. Para empurrar um para o outro. Para puxar um para o outro. Sim, é um cenário diferente, uma situação diferente, um mundo diferente em que vivemos hoje do que aquele em que cheguei à maioridade. (…) Era mais fácil para nós levantar e enfrentar a segregação flagrante do que para os jovens hoje em dia lidar com as dinâmicas mais insidiosas e sutilmente arraigadas do racismo, sexismo, ganância e exclusão. Mas isso não significa que eles não possam fazer isso. Na verdade, eu digo a eles, eles devem. Eles têm uma obrigação moral, mandato e missão para fazê-lo.”

Taylor Hall, ativista Metodista Unido de 19 anos em Indianápolis, disse que se inspira em Lewis que, como ela, iniciou seu trabalho de mudança quando jovem.

A primeira das mais de 40 prisões de Lewis ocorreu quando ele se juntou a um balcão de almoço no Woolworth's, em Nashville, Tennessee, em 1961. Ele foi atingido durante a manifestação, mas nunca levantou a mão em retaliação.

"O que me faz querer começar o ativismo jovem é que vejo quantas pessoas começaram na tenra idade no movimento dos direitos civis", disse Hall. “Se eles podem fazer isso, eu também posso. Você não precisa ter 40 ou 50 anos para assumir uma posição de liderança.”

Ela faz parte do novo grupo Black Women in Charge (Mulheres Negras no Comando), que trabalha pela igualdade racial por meio de manifestações pacíficas e de reuniões com líderes de Indianápolis. Hall também usou sua voz de outra maneira, lançando a música "I Can't Breathe".

 

O congressista John Lewis falou durante a 44ª Comemoração Anual dos Direitos de Voto Selma-Montgomery de 1965 no Domingo Sangrento, em 8 de março de 2009. "Este foi o nosso abrigo em um momento de guerra racial", disse ele. A ocasião foi a 9ª Peregrinação do Congresso pelos Direitos Civis no Alabama. Vídeo por Notícias Metodista Unida.

 

Ela vê Lewis e outros líderes de direitos civis como exemplos do que as pessoas podem realizar por meio de protestos não-violentos.

"Eles puderam superar essa adversidade com não-violência", disse ela. “Eles mostraram que funciona. E devemos ser capazes de fazer isso daqui para frente para fazer a diferença hoje.”

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

A Revda. Dawn M. Hand, superintendente do Distrito de Pittsburgh na Conferência Oeste da Pensilvânia, conheceu Lewis anos atrás através de Marian Wright Edelman, outro ícone lendário dos direitos civis.

"O congressista Lewis exalava humildade. Fiquei impressionada quando ele perguntou sobre o meu trabalho como pastor. Foi um momento sagrado estar na presença daqueles funcionários públicos extraordinariamente fiéis”, disse ela.

Lewis modelou a vida de Jesus, ela acrescentou.

"A imagem dos espancamentos brutais na ponte Edmund Pettus está gravada para sempre em minha mente", disse ela. “O congressista Lewis modelou para nós como transformar tragédia em triunfo. Viver sua vida de maneira a afetar mudanças monumentais nos direitos de voto dos negros e na justiça de todos.”

Lewis terminou suas memórias referenciando Eclesiastes 3: 1-8.

“Como nação, se cuidamos da Comunidade Amada, devemos mover nossos pés, nossas mãos, nossos corações, nossos recursos para construir e não derrubar, reconciliar e não dividir, amar e não odiar, curar e não matar."

 

*Gilbert é redatora de notícias do Serviço Metodista Unido de Notícias. Heather Hahn, também redatora de notícias Metodista Unida, contribuiu para esta história. Entre em contato com elas pelo telefone (615) 742-5470 ou  [email protected]. Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

Esse mosaico no Pentecostes mostra o fogo como um elemento representativo do Espírito Santo. Foto: Holger Schué, cortesia do Pixabay.

A Questão Metodista: o que é Pentecostes?

A festa cristã de Pentecostes, no quinquagésimo dia após a ressurreição de Jesus, celebra o dom do Espírito Santo e o nascimento da igreja.
Foto de Skeeze, cortesia de pixabay.com. Gráfico original da Laurens Glass; Versão em português Rev. Gustavo Vasquez, Notícias MU

A Questão Metodista: Qual é o nosso objetivo final como Metodistas Unidos? É apenas o céu?

Nosso objetivo final como metodistas unidos é participar plenamente da restauração e transformação de todas as coisas de Deus, começando aqui e agora.
Ajuda humanitária
Um balanço de pneu balança ao vento do furacão Rita sobre os restos de uma casa à beira-mar destruída pelo furacão Katrina em Ocean Springs, Mississipi. O Rita chegou ao leste do Texas em 24 de setembro de 2005, quase quatro semanas após o Katrina atingir Louisiana e Mississippi. Foto de Mike DuBose, Serviço Metodista Unido de Notícias.

A Questão Metodista: Como entendemos o sofrimento vindo do desastre

O momento dos eventos da Semana Santa tem sido entendido pelos cristãos desde pelo menos o século III.