Aprendendo a 'viver as boas-vindas' em resposta à necessidade humana

Translate Page

Pontos chave:

  • A igreja de Nova York visa preencher uma necessidade por meio de um ministério de migrantes que depende de parceria para fornecer apoio prático aos recém-chegados.
  • A Igreja Metodista Unida de St. Paul e St. Andrew conseguiu abrigar um pequeno número de migrantes depois que o sistema de abrigos da cidade atingiu sua capacidade máxima. 
  • A resposta dos migrantes é uma consequência da decisão da congregação em 2017 de se juntar a um movimento de igrejas comprometidas com os direitos e a justiça dos imigrantes.

Quando ônibus cheios de requerentes de asilo começaram a chegar a Manhattan em agosto, a Igreja Metodista Unida de St. Paul e St. Andrew recorreu a uma rede estabelecida com outros grupos para elaborar uma resposta.

Uma das necessidades imediatas dos migrantes que chegavam – então autorizados a entrar nos EUA para fazer pedidos de asilo – era clara. Um excesso de capacidade no sistema de abrigos da cidade de Nova York significava que muitos não tinham um lugar imediato para ficar, disse a Revda. Lea Matthews, pastora associada.

Depois que a equipe fez uma rápida auditoria no prédio e decidiu que a igreja poderia fornecer um pequeno abrigo, cinco homens da Venezuela foram designados para ficar lá. “Em questão de quatro horas, tínhamos um espaço de santuário funcionando”, disse ela. 

O tema do Advento da congregação este ano - incorporando o Advento por meio da esperança, amor, alegria e paz - está sendo realizado por meio de seu ministério de migrantes em expansão.

Qualquer igreja pode contribuir para este tipo de ministério. “Há recém-chegados em quase todas as comunidades”, disse o Rev. K Karpen, pastor sênior em St. Paul e St. Andrew. “Eles precisam sentir uma recepção cristã.”

St. Paul and St. Andrew church members Karen Collins, left, and Rosangela Oliveira, right, offer forms to asylum seekers to complete so they can register for services provided by the West Side Campaign Against Hunger. Photo by K Karpen.
Os membros da igreja de St. Paul e St. Andrew, Karen Collins, à esquerda, e Rosangela Oliveira, à direita, oferecem formulários para os requerentes de asilo preencherem para que possam se inscrever nos serviços prestados pela Campanha Contra a Fome do West Side. Foto de K Karpen.

Junior, um dos venezuelanos que moram na igreja, sabe que há obstáculos em seu objetivo de trazer sua família para os EUA “Espero resolver meus problemas se receber ajuda com meus documentos”, disse ele por meio de um tradutor.

Enquanto isso, ele agradece por ter um sistema de suporte. “Agradeço a Deus por ter conhecido todas essas pessoas”, disse ele, referindo-se às conexões estabelecidas através de St. Paul e St. Andrew. “Eles me ajudaram muito.”

Pequenas tarefas se somam a um ministério maior

Às vezes você tem que pensar pequeno para causar impacto.

Embora a Igreja de St. Paul e St Andrew não pudesse atender a uma grande necessidade como abrigo para dezenas de requerentes de asilo que entram em Nova York, “poderíamos oferecer a eles um Metrocard (para transporte público), algum dinheiro e alguns salgadinhos de prateleira, coisas essenciais”, disse a Revda. Lea Matthews. 

Um pequeno gesto pode ser significativo para pessoas que precisam de tudo, acrescentou o Rev. K Karpen. “Mesmo algo que nos parece pouco pode fazer uma grande diferença” …

Consulte mais informações

A resposta dos migrantes é uma consequência da decisão da congregação em 2017 de se juntar a um movimento de igrejas comprometidas com os direitos e a justiça dos imigrantes. No ano seguinte, St. Paul e St. Andrew acolheram uma família ameaçada de deportação, uma situação de santuário que terminou 15 meses depois com uma prorrogação legal.

Esta situação é diferente. Os migrantes que chegam esperando obter asilo estão enfrentando um processo que leva mais de seis a oito anos, apontou Matthews, com o número de casos de advogados de imigração em Nova York muito acima da capacidade e os sistemas judiciais com backup. É difícil, ela acrescentou, explicar os detalhes “para pessoas que estão desorientadas e apenas procurando comida e um casaco de inverno”.

Carol Scott, membro da comunidade de St. Paul e St. Andrew que trabalha como paralegal para o Bronx Legal Services, observou a tensão entre o que pode ser feito para apoiar um pequeno grupo de pessoas e a enormidade da necessidade relacionada a uma questão social complexa. 

Mas um “alargamento real do círculo” entre comunidades de fé e organizações de bairro se desenvolveu nessa resposta às necessidades humanas, disse ela.

“Quando somos bem-vindos, isso possibilita que outras pessoas peguem partes do projeto e avancem de maneiras que nem poderíamos prever”, acrescentou Scott.

Uma dessas peças foi um projeto de mochila. Uma doação da Igreja Metodista Unida John Street ajudou a lançar o projeto, disse Matthews, e outros, como a Congregação Rodeph Sholom, um parceiro judeu, se juntaram a ele. 

St. Paul e St. Andrew se comprometeram a enviar 50 mochilas e uma doação de alimentos do parceiro da igreja West Side Campaign Against Hunger (Campanha da zona oeste contra a fome) duas vezes por mês para La Morada, um restaurante e rede de ajuda mútua no Bronx que distribui as sacolas para abrigos. Anteriormente, a igreja havia trabalhado com La Morada na assistência alimentar durante a pandemia do COVID-19.

Andrea Steinkamp, left, a St. Paul and St. Andrew intern, and the Rev. Lea Matthews show off some of the many backpacks that have been donated to the church’s migrant ministry work. Photo courtesy of St. Paul and St. Andrew.
Andrea Steinkamp, à esquerda, uma estagiária de St. Paul e St. Andrew, e a Revda. Lea Matthews mostram algumas das muitas mochilas que foram doadas para o trabalho do ministério de migrantes da igreja. Foto cortesia de St. Paul e St. Andrew.

Outra novidade do ministério é dar as boas-vindas aos requerentes de asilo no santuário da igreja nas manhãs de segunda-feira para receber informações e assistência, compartilhar histórias e se conectar uns com os outros. 

Na segunda-feira após o primeiro domingo do Advento, por exemplo, a membro da igreja Fatima Bae arrumou roupas e casacos doados na frente do santuário. Ela recolhe e distribui roupas usadas no bairro há 20 anos e mantém um estoque de calçados masculinos e femininos para emergências. “Então eu tenho algo para dar,” ela disse.

No lado oposto, os membros da igreja Karen Collins e Rosangela Oliveira empilharam formulários de inscrição para a West Side Campaign Against Hunger (Campanha Contra a Fome do Lado Oeste), que fornece acesso a alimentos saudáveis e serviços de apoio e está sediada no prédio.

Eles também distribuíram mochilas para famílias e indivíduos durante toda a manhã. Cada mochila incluía uma garrafa de água reutilizável, artigos de toalete, meias, lanches, um dicionário inglês-espanhol, um NYC Metrocard(cartão de transporte da cidade) de US$ 22 e uma nota de US$ 20. 

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Por volta das 10h, uma mesa de comida, doada pela B'nai Jeshurun - uma sinagoga próxima que dividiu espaço com St. Paul e St. Andrew ao longo dos anos - foi montada para quem quisesse almoçar cedo.

Outra mesa foi composta por Héctor Arguinzones e Niurka Meléndez, da Venezuelans and Immigrants Aid (Ajuda a Venezuelanos e Imigrantes). A equipe de marido e mulher fundou a organização, também parceira da West Side Campaign Against Hunger, em 2016.

“Havia a necessidade de os venezuelanos se comunicarem com alguém que os entendesse e os motivos pelos quais saíram”, disse Arguinzones. A organização totalmente voluntária também ajuda pessoas de outros países de língua espanhola, como Panamá, Honduras e Colômbia.

A informação é crucial para navegar na cidade e no sistema de imigração, acrescentou. “Encaminhamos os venezuelanos aos serviços de que precisam.”

O número de mochilas distribuídas às segundas-feiras passou de 30 para mais de 70 em poucas semanas. Mas os voluntários que ajudam nesses dias também estão aprendendo o que mais é necessário. A partir de 1º de janeiro, itens maiores, como fraldas, suprimentos menstruais, roupas e sapatos de inverno, estarão disponíveis, mas não em mochilas, disse Matthews. No entanto, os membros da igreja continuarão a preparar as mochilas com itens essenciais para enviar a La Morada todos os meses.

Donated clothing fills a front pew at the Church of St. Paul and St. Andrew in New York City, including coats and warmer garments for the approaching winter. Photo by K Karpen.
Roupas doadas ocupam um banco da frente da Igreja de St. Paul e St. Andrew na cidade de Nova York, incluindo casacos e roupas mais quentes para o inverno que se aproxima. Foto de K Karpen. 

A membro da igreja Julia Tulloch chamou o esforço cooperativo geral de um modelo que outras igrejas poderiam usar. “De muitas maneiras, a SPSA tem sido um catalisador que reuniu essas outras organizações que têm muito conhecimento sobre como esses sistemas (municipais e de imigração) funcionam”, disse ela. 

Outros na Conferência de Nova York da denominação também estão alcançando, de acordo com o Rev. Nikki Hutt, resposta a desastres da conferência e coordenador do ministério de missões. E duas outras congregações da cidade de Nova York estão diretamente envolvidas no ministério de migrantes, disse ela.

A Primeira Igreja Metodista Unida Espanhola no Harlem oferece um centro de descanso para migrantes das 14h às 16h, de terça a sexta-feira, onde os visitantes podem encontrar roupas, aprender inglês e fazer uma refeição. O Rev. Dorlimar Lebrón Malavé é o pároco.

A Igreja Metodista Unida de Bay Ridge no Brooklyn, liderada pelo Rev. Matthew Schaeffer, está colaborando no ministério de migrantes com a Igreja Luterana do Bom Pastor, onde Bay Ridge atualmente aluga um espaço. 

Schaeffer disse que o reverendo Juan Carlos Ruiz, do Good Shepherd (Bom pastor), esteve envolvido com o movimento do santuário e uma ação imediata foi fornecer três dias de descanso para alguns migrantes que chegavam em uma área de café fora do santuário. Os recém-chegados também foram recebidos com cobertas quentes e palavras calorosas por meio de um ministério de xale de oração, com um cartão dizendo que estavam recebendo oração.

“Estávamos respondendo a esse grande influxo”, lembrou Schaeffer. De agosto a outubro, pode ser “bastante caótico”, pois as duas congregações tentam cuidar e ajudar as 15 a 20 pessoas que podem ficar lá a qualquer momento. “Nós nos relacionamos com muitos voluntários de diferentes organizações.” 

O fluxo de novos imigrantes diminuiu, acrescentou, mas as relações continuam porque “as pessoas que vieram para cá entendem que este é um centro de recursos”, acrescentou. Além do básico, os recursos também podem incluir aulas de ESL, acompanhamento para check-ins e consultas legais, assistência na obtenção de autorizações de trabalho e até mesmo tratamentos de acupuntura.

Hutt está solicitando uma doação de solidariedade de $ 10.000 do UMCOR - United Methodist Committee on Relief(Comitê Metodista Unido de Alívio) para dividir entre as três congregações enquanto continuam a ajudar os requerentes de asilo. 

 

*Bloom, membro da Igreja de St. Paul e St. Andrew, está aposentada da Notícias MU. Contato de mídia de notícias: Julie Dwyer em [email protected]. Para ler mais notícias Metodistas Unidas, assine os resumos quinzenais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

Preocupações Sociais
A foto de arquivo mostra um outdoor em frente ao Edifício Metodista Unido, sede da Junta Geral de Igreja e Sociedade (GBCS) localizado diagonalmente ao Congresso dos Estados Unidos, onde está escrito “Jesus foi um refugiado”, segundo o que diz o evangelho de Mateus 2:1-15 descreve. Foto cortesia de GBSC.

A IMU, juntamente com 164 organizações religiosas, rejeita a proibição de asilo da administração Biden

Em um recente comunicado à imprensa, líderes religiosos anunciaram a entrega de uma carta ao presidente Biden expressando grande preocupação com a proposta de barrar o asilo a pessoas que entrem sem inspeção ou que não busquem proteção em países de trânsito pelos quais passaram para chegar os Estados Unidos.
Church Leadership
A Revda. Grandon-Mayer, que é a primeira clériga de origem chilena a servir como superintendente distrital na Conferência Anual do Norte de Illinois, foi nomeada como a nova diretora dos Ministérios Conexionais pelo Bispo Dan Schewerin. Foto gentilmente cedida pelo Rev. Fabíola Grandon-Mayer.

Bispo anuncia duas novas nomeações de liderança da Conferência

O bispo Dan Schwerin anunciou duas nomeações, a partir de 1º de julho de 2023: o Revd. Fabiola Grandon-Mayer para o cargo de Diretora dos Ministérios Conexionais e o Revd. Arlene Christopherson como Assistente do Bispo.
Missão
Membros da Capital City Christian Church (Igreja Cristã da Capital) em Frankfort, Kentucky, comemoram a campanha da congregação para eliminar as dívidas médicas de alguns de seus vizinhos em parceria com a RIP Medical Debt, uma organização sem fins lucrativos com sede em Long Island, Nova York. Como Capital City, as igrejas Metodistas Unidas em Michigan, Tennessee e Nebraska realizaram campanhas bem-sucedidas de perdão de contas médicas. Foto cedida pela Capital City Christian Church.

Igrejas ajudam a pagar dívidas médicas

As campanhas de angariação de fundos por várias congregações Metodistas Unidas levaram ao perdão de milhões de dívidas médicas através do RIP Medical Debt.