Uma entrevista com o novo secretário-geral dos Ministérios Globais

Other Manual Translations: español

Roland Fernandes responde a cinco perguntas sobre seu novo papel como secretário-geral de Ministérios Globais e UMCOR, seus pensamentos acerca da missão de Deus e o que significa ser um líder em tempos difíceis.

Roland Fernandes (primero en la primera fila) y Nyamah Dunbar (segundo en la segunda fila) de Ministerios Globales con el Obispo Boni (segundo en la primera fila) y otros/as líderes de la IMU participando en la redacción del Memorando de Entendimiento en Costa de Marfil. Foto: Manasse Sedji, Oficina de Comunicaciones de Costa de Marfil.

Roland Fernandes (primeiro na linha da frente) e Nyamah Dunbar (segundo na segunda linha) dos Ministérios Globais com o Bispo Boni (segundo na primeira linha) e outros líderes da UMC participando na redação do Memorando de Entendimento na Costa do Marfim. Foto: Manasse Sedji, Côte D'ivoire Escritório De Comunicação.

 

Quando começou sua carreira, o que o levou a trabalhar com a igreja e, eventualmente, com a agência missionária da UMC?

Desde muito jovem fui atraído pelas questões do espírito e da alma. Eu era muito religioso quando menino, crescendo em Calcutá, na Índia.

Eu me formei no St. Xavier's College and School. Em circunstâncias desafiadoras, fui aprovado em minha contabilidade (o equivalente a um contador público certificado na Índia) enquanto fazia o mestrado em comércio na Universidade de Calcutá. Terminei em 3 anos e meio, o que não é comum.

Então, ao me mudar pelo país para Mumbai para me juntar à minha família, senti que queria servir em algum lugar, o que sempre foi minha inclinação.

Fiquei intrigado com uma lista de empregos do “MCI”, que foi anunciada em nosso jornal católico. Eu nem sabia o que a sigla significava, mas me candidatei para o emprego na Igreja Metodista na Índia. A liderança do MCI fez uma oferta sem precedentes, dadas as circunstâncias e minha experiência, e eu simplesmente aceitei. Agora, 32 anos depois, ainda estou com os metodistas. Com o tempo, com o meu profundo envolvimento no trabalho metodista, juntei-me à Igreja Metodista Unida.

Os anos com o MCI foram muito gratificantes, mas também difíceis. Eu era o auditor chefe e encontrei muitos desafios, mas senti um profundo chamado para o trabalho ali.

Mais tarde, os Ministérios Globais abriram seu próprio escritório financeiro na Índia e me convidaram para servir como executivo financeiro da área, e servi por dois anos na Índia e nas Filipinas nessa função. Depois que meu pai faleceu, minha esposa e eu decidimos nos juntar ao resto da minha família nos Estados Unidos. Nessa época, o tesoureiro da Divisão Mundial dos Ministérios Globais me perguntou: “Por que você não vem a Nova York por um ano e vê se você gosta de trabalhar conosco?”

Embora meu trabalho sempre tenha sido em finanças, para mim, o trabalho era sobre como o financiamento permite a missão. Nunca tive a intenção de ficar, mas cada vez que pensava em ir embora, era atraído de volta para outra coisa. Em 2003, recebi a oferta de tesoureiro geral e, posteriormente, de diretor operacional.

Não planejei me tornar secretário-geral. Pediram-me para pensar a respeito e, após consideração cuidadosa e fervorosa, decidi que era algo que eu poderia e faria. Em um nível mais profundo, tenho a sensação de que é aqui que Deus me chama para estar. Ministérios Globais oferece um canal para tentar fazer a diferença no mundo.

Refletindo sobre seus 25 anos com os Ministérios Globais, quando você viu o trabalho missionário tendo maior impacto, tanto vivificante quanto transformador?

Nosso papel é habilitar e facilitar a missão. A missão verdadeiramente eficaz é vivificante e transformadora para aqueles com quem trabalhamos e para nós também. Não podemos perder de vista esse aspecto mútuo da missão.

Foto: Manasse Sedji, Oficina de Comunicaciones de Costa de Marfil.

Roland Fernandes e o Bispo Benjamin Boni assinam o Memorando de Entendimento que fez a transição das iniciativas missionárias do Senegal e dos Camarões para os distritos da Conferência Anual da Costa do Marfim. Foto: Manasse Sedji, Côte D'ivoire Escritório De Comunicação.

 

Tenho visto muitos exemplos de missão que transforma comunidades inteiras. Penso no trabalho da UMCOR: o trabalho de socorro após o Katrina, o trabalho na Indonésia depois do tsunami, os cinco anos de trabalho em Nova York após a tragédia de 11 de setembro e o trabalho que compartilhamos com os conselhos de saúde africanos.

Em janeiro deste ano, viajei para a Costa do Marfim e me encontrei com o Bispo Benjamin Boni para falar sobre a transição das iniciativas missionárias de Camarões e Senegal para a Conferência Anual da Costa do Marfim. Tivemos algumas conversas difíceis ao longo de dois anos e não foi uma jornada fácil, mas redigimos um Memorando de Entendimento. Tem sido gratificante ver a criação de iniciativas de missão e, em seguida, fazer a transição deles como distritos dentro da igreja da Costa do Marfim, que estava disposta a seguir esse caminho.

Outro exemplo foi quando Thomas Kemper e eu visitamos os ministérios de fronteira dos Estados Unidos / México no outono passado. Em Tijuana, trabalhamos como voluntários em uma cozinha chamada Comedor Juan 6:35. Vimos migrantes de muitos países diferentes vindo para uma refeição. Voluntários dos EUA de San Diego ajudaram na preparação junto com voluntários da Igreja Metodista do México, e dois Fellows (parceiros) de Missão Global serviram lá, um da Índia e um das Filipinas. Ver as pessoas trabalhando juntas de todos aqueles lugares diferentes, oferecendo tudo o que podiam para a missão, foi transformador de ver.

Quando alcançamos a mutualidade na missão, todos contribuem, de perto e de longe, e ninguém vem de um lugar de superioridade para reivindicar a missão. Todos trabalham juntos.

Roland Fernandes (al centro en la fila de atrás) trabaja con voluntarios/as mexicanos/as y estadounidenses en el Comedor Juan 6: 35, una cocina en Tijuana que proporciona comidas a los/as migrantes que llegan. Foto de Mia Nieves.

Roland Fernandes (fileira de trás, centro) trabalha com voluntários americanos e mexicanos no Comedor Juan 6:35, uma cozinha em Tijuana que fornece refeições para os migrantes de passagem. Foto: Mia Nieves 

 

Você está se tornando Secretário Geral em um momento particularmente desafiador para a igreja por causa do COVID-19 e das divisões que ameaçam a unidade da denominação. Que pontos fortes você traz para o escritório para este momento e situação?

Acho que o meu histórico na agência é uma vantagem. Tendo estado envolvido por muitos anos em um nível de liderança sênior, trabalhei com todas as unidades do programa. Eu conheço as finanças. Participei das mudanças, incluindo a mudança de Nova York para Atlanta, e estive totalmente engajado no funcionamento interno da agência.

Também conheci a Igreja Metodista Unida. Eu assisto a muitas reuniões, trabalhando em toda a denominação com líderes de conferências anuais e centrais. Acho que desenvolvi relacionamentos dentro da igreja e acho que desenvolvi um nível de confiança nas pessoas.

Posso olhar para situações críticas e caóticas com um certo grau de calma e não tenho medo de tomar decisões difíceis.

Tenho sido um grande seguidor do trabalho do padre Richard Rohr por muitos anos e me envolvi com a Illuman, uma organização sem fins lucrativos na qual os homens ajudam a transformar outros homens por meio de um poder muito maior do que nós. Recentemente, em uma teleconferência, o padre Richard disse: “Sabe, como líderes, vocês não podem se preocupar em ser amados”. Tento manter isso em mente. Às vezes, decisões difíceis devem ser tomadas e não podemos ter medo de tomá-las.

Falando de minha experiência única, acho que os Ministérios Globais precisam se concentrar em fazer o melhor uso dos recursos que temos. Identifiquei cinco etapas importantes para nos ajudar neste trabalho: estreitando nosso foco, trabalhando para maior responsabilidade, colaborando intencionalmente, avaliando o impacto de nosso trabalho e nos comunicando com eficácia.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Como o senso de participação na missão de Deus ajudará a estabilizar a UMC na estrada rochosa à frente, em termos de trabalho missionário local e global?

Em primeiro lugar, essa é a missão de Deus e a missão vai continuar, não há dúvida disso. Quer a missão aconteça ou não na igreja, seja qual for a forma da igreja e das agências gerais estarem ou não, a missão continuará. Lembrar-se disso e de que Deus está no controle traz uma sensação de estabilidade para mim, e espero que para a igreja também. Quando trabalhamos na missão de Deus, estamos focando fora de nós mesmos. Estamos olhando para ver onde somos chamados a trabalhar. Devemos ser flexíveis e adaptáveis ao que Deus nos chama a fazer.

Sinceramente, a missão não é fornecer estabilidade ao UMC. Pode acontecer que a missão forneça um lugar onde as pessoas podem vir e trabalhar juntas de diferentes países, perspectivas e culturas, e eu acho que é um grande presente que pode fornecer uma sensação de estabilidade.

Porque fazemos missão, seja local ou globalmente, é responder ao chamado de Deus e capacitar e facilitar a obra de Deus no mundo.

O trabalho da missão é recompensador, mas desafiador. Onde você encontra alimento espiritual?

Tem sido uma jornada em evolução para mim. Leio muito, principalmente livros de natureza espiritual. Fui influenciado por Thomas Merton e Richard Rohr. Além do meu trabalho com Illuman, acabei de concluir o Living School, um programa de dois anos com o Center for Action and Contemplation (Centro de Ação e Contemplação) com a orientação de líderes espirituais, incluindo o Padre Rohr. Esses têm sido ótimos canais para mim, pois tento ficar em contato com a parte sagrada de mim mesmo. Acho que todos temos uma parte sagrada em nós mesmos e, quando nos conectamos a ela, encontramos grande paz.

Eu pratico a contemplação regularmente, tento me conectar com a natureza e fico em silêncio. Essas são as maneiras pelas quais encontro alimento espiritual. Mas se eu perder o senso do sagrado neste trabalho, nosso trabalho como Ministérios Globais, então meu trabalho se torna mais difícil, dependendo apenas de mim mesmo. Preciso manter um senso mais profundo de consciência de que isso é muito maior do que eu; estou aqui por um período, fazendo o melhor que posso. Em um nível denominacional, espero que a igreja não perca o senso de quem somos e por que estamos aqui.

 

* Christie R. House é consultor de redação e edição de Ministérios Globais e UMCOR.
** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]. Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

Crescimento da Igreja
O mapa mostra a presença da Igreja Metodista Unida, juntamente com igrejas afiliadas e concordantes em todo o mundo. Versão do mapa em português pelo Rev. Gustavo Gustavo Vasquez, Notícias MU

Mapa mostra a presença da Igreja Metodista Unida no mundo

A Igreja Metodista Unida realiza sua missão em diferentes modalidades, com presença direta ou em afiliação com outras igrejas metodistas e igrejas unidas de tradição ecumênica.
Missão
A Igreja Metodista Unida All People (para Todas as Pessoas), em Columbus, Ohio, adaptou seu ministério de alimentos durante o surto de COVID-19. As pessoas costumavam poder entrar no All People’s Fresh Market e retirar seus próprios bens, mas agora são convidadas a dirigir e os voluntários trazem caixas de comida para seus carros. Foto cortesia da Igreja Metodista Unida All People.

Mudanças na igreja de Ohio produzem doações devido ao COVID-19

As medidas de distanciamento social devido à pandemia do COVID-19 não impediram a Igreja Metodista Unida "Para Todos", em Columbus, Ohio de continuar a fornecer apoio e esperança à sua comunidade.
Área Geral da Igreja
Roland Fernandes sucederá Thomas Kemper, que serviu por uma década e decidiu não ir à reeleição. Foto cedida por GBGM.

Roland Fernandes liderará Ministérios Globais

Fernandes está no GBGM desde 1995, desempenhando funções importantes, incluindo liderança da UMCOR.