Clero abraça se tornarem pais adotivos

Other Manual Translations: English español

Rachael Porter e o Rev. David Johnston pareciam destinados a ser pais adotivos. O casal se encontrou enquanto estava na equipe em um acampamento de verão da Metodista Unida, e haviam sempre algumas crianças adotivas presentes.

Segundo Johnston, um garoto de 9 anos em particular afirmou que "escolheria tirar as suas cascas fora apenas pelos poucos momentos de amor e atenção", dizia se referindo a um conselheiro.

"Apenas atingiu algo em mim", disse ele. “Como forma de expressar o amor de Deus por nós, precisamos mostrar isso para as crianças que se perguntam: 'Existe amor suficiente por mim?'”

Porter disse que sentiu o desejo de adotar desde o ensino médio depois de ler "Uma criança chamada 'isso'", que documentou a criação do autor em um lar abusivo.

"Eu queria esperar cinco anos depois de nos casarmos antes de pensarmos em ter filhos", disse ela.

Rachel Porter and the Rev. David Johnston began as foster parents before adopting two children from a home with opioid addiction. West Virginia has one of the highest rates in the nation of children removed from homes due to drug abuse. Photo by Mike DuBose, UM News.

Rachael Porter e o Rev. David Johnston começaram como pais adotivos antes de adotar duas crianças de uma casa com dependência de opiáceos. West Virginia tem uma das taxas mais altas no país de crianças retiradas de casas devido ao abuso de drogas.

Essa marca de cinco anos coincidiu com a mudança do casal para a Virgínia Ocidental, onde Johnston foi nomeado pastor da Igreja Metodista Unida de Concord, em Atenas. Em sua primeira semana, eles foram convidados para um churrasco e encontraram uma mulher que trabalha como consultora da Children's Home Society.

A próxima coisa que eles sabem, é de estarem registrados para classes parentais e passando por verificações de antecedentes. Depois de aprender sobre a grande necessidade de pais adotivos - a Virgínia Ocidental tem uma das taxas mais altas do país para crianças sendo removidas de suas casas devido ao vício em drogas - elas optaram por essa rota em vez da adoção.

Na sexta-feira anterior à quarta-feira de cinzas de 2017, chegou o telefonema e, assim, mais dois pratos foram preparadas para o jantar.

As crianças, um irmão e uma irmã de 4 e 5 anos, já estavam no sistema de adoção por mais de dois anos, vindo de uma casa com dependência de opiáceos. Esta seria a sexta colocação deles.

“Mudar foi uma parte tão importante de suas vidas que, depois de alguns meses, um deles disse: 'Ok, estou pronto para mudar para a nova casa agora'”, disse Johnston.

Perguntas sobre por que eles não poderiam viver com sua mãe biológica também foram difíceis de ouvir, mas Porter disse que a honestidade era a melhor política.

"Eu disse a eles que a mãe deles era viciada em drogas e ela não era capaz de tomar decisões corretas e cuidar deles como deveria, então eles tinham que vir com alguém que pudesse cuidar deles", disse ela.

The Revs. Matt and Beth Johnson in Morgantown, W.Va., answered the call to become foster parents to children living in what Matt called “a rough situation.” After a two-year process, they were able to adopt the brother and sister they were fostering. Photo by Breena Johnson, www.jb-gallery.com.

Os Revs. Matt e Beth Johnson em Morgantown, W.Va., responderam ao chamado para se tornarem pais adotivos de crianças que vivem no que Matt chamou de “uma situação difícil”. Após um processo de dois anos, eles puderam acolher o irmão e a irmã que eles estavam adotando. Foto de Breena Johnson, / www.jb-gallery.com.

Os Revs. Matt e Beth Johnson têm uma história semelhante. Eles também responderam ao chamado para se tornarem pais adotivos de crianças que vivem no que Matt chamou de “uma situação difícil”. Após um processo de dois anos, em abril de 2017 eles conseguiram acolher o irmão e a irmã que estavam adotando.

“Nossos filhos vieram em julho, então tivemos um grande Natal naquele ano”, disse Matt, que é pastor associado da Igreja Metodista Unida Suncrest, em Morgantown. “Depois de abrir presentes, nossa menina, que tinha 4 anos na época, olhou para nós e perguntou: 'Vou morar com você no próximo Natal?' Foi comovente. Tudo o que podíamos dizer era que eu esperava que sim”.

Recursos em inglês

Fog rolls across the mountains of West Virginia, the state with the highest rate of opioid overdose fatalities per capita. In response to the crisis, United Methodists in the West Virginia Conference began asking: “What if the church got involved?” Photo by Mike DuBose, UMNS. 

Assista a uma entrevista com os Revs. Matt e Beth Johnson sobre sua experiência como pais adotivos.

A Burlington Family Services Inc. é uma rede de serviços humanitários de caridade relacionada à Igreja Metodista Unida de Burlington que oferece recursos de adoção e assistência social.

Na Virgínia Ocidental, a 844-HELP4WV (435-7498) é uma linha direta de 24 horas para orientar os dependentes e as famílias sobre recursos e tratamento para a dependência e a saúde mental / emocional.

Assista à “Crise de opiáceos: o que você precisa saber”, um webinar patrocinado pela Wespath Benefits and Investments e apresentando o Rev. Barry Steiner Ball.

Leia outras histórias da série, A Igreja responde à crise dos opióides: o caminho para a recuperação em West Virginia.

Beth Johnson, diretora da Wesley Foundation na Universidade de West Virginia em Morgantown, disse que se tornar um pai adotivo significa ajudar as crianças a lidar com questões de trauma, negligência ou abandono que possam ter.

“A questão tornou-se: 'Estou disposto a absorver o seu sofrimento e atravessar isso com você?' É uma história de redenção sendo escrita”, disse ela.

“Algumas noites depois de um dia difícil, sentávamos e perguntávamos: 'Podemos fazer isso?' É pela graça de Deus que nós nunca dissemos não ao mesmo tempo”, disse Matt.

Ambos os casais reconheceram o amor e o apoio que receberam de suas congregações.

"É quase como se eles tivessem meia dúzia de avós nesta igreja", disse Johnston.

Ter um grupo de assistentes em potencial também é útil, mas não é tão simples assim. Qualquer pessoa que tenha filhos deve passar por uma checagem de antecedentes; algumas agências exigem que os assistentes passem pelo mesmo processo de certificação que os pais adotivos.

No entanto, há sempre uma necessidade de ajuda extra com mensagens, ou fornecendo necessidades materiais para as crianças. Alguns professores aposentados até ajudam nos deveres de casa.

"Se alguém em sua igreja está pensando em adotar, encontre maneiras de ajudá-los", disse Matt Johnson. “Levante-se e diga: 'Não deixaremos que façam isso sozinhos'”.

Johnson relembrou o turbilhão no dia em que seus filhos chegaram e o medo de não ter tudo de que as crianças precisavam.

"Você não sabe com o que eles aparecerão, se eles têm alguma coisa ou que tamanho de roupas ou sapatos eles usam", disse ele. "Tivemos que ligar para as pessoas e dizer: 'Eu tenho uma lista de coisas, você pode nos ajudar e correr para a Loja agora?'"

Porter e Johnston insistem que, embora possa parecer assustador, a experiência deles como pais adotivos foi gratificante. E em 1º de fevereiro, eles adotaram oficialmente seus filhos.

“É incrível a alegria que essas crianças têm. Depois do que eles passaram, eles riem constantemente”, disse ela.

Johnston disse que a maneira como a igreja abraçou as crianças é uma bênção, assim como vê-las “começando a aprender os rituais de adoração e as palavras, e sabendo que estão conhecendo a história”.

Existem inúmeras oportunidades para pessoas dispostas a cuidar de crianças nessas situações - e não apenas para crianças pequenas. Os adolescentes também precisam de alguém para ajudá-los na escola ou com decisões de vida que eles logo terão que tomar. Aqueles que envelhecem fora do sistema podem não ter para onde ir e podem usar uma rede de apoio.

“Eu não diria que qualquer um deveria fazer isso, embora haja uma grande necessidade. Tem que ser um chamado ”, disse Porter, acrescentando que ela e Johnston são sempre honestos e cuidadosos para não romantizar a experiência ao conversar com os outros.

Johnston disse que ter uma personalidade “quieta” é uma grande ajuda.

Rachel Porter says she felt a desire to adopt since she was in middle school. Photo by Mike DuBose, UM News.
Rachael Porter diz que sentiu vontade de adotar desde que estava no ensino médio. 

"É trabalho duro. Há uma papelada constante, contato com pessoas que trabalham no caso, terapia. Você tem que ser um defensor deles, particularmente na escola. "Você precisa de uma rede de pessoas para apoiá-lo, com quem você pode ficar vulnerável diante do quão difícil é. E você precisa aceitar que suas circunstâncias podem mudar a qualquer momento”.

Nos dois anos em que os Johnsons estavam passando pelo processo de adoção, eles sabiam que, até que fosse oficial, as crianças sempre poderiam ser levadas de volta ao sistema.

“Você nunca se acomoda até que o juiz assine esses papéis. Você não pode descansar - disse Beth.

Matt concordou: “Pense sobre como isso é para nós, mas as crianças têm que tentar descobrir: 'Onde eu vou morar? O que vai acontecer?'"

No entanto, ele disse que agora, se você não soubesse que seus filhos foram adotados, você nunca diria que foram.

Porter disse que, quando a adoção chegou mais perto de ser oficial, seus filhos pararam de perguntar sobre a mudança. Eles começaram a se referir ao seu "lar para sempre".

 

*Butler é um produtor / editor multimídia e DuBose é fotógrafo da equipe do Notícias MU. Contate-os em (615) 742-5470 ou newsdesk@umcom.org. Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos diários ou semanais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina @umcom.org

Missão
Rev. Jeff Allen caminha pelo Capitólio do Estado da Virgínia Ocidental, em Charleston. Allen, diretor executivo do Conselho de Igrejas da Virgínia Ocidental, diz que é importante que a comunidade de fé seja ouvida em questões de políticas públicas. Foto por Mike DuBose, Noticias MU.

Pastores pressionam para ajudar infratores a se reintegrarem à sociedade

Alguns dizem que a religião deve ficar separada da política. Outros acham que a igreja é chamada para advogar por misericórdia e justiça.
Igreja Local
Jovens Metodistas Unidos marchando nas arterias da cidade de Luanda, durante as celebracoes dos 67 anos da criacao da JMUA. Foto de Augusto da Graca.

Jovens Metodistas Unidos celebram o 67° aniversario da sua existencia na contramão do mundo

A organização da Juventude da Igreja Metodista Unida em Angola celebrou no passado dia 4 de Julho os 67 anos de existencia desde a sua criação no ano de 1952.
Missão
Crianças que vivem nas ruas de Malanje, Angola, desfrutam de uma refeição fornecida por jovens Metodistas Unidos durante o Dia Internacional da Criança. Foto de João Gonçalves Sofia Nhanga, Notícias MU.

Juventude metodista ajuda necessitados em Angola

Em resposta à fome e à pobreza, os jovens dos distritos de Malanje e Kiwaba Nzoji, no leste de Angola, tomam medidas positivas.