Tribunal da Igreja modifica decisão sobre eleições de bispos

Translate Page

O tribunal superior da Igreja Metodista Unida estabeleceu o dia 1º de janeiro de 2023 como a data em que os bispos dos EUA que enfrentam a aposentadoria compulsória devem deixar o cargo, e seus sucessores recém-eleitos tomarem posse.

Isso significa que os novos bispos poderão iniciar suas missões no prazo usual de quase dois meses após as conferências jurisdicionais dos EUA. O Conselho dos Bispos agendou as reuniões regionais que elegem os bispos para os dias 2 e 5 de novembro deste ano.

O Conselho Judicial explicou suas razões para definir 1º de janeiro como a data de mudança no Memorando 1446, que modifica uma decisão anterior que permite que as conferências jurisdicionais dos EUA avancem este ano.

No memorando divulgado em 1º de junho, o tribunal da igreja reiterou sua decisão de que o Conselho dos Bispos tem autoridade para convocar as reuniões regionais “para o propósito limitado” de continuar o “episcopado na Igreja Metodista Unida”, conforme exigido pela constituição da denominação.

No entanto, o novo memorando revisita a posição anterior do tribunal da igreja na Decisão 1445 de que os novos bispos dos EUA devem assumir oficialmente o cargo em 1º de setembro.

O Livro da Disciplina, o livro de políticas da denominação, diz que os bispos dos EUA devem se aposentar em 31 de agosto, após as conferências jurisdicionais regulares, e novos bispos começarem suas atribuições em 1º de setembro.

Mas o Memorando 1446 diz que a atual situação sem precedentes da denominação coloca essas disposições disciplinares em rota de colisão com a constituição da denominação.

E as conferências centrais?

O Livro da Disciplina tem diferentes disposições relacionadas às conferências centrais – as regiões da igreja que elegem bispos na África, Europa e Filipinas.

Os bispos da Conferência Central das Filipinas convocaram uma sessão especial de 24 a 26 de novembro para eleger novos bispos. Ao fazer a convocação, os bispos citaram o Parágrafo 542.2 da Disciplina, que diz que os bispos de cada conferência central, de acordo com o comitê executivo da conferência central, têm autoridade para convocar uma sessão extra.

Nesse caso, disse o tribunal da igreja, as datas da Disciplina “não podem ser aplicadas sem interromper a supervisão episcopal constitucionalmente obrigatória para a Igreja”.

Para harmonizar os requisitos constitucionais e disciplinares e atender às necessidades da denominação, o tribunal da igreja decidiu: “1 de janeiro de 2023 será a data efetiva de: (1) designação para todos os bispos, bispos recém-eleitos e bispos ativos que já estejam servindo nas jurisdições, e (2) aposentadoria obrigatória para bispos cujo sexagésimo oitavo aniversário tenha sido alcançado em ou antes de 1º de julho de 2020”.

Isso significa que a decisão afeta apenas os bispos que planejavam se aposentar em 2020, não aqueles que completaram 68 anos depois e esperavam servir até 2024.

O Memorando 1446 continua dizendo que as conferências jurisdicionais podem prosseguir com seus negócios habituais de eleição, consagração, designação e aposentadoria dos bispos, conforme ditado pela Disciplina.

Normalmente, as conferências jurisdicionais se reúnem para eleger bispos em meados de julho a cada quatro anos após a Conferência Geral, a assembleia legislativa internacional da denominação. No entanto, a pandemia agora levou a três adiamentos da Conferência Geral, originalmente marcada para maio de 2020 e agora agendada para 2024.

Quando promulgou as datas para os movimentos dos bispos, o tribunal da Igreja disse que “a Conferência Geral não antecipou nem fez provisão para uma pandemia global e atrasos contínuos na conferência”.

No ano passado, 11 bispos dos EUA que inicialmente adiaram suas aposentadorias após o primeiro atraso da Conferência Geral, renunciaram porque estavam assumindo novos papéis no Conselho dos Bispos ou estavam excedendo a idade de aposentadoria obrigatória da denominação para os bispos.

Para continuar a cobertura episcopal, 13 bispos dos EUA assumiram atribuições ampliadas. Cinco bispos dos EUA que planejavam se aposentar também concordaram em permanecer.

O Conselho Judicial e o Conselho dos Bispos concordam que a situação é insustentável.

Quantos novos bispos as conferências jurisdicionais podem eleger? Tanto a Decisão 1445 quanto o Memorando 1446 disseram que a fórmula e o número de bispos para cada jurisdição aprovada pela Conferência Geral de 2016 ainda são juridicamente vinculativos. Isso significa que as conferências jurisdicionais provavelmente terão um total de 16 vagas para preencher quando se reunirem.

A Igreja Metodista Unida tem cinco jurisdições - cada uma abrangendo várias áreas episcopais em uma região geográfica dos Estados Unidos. Como envolvem apenas pessoas nos Estados Unidos, as conferências jurisdicionais enfrentam menos obstáculos logísticos do que a Conferência Geral, que atrai delegados de quatro continentes e 16 fusos horários.

Mas, como a Conferência Geral, metade dos delegados das conferências jurisdicionais são leigos e metade são clérigos. A maioria dos delegados para as próximas conferências jurisdicionais foram eleitos em 2018 e 2019.

O Conselho Judicial divulgou o Memorando 1446 poucos dias depois que o Conselho dos Bispos estabeleceu oficialmente de 2 a 5 de novembro para as conferências jurisdicionais. O memorando respondeu ao pedido dos bispos de esclarecimento sobre o que a anterior Decisão 1445 do tribunal da igreja significa para as aposentadorias e atribuições dos bispos.

O novo memorando basicamente adotou o argumento apresentado em um parecer separado pelo membro do Conselho Judicial Beth Capen. Ela concordou que as conferências jurisdicionais deveriam ser realizadas este ano, mas discordou que os bispos recém-eleitos devem assumir o cargo em 1º de setembro “porque isso não serve para nada nessas circunstâncias”.

*Hahn é editora assistente de notícias da Notícias MU. Entre em contato com ela em (615) 742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias dos Metodistas Unidos, assine os resumos quinzenais gratuitos.

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]. Para ler mais notícias dos Metodistas Unidos, assine os resumos quinzenais gratuitos.

Conselho Judicial
Membros do Conselho Judicial 2016-2020. (Da esquerda) Primeira fila: Deanell Reece Tacha, N. Oswald Tweh Sr., Rev. Luan-Vu Tran. Fila de trás: Lidia Romão Gulele, o falecido Ruben T. Reyes, o Rev. Øyvind Helliesen, o Rev. Dennis Blackwell e o Rev. J. Kabamba Kiboko. (Não retratada, Beth Capen) O Conselho Judicial divulgou três decisões em 6 de Junho. Foto de Kathleen Barry, Comunicações da Metodista Unida.

Tribunal da Igreja divulga 3 decisões

Uma decisão diz que uma provisão no Livro de Disciplina, o livro de políticas da denominação, deve ser alterada para cumprir a constituição da denominação.
Conselho Judicial
A Decisão 1444 do Conselho Judicial divulgou em 10 de maio regras sobre a conferência anual dos EUA não poder se separar da Igreja Metodista Unida sob a lei atual da igreja. A decisão e outras decisões recentes do tribunal superior da Igreja Metodista Unida estão afetando a atual temporada da conferência anual. Gráfico por Laurens Glass, Notícias MU.

Decisões recentes moldam a temporada da conferência anual

À medida que a temporada da conferência anual dos EUA começa, os órgãos regionais da igreja lidam com decisões do principal tribunal da Igreja Metodista Unida sobre desfiliações.
Conselho Judicial
A Bispa Mary Virginia Taylor da Conferência de Holston abraça o Rev. David Graves após sua eleição como bispo Metodista Unido na Conferência Jurisdicional do Sudeste de 2016. Taylor está entre os 11 bispos norte-americanos que se aposentaram no ano passado, e Graves está entre os bispos que agora assumem trabalho extra por causa das aposentadorias. O Conselho Judicial emitiu uma decisão em 20 de maio, abordando a questão de saber se a conferência jurisdicional pode se reunir para eleger novos bispos. Foto de arquivo de Annette Spence, Conferência de Holston.

Decisão abre portas para eleições de bispos em 2022

O tribunal superior da Igreja Metodista Unida decidiu que o Conselho dos Bispos tem autoridade para convocar conferências jurisdicionais para eleger e designar novos líderes episcopais nos EUA, mas não tem autoridade para alterar a data em que esses novos bispos assumem o cargo.