Caucus afro-americano foca em planos de separação, e visões de liderança

Other Manual Translations: English español

Grande parte da reunião anual do grupo afro-americano da Igreja Metodista Unida se concentrou nas principais mudanças propostas para a agora atrasada Conferência Geral, bem como nas visões dos líderes das igrejas negras.
 
Durante sua 53ª reunião anual, os Metodistas Negros para Renovação da Igreja endossaram o Protocolo de Reconciliação e Graça através da Separação, um plano para a separação amigável da igreja.
 
Um painel de líderes episcopais conhecidos como Bispos do Ébano discutiu o plano do protocolo que busca resolver um impasse de décadas sobre a ordenação de clérigos abertamente LGBTQ, permitindo que casamentos entre pessoas do mesmo sexo e a descrição da homossexualidade no Livro da Disciplina sejam “incompatíveis com o ensino cristão".
 
Cerca de 300 membros do BMCR ouviram várias apresentações e um diálogo sobre o plano de protocolo em sua reunião anual de 4 a 7 de março, em Kansas City, Missouri. Todos esses planos estão suspensos momentaneamente agora que as preocupações de saúde pública com a pandemia de coronavírus levaram ao adiamento da Conferência Geral, a principal assembleia legislativa da denominação, que estava agendada para maio em Minneapolis.
 
O tema da reunião foi “Está na hora”, retirado de 2 Coríntios 6: 2.
 
Dois dos sete bispos que se dirigiram ao BMCR estavam envolvidos nas negociações do protocolo.
 
"Houve troca de ideias por todos os lados", disse a bispa LaTrelle Easterling, co-convocadora dos bispos de ébano. Ela pediu paciência na aprovação do protocolo para criar uma Igreja Metodista Unida pós-separação, mais centrista e progressiva.

E ela respondeu a preocupações sobre se o racismo institucional seria adequadamente considerado nessa denominação restante.

“Quando a nova Igreja Metodista Unida é formada, é quando todos os grupos constituintes e grupos de interesse precisam se levantar e dizer: 'Agora é a hora de ouvir nossas vozes. ... Queremos garantir que não continuemos nenhum dos erros, deficiências e pecados que ocorreram com a denominação anterior'."
 
"Como o poder será tratado nesta nova entidade?", ela perguntou. “Como vamos aprender com o racismo, sexismo, capacitismo, homofobia? Como vamos aprender com os males que nos atormentaram em nosso antigo juízo? Se você tiver que entrar em cena na Conferência Geral, é quando espero que você diga: 'Não avançaremos até que tenhamos certeza de que as prioridades dessa nova denominação incluirão nossas prioridades'”.

Easterling, que lidera a Conferência Baltimore-Washington, elogiou a proposta de alocação de US $ 39 milhões para apoiar ministérios étnicos raciais e a Universidade da África. "Mas isso é um piso, não um teto", disse ela. "Isso não significa que outros fundos não possam ser solicitados e dados".

Members of the Philander Smith College choir sing during the Black Methodists for Church Renewal meeting in Kansas City, Mo. Philander Smith, in Little Rock, Ark., is one of the historically black colleges and universities supported by The United Methodist Church. Photo by John W. Coleman.
Membros do coro do Philander Smith College cantam durante a reunião dos Metodistas Negros para Renovação da Igreja em Kansas City, Mo Philander Smith, em Little Rock, Arkansas. Essa é uma das faculdades e universidades historicamente negras apoiadas pela Igreja Metodista Unida. Foto de John W. Coleman. 

 

Na história de séculos de reestruturação da igreja, Easterling disse que esta é a primeira vez na vida da denominação que "as preocupações e interesses da igreja negra eram centrais".

O bispo da Conferência de West Ohio, Gregory Palmer, disse aos membros que seu compromisso com as negociações do protocolo era "baseado na intenção de ter uma Igreja Metodista Unida no final". 

Ele convidou para a crítica do plano e da legislação do protocolo, mas alertou: “Não vamos fazer isso sem chegar a uma conclusão. Não vamos obstruí-lo para impedir uma votação justa.”
 
O BMCR, um dos cinco grupos étnico-raciais oficialmente reconhecidos da Igreja Metodista Unida, disse na declaração de endosso em 18 de março, que se a Igreja Metodista Unida é "incapaz de viver na plenitude da amada comunidade de Deus, onde todos são celebrados, valorizados e bem-vindos", o comitê apoia o plano do protocolo.

O comunicado afirma que a legislação permite que o BMCR continue "sua missão de ação, defesa, afirmação e mobilização para atender às necessidades exclusivas dos negros da Igreja Metodista Unida", reservando US $ 39 milhões em financiamento para o ministério racial e étnico e ministérios por oito anos.

O conselho de administração da organização disse que ouviu "as vozes de nossos eleitores" em favor do plano que um grupo de 16 líderes metodistas unidos internacionais tornou público no início de janeiro, após meses de negociações confidenciais.
 
O Bispo da Conferência de Indiana, Julius Trimble, também expressou apoio ao protocolo e denunciou tentativas de convencer as igrejas negras a sair e ingressar em uma nova denominação.

“Historicamente, temos sido um (povo) que nunca fori embora. Quando ficamos, era com o objetivo de trazer mudanças e renovação”, disse Trimble.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

O Bispo da Conferência de East Ohio, Tracy Malone, relatou uma reunião em Chicago em outubro de 2019 que reuniu diversos líderes Metodistas Unidos negros de toda a denominação para discutir todos os planos viáveis. Essa reunião, organizada pelos Bispos de Ébano, incluiu líderes da BMCR, a Associação de Mulheres do Clero Negro, a Iniciativa Fortalecendo a Igreja Negra para o Século XXI, a Comissão Metodista Unida de Religião e Raça e outros grupos. Isso resultou em grupos de trabalho em andamento, guiados pela Religion and Race (Religião e Raça) e pela SBC21, para abordar várias preocupações estratégicas e uma declaração oficial dos Bispos de Ébano.

Malone disse que as conversas revelaram a necessidade de construir mais colaboração e ajudar as igrejas negras e os delegados da Associação Geral a estarem mais atentos a várias questões, perspectivas e estratégias.

Outro painel deu detalhes sobre o protocolo e outras petições a serem consideradas pela Conferência Geral. O Rev. Cedrick Bridgeforth, de Los Angeles, revisou brevemente todos os principais planos e petições de reestruturação da igreja, além da petição Jubilee Freedom Today, da SBC21. A petição pouco conhecida provocou reações favoráveis da multidão por suas várias propostas, inclusive permitindo às igrejas negras a opção de desfiliar a denominação com a posse de suas propriedades.
 
A Revda. Kennetha Bigham-Tsai, a principal executiva da Mesa Conexional que coordena os ministérios das agências da igreja geral, revisou a petição para criar uma conferência regional dos EUA que incluísse jurisdições geográficas dos EUA e conferências anuais, semelhante à estrutura atual das conferências centrais na África, Europa e Filipinas.
 
“Uma Conferência Regional dos EUA é onde os EUA podem fazer seu próprio trabalho contextual e adaptável”, explicou ela, abordando reivindicações de cláusulas de confiança, pensões do clero, racismo e outros assuntos pertinentes aos EUA. A legislação exige uma etapa intermediária para criar primeiro um Comitê Regional dos EUA para a Conferência Geral, que prepararia o caminho para a criação da nova conferência regional.
 
O reverendo Jay Williams, pastor da histórica Igreja Metodista Unida Union, em Boston, apresentou o Plano de Novas Expressões no Mundo (NEW), que ele ajudou a elaborar. Ele propõe dissolver a Igreja Metodista Unida e formar quatro novas denominações globais para abranger diferentes pontos de vista.

The Rev. Jay Williams introduces the New Expressions Worldwide (N.E.W.) Plan, which he helped to draft, during the Black Methodists for Church Renewal meeting in Kansas City, Mo. It proposes dissolving The United Methodist Church and instead forming four new global denominations to span different viewpoints. Photo by John W. Coleman.
O Rev. Jay Williams apresenta o Plano de Novas Expressões em Todo o Mundo (NEW), que ele ajudou a redigir, durante a reunião dos Metodistas Negros para Renovação de Igrejas em Kansas City, Missouri. Propõe dissolver a Igreja Metodista Unida e formar quatro novas denominações globais para abranger diferentes pontos de vista. Foto de John W. Coleman. 

 

Williams compartilhou seu amor de longa data pelo BMCR e sua luta pessoal como clérigo negro publicamente gay, em uma denominação tradicionalista e cultura da igreja negra, onde às vezes sente que sua identidade completa não é aceita ou valorizada.

"Embora o BMCR tenha me ajudado a ser negro, cristão e tenha sido uma família para mim", disse ele, "devo dizer, às vezes é difícil chegar à reunião de família".

O Rev. Junius Dotson, chefe do Ministério Metodista Unificado do Discipulado, falou sobre a estratégia legislativa do protocolo e apelou aos membros para apoiarem essa petição e a conferência regional dos EUA, o que poderia aumentar suas chances de aprovação.
 
Outros destaques incluíram oficinas de preparação para a Conferência Geral, revisões propostas aos Princípios Sociais Metodistas Unidos e como “envolver jovens adultos e cultivar congregações prósperas”.
 
O banquete anual de angariação de fundos do Black College Fund apresentava o Coral Philander Smith College de Little Rock, Arkansas.

O comitê elegeu o Rev. Antoine "Tony" Love como seu novo presidente, sucedendo Deborah Dangerfield. Outros oficiais superiores eleitos são Deborah Bass como vice-presidente, Gertrude Jarrett-Stewart como secretária e a Revda. Ouida Lee como tesoureira.

 

*Coleman é diretor de comunicações da Conferência Eastern Pennsylvania da Igreja Metodista Unida, com sede em Valley Forge, Pensilvânia. Contato com a mídia: Vicki Brown em (615) 742-5470 ou [email protected] . Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

Preocupações Sociais
O Rev. Gilbert Caldwell, pastor aposentado Metodista Unido e ativista dos direitos civis que marchou ao lado do Rev. Martin Luther King Jr., fala durante uma reunião do Black Lives Matter em 7 de junho em Willingboro, NJ. À direita de Caldwell está sua esposa, Grace Caldwell. À esquerda de Caldwell está a Revda. Vanessa Wilson, presidente da Comissão de Raça e Religião da Conferência Greater New Jersey e pastora da Igreja Metodista Unida Good Shepherd em Willingboro. O protesto foi um dos muitos ocorridos nos EUA em cidades menores envolvendo metodistas unidos. Foto de Aaron Wilson Watson.

Comunidades menores são afetadas por protestos

Os Metodistas Unidos se envolveram em comícios da Black Lives Matter em pequenas cidades e cidades de médio porte.
Área Geral da Igreja
O Bispo Kenneth H. Carter profere o sermão e a bênção durante o culto de abertura da Conferência Geral Metodista Unida de 2019, em St. Louis. Foto de arquivo de Kathleen Barry, UM News.

Delegados: use o atraso do GC2020 para obter uma nova visão

Um grupo informal de delegados da Associação Geral está convidando os membros da igreja a usar o adiamento para projetar uma nova visão para a igreja.
Preocupações Sociais
"Um grupo de painelistas discutiu a história do Metodismo em torno da questão da raça durante uma reunião aberta ao vivo, denominacional. A reunião foi moderada por Erin Hawkins (canto inferior direito) da Comissão Metodista Unida de Religião. e Race. Os palestrantes convidados incluíram: Alison Collis Greene, Reverendo Alfred T. Dia III, William Bobby McClain e Lisa Dellinger. A foto é uma captura de tela do MU News via YouTube.

Desembaraçando a história racial dos EUA e da igreja

Em uma reunião aberta pelo YouTube, os líderes metodistas unidos expuseram a atitude complicada, e às vezes não muito transparente, da igreja em relação à questão da raça, a fim de incentivar os metodistas unidos a corrigir os erros do passado.