Bispo reflete sobre jornada para GC2020

Other Manual Translations: English español
Bishop Kenneth H. Carter, president of the Council of Bishops, reflects on the Commission on a Way Forward, reaction to the special 2019 General Conference and expectations for General Conference 2020. Video image courtesy of UM News.

O Bispo Kenneth H. Carter, presidente do Conselho dos Bispos, reflete sobre a Comissão Um Caminho a Seguir, a reação à Conferência Geral especial de 2019 e as expectativas para a Conferência Geral 2020. Imagem de vídeo cortesia da Notícias MU.

O Bispo Kenneth H. Carter ocupou vários papéis durante um período de grande estresse na Igreja Metodista Unida.

O bispo da Conferência da Flórida foi um dos três moderadores da Comissão Um Caminho a Seguir, o painel de 32 membros encarregado de encontrar caminhos através da profunda divisão da denominação na homossexualidade.

Desde maio de 2018, ele é presidente do Concílio de Bispos. Nesse papel, ele viu a Conferência Geral especial adotar, por uma votação de 438 a 384, o Plano Tradicional que reforça as políticas contra o clero gay "praticante auto declarado" e os casamentos entre pessoas do mesmo sexo. A maioria dos bispos apoiou o Plano Uma Igreja, outro plano que emergiu do trabalho da comissão, que teria deixado questões de ordenação para conferências e casamentos até clérigos e congregações individuais.

Ele passará o martelo do presidente à Bispa da Conferência da Louisiana, Cynthia Fierro Harvey, na Conferência Geral de 2020, em Minneapolis.

Em conversa com a Notícias MU, ele refletiu sobre seu tempo na comissão, sobre a reação à Conferência Geral especial de 2019 e sobre as expectativas para a Conferência Geral 2020.  

Esta entrevista foi editada e condensada.

Notícias MU: O que você acha que a Comissão Um Caminho a Seguir significa agora para a igreja?

Bispo Carter: Quando olho para trás, a contribuição da comissão foi como fazer um trabalho conciliar com um corpo global em torno da identidade e prática LGBTQ e da unidade da igreja. (Incluiu) algumas das pessoas mais progressistas em nossa denominação de 12 milhões de membros; algumas das pessoas conservadoras mais tradicionais que vivem em países onde isso é contra a lei, onde tinham grande coragem apenas para falar sobre isso; pessoas na igreja dos EUA que estavam simplesmente pensando em como isso afetaria a igreja local. E acho que eles fizeram um bom trabalho. No final, acho que fornece uma base para trabalhos futuros.

Notícias MU: Sabendo o que você sabe agora, existe algo que você teria feito de diferente com a Comissão Um Caminho a Seguir?

Carter: Sabe, uma das perguntas que tivemos que responder na composição foi: se as pessoas que eram membros do conselho ou empregadas por grupos de renovação ou advocacia, poderiam estar na Comissão Um Caminho a Seguir. Finalmente decidimos que incluiríamos essas pessoas. Portanto, você poderia ser uma pessoa da equipe dos Ministérios de Reconciliação ou Boas Novas, ou um membro do conselho do Movimento Confessante, por exemplo. E, assim, pretendia-se incorporar essas conversas ao trabalho desse órgão. No final, acho que as pessoas voltaram aos outros círculos eleitorais.

Notícias MU: O que você acha das respostas à Conferência Geral especial nos EUA e nas conferências centrais?

Carter: Eu preguei em três igrejas sucessivas nas três semanas seguintes na Flórida - Fort. Myers, Clearwater, Júpiter. E descobri cada vez mais que muitas pessoas sentiam que precisavam criar uma contrarrarrativa, por assim dizer, mas isso não é quem eu sou, ou quem é nossa igreja nos EUA.

Agora, muitas pessoas eram a favor do resultado. Muitos tradicionalistas eram. Descobri que eles precisavam, muitas vezes, de cuidado pastoral. Eles apenas sentiram que eram o objeto dessa resposta, essa resposta emocionalmente intensa.

Assistir ao vídeo

Em uma entrevista em vídeo, o bispo Kenneth H. Carter fala sobre as lições que aprendeu no caminho para a Conferência Geral de 2020. O presidente do Conselho de Bispos também falou sobre o papel dos bispos e a mudança geracional que ele vê na liderança.

Assista à entrevista

E então muitas pessoas LGBTQ e algumas que conversaram comigo estavam se perguntando: Eu tenho um futuro na igreja? Posso passar pelo processo de candidatura ao ministério?

Notícias MU: Ouvi falar de vários africanos que se sentem culpados pelo que aconteceu. Mas é claro que os africanos são cerca de um terço dos eleitores. O que você está ouvindo?

Carter: Então, alguns dos líderes africanos conversaram comigo sobre algumas coisas. Primeiro, a experiência deles é que a igreja dos EUA às vezes exporta suas divisões para o contexto africano. A segunda coisa que eles dizem às vezes é que são mais do que pessoas de uma só questão. A conexão é importante na África porque, para muitos líderes e pessoas africanas, a missão não é ideológica. É vida e morte.

É se você tem água ou um hospital ou acesso à educação de uma menina ou criança. E para que a conversa esteja amadurecendo. Eu diria que a força do relacionamento africano com os Estados Unidos (e escrevi sobre isso no verão) são as incríveis parcerias missionárias que existem entre as conferências anuais dos EUA e da África, e são mútuas.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida. 

FIQUE INFORMADO!

Notícias MU: Qual é o papel dos bispos ao nos preparar para a Conferência Geral 2020?

Carter: Eu digo continuamente que o papel de um bispo é tentar fazer as coisas que estão em nossos votos de consagração - tentar unificar a igreja, tentar ensinar a fé, apoiar a missão. Eu acredito que unificar a igreja não está buscando unidade às custas de alguém. Em outras palavras, a unidade não pode ser a unidade em detrimento da consciência. Podem ser pessoas muito progressistas (e) pessoas muito conservadoras. E então há uma diferenciação lá.

A unidade que procuro é realmente uma unidade que preserva as muitas coisas boas que fazemos em relação ao ministério básico da igreja, missões básicas às oportunidades mais vulneráveis e básicas. ...

Mas (bispos) não substituem os delegados. Os delegados realmente fazem a votação.

Notícias MU: Em maio, o Conselho Episcopal confirmou a proposta da Mesa Conexional de uma conferência regional dos EUA para tratar de assuntos exclusivamente americanos. Você pode me falar sobre essa conversa?

Carter: Isso realmente foi um presente dos bispos nas conferências centrais para nós, que disseram: “Temos o dom de poder adaptar o Livro da Disciplina à nossa cultura. E acreditamos que é justo que os EUA possam fazer a mesma coisa.”

Como você sabe, não gostaríamos de nos chamar de conferência central por causa da história da Jurisdição Central, a segregação nos EUA de acordo com a raça. Mas a ideia é que, como uma conferência regional dos EUA, possamos nos concentrar mais em nosso contexto. ...

Então, você está certo. Nós endossamos isso e vemos isso como uma maneira, um caminho, em direção a um futuro mais vital da igreja.

Notícias MU: Os bispos da África e das Filipinas emitiram declarações contrárias aos planos de dissolver a denominação. Você acha que existe legislação que a igreja na África, nas Filipinas e nos EUA possa apoiar?

Carter: Para mim, um ponto cego em alguns dos planos é a suposição de que podemos ser divididos em três partes, que somos uma igreja de três partes de tradicionalistas, centristas e progressistas. ...

Mas e se nossa igreja for realmente mais baseada na conferência anual? E se a conferência anual for a unidade básica da igreja, que o Livro de Disciplina diz que é? E se a conferência anual for a forma como os EUA e a África, os EUA e as Filipinas, os EUA e a Europa se relacionam com a África? ...

As conferências anuais geralmente têm uma maneira de resolver isso.

Notícias MU: Neste verão, a maioria das conferências anuais dos EUA elegeu uma nova lista de delegados da Associação Geral. Que lições você tira da temporada anual de conferências deste verão?

Carter: Eu acho que houve uma mudança geracional na liderança. Vi que, em muitas conferências anuais, havia um desejo de que os mais jovens estivessem à mesa e de expressarem a igreja que amam.

Eu sempre senti que muito do calor em nossa igreja era gerado por (e eu diria eu mesmo) pessoas da minha idade ou mais. ...

Uma pessoa nos seus 60, 70 e 80 anos não pode dizer: “Estou cansado de morar nesta casa; Quero vender e dividir, e vamos morar em duas casas.”

O que ouço os jovens dizendo, leigos e clérigos é: “Esta é a nossa casa. Esta é a casa em que cresci e quero que seja o tipo de casa em que podemos viver, então não a queime. “

 

 

* Contato com a mídia: Vicki Brown no 615-742-5470 ou newsdesk@umnews.org . Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os Digest diários ou semanais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina@umcom.org. Para ler mais sobre as Notícias Metodistas Unidas, assine o resumo gratuito quinzenal clicando aqui.

 

 

Área Geral da Igreja
 El Rev. Joe Kim, de la Iglesia Metodista Unida de Bothell, Washington, presenta el concepto de su mesa para que un equipo visionario tome ideas de la cumbre y presente un informe a la Jurisdicción Occidental de 2020. Foto de Charmaine Robledo.

Reunindo sonhos de um futuro inclusivo

Os participantes da Cúpula do Novo Metodismo Unido trabalharam através de centenas de idéias, em um esforço para sonhar com uma nova forma de Metodismo para a jurisdição ocidental.
Área Geral da Igreja
Oito bispos assinam uma declaração pedindo um “movimento Wesleyano vibrante e missionariamente eficaz”. Ilustração fotográfica Rev. Gustavo Vasquez, Notícias MU.

Grupo de bispos pede por 'conversas mais profundas'

Oito bispos assinam uma declaração pedindo um "movimento wesleyano vibrante e missionariamente eficaz". Gráfico por Laurens Glass, MU News ..
Área Geral da Igreja
O Bispo Metodista Unido Grant J. Hagiya (à direita) responde a perguntas durante uma conferência de imprensa em Lake Junaluska, NC, após o anúncio de que os cinco bispos ativos da Jurisdição Ocidental da denominação prometeram "proteger a participação plena" de indivíduos LGBT na vida da Igreja. A ele se juntam os bispos Karen P. Oliveto (esquerda) e Elaine JW Stanovsky. Foto de Sam Hodges, Notícias MU.

5 bispos prometem 'porto seguro' para LGBTQ

Com o Plano Tradicional prestes a entrar em vigor, os cinco bispos ativos da Jurisdição Ocidental prometem proteger a plena participação de indivíduos LGBTQ.