Enquanto os protestos de Hong Kong continuam, as orações também permanecem

Other Manual Translations: English español

Enquanto os protestos em Hong Kong se estendem pelo verão, os cristãos estão reagindo de duas maneiras diferentes, diz um estudante de teologia metodista.

Ben Ho, um estudante de doutorado em cristianismo e estudos teológicos na Universidade Chinesa de Hong Kong, disse que as igrejas continuam "a desempenhar um papel de assistência para os manifestantes", como o fornecimento de espaços onde os manifestantes possam descansar, ou para oferecer aconselhamento espiritual aos jovens e seus pais.

Os cristãos também estão usando o poder "brando" para incentivar o governo de Hong Kong a responder positivamente aos apelos do povo, acrescentou. "Por exemplo, eles organizam várias assembléias de oração e reuniões do lado de fora da casa do governo, onde os cristãos cantam hinos e lamentam a situação atual", disse Ho à Notícias MU por e-mail.

A Igreja Metodista Internacional, Hong Kong, publicou "Uma Oração por Hong Kong" em seu site, abordando tanto aqueles "que carregam o fardo e a responsabilidade da liderança neste momento de tensão e inquietação" quanto "todos os que estão desiludidos com o presente e temerosos pelo futuro...”.

“Que possamos aprender novamente a confiar em você, Deus Todo-Poderoso, pois você realizará todas as coisas de acordo com seus bons e santos propósitos”, conclui a oração.

A igreja também tem um serviço de oração semanal às 18h30 de quinta-feira para orar por Hong Kong, dando as boas-vindas a “aqueles que gostariam de orar por ou orar com”.

Ben Ho, a Methodist from Hong Kong, talks about recent protests in Hong Kong during a worship service at First and Summerfield United Methodist Church in New Haven, Conn. Photo by Vicki Flippin.

Ben Ho, um metodista de Hong Kong, fala sobre protestos recentes em Hong Kong durante um culto na Primeira Igreja Metodista Unida Primeira em Summerfield em New Haven, Connecticut. Foto de Vicki Flippin.

O atual movimento de protesto de Hong Kong começou em junho, desencadeado pela oposição a uma lei proposta que permitiria extradições para a China continental. Ho estava terminando seu ano como estudante de intercâmbio na Universidade de Yale, quando um hino cristão, "Cante Aleluia ao Senhor", se tornou um hino não oficial das manifestações, ajudando a difundir as tensões.

"Não estou surpreso com a duração do protesto, porque o confronto contínuo entre os manifestantes de Hong Kong e o governo é muito dinâmico", explicou Ho, que retornou a Hong Kong no final de junho. Ele é membro da igreja Metodista no distrito de Sha Tin.

Os confrontos entre manifestantes e polícia aumentaram durante o verão. Alguns líderes da igreja, incluindo a diocese católica de Hong Kong, se pronunciaram após um ataque violento de 21 de julho, por uma multidão empunhando bastões contra manifestantes pró-democracia e passageiros em uma estação de metrô na área de Yuen Long da cidade.

Ho Hong destacou que muitos em Hong Kong não confiam na polícia e os acusaram de cooperar com violentos ataques a manifestantes. Carrie Lam, a executiva-chefe de Hong Kong, foi vista como indiferente às preocupações das pessoas, observou ele.

Ho acredita que os jovens são levados a continuar os protestos por um sentimento de desespero e pelo sentimento de que não têm nada a perder. "Todos esses fatores mantêm o ritmo, e muitas pessoas, inclusive eu, se sentem exaustos, mas estão cheios de raiva e sabendo que não podemos desistir", disse Ho.

A maioria das manifestações acontece nos finais de semana. Alguns "movimentos não cooperativos", como alguns que ocorreram nos últimos dois meses, como manifestantes bloqueando intencionalmente as portas do trem durante a hora do rush da manhã, disse ele. Trabalhadores de várias lojas, empresas, escolas e outras instituições entraram em greve em 5 de agosto.

"Algumas pessoas estão psicologicamente preparadas para os transtornos causados pelos protestos, porque sabemos que alguém que luta por algo exige um preço", disse Ho. “Precisamos dar algo para pressionar o governo e, portanto, nossos apelos possivelmente terão respostas positivas”.

Por outro lado, Ho disse acreditar que é a polícia, não os protestos, que atrapalha a vida. Ele disse que é "porque a polícia ingressou injustamente em conjuntos habitacionais ou propriedades particulares, em nome de dispersar a multidão ou prender manifestantes". Segundo ele, essas ações incluíam a liberação de gás lacrimogêneo.

Em 18 de agosto, quando ocorreu a segunda maior manifestação do verão, os protestos sobre o projeto de extradição agora suspenso haviam se transformado em um movimento pró-democracia mais amplo, com demandas por reformas e uma investigação sobre a suposta brutalidade policial.

Cristãos e pastores de várias igrejas organizaram assembléias de oração antes e depois do evento de 18 de agosto, disse Ho, quando cerca de 1,7 milhão - incluindo crianças, famílias e idosos - transbordou o Victoria Park para outras partes de Hong Kong.

Igrejas, incluindo a Igreja Metodista Chinesa no distrito de Wan Chai, apoiaram não oficialmente a manifestação "ao oferecer espaços para os manifestantes descansarem quando eles passassem", disse Ho.

A Igreja Metodista Chinesa também proporcionou um espaço acolhedor para todos durante as manifestações pró-democracia lideradas por estudantes em 2014, que cresceram para o "Occupy Central/Umbrella Movement” ou “Ocupe Central / Movimento Guarda-chuva".

 

Os organismos metodistas em todo o mundo, incluindo a Junta Metodista Unida de Ministérios Globais, estão conectados à Igreja Metodista, Hong Kong através do Conselho Metodista Mundial.

Thomas Kemper, alto executivo do Conselho Metodista Unido de Ministérios Globais, escreveu uma carta em 14 de agosto ao Rev. Sung-Che Lam, presidente da Igreja Metodista, Hong Kong, para expressar sua preocupação e oferecer solidariedade e apoio.

"Como metodistas, trabalhamos pela paz, de fato a paz de Cristo", escreveu Kemper. "Nós criticamos os atos de violência que vimos na mídia e continuamos a orar por todas as pessoas em Hong Kong".


* Bloom é o editor assistente de notícias do Notícias Metodista Unida e está localizado em Nova York. Siga-a em https://twitter.com/umcscribe ou entre em contato com ela em 615-742-5470 ou [email protected].

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina @umcom.org



Preocupações Sociais
O Rev. Gilbert Caldwell, pastor aposentado Metodista Unido e ativista dos direitos civis que marchou ao lado do Rev. Martin Luther King Jr., fala durante uma reunião do Black Lives Matter em 7 de junho em Willingboro, NJ. À direita de Caldwell está sua esposa, Grace Caldwell. À esquerda de Caldwell está a Revda. Vanessa Wilson, presidente da Comissão de Raça e Religião da Conferência Greater New Jersey e pastora da Igreja Metodista Unida Good Shepherd em Willingboro. O protesto foi um dos muitos ocorridos nos EUA em cidades menores envolvendo metodistas unidos. Foto de Aaron Wilson Watson.

Comunidades menores são afetadas por protestos

Os Metodistas Unidos se envolveram em comícios da Black Lives Matter em pequenas cidades e cidades de médio porte.
Preocupações Sociais
O reverendo Orlando Gallardo Parra (à direita), pastor da Igreja Metodista Unida Drexel em Drexel, Missouri, e um beneficiário da DACA, está casado com sua esposa, Emily, há quatro anos. "O DACA tornou possível para mim ser ordenado na Igreja Metodista Unida (e) conseguir um emprego como pastor." Foto cedida por Rev. Gallardo Parra.

A decisão da DACA traz alegria, mas a batalha não acaba

Cerca de 650.000 jovens obtiveram alívio temporário da deportação com a decisão da Suprema Corte dos EUA de sustentar a Ação Diferida por Chegadas de Infância.
Preocupações Sociais
Ahmaud Arbery, um homem de 25 anos de Brunswick, Geórgia, foi baleado e morto em 23 de fevereiro, mas foi somente após o lançamento de um vídeo do incidente em 5 de maio, que Gregory McMichael e seu filho, Travis McMichael, foram acusados do assassinato. Foto de família, cortesia do Twitter.

Tiroteio na Geórgia convoca a pôr um fim no racismo

Os líderes da IMU estão pedindo a erradicação do racismo após o assassinato de Ahmaud Arbery, um homem negro desarmado que foi baleado na Geórgia.