5 bispos prometem 'porto seguro' para LGBTQ

Other Manual Translations: English español

Os cinco bispos ativos da Jurisdição Ocidental prometeram fornecer "um porto seguro" para o clero LGBTQ, apesar das novas restrições da igreja entrarem em vigor em 1º de janeiro.

"Pretendemos fornecer um porto seguro aos clérigos sob nossos cuidados, que podem estar em risco sob as novas disposições, proibições e punições", anunciaram os bispos em conjunto na conclusão da reunião do Conselho Episcopal de 6 de novembro.

Os bispos também convidaram seus colegas episcopais e outros Metodistas Unidos para adicionarem seus nomes à declaração. Eles ainda lançaram  um vídeo para apoiá-los.

A Jurisdição Ocidental, que abrange sete conferências no extremo oeste dos Estados Unidos, há muito se opõe às restrições denominacionais relacionadas aos indivíduos LGBTQ.

No entanto, os bispos disseram que veem uma necessidade crucial de falar agora.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

"Nós fazemos essa afirmação fora de uma posição de consciência, com a afirmação clara de que não acreditamos que a igreja tenha autoridade ou poder para limitar a maneira como Deus trabalha na vida das pessoas", disse o bispo Elaine JW Stanovsky. Ela lidera as conferências do Alasca, Oregon-Idaho e Pacífico Noroeste.

“O trabalho da igreja é reconhecer como Deus trabalha na vida das pessoas, e prestamos testemunho do fato de que, no mundo em que ministramos, passamos a ser irmãos de uma maneira profunda e genuína com as pessoas LGBTQ que ministram conosco. Conhecemos os frutos do Espírito em suas vidas.”

A bispa Karen Oliveto, primeira bispa abertamente gay da denominação, está entre os que aderiram à declaração. A jurisdição a elegeu em 2016 e ela lidera a Conferência Mountain Sky, que abrange Colorado, Utah , Wyoming, Montana e uma igreja em Idaho.

"Estamos olhando para ver quem possui os dons e graças para o ministério", disse Oliveto. "O que estamos dizendo é que apenas orientação sexual não é um impedimento para servir a Deus."

Stanovsky acrescentou que nem deveria ser um impedimento ao casamento. "Quando dois adultos encontram o amor que dá vida juntos, a igreja reter a bênção é um estado lastimável."

Os bispos divulgaram sua declaração antes da Nova Cúpula do Metodismo Unidoda Jurisdição Ocidental, nos dias 14 e 16 de novembro.

“Isso realmente faz parte do objetivo da cúpula: declarar onde estamos e obter consenso em torno disso através da jurisdição”, disse o bispo Grant Hagiya. Ele lidera a Conferência Califórnia-Pacific, que inclui o sul da Califórnia, Havaí e as ilhas do Pacífico de Guam e Saipan.

A promessa dos bispos e a Cúpula respondem ao Plano Tradicional, que a Conferência Geral especial adotou por uma votação de 438 a 384 em fevereiro.

A legislação mantém a posição da igreja, que data de 1972, de que a prática da homossexualidade é "incompatível com o ensino cristão". Também retém a proibição de oficiar em casamentos entre pessoas do mesmo sexo e de ser clérigo gay "praticante declarado" - ambos crimes ofensivos sob a lei da igreja desde 2004.

A nova legislação visa reforçar a aplicação e inclui:

Uma definição mais específica de "homossexual praticante declarado", para dizer que inclui pessoas "vivendo em casamento homossexual, parceria doméstica ou união civil ou é uma pessoa que declara publicamente que é homossexual praticante".

Proibição de bispos que consagrem bispos gays eleitos por uma conferência jurisdicional ou central.

Proibições à recomendação ou aprovação de candidatos ao clero que não atendam às qualificações do clero, incluindo aqueles relacionados à homossexualidade.

Exigência de que os bispos apliquem a regra a qualquer candidato não qualificado fora de ordem, mesmo se aprovado pela sessão do clero.

Exigência de maior envolvimento de qualquer pessoa que apresente uma queixa contra o clero na resolução dessa queixa.

A exigência de que os bispos só rejeitem uma queixa contra o clero se "não tiver fundamento em lei ou fato" e que compartilhem essas razões com o queixoso. 

Uma penalidade mínima para o clero considerado culpado de realizar um casamento entre pessoas do mesmo sexo - suspensão de um ano sem pagamento pela primeira ofensa e perda de credenciais pela segunda. Esta é a única penalidade obrigatória sob a lei da igreja.

A nova legislação entra em vigor em 1º de janeiro nos EUA, e um ano após a Conferência Geral de 2020 em regiões eclesiásticas da África, Europa e Filipinas.

Em seu comunicado, os bispos disseram que abordariam os processos da igreja de maneira diferente.

"Não pretendemos negar ou contestar a ordenação com base apenas na identidade de gênero ou na orientação sexual de uma pessoa", afirmou a declaração. "Não estamos dispostos a punir clérigos que celebram o casamento de dois adultos de qualquer gênero ou orientação sexual buscando a bênção de Deus e da igreja por sua vida convencionada juntos."

Ao mesmo tempo, os bispos também se comprometeram a "manter a exigência de que o clero LGBTQ +, com todo o clero, 'mantenha os mais altos padrões de vida santa' em seus relacionamentos pessoais e profissionais".

Os bispos desempenham um papel fundamental no tratamento de reclamações contra o clero em suas conferências.

Hagiya disse que ele e seus colegas da Jurisdição Ocidental discutiram como responderão às queixas relacionadas à assuntos LGBTQ.

"Teremos respostas individuais que diferem uma da outra", disse Hagiya. “Mas acho que, em geral, vamos levá-lo a uma base relacional. Podemos ir até o reclamante para conversar pessoalmente com eles sobre a dinâmica do motivo pelo qual eles estão fazendo isso e nossa resposta?”

Hagiya acrescentou que os bispos esperam fazer com que todos se sintam bem-vindos, incluindo aqueles que se identificam como tradicionalistas e discordam da interpretação bíblica dos bispos.

Os bispos Robert T. Hoshibata, da Conferência Desert-Southwest, e Minerva Carcaño, da Conferência California-Nevada, não puderam participar da reunião em que seus colegas apresentaram sua declaração.

Carcaño disse posteriormente à Notícias MU que, como bispa, ela precisava dar mais um passo no longo compromisso de sua conferência com a inclusão, porque muitos estão preocupados com a implementação do Plano Tradicional.

O reverendo Austin Adkinson, convocador do United Methodist Queer Clergy Caucus e ancião da Conferência Pacific Northwest, está entre os que estão preocupados. Ele chamou a declaração dos bispos de animadora.

"O clero queer e as nossas congregações estão aglomerados enquanto aguardamos a implementação em 1º de janeiro dos atos punitivos e discriminatórios da Associação Geral", disse ele.

Ele agradeceu aos bispos da Jurisdição Ocidental e pediu a eles e a outros bispos que entendam e que sejam claros sobre como planejam "proteger o clero LGBTQIA + em suas conferências e além".

Conclusão: Os bispos dizem que têm todo desejo de permanecer como parte da Igreja Metodista Unida.

"Nenhum de nós está tentado a dizer que estamos fora daqui", disse Stanovsky. “Estamos em nossa fibra sermos Metodistas Unidos - todos nós. ... Acreditamos que essa é uma maneira absolutamente fiel de ser metodista unida neste momento extraordinário.”

Oliveto disse que seu desejo é que a declaração dê esperança.

"Espero que, pelo que estamos fazendo, os jovens possam dizer que há esperança, e que ainda haja um lugar para mim não apenas nesta igreja, mas no corpo de Cristo."

 

*Hahn e Hodges são escritores do Notícias Metodista Unida. Entre em contato com eles pelo telefone 615-742-5470 ou [email protected] . Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os Digest diários ou semanais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

 

Área Geral da Igreja
Per-Endre Bjørnevik (à esquerda), membro do Conselho Geral de Finanças e Administração da Noruega, recebe a comunhão do Rev. Steve Wood, membro do conselho da Conferência North Georgia. Durante a reunião do conselho de administração de 14 a 15 de novembro em Nashville, Tennessee, o conselho da GCFA respondeu a uma carta dos bispos europeus, fazendo objeção a cortes nos gastos com escritórios. Foto de Kathleen Barry, Notícias MU.

4 bispos discutem cortes no orçamento planejado

Os bispos da Europa se opõem ao corte no apoio a seus escritórios no primeiro trimestre de 2020. A agência financeira da denominação diz que os cortes são necessários.
Área Geral da Igreja
O bispo Harald Rückert, da Alemanha, anuncia o apoio dos bispos da África, Europa e Filipinas à proposta da conferência regional dos EUA. Ele fez o anúncio no final da reunião do Conselho Episcopal de 3 a 6 de novembro em Lake Junaluska, Carolina do Norte. Foto de Sam Hodges, Notícias MU.

Grupo de Bispos apóia conferência regional dos EUA

Bispos da África, Europa e Filipinas anunciaram apoio à nova estrutura proposta para a tomada de decisões nos EUA.
Área Geral da Igreja
 El Rev. Joe Kim, de la Iglesia Metodista Unida de Bothell, Washington, presenta el concepto de su mesa para que un equipo visionario tome ideas de la cumbre y presente un informe a la Jurisdicción Occidental de 2020. Foto de Charmaine Robledo.

Reunindo sonhos de um futuro inclusivo

Os participantes da Cúpula do Novo Metodismo Unido trabalharam através de centenas de idéias, em um esforço para sonhar com uma nova forma de Metodismo para a jurisdição ocidental.