A trabalhadora da igreja e da comunidade está em uma missão para ajudar os migrantes

Other Manual Translations: español

Aos 7 anos de idade, Janet Lynne Horman ouviu uma missionária falar em sua igreja em Plantation, Flórida. A missionária descreveu a pobreza no país em que servia e explicou que o filho do pastor havia morrido de fome. A história causou uma grande impressão no jovem Horman. "Fiquei alarmada e sabia que eu - e a igreja - deveríamos fazer alguma coisa", disse ela.

Esse “algo” para ela era tornar-se  missionária da Church and Community Worker (Igreja e Trabalhadores da Comunidade) nos Ministérios Globais.

Os obreiros da igreja e da comunidade, observou Horman, “tentam incorporar a presença da igreja na comunidade. Muitos de nós estão colocados entre as populações mais vulneráveis e entre as pessoas que enfrentam muitos desafios para atender às demandas da vida diária. Esses desafios podem ser econômicos, médicos, educacionais, culturais, políticos ou relacionados ao status de imigração de uma pessoa”.

Desde 2014, Horman dirige o Justice for Our Neighbours (Justiça para os nossos vizinhos) da Flórida, parte de uma rede nacional que presta serviços jurídicos gratuitos, geralmente por meio de clínicas congregacionais, para migrantes nos Estados Unidos.
Horman considera o ministério de JFON crítico no clima político e religioso de hoje. “Para muitos”, ela disse, “existe um caminho para o status legal, mas mesmo honorários modestos de advogados simplesmente não são acessíveis a essas famílias e indivíduos de baixa renda.

“Jesus consistentemente incluía e frequentemente louvava aqueles que não eram considerados aceitáveis em muitos círculos religiosos e comunidades de sua época”, continuou ela. “Sabemos, por exemplo, de sua intervenção para salvar a mulher que seria apedrejada por adultério, ele se levantou como justo na história do bom samaritano e louvou o leproso samaritano que foi o único que voltou a dizer 'obrigado' depois a cura. “Da mesma forma, os membros das comunidades imigrantes são frequentemente castigados e enfrentam separação familiar, se não possuem status documentado; no entanto, eles nos fornecem trabalho que nos permite ter morangos de inverno, tomates e feijões verdes, frango e carne, e nossos lírios da Páscoa e poinsettias de Natal.”

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida. 

FIQUE INFORMADO!

A resposta de Horman ao chamado de Deus e sua jornada para se tornar uma Church and Community Worker a levaram, primeiro, ao seminário, depois à faculdade de direito.

“Comecei na Garrett-Evangelical no outono de 1981”, ela lembrou, “e, com a bênção do seminário, tirou uma folga depois do meu primeiro ano para participar de uma caminhada de 10 mil quilômetros pela paz em Belém”. Ela recebeu um Mestrado em Divindade pela escola teológica de Evanston, Illinois, em 1986.

Como anciã na Conferência Anual da Flórida, Horman serviu em igrejas em seu estado natal antes de se matricular na Faculdade de Direito da Georgia State University, em Atlanta. Ela recebeu um diploma de doutor em jurisprudência, em 1996.

Ela se juntou a vários colegas metodistas unidos na fundação de Just Neighbours, um ministério de imigração em Arlington, Virginia. Em 1999, os Just Neighbors fizeram parceria com o Comitê Metodista Unido de Socorro para estabelecer o JFON. Hoje, como uma entidade incorporada separadamente, o National JFON continua a receber um apoio substancial da UMCOR. Atualmente, o NJFON coordena com 17 locais da JFON em todo o país.

Depois de retornar ao pastorado da igreja local por vários anos, Horman disse: "Voltei a fazer leis de imigração em 2012, após o terremoto no Haiti".

Ela acredita que seus diplomas de teologia e direito a prepararam para seu cargo atual. “Os dois juntos”, disse Horman, “me ajudam a tornar visível a visão de que ser seguidor de Cristo - e leigo, missionário ou pastor - nos leva às dores e injustiças e necessidades de nossa comunidade, não isoladas atrás dos muros da igreja. O diploma em direito se torna uma ferramenta para ajudar a igreja a ser um agente da justiça”.

Duas passagens bíblicas guiam o trabalho de Horman. "Deuteronômio 10:19 lembra aos israelitas que amam o estrangeiro como antes eram estrangeiros na terra do Egito", disse ela. “E Jesus, em João 13:34, nos diz para amar os outros como ele nos amou”.


*Barbara Dunlap-Berg é escritora e editora freelancer dos Ministérios Globais.
Legenda: Janet Horman e Roland Robinson, advogados da Flórida JFON, são fotografados com um cliente que recebeu seu documento de autorização de emprego. Foto: cortesia de Janet Horman

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]. Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os Digest diários ou semanais gratuitos.

 

Missão
Superintendente Agostinho Nhampossa de Niassa, com a comissão de construção mostrando o local onde vai ser construído o novo centro orfanato em Lichinga, Moçambique. Foto de Eurico Gustavo.

Orfanato de Dondo recebe apoio das mulheres da Conferência do Norte

Dada a demanda dos serviços sociais para atender os petizes de palmo e meio, está em processo a construção de um outro centro orfanato no campo missionário de Lichinga, província de Niassa.
Preocupações Sociais
O reverendo Orlando Gallardo Parra (à direita), pastor da Igreja Metodista Unida Drexel em Drexel, Missouri, e um beneficiário da DACA, está casado com sua esposa, Emily, há quatro anos. "O DACA tornou possível para mim ser ordenado na Igreja Metodista Unida (e) conseguir um emprego como pastor." Foto cedida por Rev. Gallardo Parra.

A decisão da DACA traz alegria, mas a batalha não acaba

Cerca de 650.000 jovens obtiveram alívio temporário da deportação com a decisão da Suprema Corte dos EUA de sustentar a Ação Diferida por Chegadas de Infância.
Missão
A diaconisa metodista unida Cindy Johnson visita regularmente os migrantes que vivem em um acampamento em Matamoros, México, enquanto procuram asilo nos Estados Unidos. O medo do coronavírus impediu que pessoas como Johnson fossem capazes de ministrá-las pessoalmente. Foto cedida por Cindy Johnson.

Pandemia ameaça ministério com migrantes

Os Metodistas Unidos estão ajudando, mas são prejudicados pela pandemia do COVID-19, que os impede de interagir pessoalmente com os migrantes.