Escolas africanas se adaptam aos requisitos de saúde

Other Manual Translations: English

Com mais de 1 milhão de casos de COVID-19 confirmados em África, as escolas e universidades da Metodista Unida enfrentam desafios sem precedentes. Muitos estão recorrendo ao e-learning, enquanto outras se concentram em protocolos de segurança assim que os estudantes regressam para escola.

As igrejas africanas estão apoiando professores, pais e crianças de várias maneiras, incluindo a criação de novos programas para facilitar o ensino à distância.

Os comunicadores das Noticias MU de todo o continente compartilham como as escolas e igrejas estão se adaptando.
 
Igreja promove aplicativo de aprendizagem móvel no Quénia
Boneface Ndira (a esquerda) trabalha com Rooney Ndung’u, 13 anos, na Igreja Metodista Unida de St. John em Nairobi, Quénia. Ndira, um membro da juventude na igreja, dirigiu o desenho de Darasani, uma aplicação de educação virtual que ajuda mais de 300 estudantes em todo o país. Os estudantes vêm em turnos para acessarem a internet na igreja enquanto assistem as suas aulas virtuais no meio da semana. Foto de Gad Maiga, Noticias MU.
Boneface Ndira (a esquerda) trabalha com Rooney Ndung’u, 13 anos, na Igreja Metodista Unida de St. John em Nairobi, Quénia. Ndira, um membro da juventude na igreja, dirigiu o desenho de Darasani, uma aplicação de educação virtual que ajuda mais de 300 estudantes em todo o país. Os estudantes vêm em turnos para acessarem a internet na igreja enquanto assistem as suas aulas virtuais no meio da semana. Foto de Gad Maiga, Noticias MU.

Enquanto as escolas fechavam para impedir a disseminação do coronavírus, a Igreja Metodista Unida Kayolede St. John em Nairóbi, Quénia, procurou uma maneira de minimizar a interrupção da educação.

Os membros jovens da igreja desenvolveram uma plataforma de aplicação móvel chamada Darasani, a palavra em Suaíli que quer dizer “na sala de aula”.

O serviço oferece um ambiente online para aprendizagem e colaboração entre alunos e professores. O aplicativo está disponível gratuitamente na Google Play Store com currículo aprovado de escolas primárias e secundárias.

Boneface Ndira, líder da equipe das TI par Darasani, disse que a plataforma permite que os estudantes acessem os conteúdos em seus telefones celulares.

“Precisamos de sair de nossos caminhos para garantir que o aprendizado continue, mesmo sob a situação actual do COVID-19. O aplicativo educacional contém materiais de apoio informados por pesquisas para todos os níveis de ensino abaixo da universidade.”

O Ministério da Educação do governo anunciou em Julho que os alunos do ensino primário e secundário não retornarão pessoalmente até Janeiro. Os exames também foram cancelados.

Winnie Nangila, professora da oitava classe da Escola Dr. B.T. A Cooper da Metodista Unida — administrada pela Igreja Metodista Unida de St. John - disse que o programa Darasani mudou a maneira como ela ensina.

“Isso me permite alcançar os meus estudantes de maneira mais eficiente e eficaz por meio de grupos de bate-papo, videoconferências e também a compartilha de documentos durante esta pandemia. Os meus estudantes também acham que é mais fácil se comunicar,” disse ela.

Ela planifica continuar usando mesmo após o coronavírus. “Acredito que o aprendizado off-line tradicional e o e-learning podem andar de mãos dadas.”

Desafios como infra-estrutura de rede, preços de dados e acesso a equipamentos digitais adequados devem ser enfrentados para que o aplicativo seja usado em todo o país, disse Nangila.

Nicolas Nyabaya, professor da Escola Metodista Unida Dr. B.T. Cooper disse que as crianças nas favelas estão em desvantagem porque seus pais não têm telefones inteligentes, laptops e dinheiro para comprar pacotes de internet.

Outros desafios incluem formação para educadores, financiamento inadequado e pais que não estão equipados para supervisionar o e-learning.

O Rev. Patrick Wandera, professor e pastor sénior da Igreja Metodista Unida de St. John, disse que a crise de saúde destacou a capacidade de reunir habilidades e recursos de diferentes actores nos sectores público e privado, tanto nacional quanto internacionalmente.

Reuben Replie Ososo, professor titular do Dr. B.T. Cooper disse que o aplicativo aliviou um pouco o estresse, mas acrescentou que a escola - que tem apoiado estudantes refugiados por mais de uma década - enfrenta outros desafios. Recebeu um aviso de despejo depois de atrasar o aluguer por causa da pandemia.

“O despejo chegou nos momentos mais difíceis. É lamentável ter mais de 200 estudantes congoleses em situação de refugiado sem nenhum lugar para estudar quando as escolas reabrem,” disse ele.

Apesar das lutas, o Rev. Wilton T. Odongo, secretário da Conferência Quénia-Etiópia e superintendente do Distrito de Nairóbi, disse que está animado com a forma como a igreja está ajudando com o ensino à distância em todo o país.

“Nunca antes testemunhamos uma interrupção educacional em tamanha escala,” disse Odongo, acrescentando que a igreja deve garantir que os estudantes rurais não fiquem para trás.

“Vamos trabalhar juntos para encontrar uma maneira de garantir que as crianças em todos os lugares possam continuar sua educação, com atenção especial para as comunidades mais vulneráveis e desfavorecidas,” disse ele.

Estudantes vão retornar ao ponto quente de COVID-19

Os alunos usam máscaras e observam o distanciamento social enquanto recebem sua orientação diária antes de começar as aulas na Escola Primária Port Edward em Durban, África do Sul. Foto de Nandipha Mkwalo, Noticias MU.
Os alunos usam máscaras e observam o distanciamento social enquanto recebem sua orientação diária antes de começar as aulas na Escola Primária Port Edward em Durban, África do Sul. Foto de Nandipha Mkwalo, Noticias MU.

Os pastores da Conferência da África do Sul estão a enviar mensagens e orações encorajadoras às famílias Metodistas Unidas à medida que as crianças se preparam para regressar à escola pela segunda vez, apesar da situacao do país ser um ponto quente de COVID-19.

“Estamos enfrentando tempos desafiadores e sem precedentes como um país e o mundo em geral durante esta pandemia de coronavírus,” disse o Rev. David Mucherera, presidente da comissão do episcopado e pastor da Igreja Metodista Unida Tshwane em Pretória.

Ele incentiva os membros da igreja e a comunidade a seguir as directrizes de saúde.

“As pessoas devem usar sempre a máscara e seguir todos os cuidados. As crianças devem parar de compartilhar lancheiras durante os intervalos de almoço porque isso aumenta as possibilidades de infectar outra pessoa quando uma já está doente,” disse Mucherera.

Milhares de crianças voltaram à escola em Junho, apenas para ter pelo menos 968 escolas fechadas devido a surtos. Mais de 2.400 professores e 3.000 alunos foram infectados, de acordo com um relatório da South African Broadcasting Corporation. Em 24 de Julho, o presidente Cyril Ramaphosa ordenou que as escolas fechassem novamente até 24 de Agosto, com algumas excepções.

Pais e professores estão com medo de voltar para as aulas presenciais por causa do vírus, disse Sabelo Nofenele, um jovem adulto membro da Igreja Metodista Unida do Circuito da Cidade do Cabo e professor da Escola Secundária da Cidade do Cabo.

Houve mais de 596.000 casos confirmados de COVID-19 na África do Sul e mais de 12.400 mortes, de acordo com os dados da Universidade Johns Hopkins.

“Estamos realmente preocupados com nossas vidas como professores, porque podemos ser infectados com este vírus e infectar muitas outras almas. Mas, ao mesmo tempo, é importante aprendermos a viver e a trabalhar neste ambiente, porque os cientistas afirmam que este vírus pode existir por muito tempo,” disse Nofenele.

Ele acrescentou que está grato pelos pastores da sua igreja que têm verificado como é que ele e seus colegas professores estão e pelas mensagens encorajadoras que eles enviam todos os dias através das redes sociais.

Ongama Ntlakaza, um pai de 45 anos com quatro filhos, disse que está apavorado com o vírus, especialmente agora que seus filhos mais novos estão voltando para a escola.

“Não temos certeza se eles conseguirão usar as máscaras o dia todo,” disse ele. “Não sabemos a decisão certa a tomar como pais. Alguns de nós estamos confusos porque o governo disse que é sua escolha levar ou não seu filho para a escola, mas se não levá-los ... eles ficarão para trás.”

Se os filhos ficarem em casa, os pais são responsáveis pela educação em casa.

“Essa educação em casa exige muita energia e dados de pais e filhos e você deve ter um telefone inteligente ou laptop em casa para que seus filhos estejam ocupados,” disse Ntlakaza. 

“Alguns pais não estão trabalhando porque perderam seus empregos durante este período de COVID-19 e do bloqueio da África do Sul. Alguns pais e ou responsáveis não têm a educação e / ou não estão familiarizados com os sistemas para ajudar seus filhos a fazerem o trabalho em casa.”

Mihlali Ntshentshe, um estudante de 10 anos da Escola Primária de Port Edward, disse que estava animado para ver seu professor e amigos.

“A única coisa que nos incomoda é não podermos brincar com nossos amigos e não há actividades extra-curriculares,” disse Ntshentshe.

Segundo ele, cada turma tem horários para intervalos e almoços e há sempre um professor garantindo que os alunos estejam praticando o distanciamento social. A temperatura das crianças é medida quando elas entram no edifício, e há menos alunos por turma, com carteiras separadas por telas.

Escola da igreja no Zimbabwe desenvolve e-learning

Com as escolas do Zimbabwe ainda fechadas, muitos estão indo para o e-learning. Uma escola Metodista Unida está na vanguarda.

A Escola Secundaria de Murewa realizou testes com sucesso para um portal de e-learning que se espera espalhar para outras escolas Metodistas Unidas, bem como escolas públicas.

O sistema de gestão escolar, Sybyl, integra todas as actividades escolares num só lugar, a partir do fornecimento de salas de aula virtuais às funções de administração e contabilidade.

“O projecto piloto da Escola Secundaria de Murewa é uma revelação de que podemos fazer grandes coisas, mesmo sob condições adversas,” disse o Rev. Solomon Mawoyo, secretário de educação da Conferência Oeste do Zimbabwe.

Os alunos que participaram de um ensaio comemoraram o desenvolvimento.

“É realmente um bom lugar para continuar com nossos estudos durante o confinamento,” disse Michael Muramba, um estudante de ciências.

A estudante de artes Tinotenda Chihombori concordou que o programa é benéfico.

Doug Mamvura, evangelista chefe digital das Tecnologias Perturbadoras, está confiante de que a plataforma educacional levará a sala de aulas até a porta dos alunos. Ele disse que estava extasiado com o sucesso do teste.

“Este projeto piloto superou em muito nossas expectativas. ... Estamos ansiosos para ver mais escolas Metodistas Unidas chegando a bordo.”

Mawoyo disse que as restrições e limites do Ministério da Educação para os pais que pagam as taxas dos alunos paralisaram os esforços para adicionar mais escolas.

“Assim que as crianças puderem pagar suas mensalidades, definitivamente mais escolas serão incorporadas,” disse ele.

Sydney Mapisaunga, diretor da Escola Secundária de Murewa, disse que o e-learning é uma necessidade em meio a bloqueios, mas acrescentou que a falta de conectividade com a Internet é um desafio.

“O e-learning… continua sendo um sonho para a maioria dos nossos alunos que vêm de áreas rurais ou pobres. Aqueles de famílias urbanas ou de elite certamente se beneficiarão, (mas) o custo de dados e telefones inteligentes está para além do alcance de muitos,” disse ele.

Mapisaunga continua preocupado com o custo do programa, que é de US $ 2 (EUA) por mês, por aluno. Ele disse que isso poderia ser reduzido à medida que mais escolas e alunos são admitidos.

A Escola Secundaria de Murewa tem 1.240 alunos. A Área Episcopal do Zimbabwe tem 14 escolas primárias, 12 escolas secundárias. A igreja no Zimbabwe também supervisiona a Escola Secundária Sénior de Maun em Maun, Botswana. Essa escola foi reaberta em 2 de Junho.

“Começamos com os estudantes da turma das quintas. Cada turma deve ter no máximo 30 alunos. Dentro da sala, os alunos devem manter uma distância de um metro por carteira. Todos são obrigados a usar máscaras e (conduzir) o saneamento a cada hora,” disse o Rev. Tafadzwa Mabambe, que está servindo como capelão e pastor responsável na escola.

A escola tem mais de 2.000 alunos do ensino médio.

Na África University em Mutare, as aulas do semestre de Outono serão ministradas virtualmente com mais de 870 calouros que vão começar sua vida académica via Internet

Alguns alunos voltam para a escola na Serra Leoa

Os alunos da Academia Albert da Metodista Unida em Freetown, Serra Leoa, escutam o Director Junisa Vandy enquanto ele explica as directrizes para os Exames de Certificação da Escola Sénior da África Ocidental. Os alunos, como muitos em outros lugares em locais públicos em Serra Leoa, ainda não se adaptaram totalmente ao uso de máscaras. Foto de Phileas Jusu, Noticias MU.
Os alunos da Academia Albert da Metodista Unida em Freetown, Serra Leoa, escutam o Director Junisa Vandy enquanto ele explica as directrizes para os Exames de Certificação da Escola Sénior da África Ocidental. Os alunos, como muitos em outros lugares em locais públicos em Serra Leoa, ainda não se adaptaram totalmente ao uso de máscaras. Foto de Phileas Jusu, Noticias MU.

Enquanto Serra Leoa continua enfrentando os desafios do COVID-19, alguns alunos voltaram para escola em 1º de Julho.

Os alunos que estão se preparando para os exames finais do ensino fundamental, médio e superior foram autorizados a retornar. Os exames foram suspensos no final de Março, depois que o primeiro caso de coronavírus foi confirmado em Serra Leoa.

As demais escolas serão reabertas em fases a partir de Setembro e Outubro. Apesar dos desafios da primeira semana - incluindo problemas com a higienização das escolas - professores e alunos estão se adaptando, disse Junisa Vandy, diretor da Academia Albert da Metodista Unida, a única escola para rapazes em Freetown.

Até 107 alunos da escola farão os exames finais em Agosto, disse Vandy. Ele disse que o ministério da educação do governo forneceu materiais de lavagem das mãos para ajudar a obter alunos com segurança de volta à escola.

“Dividimos as grandes turmas em duas. Normalmente, existem entre 60 e 65 por turma. Agora, temos entre 30 e 35, devidamente espaçados. Estamos observando um distanciamento social,” disse.

Ele disse que todo aluno tem uma máscara facial e estações de lavagem foram instaladas em posições estratégicas para incentivar a lavagem frequente das mãos.

No Programa Preparatório da Universidade Metodista Unida, onde a universidade está a preparar os alunos para os exames externos da escola, a frequência caiu em 40% quando as escolas reabriram. Catherine Harding, a coordenadora do campus, observou que algumas crianças provavelmente ficarão em casa para estudar por causa de preocupações com o COVID-19.

No início do bloqueio, o governo de Serra Leoa reintroduziu um programa de ensino por rádio para o aprendizado em casa. O programa começou em 2014, quando as escolas foram fechadas devido a Ébola. Este concentra em matérias essenciais para alunos de escolas primárias e secundárias.

Em Maio, o Centro de Resgate da Criança da Metodista Unida, uma creche para crianças carentes, distribuiu aparelhos de rádio movidos a energia solar para 183 crianças que vivem em lares adoptivos, com fundos da Helping Children Worldwide. A organização sem fins lucrativos com sede nos Estados Unidos apoia projectos de saúde e educação na África, incluindo o Hospital Misericórdia da Metodista Unida e o centro de resgate em Bo.

“O governo fez bem ao pagar professores para fornecer programas de ensino de rádio em todo o país, para que seu tempo não seja desperdiçado enquanto espera o fim da pandemia do coronavírus,” disse Olívia Fonnie, directora do centro de resgate.

Universidade da Libéria luta para se adaptar

O Dr. Albert B. Coleman, presidente da Universidade Metodista Unida da Libéria, disse que a universidade não tem capacidade para fornecer oportunidades de e-learning aos 
seus alunos, mas os funcionários estão trabalhando na criação de plataformas digitais.

“Esta pandemia revelou vários pontos fracos da instituição em atender à demanda educacional do povo liberiano em tempos de crise,” disse Coleman. 
A universidade fechou em 25 de Março. 

“Dependemos de mensalidades para operar a universidade,” disse ele, acrescentando que a universidade não tem um fundo patrimonial para o funcionamento na ausência de actividades académicas nos quatro campus. “Todo esforço que estamos fazendo para a reabertura da escola também visa angariar recursos necessários para a operação, além de
 prestar os serviços académicos,” disse Coleman.

O Rev. Jerry P. Kulah, director da Escola de Graduação em Teologia Bishop Innis, disse que, como uma faculdade da Universidade Metodista Unida, a escola de graduação também fechou.

Enquanto os estudantes estavam ausentes, ele disse, estiveram envolvidos na consciencialização anti-COVID-19 e na distribuição de alimentos para suas comunidades.

´´A escola de pós-graduação conseguiu garantir cerca de US $ 10.000 de um amigo da escola no exterior para um pacote único de comida para ajudar os funcionários, pastores em comunidades rurais e outros indivíduos necessitados,´´ disse Kulah.

“O COVID-19 também nos expôs ao vírus da fome,” disse Kulah.

O Rev. James Z. Labala, reitor da Escola de Teologia de Gbarnga, disse que quando a escola reabrir, a agricultura será incluída como disciplina, “para garantir que os preparamos para qualquer eventual insegurança alimentar. Nosso maior desafio como povo durante esta pandemia é a insegurança alimentar.”
 
A escola, localizada na região central da Libéria, também é uma faculdade da Universidade Metodista Unida da Libéria, que oferece cursos de graduação em teologia.

“Como toda a universidade, nem todos estávamos preparados para as condições a que esta pandemia nos expôs. Apesar de estarmos em uma comunidade fechada, não podíamos nem mesmo operar a escola por meio do e-learning,” disse Labala.

A previsão é que a Universidade da Libéria reabra em Setembro, de acordo com uma discussão inicial com o governo, mas nenhuma data foi definida.

Actualmente, apenas os alunos do último ano do ensino médio, incluindo nas escolas Metodistas Unidas, voltaram à escola para se prepararem para um teste público regional. Os alunos da escola primária ficarão em casa até novo aviso do governo.

Escolas em Moçambique mantêm contacto com os alunos

A Rev. Olga Maria Raimundo, directora da Escola Comunitária Metodista Unida em Tsalala, Moçambique, trabalha na distribuição de materiais aos alunos que trabalham remotamente. Foto de João Filimone Sambo, Noticias MU.
A Rev. Olga Maria Raimundo, directora da Escola Comunitária Metodista Unida em Tsalala, Moçambique, trabalha na distribuição de materiais aos alunos que trabalham remotamente. Foto de João Filimone Sambo, Noticias MU.

Na Área Episcopal de Moçambique, a igreja continua a educar as crianças matriculadas nas escolas Metodistas Unidas.

“Embora estejamos em quarentena e observando a distância física e social, os nossos alunos recebem materiais e exercícios preparados pelos professores,” disse a Rev. Olga Maria Raimundo, directora da Escola Comunitária Metodista Unida em Tsalala, Subúrbio de Maputo.

Existem sete escolas primárias Metodistas Unidas e quatro escolas secundárias no país.

“Pais e responsáveis vêm buscar o material dos filhos, fazem fotocópias e ajudam a estudar em casa,” disse Raimundo.

Os pais devolvem os exercícios e questionários concluídos à escola para que sejam avaliados.

Raimundo disse que a escola tem 585 alunos atendidos por 18 professores e atende pelo menos oito bairros.

“Nesse período de pandemia, usamos plataformas como WhatsApp, mensagens de texto e, para quem tem condições, usamos até o Zoom. E, às vezes, nossos professores atendem telefonemas para esclarecer algumas questões específicas que surgem à medida que os alunos leem seus materiais,” disse ela.

“Entendemos que nem todos os pais e encarregados têm acesso ao WhatsApp e outras formas de comunicação em massa, pois alguns deles não têm sinal de rede, nem internet. Mas, nada nos impede de atender nossos alunos, garantindo assim a educação continua de nossos filhos em quarentena,” disse Raimundo.

As escolas secundárias e primárias devem abrir no final de Setembro e início de Outubro. A Universidade Metodista Unida de Moçambique foi reaberta em 18 de Agosto.

Alunos mais velhos no Congo voltam para os testes finais

O estudante de ensino médio Sylvestre Muthoma se prepara para voltar às aulas em Bukavu, no Congo. As escolas reabriram em Agosto para aqueles que precisam fazer os exames finais para graduar. Foto de Philippe KitukaLolonga, Noticias MU.
O estudante de ensino médio Sylvestre Muthoma se prepara para voltar às aulas em Bukavu, no Congo. As escolas reabriram em Agosto para aqueles que precisam fazer os exames finais para graduar. Foto de Philippe KitukaLolonga, Noticias MU.

Os alunos que precisam fazer um teste nacional para terminar o ano lectivo voltaram às aulas no Congo no dia 10 de Agosto. Os alunos mais novos estão programados para voltar em Outubro.

Sylvestre Muthoma deveria graduar da escola secundária em Bukavu quando as aulas foram interrompidas em Março. Ele disse que está emocionado em poder terminar o ano lectivo e seguir para a universidade.

Durante o confinamento, os professores Metodistas Unidos apresentaram programas de rádio e televisão para continuar a ensinar os alunos nas disciplinas principais, disse Dikete Yale, chefe das escolas Metodistas Unidas em Kivu.

O Bispo do Leste do Congo, Gabriel Yemba Unda, apelou aos responsáveis pelas escolas e universidades Metodistas Unidas para fazerem cumprir as medidas de segurança contra o coronavírus, incluindo a lavagem regular das mãos, o distanciamento social e o uso de máscaras.

“Minha intenção é ter zero casos de COVID-19 depois de retomar as aulas em escolas e Universidades,” disse.

Os comunicadores Gad Maiga no Quênia, Nandipha Mkwalo na África do Sul, Taurai Emmanuel Maforo e Kudzai Chingwe no Zimbabwe, Phileas Jusu em Serra Leoa, E Julu Swen na Libéria, João Filimone Sambo em Moçambique e Philippe Kituka Lolonga no Congo contribuíram para este relatório.

Missão
Bispo Scott Jones visita o aluno da 3ª série, Dondren Wilson, no primeiro dia do programa Santuários de Aprendizagem na Igreja Metodista Unida Trinity em Houston. O programa, iniciado pela Conferência do Texas da Igreja Metodista Unida, oferece um espaço seguro, acesso à Internet e outros recursos nas igrejas da área, permitindo que os pais retornem ao trabalho e seus filhos continuem seus estudos durante a pandemia COVID-19. Foto de Mike DuBose, Notícias MU.

As igrejas de Houston tornam-se santuários de aprendizagem para estudantes

O programa “Santuários da Aprendizagem” da Conferência Anual do Texas foi lançado em 8 de setembro para alunos que não precisavam mais ir à escola após as férias de verão.
Conselho de Bispos
John Yambasu Jr. (à esquerda) e outros enlutados carregam o caixão com os restos mortais do Bispo de Serra Leoa John K. Yambasu, que foi sepultado em 6 de setembro após um serviço de Lembrança e Ritos de Passagem em Freetown. O bispo morreu em um acidente de carro em 16 de agosto. Foto: Phileas Jusu, Notícias MU.

Preso motorista de acidente que matou bispo

O motorista da van que bateu e matou o bispo da região de Serra Leoa, John K. Yambasu, foi acusado de sete acusações, incluindo excesso de velocidade.
Missão
Incêndios florestais queimam durante uma noite de meados de agosto perto de Susanville, Califórnia. Uma série de incêndios florestais destruiu mais de 30.000 acres de terra ao redor de Susanville. Foto de Doug Magill, Exército dos EUA.

Incêndios e coronavírus complicam a ajuda humanitária no Ocidente

Depois de um furacão ou tornado, equipes de ajuda humanitária e voluntários da igreja freqüentemente entram em ação. Tal resposta não foi possível diante do grande número de incêndios florestais.