Reflexões sobre a afro-latinidade

Other Manual Translations: español

Cheguei a aceitar o fato de que ser negro e latino não poderia coexistir igualmente na minha vida, um tem que vir antes do outro. Antes do assassinato de George Floyd, minha auto-identidade estava fortemente enraizada no entendimento de que minha negritude era a âncora da minha latinidade; no entanto, de alguma maneira eu poderia associar esses dois termos a algo maleável para as pessoas me entenderem; quando na verdade não havia muito o que entender. 

Artigos de opinião 

A Notícias MU publica artigos de opinião sobre tópicos específicos da denominação. Os artigos de opinião refletem uma variedade de pontos de vista e são as próprias opiniões dos autores, que não refletem as posições do serviço Notícias MU.

Assim que saio, sou um homem negro em um mundo cheio de sistemas projetados especificamente para perpetuar e possibilitar o trabalho da supremacia branca. Essa foi a mudança de mentalidade que marcou toda a diferença para mim. Assim que vi essa sociedade não como um sistema quebrado, mas como um sistema que está funcionando exatamente da maneira como foi projetada para funcionar, comecei a afrouxar a minha preciosa identidade latina e comecei a abraçar minha negritude na vanguarda. Isso não era, no entanto, uma questão de escolha. Ser negro nos EUA é viver em um sistema que faz questão de lembrá-lo todos os dias do que pode ser infligido ao seu corpo sem consequências.

E é isso que mais me atormenta quando vejo a vida de George Floyd sendo tirada. Que, além das imagens horríveis na tela, ele faz parte de um projeto maior, composto de histórias invisíveis e inéditas, de pessoas vivendo apenas vidas, sagradas em seu valor, mas dispensáveis aos olhos da sociedade. Eu entendi que, para todo George Floyd, existem centenas mais que permanecem sem nome, sem protesto, sem justiça. Como ser latino corrige essa realidade? Como posso me apegar igualmente a uma identidade que não revida por mim, que muitas vezes permanece em silêncio após a minha brutalização?   

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Isso é especialmente importante, considerando que alguns desses assassinatos injustos foram cometidos por policiais latinos ou "pardos" ( Trayvon MartinPhilando Castileprisão de Sandra Bland , etc.). Por ironia, nossos próprios países latino-americanos veem uma quantidade desproporcional de violência estatal anti-negra perpetuada em seus cidadãos negros. Não posso buscar refúgio nesses sistemas no meu país, Colômbia.

Minha negritude é uma verdade que simplesmente não pode ser separada da minha latinidade, mas, ao mesmo tempo, minha comunidade Latina se recusa a tratar completamente de sua existência. É por esse motivo que a afirmação Black Lives Matter (Vidas Negras Importam) se torna tão significativa. Em toda a diáspora, vidas negras compartilham uma história fraturada que nos deixou em países incapazes de nos amar como nós os amamos. É um relacionamento desequilibrado que nos deixa sem um verdadeiro senso de lar, mas um dentro do outro.

Qual é a nossa resposta a relações raciais desequilibradas?

Agora, apesar disso, acredito que Deus nos chama a frente para desmontar esse sistema. Como seguidores de Cristo, não temos outra opção senão lutar contra a supremacia branca. Mas como é isso? Acredito que antes de chegarmos a um lugar de reconciliação racial neste país, devemos primeiro ser capazes de autocrítica a um ponto em que possamos reconhecer abertamente nossos vieses e preconceitos. Isso, no entanto, não pode ser chamado de justiça. Reconhecer nosso próprio preconceito é apenas o primeiro de muitos passos para a reconciliação. Vemos as deficiências disso no recente exemplo de Amy Cooper, que estava ciente de sua posição como mulher branca para poder armar sua brancura contra um homem negro com quem estava em desacordo. Sua consciência racial naquele momento a levou a utilizar seu privilégio como arma, sabendo que, ao chegar aos policiais, as probabilidades estariam a seu favor e suas falsas declarações teriam mais peso do que a conta do acusado. Se não fosse a evidência em vídeo, poderia muito bem acontecer que Amy Cooper hoje estivesse segurando uma faixa do Black Lives Matter em aparente solidariedade com o movimento. Tal ação contraditória não seria uma anomalia no ambiente atual de divulgação de tópicos de tendências da justiça social; e é a razão pela qual simplesmente reconhecer o preconceito é pouco.

Como afirmou o Dr. Martin Luther King Jr, “o maior obstáculo aos Negros em relação à liberdade não é o Conselheiro de Cidadãos Brancos ou os Ku Klux Klanners, mas o moderado branco que é mais devotado à ordem do que à justiça; quem prefere uma paz negativa que é a ausência de tensão a uma paz positiva que é a presença da justiça". É para isso que nós, como sociedade, devemos olhar. Paz positiva no lugar de reconhecimentos míopes do racismo. Acredito que é um trabalho que não veremos plenamente realizado em nossas gerações, mas um em que todos somos chamados a participar. 

 

*Andres De Arco é um orgulhoso afro-colombiano apaixonado por procurar plataformas educacionais e empreendedoras criativas para comunidades negras e pardas dentro e fora dos EUA. Andres atualmente atua como diretor assistente nacional da Academia de Liderança Juvenil Hispânica Metodista Unida (HYLA) e está cursando um mestrado na Harvard Divinity School. Ele é membro do Esperanza Viva UMC na Conferência West Ohio.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para I[email protected]. Para ler mais notícias da Metodista, assine os resumos quinzenais gratuitos .

 

Preocupações Sociais
O Rev. Gilbert Caldwell, pastor aposentado Metodista Unido e ativista dos direitos civis que marchou ao lado do Rev. Martin Luther King Jr., fala durante uma reunião do Black Lives Matter em 7 de junho em Willingboro, NJ. À direita de Caldwell está sua esposa, Grace Caldwell. À esquerda de Caldwell está a Revda. Vanessa Wilson, presidente da Comissão de Raça e Religião da Conferência Greater New Jersey e pastora da Igreja Metodista Unida Good Shepherd em Willingboro. O protesto foi um dos muitos ocorridos nos EUA em cidades menores envolvendo metodistas unidos. Foto de Aaron Wilson Watson.

Comunidades menores são afetadas por protestos

Os Metodistas Unidos se envolveram em comícios da Black Lives Matter em pequenas cidades e cidades de médio porte.
Preocupações Sociais
"Um grupo de painelistas discutiu a história do Metodismo em torno da questão da raça durante uma reunião aberta ao vivo, denominacional. A reunião foi moderada por Erin Hawkins (canto inferior direito) da Comissão Metodista Unida de Religião. e Race. Os palestrantes convidados incluíram: Alison Collis Greene, Reverendo Alfred T. Dia III, William Bobby McClain e Lisa Dellinger. A foto é uma captura de tela do MU News via YouTube.

Desembaraçando a história racial dos EUA e da igreja

Em uma reunião aberta pelo YouTube, os líderes metodistas unidos expuseram a atitude complicada, e às vezes não muito transparente, da igreja em relação à questão da raça, a fim de incentivar os metodistas unidos a corrigir os erros do passado.
Racismo
Os Metodistas Unidos oram antes de uma manifestação nacional em Washington para acabar com o racismo em 2018. Foto de arquivo de Kathy L. Gilbert, Notícias MU.

A Questão Metodista: O que a Igreja Metodista Unida diz sobre o racismo?

A igreja reconhece a existência do privilégio dos brancos como uma causa subjacente da desigualdade.