Redefinindo a vida 25 anos após o atentado a bomba de Oklahoma City

Other Manual Translations: español

O 25 º aniversário do atentado de Oklahoma City, em 19 de abril de 2020, está ocorrendo enquanto o Estado está sob as ordens de proteção para ficar em casa devido ao coronavírus. Este é o primeiro ano em que famílias de vítimas e sobreviventes não se reunirão no local do memorial. "Este aniversário é meio diferente e desanimador", disse Anne Marshall, cujo marido, Raymond Johnson, estava entre as 168 pessoas que morreram no atentado ao prédio federal Alfred P. Murrah, em 1995, em Oklahoma City.

Monumento Conmemorativo Nacional de Oklahoma City. Foto cortesía de la Conferencia Anual Misionera Indígena de Oklahoma.

Monumento Memorial Nacional de Oklahoma City. Foto cortesia da Conferência Anual Missionária Indígena de Oklahoma.

 

"O local está fechado", acrescentou. "Barricadas foram levantadas, e as famílias que se uniram nessa provação não poderão visitá-la."

A maioria das ações relacionadas foram transferidas para um formato on-line, com emissoras de televisão locais exibindo cobertura especial - um golpe inesperado para Marshall. Na entrevista do Canal de Notícias 9 com um médico legista, que foi ao ar em 17 de abril de 2020, uma foto mostrou um quadro branco com nomes dos que morreram e anunciados como as vítimas que foram identificadas. Pela primeira vez, Marshall percebeu que os registros dentários eram usados para identificar o marido.

“Isso meio que me deixou louca, você sabe; você está apenas assistindo a cobertura e, de repente, vê o nome”, disse Marshall. “Todo mundo estava me mandando uma mensagem e dizendo: 'Você viu isso? Você está assistindo?' Foi chocante depois de todos esses anos ainda não conhecer esses detalhes”.

 

 Raymond Johnson, marido de Anne Marshall, foi identificado entre as 168 pessoas que morreram no bombardeio do edifício federal Alfred P. Murrah em 1995 em Oklahoma City. Foto cortesia da Conferência Anual Missionária Indiana de Oklahoma.

Raymond Johnson, marido de Anne Marshall, foi identificado entre as 168 pessoas que morreram no bombardeio do edifício federal Alfred P. Murrah em 1995 em Oklahoma City. Foto cortesia da Conferência Anual Missionária Indiana de Oklahoma.

 

Nos últimos 25 anos, disse Marshall, ela teve reações diferentes ao aniversário, às vezes se sentindo oprimida e outras vezes encontrando uma sensação de paz através do apoio de amigos e conexões com outras famílias que perderam entes queridos no atentado. Ela participou de muitas, mas não de todas, as reuniões comemorativas.

"Com o passar do tempo, há cura no coletivo, luto compartilhado com outras famílias", disse ela.

Junto com a descoberta de como seu marido foi identificado, Marshall ainda tem perguntas e pensamentos sem resposta que inundam sua memória a cada ano. No início, ela escreveu quatro cartas para Timothy McVeigh, o homem bombardeiro condenado. Cada carta foi devolvida fechada. Ela nunca sentiu nenhum tipo de remorso por McVeigh, mesmo quando testemunhou sua execução em 11 de junho de 2001, em Terre Haute, Indiana.

Marshall encontrou-se com equipes de resgate que recuperaram os restos mortais de seu marido. Foto cortesia da Conferência Anual Missionária Indiana de Oklahoma.

Marshall encontrou-se com equipes de resgate que recuperaram os restos mortais de seu marido. Foto cortesia da Conferência Anual Missionária Indiana de Oklahoma.

 

No momento do bombardeio, Marshall estava trabalhando na cidade de Nova York como membro da Comissão da Comissão da Igreja Metodista Unida sobre Unidade Cristã e Preocupações Inter-Religiosas. Ela pegou um voo de volta para Oklahoma City no dia do atentado. Quando ela chegou, as equipes de resgate pediram uma descrição do que o marido usava naquele dia para trabalhar.

"Eu não o vi naquela manhã porque estava em Nova York", lembrou ela. “Eu não tinha ideia, e isso ficou comigo. Eu me pergunto, o que ele vestia? Eles não devolveram nenhuma roupa; eles apenas devolveram sua carteira, alguns trocos do bolso e um canivete; foi tudo o que recebi de volta.”

Marshall encontrou-se com as equipes de resgate que recuperaram os restos mortais de seu marido. No verão de 1995, ela visitou a equipe em Sacramento e deu-lhes presentes representando sua herança em Muscogee Creek para honrar seus esforços em cuidar de seu marido.

Edifício federal Alfred P. Murrah em Oklahoma City. Foto cortesia da Conferência Anual Missionária Indígena de Oklahoma

Edifício federal Alfred P. Murrah em Oklahoma City. Foto cortesia da Conferência Anual Missionária Indígena de Oklahoma

 

Por fim, a gentileza de amigos, famílias e estranhos a ajudou a se curar ao longo dos anos. Marshall lembrou que, depois que a cerca e os detritos foram removidos, pela primeira vez, ela foi ao local do bombardeio. Ela foi recebida por um agente do FBI e compartilhou sua história. Ele encontrou cadeiras dobráveis, e Marshall e um amigo sentaram-se embaixo do que ficou conhecido como "Árvore do Sobrevivente".

"Acabamos sentados lá a tarde toda, conversando, rindo e chorando", disse ela. “Apreciei isso, provavelmente mais do que ele sabe. Fez mais por mim do que qualquer outra coisa."

Ela também disse que as inúmeras ligações e visitas de amigos e familiares a ajudaram a superar os momentos realmente difíceis.

Marshall teve a oportunidade de compartilhar sua experiência e pagar a gentileza que experimentou após os ataques de 11 de setembro na cidade de Nova York. O Departamento de Justiça dos Estados Unidos reuniu viúvas do atentado de Oklahoma City para se encontrar com viúvas do 11 de setembro. Eles encontraram apoio ao compartilhar sobre seus maridos e às dificuldades de viver sem eles.

Anne Marshall em frente ao Edifício Federal Alfred P. Murrah, centro do ataque terrorista de 1995. Marshall é um membro ativo da Igreja Metodista Unida de Wewoka na Conferência Indígena Missionária Anual de Oklahoma. Ela é uma delegada da Conferência Geral Metodista Unida de 2021. Foto cortesia da Conferência Anual Missionária Indígena de Oklahoma

Anne Marshall em frente ao Edifício Federal Alfred P. Murrah, centro do ataque terrorista de 1995. Marshall é um membro ativo da Igreja Metodista Unida de Wewoka na Conferência Indígena Missionária Anual de Oklahoma. Ela é uma delegada da Conferência Geral Metodista Unida de 2021. Foto cortesia da Conferência Anual Missionária Indígena de Oklahoma.

 

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Durante todo o processo de cura, disse Marshall, ela redefiniu quem ela é, e se sente mais corajosa e mais forte por causa da experiência.

“Depois desse evento, me deu mais coragem; fiquei mais ousada”, ela disse. “Tornei-me muito mais franca porque sei que não poderia passar por nada pior do que o que já passei. Não foi um fechamento, mas um processo de crescimento.”

Marshall disse que acredita que se tornou uma pessoa melhor, disposta a agir por outras pessoas e ser uma voz para aqueles que são silenciados. Marshall é um membro ativa da Igreja Metodista Unida de Wewoka na Conferência Missionária de Oklahoma Indian. Ela é uma delegada da Conferência Geral Metodista Unida de 2021.

Hoje, Marshall atua no conselho tribal de Muskogee Creek. Ela está trabalhando na legislação para garantir que todos os membros da tribo sejam contados no Censo dos EUA em 2020. Ela também está procurando criar uma guarda de honra feminina para a tribo.

Os coordenadores do Oklahoma City Bombing Memorial esperam reunir as famílias no outono, quando as ordens de permanência em casa forem suspensas.

 

* Conferência Missionária Oklahoma Indian. Para ler o artigo original em inglês, abra aqui
** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]. Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

Preocupações Sociais
Ahmaud Arbery, um homem de 25 anos de Brunswick, Geórgia, foi baleado e morto em 23 de fevereiro, mas foi somente após o lançamento de um vídeo do incidente em 5 de maio, que Gregory McMichael e seu filho, Travis McMichael, foram acusados do assassinato. Foto de família, cortesia do Twitter.

Tiroteio na Geórgia convoca a pôr um fim no racismo

Os líderes da IMU estão pedindo a erradicação do racismo após o assassinato de Ahmaud Arbery, um homem negro desarmado que foi baleado na Geórgia.
Ajuda humanitária
Primeira Igreja Metodista Unida de Oklahoma City, afetada pela explosão de 1995, devido à sua proximidade com o Edifício Federal Alfred P. Murrah. Foto cedida por The City Sentinel.

Oklahomans relembra o bombardeio da OKC 25 anos depois

Em todo o estado e em todo o país, as pessoas se lembram do 25º aniversário do atentado ao prédio federal Murrah.
Preocupações Sociais
A diaconisa metodista unida Bulelwa Ndedwa lidera uma marcha contra a violência de género em Durban, na África do Sul, em 14 de setembro. A marcha começou com a oração numa Igreja Metodista Unida e terminou no centro de Bizana, no distrito de Makukhanye, Cabo Oriental. Foto de Nandipha Mkwalo, Notícias da MU.

Igreja destaca faróis sobre a violência contra as mulheres

Metodistas Unidos da África do Sul marcham por mudanças, exortam a igreja a tomar medidas para proteger os membros do sexo feminino e todas as mulheres.