Orações e doações socorrem depois de tempestades

Translate Page

Quando as tempestades de primavera e o COVID-19 colidiram, um abismo se abriu entre voluntários ansiosos e aqueles que deles precisavam.

A Rev. Samantha Meadors, ministra do campus da Arkansas State University em Jonesboro, normalmente gasta muito tempo organizando viagens missionárias para locais que precisam de limpeza após o tipo de tempestade que atingiu Jonesboro, mas ela tem uma mensagem diferente este ano.

Não venha.

“Estamos muito agradecidos por termos sobrevivido a este tornado sem mortes e com relativamente poucos feridos. Vamos continuar valorizando vidas praticando o distanciamento social ou, se possível, ficando em casa e doando nossos dólares em vez de nossas coisas”, escreveu ela ao jornal local e postou no Facebook.

As posses podem ser substituídas, as pessoas não, ela disse.

"Se você continuar trabalhando como voluntário sem tomar as devidas precauções, estará valorizando os bens acima das pessoas", disse ela.

O reverendo John Miles, pastor da Primeira Igreja Metodista Unida em Jonesboro, disse que o coronavírus provavelmente salvou vidas porque a quarentena mantinha muitas pessoas fora dos lugares que estavam fortemente danificados.

"Tentar manter nossos voluntários seguros e seguir o distanciamento social é muito difícil", disse ele. “Eu abracei alguns membros da igreja por instinto. Pedi desculpas profusamente depois. Essa coisa que não toca é realmente difícil para os pregadores.”

Meadors está pedindo doações em dinheiro e não em coisas.

“Nosso incentivo agora é que as pessoas doem seu dinheiro para organizações respeitáveis, como a United Way of Northeast Arkansas (Assistência Metodista em Desastres do Arkansas), Cruz Vermelha, United Way of Northeast Arkansas ou Exército de Salvação. Também estamos incentivando as pessoas a pensar na recuperação a longo prazo. Sabemos que os esforços de recuperação não acontecem em questão de semanas, mas em questão de meses ou anos”, afirmou Meadors.

Youth members of First United Methodist Church Jonesboro (Ark.) and their parents work together to help move items out of a home damaged by the tornado in Jonesboro, Ark., in first days after storm. Volunteers are asked to wait until the COVID-19 threat is over. Photo courtesy of First United Methodist Church Jonesboro.
Os jovens membros da Primeira Igreja Metodista Unida Jonesboro (Arkansas) e seus pais, trabalham juntos para ajudar a remover itens de uma casa danificada pelo tornado em Jonesboro, Arkansas, nos primeiros dias após a tempestade. Solicita-se aos voluntários que esperem até que a ameaça do COVID-19 termine. Foto cedida por Primeira Igreja Metodista Unida Jonesboro.  

Logo após a tempestade de 3 de março no Tennessee, o Rev. Ryan Bennett, pastor da Primeira Igreja Metodista Unida do Líbano, recebeu dois telefonemas inesperados que atendiam a uma grande necessidade de sua comunidade.

Primeiro, ele soube que a igreja havia recebido US $ 52.000 em ganhos de um gás natural há muito adormecido que lhe fora deixado por um membro da igreja na década de 1980. O membro da igreja queria que seu presente fosse destinado à substituição de veículos para a igreja.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

A próxima ligação que recebeu foi de Beth Petty, diretora de recursos do distrito escolar do Líbano. Ela estava ligando para pedir que ele orasse com ela por um veículo muito necessário para ajudar a entregar comida para crianças em idade escolar subitamente fora da escola. Cerca de 50% das crianças do município estão no programa de almoço grátis, disse Petty.

"Meu primeiro pensamento foi ligar para Ryan", disse Petty. “Não pensei duas vezes e apenas liguei, alegando que precisava de outro veículo. A igreja tinha um, eles já precisavam de um? Eles considerariam comprar um que eu pudesse usar? Pedi-lhe que não dissesse nada a ninguém por enquanto, e apenas deixássemos nós dois em oração por isso".

Ryan disse a ela que os pelos de seu braço estavam arrepiados e depois contou sobre o primeiro telefonema.

"Dentro de duas semanas, a Primeira Igreja Metodista Unida reuniu-se, comprou os dois veículos e me adicionou (como um membro que não é da igreja) ao seu seguro automóvel", disse Petty.
 
"Deus deu a resposta antes mesmo de perguntarmos", disse Bennett.

Em 4 de abril, a van de carga entregou 30.000 libras(13 mil kg) de alimentos, produtos de higiene e material de limpeza para uma unidade de alimentos local.
 
"Alimentamos 350 famílias", disse ele.

O Comitê Metodista Unido de Ajuda também está incentivando os voluntários a não viajar. Considere fazer um presente online para a UMCOR .

*Gilbert é redatora de notícias do Serviço Metodista Unido de Notícias, entre em contato com ela (615) 742-5470 ou [email protected] . Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

Missão
A Primeira Igreja Metodista Unida de Aransas Pass, Texas, tornou-se um hospital temporário depois que o furacão Celia atingiu a comunidade em 3 de agosto de 1970, e 85 ou 86 bebês (os relatos variam) nasceram na ala educacional da igreja. Mães com 31 desses bebês se reuniram para uma fotografia, assim como o pastor da igreja, o reverendo Milford “Zeke” Zirkel, que está atrás. Foto cedida pela Primeira Igreja Metodista Unida de Aransas Pass.

Furacão transforma igreja em maternidade

Após o furacão Celia em 1970, a Primeira Igreja Metodista Unida de Aransas Pass no Texas tornou-se um hospital temporário para sua comunidade e viu mais de 80 pessoas nascerem em suas instalações. Algumas dessas pessoas são armazenadas para um culto especial.
Conferência Anual
O Rev. Andrew C. Kjorlaug, um ancião da Conferência do Arkansas e capelão do Exército dos EUA, apresenta uma resolução na Conferência Anual do Arkansas que convida a delegação do Congresso do estado a agir sobre a “legislação responsável sobre armas de fogo”. Em um ano que viu vários tiroteios em massa, o Arkansas estava entre várias conferências Metodistas Unidas pedindo aos líderes eleitos que fizessem mais para regular as armas. Captura de tela cortesia da Conferência do Arkansas via YouTube pela Notícias MU.

Conferências agem a respeito da violência armada

Mesmo que as conferências anuais se encontrem no meio de discussões sobre desfiliações da igreja local e desacordos sobre a inclusão LGBTQ, elas estão pedindo ação e aprovando resoluções, além da retórica e dos chamados necessários à oração, sobre o grave problema da violência armada na sociedade americana.
Violência
O Reverendo. Autura Eason-Williams, superintendente do distrito metodista unido, de 52 anos, foi morta por dois adolescentes em 18 de julho em frente à sua casa para roubar seu carro. Foto cortesia do BMCR (Caucus Metodista Negro para Renovação da Igreja).

Segundo adolescente é acusado de matar líder da Igreja Metodista Unida

A promotoria está apresentando acusações de adultos contra os dois adolescentes, de 14 e 17 anos, acusados de assassinato e que seriam elegíveis para serem transferidos para um tribunal adulto, de acordo com a lei estadual do Tennessee.