Ele ainda chama a Central UMC de Detroid de lar

Other Manual Translations: español

Quando Ded e Flora atravessaram as portas do Central UMC de Detroit em janeiro de 2018, mal sabiam que ainda chamariam a igreja de lar 18 meses depois.

Michigan tem a segunda maior taxa de detenções de imigrantes por Imigração e Alfândega (ICE). De acordo com um artigo na primeira página do Detroit Free Press, a taxa de detenção de Michigan é duas vezes mais alta que a média nacional. Diego Bonesatti, um defensor dos imigrantes e diretor de Serviços Jurídicos do Michigan United, diz: “Vocês têm famílias destruídas. Há muita incerteza nas comunidades de imigrantes, uma sensação de que não há para onde fugir” (Detroit Free Press, 20 de junho de 2019). Flora e Ded Rranxburgaj e seus filhos se voltaram para a Igreja Metodista Central no centro de Detroit e tem sido sua em casa por um ano e meio.

Originária da Albânia, a família fugiu da opressão e das dificuldades do comunismo, viveu por algum tempo na Europa e no Canadá antes de finalmente chegar aos EUA em 2001. Ded trabalhou como cozinheiro, trabalhador da construção civil e paisagista. "Eu fiz o que pude para ganhar dinheiro", disse ele. "Eu trabalhei por 17 anos sem um intervalo". Flora sofre de esclerose múltipla e Ded tem sido seu principal cuidador, enquanto seus filhos, um que é um destinatário DACA e outro cidadão dos EUA, vão para a escola. O filho mais velho, Lawrence, acaba de se formar em U de M Dearborn, com dupla especialização em finanças e negócios, e o filho mais novo, Eric, é um estudante do ensino médio.

Os Rranxburgajs vieram para os EUA em busca de asilo político e quando seus apelos foram negados, eles puderam ficar em uma base humanitária por causa da doença de Flora. Ded tem um cartão de autorização de trabalho, ganhou a vida e pagou impostos, mas não está a salvo da deportação. Com a abordagem mais agressiva do ICE sob as atuais políticas de imigração, tem havido um aumento nas “prisões comunitárias”, significando que pessoas como Ded podem ser presas em casa, no local de trabalho, ao chegar para um encontro com os Serviços de Imigração, ou até na rua, mesmo que não tenham antecedentes criminais. A ameaça de prisão levou-os a procurar refúgio e a Igreja Central os acolheu.

Em janeiro de 2017, a congregação na Central votou para se tornar uma “congregação do santuário”. A família Rranxburgaj é a segunda família que eles abrigaram, seguindo uma família da África sem nenhum outro lugar para onde ir. O Rev. Dr. Jill Hardt Zundel, Pastor Sênior da Central, diz: “Proteger os fracos e vulneráveis - é o que esta igreja sempre fez e sempre fará”. A Central UMC é a única igreja Metodista Unida em Michigan a receber famílias no santuário. A Primeira UMC em Ferndale aprovou tornar-se uma igreja santuário, mas ainda não abrigou ninguém.

Zundel relata que depois de 18 meses, a família está mostrando a tensão. Ded desenvolveu diabetes e colesterol alto, e Flora teve complicações com sua doença. "Eles só esperavam estar aqui por alguns meses, mas agora, depois de 18 meses, o estresse está desgastando e eles às vezes se sentem sem esperança". Como forma de encorajar a esperança, a congregação Central organizou um jantar para levantar fundos em 2 de julho. Ded usou sua habilidade como cozinheiro para preparar a refeição e arrecadar dinheiro para suas despesas.

Deb e Flora Rranxburgajs se juntam à família IMU Central em sua comemoração de Halloween em outubro de 2018. Foto cedida pela família Rranxburgaj.

 

“À luz da retórica cada vez mais hostil em relação aos imigrantes e às políticas de ICE mais agressivas”, diz Zundel, “toda congregação precisa perguntar o que significa para eles cumprirem o chamado de Jesus: 'Eu era um estranho e você me acolheu. 'Toda igreja não pode ser uma igreja santuário, mas todas as igrejas podem fazer parte do movimento do santuário”.

Por exemplo, a Primeira Igreja Metodista Unida de Birmingham doou US $ 2.500 ao fundo do santuário em Detroit Central para apoiar o seu ministério do santuário. Outras igrejas se ofereceram para fornecer caronas a Flora para ir a consultas médicas e outras formas de assistência. Muitas congregações do Michigan estão ativamente envolvidas com a JFON (Justiça para os Nossos Vizinhos), que oferece assistência legal gratuita aos imigrantes no estado.

O JFON é apoiado pela Michigan Conference. Você pode aprender mais sobre o trabalho deles na página do Facebook: Justice For Our Neighbours – Michigan. Se você quiser mais informações sobre as maneiras de participar do ministério do santuário da Central em apoio à família Rranxburgaj, entre em contato com o Rev. Zundel em 313 / 965-5422.

Flora e Ded ainda estão aguardando o resultado final de seu caso, mas enquanto esperam, encontraram uma casa na Igreja Metodista Central em Detroit.

Um ano atrás, a senadora estadual de Michigan, Stephanie Chang (à direita) visitou Ded em seu jardim no terraço, onde ele cultiva vegetais para a família e para outros. Foto do Facebook.

 

*John E. Harnish, Comunicações da Conferência Anual de Michigan. Publicado em 1 de julho de 2019 no site da conferência. Para ler o artigo original em inglês, clique aqui.

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina@umcom.org