Como as igrejas podem ajudar ex-presidiários a se adaptarem

Other Manual Translations: English 한국어 Español

Cerca de 600.000 presidiários serão libertados da prisão este ano, o que pode parecer mais uma ameaça do que uma oportunidade.

Durante cinco webinars esta semana, os Metodistas Unidos vão argumentar que é uma grande oportunidade de fazer a obra de Deus e vão sugerir formas de fazê-la.

Os webinars "Liberado: estou em casa, e agora?" são patrocinados pelo Strengthening the Black Church for the 21st Century (Fortalecimento da Igreja Negra para o Século 21) e pelo ResourceUMC (Recursos UMC) das Comunicações Metodistas Unidas. Os eventos Zoom, que começam às 18h00, horário central dos EUA, de segunda a sexta-feira, exigem registro para participar. 

“Eu vejo isso como um ministério que a igreja realmente precisa abraçar por que 600.000 cidadãos retornam (para casa) todos os anos, e adivinhe? Eles estão vindo para as suas comunidades”, disse o Rev. Michael L. Bowie, diretor nacional da SBC21, o plano étnico racial nacional da Igreja Metodista Unida.

The Rev. Michael L. Bowie leads North Texas Conference clergy and laity in prayer outside the McKinney, Texas, police department in 2015. The group was protesting an officer's treatment of Black youth at a pool party dispute. Bowie, now national director for SBC21, the national racial ethnic plan of The United Methodist Church, is encouraging church members to support former inmates and help them find gainful employment. File photo by Sam Hodges, UM News.

O reverendo Michael L. Bowie lidera clérigos e leigos da Conferência do Norte do Texas em oração fora do departamento de polícia de McKinney, Texas, em 2015. O grupo estava protestando contra o tratamento dado por um policial aos jovens negros em um caso de festa na piscina. Bowie, agora diretor nacional da SBC21, o plano étnico racial nacional da Igreja Metodista Unida, está incentivando os membros da igreja a apoiar ex-presidiários e ajudá-los a encontrar um emprego remunerado. Foto de arquivo: Sam Hodges, Notícias MU.

“Em vez de fugir deles, como vamos correr para eles?”, disse Bowie. “(Temos que) perceber que eles podem ser uma grande parte e expandir o reino de Deus e realmente ajudar a reduzir este problema generalizado de encarceramento em massa em nossas comunidades.” 

Saun Hough, pastor associado da Igreja Metodista Unida Crossroads em Compton, Califórnia, já foi um dos presidiários que retornaram.

“Tomei uma decisão terrível que afetou muitas vidas”, disse Hough. “Fui para a prisão seis meses depois de casado. Recebi prisão perpétua e estive lá por quase 20 anos.”

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Além de seus deveres na igreja, Hough, um ex-fuzileiro naval, trabalha na Californians for Safety and Justice (Californianos pela Segurança e Justiça) e Shields for Families (Escudos para famílias), ambas as quais apoiam famílias vulneráveis. Ele falará durante alguns dos seminários.

Saun Hough (left), associate pastor at Crossroads United Methodist Church in Compton, Calif., hands reentry hygiene kits to Jerrel McCoy, lead community health worker at Shields for Families in 2020. The church mobilized to create 3,500 kits for people released from prison by the state of California. File photo courtesy of Crossroads United Methodist Church.

Saun Hough (à esquerda), pastor associado da Igreja Metodita Unida Crossroads em Compton, Califórnia, entrega kits de higiene de reentrada para Jerrel McCoy, agente de saúde líder comunitário em Shields for Families em 2020. A igreja se mobilizou para criar 3.500 kits para pessoas liberadas da prisão pelo estado da Califórnia. Foto de arquivo cortesia da Igreja Metodista Unida Crossroads.

“Pela graça de Deus, algumas portas estão abertas”, disse Hough. “(Os seminários) darão algumas informações às igrejas que estão tentando descobrir: 'Como podemos ajudar os homens e mulheres que estão voltando para casa? Como ajudamos os homens e mulheres que ainda estão encarcerados? Como os apoiamos? '”

Inscreva-se no webinar

Os webinars "Liberado: estou em casa, e agora?" no Zoom, patrocinados por Fortalecendo a Igreja Negra para o Século 21 e RecursosUMC, começam às 18h, horário central dos EUA, de 26 a 30 de abril. O registro é necessário para participar.

Sessões

26 de abril - Segunda-feira de Motivação: Os apresentadores discutirão sua dedicação em fornecer informações para ajudar a imaginar novas maneiras de transformar a vida das pessoas afetadas pelo encarceramento.

27 de abril - Terça-feira de testemunho: Mulheres compartilharão testemunho sobre a transição de prisioneira à cidadã.

28 de abril - Quarta-feira da Sabedoria: Os líderes compartilharão recursos impactantes e conversas sobre crime e encarceramento.

29 de abril - Quinta-feira próspera: Ex-presidiários do sexo masculino compartilharão suas histórias de procura de emprego e de luta pelo bem-estar emocional e mental.

30 de abril - Sexta-feira da Liberdade: Um convidado surpresa destacará esta apresentação sobre como as igrejas podem impactar a justiça social como uma forma de ter novas maneiras de envolver jovens e adultos jovens.

Muitos prisioneiros libertados estão resignados de que os únicos empregos que podem conseguir são trabalhos manuais, porque a maioria dos empregadores não os considera para nada mais, disse Hough.

“As habilidades naturais que Deus colocou dentro de mim estão de alguma forma silenciadas agora”, disse Hough, que acabou vencendo essas adversidades. 

O objetivo é reconhecer “os cidadãos que retornaram não como pessoas anteriormente encarceradas, mas como filhos de Deus”, disse Bowie.

“Não apenas para olhar para eles, mas para vê-los - ver seu valor, ver seu valor e ver o enorme papel que podem desempenhar na comunidade.”

Isso pode fazer toda a diferença, disse Hough.

“Quando você está lutando e ... tentando se estabelecer além daquela decisão horrível que você tomou e viver o que há de melhor em você, é muito difícil porque há muitas barreiras que você tem que superar”, disse Hough.

Muitos membros da igreja, especialmente em congregações mais velhas, hesitam em trabalhar em ministérios de prisão, disse Hough.

“Eles fogem porque é muito difícil”, disse ele. “É mais fácil fazer um ministério de sem-teto e é mais fácil fazer um ministério de orfanato porque você recebe mais simpatia.”

Em 2018, os negros americanos representavam 12% da população adulta dos Estados Unidos, mas constituíam 33% da população carcerária, de acordo com o Pew Research Center.

Alguns desses prisioneiros negros estão atrás das grades por causa do racismo, afirma Bowie.

“Há uma porção de pessoas que foram encarceradas por pequenas infrações relacionadas a drogas”, disse ele. “As outras raças obteriam reabilitação ou liberdade condicional. … Eu acredito que a igreja pode desempenhar um papel importante no desmantelamento do racismo que prevalece em nosso sistema judicial no que se refere ao encarceramento.”

O estigma sobre os prisioneiros libertados é considerável, mesmo nas igrejas, disse Bowie.

“Você tem muito poucas congregações negras que fazem parte deste trabalho”, disse ele. “Acho que é um constrangimento. Acho que há culpa e vergonha que os cristãos na igreja negra precisam superar.”

Muitos cristãos negros têm parentes que estão cumprindo pena, disse Bowie. Mais uma razão para ajudar ativamente os presos quando eles voltam para casa para ter apoio e encontrar um emprego remunerado, disse ele.

“Que melhor maneira no corpo de Cristo de perceber... trata-se de ter uma segunda chance”, disse Bowie.

 

*Patterson é repórter da Notícias MU em Nashville, Tennessee. Contate-o em 615-742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

Agências gerais
Membros da comunidade passam por um local de distribuição de alimentos para o Comitê Metodista Unido de Alívio após o tufão Haiyan em Dagami, Filipinas. Foto por Mike DuBose, Notícias MU.

A Questão Metodista: Como posso ajudar quando ocorre um desastre?

Você pode se tornar um voluntário, ser treinado como atendente de emergência, contribuir com dinheiro ou suprimentos através da UMCOR (Comitê Metodista Unido de Ajuda).
Igreja Local
A Revda. Ruth Marsh oferece uma xícara de chá a Angi Rogers, uma hóspede do abrigo diurno da Igreja Metodista Unida Trinity em Idaho Falls, Idaho. Rogers não estava se sentindo bem e Marsh a colocou em uma sala de aula da escola dominical para descansar um pouco. “Todo mundo aqui cuida de mim e uns dos outros”, disse Rogers.

Pequena igreja transforma vidas com abrigo diurno

Uma congregação Metodista Unida trabalha em parceria com outras organizações comunitárias para fornecer serviços aos sem-teto e trabalhadores pobres, desde refeições e banhos até assistência com programas sociais mais amplos.
Missão
O Rev. Lydia Ester Muñoz é a nova diretora executiva do Plano Nacional para Ministérios Hispano-Latinos (NPHLM) da Igreja Metodista Unida, que começará seu mandato em 1º de julho de 2022. Ela é uma sacerdotisa ordenada da Conferência Anual da Pensilvânia Oriental e é a primeira mulher a ocupar esta posição. Foto cortesia do NPHLM.

Plano Nacional para os Ministérios Hispano-Latinos nomeia nova diretora

A Rev. Dra. Lydia Esther Muñoz será a primeira mulher a ocupar este cargo. Ela é uma anciã ordenada na Conferência Anual do Leste da Pensilvânia da Igreja Metodista Unida, onde ela tem servido nos últimos 16 anos.