Igreja alemã não imporá proibições do Plano Tradicional

Other Manual Translations: English 한국어 español

As estipulações do Plano Tradicional, aprovadas pela Conferência Geral de 2019 são inaceitáveis, disse o comité executivo da Igreja Metodista Unida na Alemanha, e a igreja na Alemanha não imporá as penas mais estritas previstas no plano.

O comitê também está formando uma mesa redonda para procurar maneiras de preservar a união.

No último dia da sessão especial da Conferência Geral em St. Louis, os delegados votaram para adotar o Plano Tradicional, que reforça a proibição da Igreja a união de pessoas do mesmo sexo e ao clero homossexual praticante auto-declarado. Também aumenta as penalidades e a responsabilização pelas transgressões dessas proibições.

“Independentemente das nossas convicções relacionadas ao conteúdo, chegamos à opinião unânime de que as estipulações do Plano Tradicional não são aceitáveis para a nossa igreja na Alemanha”, disse o grupo numa declaração divulgada a 9 de março. “A Alemanha (Igreja Metodista Unida), portanto, não seguirá a maneira escolhida de controlar as pessoas à sua disposição e impor penalidades mais rigorosas”.

Os membros do comitê executivo da igreja alemã enfatizaram que, embora as decisões democráticas devam ser respeitadas, as conseqüências de longo alcance neste caso não permitiriam a adoção e execução da decisão pelos órgãos Metodistas Unidos na Alemanha.

O grupo tomou a decisão unânime durante a sua sessão regular de primavera, de 8 a 9 de março, onde as ações da Associação Geral dominaram a discussão.

"Não há praticamente nenhuma região (Metodista Unida) no mapa do mundo onde, de acordo com a decisão da Conferência Geral, fragmentos, rachaduras e trincheiras profundas não surgiram", disse o bispo da área da Alemanha, Harald Rückert, na abertura da sessão do comitê executivo.

Ele compartilhou informações de numerosos colegas episcopais do norte, centro e sul da Europa, Estados Unidos, África e Filipinas, observando que, em todas as regiões, havia muita tristeza em torno da unidade da igreja.

Citando cartas que recebeu, o bispo retransmitiu ao comitê executivo o tumulto e desalento emocional desencadeadas pela decisão, de pessoas com atitudes muito diferentes em várias igrejas Metodistas Unidas alemãs.

O comitê executivo teve que agir de acordo com a legislação aprovada pela Conferência Geral, porque a própria legislação exige que os bispos e as conferências anuais certifiquem que defenderão, aplicarão e manterão os padrões disciplinares sobre casamento e ordenação LGBTQ.

O comitê executivo observou em sua declaração que existem grandes grupos de opiniões opostas sobre a questão da homossexualidade, mas convidou todos eles a trabalhar juntos para preservar a unidade.

Leia a declaração

“Queremos ficar juntos como uma igreja onde pessoas de diferentes opiniões podem viver umas com as outras. Não queremos nos separar e não queremos nos separar um do outro, mas queremos nos agarrar uns aos outros e estar presente um para o outro. Porque estamos convencidos de que Jesus quer usar a nós e nossos dons em conjunto e juntos”, disse o comunicado.

“Mas só podemos ficar juntos como igreja se conseguirmos viver em proximidade e reconhecimento mesmo sem concordar com questões importantes. Por isso, queremos ser uma igreja onde as pessoas com emoções homossexuais possam ser ordenadas e abençoadas em uma cerimônia de casamento, e também onde as pessoas com mentalidade tradicional possam defender suas idéias e estilos de vida”.

A mesa redonda aprovada pelo comitê será formada em abril e deverá ser realizada em maio, antes das conferências anuais da Alemanha se reunirem. Incluirá “pessoas de diferentes grupos e direções” e Rückert conduzirá o grupo espiritualmente.

Enquanto as conferências centrais - regiões de igrejas fora dos EUA - podem adaptar partes do Livro de Disciplina para o contexto de sua missão, a declaração do comitê executivo não abordou nenhum plano para adaptar a legislação do Plano Tradicional, que não entra em vigor na África, Europa e as Filipinas até 12 meses após a próxima Conferência Geral em maio de 2020. Em vez disso, o comitê queria liderar a igreja em direção à unidade.

Os membros do comitê executivo apontaram que sua decisão surgiu após deliberações intensivas. Os superintendentes distritais responsáveis pelos nove distritos da Igreja Metodista Unida na Alemanha, uma mulher e oito homens, bem como os outros 21 membros votantes e consultores da comissão executiva, passaram vários dias “lutando intensamente, emocionalmente e honestamente com esta resolução e todas as suas consequências”.

A declaração observou que, se esse caminho for bem-sucedido, pode ser "um sinal importante em uma sociedade cada vez mais rasgada e dividida".

 

* Ruof é o comunicador da Igreja Metodista Unida na Alemanha. Contato com a imprensa: Vicki Brown em (615) 742-5470 ou newsdesk@umcom.org.

**Sara Novaes é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina @umcom.org

Área Geral da Igreja
O Plano de Indianápolis visualiza a integração de duas outras denominações "metodistas unidos" tradicionalista, centrista / progressista integrada ou separada de acordo com sua perspectiva sobre a inclusão da comunidade LGBTQ+ na igreja. Foto ilustração Rev. Gustavo Vasquez, MU News.

Grupo esboça plano de separação para denominação

Um grupo de líderes de igrejas centristas, progressistas e tradicionalistas elaborou um plano para a Igreja Metodista Unida se separar amigavelmente
Preocupações Sociais
A Rev. Anna Blaedel (no microfone) fala durante a Conferência Anual de Iowa em junho de 2016. Blaedel está enfrentando um julgamento da igreja depois de ser acusado sob a proibição contra a ordenação de um "homossexual praticante auto declarado". Foto de arquivo por Arthur McClanahan, Iowa Conferência.

Clériga de Iowa enfrenta julgamento

A Rev. Anna Blaedel enfrentará um julgamento da igreja após uma acusação certificada do Comitê da Conferência de Iowa contra a Blaedel.
Área Geral da Igreja
Os bispos Thomas J. Bickerton (centro) e Gregory V. Palmer (à direita) conversam com colegas sobre procedimentos legislativos durante a Conferência Geral Metodista Unida de 2019 em St. Louis. Bickerton é o representante do Conselho dos Bispos na Comissão da Conferência Geral. A Comissão da Conferência Geral - que se reuniu a portas fechadas - revisou uma investigação que encontrou evidências de quatro pessoas inelegíveis votando com as credenciais dos delegados que não estavam presentes. Foto de arquivo por Mike DuBose, Notícias MU.

Votação indevida no GC2019 anula voto chave

Uma investigação sobre a Conferência Geral determinou que o número de eleitores inelegíveis era suficiente para afetar um voto sobre como as igrejas podem deixar a denominação.