Conferência aguardam mais tempestades após inundações quase históricas

Other Manual Translations: español

Enquanto o tempo severo continua a perturbar o Meio-Oeste, os moradores de Oklahoma estão enfrentando níveis quase históricos de enchentes e se preparando para o rescaldo.

Em 23 de maio, o Departamento de Gerenciamento de Emergências de Oklahoma informava que as recentes tempestades em todo o estado resultaram em mais de 4.000 interrupções de energia, fechamento de rodovias em 20 municípios, três evacuações obrigatórias e voluntárias em toda a cidade, 74 feridos e uma morte relacionada com as inundações.

 

Shelli Pleasant, pastora da Igreja Metodista Unida Avant, fica em frente à igreja com água até as coxas, um dia depois que uma série de tempestades em 20 de maio resultou em enchentes quase históricas da cidade. Foto de John Pleasant, Conferência Anual de Oklahoma. 

Shelli Pleasant, pastora da Igreja Metodista Unida Avant, fica em frente à igreja com água até as coxas, um dia depois que uma série de tempestades em 20 de maio resultou em enchentes quase históricas da cidade. Foto de John Pleasant, Conferência Anual de Oklahoma.

 

Em Skiatook, localizada no nordeste de Oklahoma, os níveis de água da vizinha Bird Creek inundaram a cidade em vários centímetros de água. A Rev. Susan Whitley, que lidera a igreja Metodista Unida em Skiatook, disse que alguns membros tiveram que deixar suas casas até que as águas baixassem.

"Mesmo que digamos ‘é apenas posses’, ainda é devastador, especialmente para os nossos idosos", disse Whitley. “Vamos superar isso, mas será preciso muita ajuda para nos unirmos e fazermos o que for necessário, sejam necessidades imediatas, como refeições ou um lugar para guardar pertences, ou num futuro próximo, que é limpar casas e consertar rachaduras. Vai demorar um pouco para se recuperar. Nós tentamos manter isso em mente e estar prontos para oferecer qualquer assistência possível”.

A igreja Metodista Unida em Skiatook não foi danificada, mas apenas alguns quilômetros rio acima, a história era diferente.

No dia seguinte à primeira tempestade, Shelli Pleasant atravessou a água até chegar à igreja que lidera em Avant. Ela estimou que um pé de água estava no salão de comunhão e mais água se espalhou para o santuário e uma sala de aula. Embora a igreja estivesse danificada, a primeira prioridade de Pleasant foi o povo de Avant.

"Minhas preocupações agora são para a comunidade em geral", disse Pleasant. "Há muitos cujas casas estão inundadas, mas muitos não conseguiram voltar devido a estradas sendo fechadas e água alta tornando nossa rua principal intransitável".

Pleasant passou os dias desde a tempestade se conectando com a vizinhança e participando de um grupo local do Facebook que conecta pessoas que têm necessidade com membros da comunidade que podem ajudar.

"Eu acho que a coisa mais importante para mim como pastora é estar presente e disponível com os membros da minha igreja e na comunidade para aqueles que precisam de alguém para ouvir, orar e ajudar de maneira tangível", disse Pleasant. "Nós ainda não sabemos o que precisamos na forma de mão de obra ou até mesmo reparos na igreja, ou o que nossos membros podem precisar".

À medida que mais tempestades são esperadas para Avant e Skiatook, potencialmente amplificando os danos atuais, a Conferência de Oklahoma está preparando os esforços de alívio de desastres.

Uma vista aérea de inundações em Skiatook. Foto de Lindsey Chastain, do Jornal Skiatook.

Uma vista aérea de inundações em Skiatook. Foto de Lindsey Chastain, do Jornal Skiatook.

 

“O que estamos lidando não são as tempestades ao longo de um fim de semana; estamos lidando com o acúmulo de clima de primavera e muita água”, disse Jeremy Basset, diretor do Escritório da Missão Metodista Unida de Oklahoma. “O terreno já está saturado, as represas já estão cheias, então é uma coisa acumulativa em oposição a uma grande e perigosa tempestade”.

O acúmulo resultou em um dos eventos de inundação mais dispersos que o estado viu nos últimos anos, resultando em emergências declaradas em 66 dos 77 condados de Oklahoma. Basset observa que a área afetada supera em muito a das enchentes de 2013 que ocorreram dias depois que um tornado F5 atingir Moore.

"Isso não é uma repetição de 2013", disse Basset. “Não é um evento centralizado, é um evento de água dispersa com alguma atividade tornadica. Não podemos nem estimar o número de casos”.

Em Skiatook, as estradas principais dentro e fora da cidade ainda estavam fechadas dias após a tempestade. Whitely disse que o fechamento de estradas foi um dos maiores desafios enfrentados pelos moradores locais.

“Parte do problema é que o acesso para vir e para ir à Skiatook é extremamente limitado. As vias principais estão fechadas e até as estradas secundárias mudam hora a hora”, disse ela. "As pessoas têm medo de ir a qualquer lugar porque não sabem se podem sair e, se saírem, não sabem quando podem voltar".

O Rev. Dr. Mark Whitley, que lidera a Igreja Metodista Unida Meadowcreek em Collinsville nas proximidades e é casado com Susan Whitley, prestou cuidados pastorais como bombeiro voluntário durante a evacuação do resgate de um parque de trailers em 21 de maio às 1:30 da manhã. A van da igreja foi usada para ajudar no transporte de famílias deslocadas para um centro de assistência próximo. No dia seguinte, ele orou com uma família enquanto se preparavam para evacuar sua casa perto do rio Caney. Quando ele chegou, a estrada estava seca; quando ele saiu uma hora depois, a água cobria a estrada sem saída.

Inundação em Skiatook vista da beira das águas. Foto da Revda. Susan Whitley da Igreja Metodista Unida de Skiatook.

Inundação em Skiatook vista da beira das águas. Foto da Revda. Susan Whitley da Igreja Metodista Unida de Skiatook.

 

Esforços de alívio de desastre estão sendo coordenados entre várias agências estaduais, mas Basset disse que serão pelo menos mais 10 dias a duas semanas antes que as equipes sejam enviadas porque a ameaça de tempestades contínuas poderia colocar essas equipes em perigo e fazer esforços iniciais para limpar ou reconstruir ineficazes. O Basset encoraja os interessados em trabalhos de socorro em calamidades a registrarem seu interesse em servir no site da OKUMC .

"Temos que apenas esperar e ver agora, mas estamos no topo", disse Basset. "É um jogo de espera frustrante, mas esta fase inicial é limitada a equipes de emergência".

À medida que mais tempestades se desenvolvem no horizonte, Pleasant diz que as orações e o encorajamento foram inestimáveis.

"Tive tantas pessoas que me procuraram para me informar que estão orando por mim como pastor, por minha igreja, nossa comunidade de Avant e estão enviando palavras de amor e encorajamento", disse ela. “Esses são lembretes tangíveis de que Deus é bom e está no controle”.

Susan Whitley disse que a recuperação levará tempo e envolverá toda a comunidade. Ela disse que o foco principal de seu cuidado pastoral é tranquilizar as pessoas que a igreja de Skiatook estará presente com a comunidade durante o longo processo de recuperação.

"Nós vamos estar aqui para eles, não importa o que for preciso", disse Susan Whitley. “Seja limpando casas, pagando por uma lixeira, carregando mobília para armazenamento, nós estaremos aqui como sua família da igreja, e vamos ajudá-los a superar isso.”

Mark Whitley concordou, dizendo que a igreja permaneceria vigilante e trabalharia para ser uma presença de esperança.

"A marquise de fora da nossa igreja já tem essa afirmação há algumas semanas: 'A fé agradece a Deus no meio da história'", disse ele. "Isso diz tudo". 

 

* Meagan Ewton, Conferência Anual de Oklahoma. Para se inscrever para os esforços de ajuda, ou para doar para a recuperação da tempestade em Oklahoma, clique aqui .

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina @umcom.org

Último artigo

Missão
Celeste Nhavotso, membro do Cargo Pastoral de Dondo, arredores da Cidade de Beira, foto por Joao Sambo

Depois da tempestade vem a bonança: Missouri apoia reconstrução após passagem do Ciclone Idai em Moçambique

A reconstrução após a passagem do Ciclone Idai em Moçambique, já é uma realidade graças ao apoio financeiro, fruto da parceria Moçambique-Missouri, que tem transformado as vidas de muitas pessoas.
Missão
Um médico examina uma criança em um acampamento para pessoas deslocadas em enchentes no rescaldo do ciclone Idai, perto de Beira, Moçambique. Foto: REUTERS / Mike Hutchings (por favor, não reutilize).

'Agradecemos a Deus porque estamos vivos'

Os membros da Igreja Metodista Unida de Malanga se uniram às igrejas irmãs no Conselho Cristão ecumênico de Moçambique para um culto de solidariedade em 22 de março para dar apoio aos sobreviventes do ciclone Idai.
Missão
Uma criança é transportada dentro de um frigorifico vazio durante as cheias depois do Ciclone Idai, no Buzi, fora da Beira, Moçambique. A Comissão de Assistência da Metodista Unida atribuiu três subvenções de $10.000 para financiamento imediato e de emergência a curto prazo para satisfazer as necessidades humanas básicas das pessoas afectadas em Moçambique, no Zimbabué e no Malawi.  Foto de Siphiwe Sibeko, REUTERS

Subvenções da UMCOR ajudam na resposta inicial do ciclone

Comissão de Emergências da Metodista Unida fornece subvenções de curto prazo, mas atingir as áreas afectadas continua difícil.