Igreja destaca faróis sobre a violência contra as mulheres

Translate Page
Mais de 100 metodistas unidos vestidos de preto e azul marcharam para dizer "basta" em relação ao estupro e à violência de género, que está em ascensão na África do Sul.

O protesto pacífico ocorreu em 14 de Setembro em Bhizane, no distrito de Makukhanye da Conferência da África do Sul. A marcha aconteceu logo após uma manifestação na Cidade do Cabo, na qual milhares de mulheres marcharam para o parlamento para protestar contra a crescente violência contra as mulheres.
  
De acordo com as estatísticas nacionais de crimes divulgadas pelos Serviços Policiais da África do Sul, os crimes sexuais aumentaram 4,6% de Abril de 2018 a Março de 2019. Cerca de 3.000 mulheres foram assassinadas na África do Sul em 2018, segundo a Organização Mundial da Saúde.
 
“O estupro e a violência de género tornaram-se uma normalidade em nossa sociedade que dificilmente aparece nas manchetes da mídia nacional ”, disse Bulelwa Ndedwa, uma diaconisa metodista unida que liderou a manifestação. “Mas ataques recentes chocaram todos na congregação e comunidade.”

Ela falou sobre uma série de assassinatos que assombraram a comunidade nos últimos dois meses, incluindo a morte de quatro crianças que teriam sido mortas pelo pai. 
No mês passado, ela disse, uma menina de 14 anos foi estuprada e morta e seu corpo foi jogado no quintal da avó. "Antes de pararmos de chorar pela menina de 14 anos, uma estudante de 19 anos da Universidade da Cidade do Cabo foi estuprada e assassinada" numa agência local de correios, disse Ndedwa. Um funcionário dos correios foi acusado de sua morte.

Ela também observou um caso recente em que uma campeã do boxe foi morta a tiros durante uma perseguição de carro. O namorado dela, um policia, foi preso.
 
"Parece que a vida humana não é valorizada na África do Sul", lamentou. "A nossa sociedade precisa parar a violência contra as mulheres e contra seu irmão ou irmã".

Ndedwa disse que a igreja tem um papel a desempenhar e deve tomar medidas para ajudar a melhorar a situação de membros femininos e de todas as mulheres.
 
“Protestos e marchas como esta precisam fazer parte do calendário da igreja, a fim de criar consciência onde haverá dias para educar nossos membros do sexo masculino. Portanto, precisamos ter um plano estratégico que possamos implementar em nossas congregações e comunidades ”, disse ela.
   
“Os homens devem saber que é sua responsabilidade garantir que (nós) mulheres e crianças estejamos seguras em nossas casas, escolas, igrejas e comunidades.”

Ndedwa aconselhou aos manifestantes a começarem a conversar com crianças desde cedo sobre como tratar e respeitar meninas e mulheres.

Thabsile Nomvethe estava entre os que marchavam de mãos dadas com outros Metodistas Unidos no comício.
 
"Sou mãe de uma menina de 9 anos que sobreviveu a um estupro", disse a mulher de 34 anos. "Mulheres e crianças sul-africanas se tornaram vítimas de assédio sexual e o nosso sistema legal está nos enganando".

Ela disse que a punição para os infractores não é suficientemente duro.
 
“O sistema legal no país é muito fraco, porque vemos alguns desses criminosos sendo libertados das prisões com pagamento de fiança depois de algum tempo.

“A menos que nosso governo mude algo dentro do sistema legal do país e leve esses casos muito a sério ”, nada mudará, ela disse. "O cenário actual é assustador e nos leva a viver em estado de medo como mulheres na África do Sul."

Nomvethe disse que a preocupação é tão alta que algumas mães sentem que devem esconder suas filhas para mantê-las fora de perigo.

“Mesmo quando você envia seu filho para lojas ou locais públicos como os correios, não é seguro ”, afirmou. “Mas chegou a hora em que as mulheres devem quebrar o silêncio e falar. Basta!

Mkwalo é comunicadora da Conferência da África do Sul.

Contacto com a mídia: Vicki Brown em (615) 742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos diários ou semanais gratuitos.
Área Geral da Igreja
Greater Nhiwatiwa (de vestido roxo), esposa do bispo Eben K. Nhiwatiwa (à esquerda), explica a história e o significado da montanha de oração Chin'ando aos bispos que participam do retiro do Colégio dos Bispos da África, realizado de 5 a 8 de setembro na Universidade da África em Mutare, Zimbábue. Os bispos divulgaram uma declaração no final do retiro pedindo unidade na Igreja Metodista Unida enquanto condenavam os grupos de defesa tradicionalistas que procuram separar a denominação. Foto por Eveline Chikwanah, Notícias MU.

Bispos africanos pedem unidade e condenam grupos de defesa

Os bispos emitiram uma declaração em 8 de setembro denunciando o grupo "Iniciativa África" e a "Associação Pasto Wesleyano" por estarem "influenciando erroneamente o povo de Deus em nossas áreas".
Preocupações Sociais
Durante sua reunião on-line em 26 de agosto, os bispos afirmaram unanimemente uma declaração abordando a violência armada. Para parar a epidemia de violência armada nos EUA e em todo o mundo, os bispos estão pedindo aos Metodistas Unidos que elevem suas orações a Deus e entrem em contato com seus líderes eleitos. Captura de tela cortesia do Conselho de Bispos via Zoom pela Notícias MU.

Bispos pedem rejeição da 'idolatria de armas'

Para superar a crise da violência armada nos EUA e em todo o mundo, os bispos exortam o povo Metodista Unido a orar e alcançar seus líderes eleitos.
Preocupações Sociais
O Rev. Lev Shults traz uma saudação a um culto combinado de congregações de língua checa e russa na Igreja Metodista Unida Praga 2 em Praga, República Checa. Shults lidera a Igreja Metodista Unida Agapé, a congregação de língua russa. Foto por Mike DuBose, Notícias MU.

Congregação de língua russa apoia refugiados ucranianos

Enquanto russos e ucranianos se envolvem em guerra em várias partes da Ucrânia, uma congregação Metodista Unida de língua russa em Praga está encontrando maneiras de apoiar os refugiados.