Tribunal da Igreja divulga 3 decisões

Translate Page

Palavras Chaves:

  • O Conselho Judicial Metodista Unido emitiu as decisões finais da sua súmula de outono.
  • Uma decisão diz que uma provisão no Livro de Disciplina, o livro de políticas da denominação, deve ser alterada para cumprir a constituição da denominação.
  • Olhando para frente, o tribunal da igreja enfrenta mais questões relacionadas a desfiliações

O tribunal superior da Igreja Metodista Unida divulgou três decisões em 6 de Junho, incluindo uma dizendo que uma disposição da lei da igreja deve ser alterada para cumprir com a constituição da denominação.

Essa disposição no Livro de Disciplina – o livro de políticas da denominação – trata de quanto tempo os jovens adultos devem ser Metodistas Unidos antes de serem elegíveis a serem eleitos para a conferência anual.

Com essas três decisões, o Conselho Judicial não tem mais itens pendentes na  sua súmula de Outono de 2021. O tribunal da igreja já iniciou um novo processo que inclui dois itens relacionados a desfiliações.

Todas as três decisões divulgadas em 6 de Junho decorrem de questões da lei da igreja levantadas durante as sessões de 2020 e 2021 das conferências anuais – órgãos regionais da igreja que se reúnem pelo menos anualmente.

Os bispos rotineiramente enfrentam tais perguntas durante as sessões nas quais presidem. O Livro de Disciplina exige que qualquer decisão de lei de qualquer bispo seja submetida ao Conselho Judicial para revisão.

Na Decisão 1427, a revisão da decisão de um bispo levou o tribunal da igreja a identificar um problema com o Parágrafo 602.4(a) da Disciplina.

A questão é como esse parágrafo entra em conflito com outro parágrafo na constituição da Igreja Metodista Unida que trata de quem pode votar nas conferências anuais. A denominação tem 53 conferências anuais em suas jurisdições nos EUA e 80 conferências anuais em suas conferências centrais - regiões da igreja na África, Europa e Filipinas.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

A constituição da denominação afirma no Parágrafo 32 que os membros leigos eleitos para a conferência anual devem ser membros Metodistas Unidos por pelo menos dois anos e participantes activos na Igreja Metodista Unida por pelo menos quatro anos. No entanto, a constituição faz uma excepção a esse requisito para pessoas com menos de 30 anos nas conferências centrais.

O parágrafo 32 coloca desta forma: “Nas conferências anuais das conferências centrais, a participação de quatro anos e os requisitos de membresia de dois anos podem ser renunciados pela conferência anual para jovens com menos de trinta (30) anos de idade. Tais pessoas devem ser membros professos da Igreja Metodista Unida e participantes activos no momento da eleição.”

No entanto, a forma como o Parágrafo 602.4(a) está escrito faz com que essa 

"Na conferência anual ou conferências centrais, a participação de quatro anos e os requisitos de membresia de dois anos podem ser renunciado para jovens com menos de trinta anos de idade", Parágrafo 602.4(a) diz, com o tribunal da igreja em negrito onde o parágrafo difere de sua contrapartida constitucional.

Em suma, o “de” do dispositivo constitucional conflitua com o “ou” deste último dispositivo Disciplinar. A diferença pode ser um erro de digitação não intencional. Mas sempre que tais conflitos ocorrem, o Conselho Judicial sustenta consistentemente que a constituição torna inutil outras partes da lei da igreja.

“Também notamos que o ¶ 602.4(a) faz parte do Livro de Disciplina por um período prolongado e não foi contestado até agora”, disse o tribunal da igreja. “No entanto, a legislação não pode revogar ou violar a Constituição.”

Portanto, o “¶ 602.4(a) deve ser alterado de modo a cumprir com, e espelhar, as disposições da Constituição no ¶ 32”, concluiu o Conselho Judicial.

Cinco dos nove membros do Conselho Judicial votaram para anular a parte do Parágrafo 602.4(a) em questão como inconstitucional. No entanto, a Disciplina exige o voto de pelo menos seis membros para declarar qualquer acto da Conferência Geral – a principal assembléia legislativa da denominação – como inconstitucional. Por isso, a Decisão 1427 não diz que o parágrafo viola a constituição.

O Conselho Judicial chegou à sua determinação ao revisar uma decisão de lei do bispo da Conferência de Indiana, Julius Trimble, sobre as mudanças que a conferência fez em suas regras em 2020. As regras em questão tratavam de como a conferência lida com a eleição dos delegados a Conferência Geral e conferência jurisdicional.

Com a Decisão 1427, o tribunal da igreja confirmou em parte e reverteu em parte uma decisão de direito de Trimble.

Os membros do Conselho Judicial Beth Capen e o Rev. Kabamba Kiboko escreveram uma concordância separada, acrescentando um pouco mais de contexto histórico à decisão.

Na Decisão 1436, o Conselho Judicial reverteu outra decisão de Trimble de derrubar uma emenda às novas regras da conferência afirmando que "somente leigos podem votar nas urnas da conferência distrital para endossar leigos dispostos a servirem como delegados da Conferência Geral". Trimble disse que a mudança restringiu os privilégios de voto do clero.

O tribunal da igreja observou que a constituição da denominação estabelece o princípio de que apenas os clérigos votam nos delegados clerigos e apenas os leigos votam nos delegados leigos da Conferência Geral. A conferência anual tinha o seu direito de aplicar este princípio às conferências distritais, disse o Conselho Judicial.

Em Indiana, as conferências distritais endossam candidatos leigos e clérigos para servirem como delegados à Conferência Geral e à conferência jurisdicional. Cabe então à Conferência Anual de Indiana como um todo eleger os delegados.

“Uma conferência anual pode adotar regras e regulamentos para o processo de votação na conferência distrital que não estejam em conflito com a Disciplina”, concluiu o tribunal da igreja. “Tais políticas podem exigir especificamente que os membros clericais votem em candidatos clericais e membros leigos em candidatos leigos na conferência distrital.”

Num parecer separado, o membro do Conselho Judicial Capen citou vários precedentes do Conselho Judicial para chegar-se à conclusão de que o processo de indicação de distrito para leigos não deveria estar acontecendo em primeiro lugar. Apoiar candidatos leigos no nível distrital vai contra a constituição da denominação, escreveu ela.

“É uma violação da Constituição quando a Conferência Anual é convocada e os membros leigos da Conferência Anual são informados de que o processo de indicação já ocorreu”, escreveu Capen.

“Também é uma violação da Constituição quando os Membros Leigos da Conferência Anual recebem uma lista oficial de candidatos elegíveis que foram categorizados de qualquer maneira, incluindo indicações de endosso pelos Distritos ou outras Juntas ou Comissões.”

Num assunto não relacionado às regras da Conferência Anual de Indiana, o Conselho Judicial confirmou uma decisão de lei do Bispo John School da Conferência da Grande Nova Jersey.

Na Decisão 1426, o Conselho Judicial concordou com o bispo que o registo apresentado não apoiava as pressuposições subjacentes às perguntas de um membro leigo.

Um membro leigo levantou as questões durante uma sessão especial da Conferência Anual da Grande Nova Jersey em 22 de janeiro de 2021, que abordou questões orçamentais da conferência.

O Conselho Judicial decidiu que as perguntas de um membro leigo continham afirmações sobre o processo da conferência que não correspondiam ao que a conferência mostrava em seus registos. O tribunal da igreja também enfatizou que “assuntos fiscais e outros não pertinentes à solicitação devem estar adequadamente sob a autoridade de supervisão da conferência anual e dos órgãos especificamente designados pela Disciplina”.

O Rev. Dennis Blackwell, membro do Conselho Judicial, recusou-se a deliberar sobre a decisão porque é membro da Conferência da Grande Nova Jersey.

Olhando para o futuro, o tribunal da igreja está enfrentando mais perguntas dos bispos sobre a conferência anual e as desfiliações da igreja. Os bispos estão lidando com a ramificação do lançamento de uma denominação separatista, a Igreja Metodista Global.

O Conselho Judicial já havia decidido sobre questões relacionadas ao Parágrafo 2553 da Disciplina, uma nova lei da igreja que permite que igrejas individuais - se reunem certos requisitos financeiros e processuais - para sairem com propriedade. O tribunal da igreja também decidiu que as conferências anuais dos EUA não podem se retirar da denominação sob a lei atual da igreja.

O primeiro item da sumula actual do Conselho Judicial diz respeito se uma conferência anual fora dos Estados Unidos tem autoridade para votar para se separar da Igreja Metodista Unida. Em Abril, a Conferência Anual Provisória Bulgária-Romênia aprovou uma resolução que diz que o órgão “se retira e corta todos os laços, legais ou não, com a Igreja Metodista Unida a partir de 1º de maio de 2022 e imediatamente se torna uma conferência anual da Igreja Metodista Global …´´

O bispo Patrick Streiff, cuja área inclui a conferência, disse que os membros da conferência votaram “sem base legal no Livro de Disciplina”. Sua decisão de lei está perante o Conselho Judicial.

Os resumos de abertura para este item da agenda devem ser entregues em 13 de junho e os resumos de resposta em 24 de junho.

No segundo item da sumula, o Conselho dos Bispos pediu ao Conselho Judicial para decidir sobre o significado e a aplicação do Parágrafo 2548.2 da Disciplina. O parágrafo trata da escritura de propriedade da igreja para outra denominação.

Várias conferências anuais receberam resoluções pedindo que este parágrafo seja usado para igrejas que desejam se mudar para a Igreja Metodista Global.

Os resumos vão até 23 de junho e os resumos de resposta até 30 de junho.

O Livro de Disciplina exige que o Conselho Judicial aceita petições pelo menos 30 dias antes de proferir qualquer decisão.

*Hahn é editora assistente de Notícias da MU. Entre em contacto com ela em (615) 742-5470 ou [email protected]. Para ler mais notícias dos Metodistas Unidos, inscreva-se nos resumos diários ou semanais gratuitos.

** Joao Filimone Sambo é correspondente lusófono em África para Noticias da MU.

Conselho Judicial
Os bispos metodistas unidos processam o culto de abertura da Conferência Geral especial de 2019 em St. Louis. O Conselho Judicial, o principal tribunal da Igreja Metodista Unida, divulgou um memorando que esclarece uma decisão anterior sobre as eleições de bispos. Foto de arquivo por Mike DuBose, Notícias MU.

Tribunal da Igreja modifica decisão sobre eleições de bispos

O tribunal superior da Igreja Metodista Unida estabeleceu o dia 1º de janeiro de 2023 como a data em que os bispos dos EUA que enfrentam a aposentadoria compulsória devem deixar o cargo, e seus sucessores recém-eleitos tomarem posse.
Conselho Judicial
A Decisão 1444 do Conselho Judicial divulgou em 10 de maio regras sobre a conferência anual dos EUA não poder se separar da Igreja Metodista Unida sob a lei atual da igreja. A decisão e outras decisões recentes do tribunal superior da Igreja Metodista Unida estão afetando a atual temporada da conferência anual. Gráfico por Laurens Glass, Notícias MU.

Decisões recentes moldam a temporada da conferência anual

À medida que a temporada da conferência anual dos EUA começa, os órgãos regionais da igreja lidam com decisões do principal tribunal da Igreja Metodista Unida sobre desfiliações.
Conselho Judicial
A Bispa Mary Virginia Taylor da Conferência de Holston abraça o Rev. David Graves após sua eleição como bispo Metodista Unido na Conferência Jurisdicional do Sudeste de 2016. Taylor está entre os 11 bispos norte-americanos que se aposentaram no ano passado, e Graves está entre os bispos que agora assumem trabalho extra por causa das aposentadorias. O Conselho Judicial emitiu uma decisão em 20 de maio, abordando a questão de saber se a conferência jurisdicional pode se reunir para eleger novos bispos. Foto de arquivo de Annette Spence, Conferência de Holston.

Decisão abre portas para eleições de bispos em 2022

O tribunal superior da Igreja Metodista Unida decidiu que o Conselho dos Bispos tem autoridade para convocar conferências jurisdicionais para eleger e designar novos líderes episcopais nos EUA, mas não tem autoridade para alterar a data em que esses novos bispos assumem o cargo.