'Agradecemos a Deus porque estamos vivos'

Other Manual Translations: English español

Os membros da Igreja Metodista Unida de Malanga se uniram às igrejas irmãs no Conselho Cristão ecumênico de Moçambique para um culto de solidariedade em 22 de março para dar apoio aos sobreviventes do ciclone Idai.

Sob a liderança do Rev. Arlindo Muduma Francisco, diretor de assuntos ecumênicos do conselho, as pessoas se reuniram para orar e doar dinheiro e bens para ajudar seus irmãos e irmãs afetados pelas fortes tempestades na região central de Moçambique, principalmente nas cidades da Beira, Chimoio, Tete e as aldeias vizinhas.

O número de mortos do ciclone Idai, que atingiu a cidade de Beira em 14 de março, subiu para 750 pessoas na África Austral, com mais de 446 mortos em Moçambique, segundo Celso Correia, ministro da Terra e do Meio Ambiente do país.

O Rev. Eurico Gustavo, um comunicador Metodista Unido localizado na Beira, disse que os esforços de recuperação estão começando na cidade mais atingida. Uma das principais estradas que liga a Beira ao resto do país foi temporariamente reconstruída para facilitar o transporte de pessoas e mercadorias.

“Coisas materiais foram destruídas e perdemos até nossos entes queridos, mas agradecemos a Deus porque estamos vivos e vamos continuar”, disse Gustavo por telefone.

Cómo ajudar?

Doe para o trabalho da UMCOR enviando mensagens de texto para a UMCOR para 91999.

Para fazer uma doação para a Resposta Internacional a Desastres da UMCOR, use Advance # 982450.

A Bispa da área de Moçambique, Joaquina Filipe Nhanala, que esteve na Conferência do Norte e não pôde participar no serviço de solidariedade, emitiu uma declaração sobre os esforços de desastre e socorro.

“Agradeço a todas as pessoas de boa vontade dentro e fora do país que têm em Moçambique as suas orações e pensamentos. Eu sei que há muitos, também, que me contataram perguntando sobre que tipo de apoio eles poderiam oferecer para ajudar os afetados. Eu os informei que nós, basicamente, precisamos de tudo, desde abrigo, comida, roupas, escolas e prédios hospitalares e seus suprimentos. Precisamos reconstruir ou construir novos presbitérios e capelas. Muitas coisas foram destruídas ”, disse ela.

“Eu lamento que tenhamos perdido muitos colegas moçambicanos. Eu tenho todo o povo moçambicano e especialmente aqueles diretamente afetados em minhas orações de consolo”.

A bispa também expressou gratidão pelo apoio das igrejas e do Comitê Metodista Unido de Socorro, que emitiu uma doação de US $ 10.000 na semana passada para o financiamento emergencial de curto prazo para atender às necessidades humanas básicas em Moçambique. A UMCOR também alocou US $ 10.000 para o Zimbábue e o Malaui, que foram afetados pelas tempestades.

Respeito Chirrinze, coordenador de gestão de desastres da UMCOR em Moçambique, visitou a Beira e está a coordenar com outras organizações não governamentais sobre a resposta do seguimento, de acordo com Laurie W. Felder, diretora de resposta internacional a desastres da UMCOR.

Ela disse que Chirrinze também está trabalhando para distribuir o dinheiro do subsídio, observando que as maiores necessidades que ele está vendo agora são para os aquatabs purificarem água, mosquiteiros e abrigos temporários para aqueles que foram deslocados.

Durante as observações de abertura do serviço de solidariedade em Maputo, a Rev. Felicidade Chirinda agradeceu aos que responderam com orações e doações.

“Como um corpo de Cristo, entendemos que quando um membro sofre, todos sofremos. Encorajo-vos a sempre lembrar daqueles que estão sofrendo em suas orações e generosidade ”, disse ela.

Chirinda é a presidente do corpo ecumênico e a primeira clériga a ocupar a posição mais alta do conselho desde que foi criada em 1948.

“Viemos aqui para adorar a Deus e, ao mesmo tempo, orar e buscar orientação sobre o que, como igreja, podemos fazer para ajudar nossos irmãos e irmãs”, disse ela.

Todas as doações feitas no serviço - dinheiro, roupas, calçados, material escolar e comida - foram entregues aos funcionários do Instituto Nacional de Gerenciamento de Desastres. Fátima Fernanda, delegada do grupo em Maputo, fez uma breve atualização aos fiéis.

“A partir de hoje, 344.811 pessoas são diretamente afetadas pelo desastre em Moçambique”, disse ela, observando que a chuva adicional piorou os danos causados pelas tempestades e ciclones. Ela disse que 2.867 salas de aula foram destruídas, com mais de 86.000 alunos afetados.

O Rev. João Damião Elias Muhale, um metodista unido e secretário geral do Conselho Cristão de Moçambique, disse que o grupo não só prega o Evangelho através de palavras, mas também através de ações.

“Esta campanha de serviço de solidariedade é parte do nosso chamado e dever como uma instituição cristã que é obrigada a seguir o ensinamento de amor de Jesus, cuidar do próximo e do menor deles, especialmente daqueles que estão em perigo e em necessidade”.

 

*Sambo é um correspondente da SMUN em Moçambique. Contato com a imprensa: Vicki Brown, editora de notícias, newsdesk@umcom.org ou 615-742-5469.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina @umcom.org

Preocupações Sociais
A diaconisa metodista unida Bulelwa Ndedwa lidera uma marcha contra a violência de género em Durban, na África do Sul, em 14 de setembro. A marcha começou com a oração numa Igreja Metodista Unida e terminou no centro de Bizana, no distrito de Makukhanye, Cabo Oriental. Foto de Nandipha Mkwalo, Notícias da MU.

Igreja destaca faróis sobre a violência contra as mulheres

Metodistas Unidos da África do Sul marcham por mudanças, exortam a igreja a tomar medidas para proteger os membros do sexo feminino e todas as mulheres.
Preocupações Sociais
A congregação da Primeira Igreja Metodista Unida de Moheto, no sudoeste do Quênia, vota para se reconciliar. Com a votação de 1º de setembro, a congregação anunciou suas intenções de apoiar a igualdade das pessoas LGBT na vida da igreja. Foto cortesia da Primeira Igreja Metodista Unida Moheto.

Primeira igreja na África se reconcilia

Uma congregação Metodista Unida no sudoeste do Quênia votou a favor da igualdade total das pessoas LGBT na vida da igreja.
Área Geral da Igreja
O Bispo John K. Yambasu, da Serra Leoa, discursa em uma reunião do Colégio de Bispos da África em Mutare, Zimbábue. Os bispos disseram que a igreja continuaria na África após a Conferência Geral de 2020. Foto de Tim Tanton, Notícias MU.

Bispos africanos se opõem a planos de separação

Em uma declaração no final do retiro do Colégio dos Bispos da África, os bispos disseram que a igreja continuaria na África depois da CG2020.