Viúva recebe casa construída e doada pela Igreja

Translate Page
Rev Calton Ngale, pastor de Manga, pregando no dia que a Paroquia ofereceu a casa a viuva Victoria Jamisse. Beira, foto de Eurico Gustavo. 
Rev Calton Ngale, pastor de Manga, pregando no dia que a Paroquia ofereceu a casa a viuva Victoria Jamisse. Beira, foto de Eurico Gustavo.

Palavras-chaves:

  • A igreja no Norte de Save é reconhecida por suas accções humanitárias.
  • Paróquia da Manga oferece uma casa à uma viúva.
  • Membros da Paróquia falam sobre o sentimento de missão cumprida.

Em Abril, a congregação Metodista Unida da Manga, nos arredores da cidade da Beira, conferência do Norte do Save, movida pela palavra que diz “...quando o fizeste a um destes pequenos, a mim o fizeste” (Mateus 25:40), reuniu forças e meios materiais para erguer uma casa do “tipo um” para uma viúva vulnerável que há mais de dois anos vivia em condições deploráveis.

“Partilhamos a informação com a congregação e cada membro trouxe um bloco, um varão e ou o que pudesse, para apoiar a nossa mãe,” disse Calton Lameque Ngale, pastor do Cargo Pastoral da Manga. 

Victória Jamisse de 85 anos de idade é uma viúva que vivia numa casa feita de material precário. A palhota (casa rústica) em que nela vivia, foi parcialmente destruída pelo ciclone Idai em 2020 e depois pelos ciclones, Eloise, Ana e Gombe.

“Levamos cerca de dois anos para reunir todo o material necessário, porque vimos que a situação dela não era das melhores,” explicou Ngale. 

Rev. Calton Ngale implorando a bencao sobre a beneficiaria da casa, a ancia Victoria Jamisse. Beira, foto de Eurico Gustavo 
Rev. Calton Ngale implorando a bencao sobre a beneficiaria da casa, a ancia Victoria Jamisse. Beira, foto de Eurico Gustavo.

A situação da pobreza em África, e Moçambique em particular, deixa muitas pessoas e famílias humanamente muito vulneráveis.

“A mama Victória Jamisse praticamente vivia ao relento, a julgar pelo tipo e a condição daquilo que podia chamar casa,” comentou a Joana Paulo, membro da Manga. 

“Quando a chuva caía, ela molhava. As paredes, quase que não existiam e a nossa  preocupação crescia a cada dia porque ela, para além de ser viúva, é uma idosa que vive sozinha e com deficiência de mobilidade,” explicou a Paulo. 

Na vizinhança, existem pessoas de boa vontade que tem assistido à ela duma forma especial. Algumas têm passado a dizer um bom dia para ela e dão alguma coisa para comer. É o caso da senhora Ana Jorge.

“Sou vizinha desta anciã,” disse Ana Jorge, moradora da casa ao lado. “Como ela  não consegue se movimentar, pela manhã, passo para visitá-la e deixo qualquer coisa para ela se alimentar,” concluiu a Ana Jorge.

As irmas Marta Chicumule a esquerda e Laura Ngulele a direita, membros da Igreja da manga em frente a casa doada. Beira, foto de Eurico Gustavo. 
As irmas Marta Chicumule a esquerda e Laura Ngulele a direita, membros da Igreja da manga em frente a casa doada. Beira, foto de Eurico Gustavo.

A cidade da Beira e arredores tem sofrido muito com ciclones e tempestades tropicais. Os eventos naturais, têm aumentado a fragilidade das comunidades, que por muitas vezes, agrava a penúria destes.

“Fico muito, muito satisfeita pelo facto de a igreja ter ajudado esta mãe,” expressou Olinda Ribeiro membro da Manga.

Naquela zona da Manga, há muitas famílias com casas em péssimas condições, mas a Igreja, olhou para a situação extrema da vulnerabilidade da Jamisse e agiu a seu favor.

“A casa que ela tinha não era possível reparar. A decisão tomada pela Igreja, de construir uma nova e melhorada, foi a mais sábia e prudente,” concluiu Ribeiro. 

Este é um dos deveres de todos membros da igreja, pois a Bíblia nos ensina que devemos ajudar os necessitados, viúvas, órfãos e estrangeiros nas suas necessidades.

“Reconhecemos que esta casa não é uma luxuosa que muitos desejariam ter, mas nós  paroquianos da Manga sentimo-nos com missão cumprida pois provemos um abrigo seguro para ela,” explicou Bernardo Magul, presidente da Junta Administrativa daquele Cargo Pastoral.

Na imagem, Victoria Jamisse, a beneficiaria da accao humanitaria da Paroquia da Manga. Beira, foto de Eurico Gustavo. 
Na imagem, Victoria Jamisse, a beneficiaria da accao humanitaria da Paroquia da Manga. Beira, foto de Eurico Gustavo.

Dada a situação de pobreza extrema para algumas famílias Moçambicanas, em todo o país é possível ver famílias vivendo em cabanas que desumanizam o próprio ser humano.

“A atitude dos Metodistas Unidos da Manga é muito salutar,” disse o Rev. Jacob Jenhuro, Assistente Episcopal na Conferência do Norte. Segundo ele, “momentos há que devemos parar de falar de solidariedade e passarmos a demonstrar o que é solidariedade,” concluiu Jenhuro.

Para se erguer aquela obra, a direcção da Igreja sentou, debateu e concluiu que devia agir.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

“Graças ao nosso pai Agostinho Macamo (em memória) que conseguiu convencer os membros dizendo “nós todos não temos nada, concordo, mas a vovó Victória Jamisse está em péssimas condições, e nós devemos ajudar,” concluiu o Rev. Ngale.

As dificuldades que eram colocadas pelos membros, têm a ver com a situação sócio-económica em que se encontram, resultante dos sucessivos desastres naturais que têm fustigado a zona centro de Moçambique.

“Não foi fácil termos que convencer os membros a aderirem a esta iniciativa,” lembrou Ribeiro. “Tivemos várias reuniões para traçarmos estratégias que a paróquia pudesse aderir a fim de ajudar a nossa anciã, e damos graças a Deus que no fim a congregação acolheu positivamente a ideia e juntou meios e forcas ao projecto e assim foi executado,” explicou a Ribeiro.

“É pratica da Igreja Metodista Unida a promoção duma administração participativa,” sublinhou Ribeiro. E adiantou que, “o tempo que levamos para execução das obras, foi porque os membros atravessam momentos difíceis por conta da pandemia.”

*Gustavo é comunicador na Conferência de Moçambique Norte.

Teologia
Graduandos em a Universidade Metodista Unida de Moçambique localizada em Cambine, no Distrito de Morrumbene, Província de Inhambane, alegram-se por terem chegado ao seu destino. Foto de Edmilson Banze.

Universidade Metodista em Moçambique gradua primeiros técnicos superiores

Com um número inicial de 106 estudantes no ano de 2017, altura em que abriu as suas portas, a Universidade Metodista Unida de Moçambique graduou em 17 de Junho, 76 técnicos superiores, dos quais 34 mestres e 42 licenciados, depois de um percurso de quatro anos da sua formação.
Teologia
O Rev. Júlio André Vilanculos (centro), com a bispa Joaquina Nhanala (à sua esquerda) e o Rev Jamisse Taimo (à sua direita) durante a tomada de posse como reitor da Universidade Metodista Unida de Moçambique, Cambine, em 2018. O Rev. Vilanculos formou-se na África University em 2009 com licenciatura em teologia e mestrado em artes e estudos religiosos. Foto de arquivo de Francisco Cumbe.

Graduados da África University compartilham seus dons

Os ex-alunos da AU estão fazendo uma diferença em muitas áreas e compartilham suas bênçãos com a Igreja Metodista Unida em Moçambique.
Preocupações Sociais
As alunas aprendem a desenhar e a tirar medidas no material de costura durante uma aula no Centro de Formação de Mulheres da Igreja Metodista Unida em Bugembe, Uganda. O centro trabalha com mulheres, jovens, sobreviventes de abuso sexual, pessoas deslocadas e outras da comunidade. O objectivo é melhorar as condições de subsistência por meio de formação e educação vocacional. Foto de Gad Maiga, Noticias da MU.

Subvenções enriquecem o alcance Metodista Unido na África Oriental

Os parceiros dos Ministérios da IMU e Harper Hill Global angariaram mais de US$ 13.000 para auxiliar projectos na Conferência Uganda-Sudão do Sul.