Pentecostes: Atos do Espírito Santo

O calendário da Igreja anuncia a chegada do tempo denominado Pentecostes. Nessa época, coloca-se em evidência a descida do Espírito Santo sobre a primeira comunidade, das discípulas e dos discípulos de Jesus Cristo, reunida na cidade de Jerusalém. Nesse maravilhoso acontecimento cumpre-se a promessa deixada por Jesus no período de seu ministério terreno: “Eis que envio sobre vós a promessa de meu Pai, permanecei, pois, na cidade, até que do alto sejais revestidos de poder” (Lucas 24.49). 
 
Nessa teia, o Evangelista Lucas registra os passos importantes da descida do Espírito Santo (Atos 2.1-4). Em ato contínuo, o Apóstolo Pedro, movido pelo impulso do Espírito, prega um sermão contagiante (Atos 2.14-41). Na verdade, é mais do que um sermão, é uma plataforma de vida e missão para a comunidade que acabara de nascer sob a dinâmica do Espírito Santo.  
 
O Livro de Atos descreve as ações do Espírito Santo nas circunstâncias culturais mais diferentes e trazendo à memoria o ministério contagiante de Jesus Cristo: “Da multidão dos que creram era um o coração e alma [...] Com grande poder, os apóstolos davam o testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todos eles havia abundante graça” (Atos 4.32-33). 
 
Quais as lições da mensagem renovadora do Espírito Santo para a vida da nossa Igreja? 
Com certeza, precisamos ouvir a voz do Espírito Santo neste tempo chamado hoje. Do mesmo modo, reconhecer que carecemos caminhar nos passos de uma Igreja cristológica, pneumática e missionária de discípulas e discípulos. 
 
Acreditamos que o Espírito Santo nos inquieta para que andemos no caminho da maturidade espiritual. Precisamos aprender a ser uma comunidade de discípulas e discípulos que se dispõe a buscar o caminho da maturidade que passa pela obediência.  O maior exemplo de discípulo maduro é próprio Senhor Jesus Cristo. Ele viveu a escola da obediência (Hebreus 5.7-9). Ele foi guiado pelo Espírito Santo (Marcos 1.12).
 
Nessa senda, uma Igreja conduzida pelo Espírito Santo em seu discipulado deverá:
• Aprender com seus próprios erros, beneficiando-se, positivamente, com as lições que eles deixam. Esse caminho exige humildade, quebrantamento e disposição para ouvir o tom do Espírito Santo para o caminho da maturidade.
 
• Regozijar-se em seu relacionamento com as demais Igrejas cristãs dentro do propósito deixado por Jesus Cristo (João 17). Do mesmo modo, manter uma atitude de diálogo e respeito, à luz da pluralidade existente na nossa sociedade. Percebe-se no contexto atual, fanatismo, intolerância, violência, como também sinais de divisões internas e externas, comprometendo o testemunho eficaz do Evangelho de Jesus Cristo.
 
• Tornar-se uma comunidade de discípulas e discípulos e de servas e servos, “Para mostrar nos séculos vindouros a suprema riqueza da sua graça, em bondade para conosco, em Cristo Jesus” (Efésios 2.7). 
 
• Empenhar-se, corajosamente a fim de abandonar sua autocentralização eclesiástica (clericalismo). Faz-se necessário rever no contexto da nossa Igreja a revolucionária proposta anunciada pelo Reformador Martinho Lutero: a Doutrina do Sacerdócio Universal de todos os Crentes. 
•  Eleger modelos de estruturas flexíveis que facilitem sua presença e testemunho na comunidade dentro de um contexto marcado pela urbanização. Uma igreja movida pelo espírito missionário de Jesus  Cristo se coloca em devidas condições, a fim de estar presente na vida das pessoas diante das variadas formas de pressões e inseguranças oportunizando espaços de comunhão e acolhimento. A Igreja está sempre nos caminhos da missão.
 
• Aparelhar-se como vanguarda de Deus no mundo. Por isso, precisa fazer uma pausa na presença de Deus e repensar sobre a autenticidade de sua ação sacerdotal, profética, pastoral e missionária na hora presente. O exemplo da ação do Espírito Santo na comunidade primitiva provocou o despertamento de dons e ministérios a partir das necessidades daquela comunidade que dava os seus primeiros passos (Atos 6.1-7). 
 
Viver a dinâmica de um discipulado frutífero ressoa como uma proposta não muito agradável. Nota-se uma grande movimentação de igrejas, que tem como modelo a facilidade do evangelho, a superficialidade das relações humanas, estrelismos eclesiásticos, as promessas de prosperidade, bem como uma proposta de evangelho sem cruz e sem ressurreição. 
 
Colocar-se nas pegadas do seguimento do Espírito Santo, em busca da maturidade, é ao mesmo tempo desafiador e um sinal de insatisfação como o quadro de muitas igrejas que vivem num processo de estagnação, não tendo mais nada para conservar, centrada em modelos que não dizem nada à sociedade em que vivemos com seus desafios presentes. 
 
Desejamos ansiosamente que o sopro do Espírito Santo coloque todas as Igrejas, todas as discípulas e discípulos na plataforma de Atos 2.1-12. Aqui, deu-se, propriamente, a inauguração da Igreja Cristã, presidida pelo Espírito Santo cujo sopro demoliu as formas de barreiras, sacudiu o jugo do judaísmo e abriu novos horizontes, a fim de que as grandezas divinas fossem proclamadas a todos os povos em sua linguagem e seu jeito de viver sem qualquer distinção. Aqui, o modelo era Jesus Cristo, em sua plenitude cujo serviço correspondia ao desejo salvador e reconciliador: servir para salvar. 
 
Queira Deus, que a nossa Igreja prossiga nos caminhos da cruz e, com certeza, na cruz está a fecundidade da vida e do Evangelho, sob o hálito purificador do Espírito Santo.
 
* Adriel de Souza Maia, e Bispo Emérito da Igreja Metodista no Brasil. 
Publicado por José Geraldo Magalhães em no site da Igreja Metodista no Brasil. Para ver a publicação original: http://metodista.org.br/pentecostes-atos-do-espirito-santo#sthash.Z8FBnP6i.dpuf

Último artigo

Área Geral da Igreja
No sentido horário a partir do canto superior esquerdo: Bispo Samuel J. Quire Jr., Conferência Anual da Libéria de 2018, foto de E Julu Swen; Equipe de louvor na Conferência Anual Califórnia-Nevada de 2015, foto de Koua Vang; Cálices e pão na Conferência Anual Dakotas de 2015, foto cortesia da conferência; Bispo Rosemarie Wenner, Conferência Anual Sul da Alemanha 2015, foto de Klaus Ulrich Ruof; participantes da Conferência Anual de Kentucky 2017, foto por Kathleen Barry.

O futuro foco da igreja nas conferências anuais

As resoluções que lidam com a sexualidade, a administração ambiental e o slogan da Igreja Metodista Unida estão entre os tópicos que o clero e os membros leigos enfrentam nas conferências anuais da denominação de 2019.
Preocupações Sociais
Ativistas locais, líderes religiosos e membros da família se reúnem nas etapas do Circuito da Corte de Apelações em St. Paul, Minn., em apoio a Nelson Pinos, que vive no santuário da Primeira Igreja Metodista de Summerfield, em New Haven, Conn. Foto de Mary Elizabeth Smith.

Igreja aguarda decisão sobre apelo de hóspede no santuário

Nelson Pinos, de 45 anos, pai de três filhos, cidadão norte-americano, buscou refúgio na Primeira Igreja Metodista Unida de Summerfield em New Haven, Connecticut, em vez de deixar sua família e retornar ao Equador.
Área Geral da Igreja
O Bispo Grant Hagiya, à direita, abençoa o Bispo aposentado David Yemba como parte da renovação dos votos de batismo dos bispos no final da reunião do Conselho dos Bispos da primavera. Hagiya lidera a Conferência California-Pacific e Yemba atua na República Democrática do Congo. Foto de Heather Hahn, Notícias MU.

Bispos planejam explorar 'novas formas de unidade'

Confrontados com as consequências de uma divisão geral da Conferência, os bispos Metodistas Unidos disseram que se juntariam a outros membros da igreja para explorar novas possibilidades para o futuro da denominação.