Nova denominação metodista progressiva começa

Other Manual Translations: English 한국어 Español

Um grupo progressivo de Metodistas Unidos e outros cristãos lançou uma nova denominação chamada Liberation Methodist Connexion (Conexão Metodista da Libertação), ou LMX.

A nova igreja visa centrar-se nas vozes das pessoas de cor, bem como nos indivíduos queer e transgéneros - aqueles que os organizadores da LMX consideram marginalizados na Igreja Metodista Unida.

“Somos uma denominação de base de líderes religiosos antigos, atuais e não metodistas que trabalham no desdobramento do parentesco de Deus”, diz a Conexão em seu site. “Convidamos intencionalmente a plena participação de todos os que estão vivendo suas identidades e expressões dadas por Deus.”

Os organizadores anunciaram a formação da nova denominação com um culto de adoração online, apresentação e pós-festa em 29 de novembro, primeiro domingo do Advento e início do ano cristão.

O encontro online teve mais de 400 inscritos. Porém, devido a dificuldades técnicas, vários desses registrados não conseguiram fazer login, incluindo o Notícias Metodista Unida.

A nova Conexão se inicia após décadas de intensificação do debate dentro da Igreja Metodista Unida sobre como ser inclusiva para os Cristãos LGBTQ.

Na Conferência Geral planejada para maio de 2020, os Metodistas Unidos esperavam aceitar uma proposta para resolver a disputa sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo e a ordenação gay através de uma separação denominacional formal. No entanto, as paralisações relacionadas ao coronavírus adiaram a assembleia legislativa, que agora está marcada para 29 de agosto a 29 a 7 de setembro de 2021.

Os organizadores da nova denominação, sendo alguns LGBTQ, disseram que se sentem chamados a agir agora.

“A linha do tempo do Espírito Santo está conduzindo nossa decisão de lançar o LMX neste momento, e estamos seguindo seu chamado”, o Rev. Althea Spencer-Miller disse à Notícias MU por e-mail.

Spencer-Miller, professora de Novo Testamento na Faculdade de Teologia Metodista Unida Drew, é uma dos mais de 40 colaboradores que estão ajudando a estabelecer a nova igreja.

Ela e outros colaboradores se recusaram a dizer quantas congregações ou pessoas fazem parte da nova denominação no lançamento. Os organizadores disseram por e-mail que não querem comparar valor com volume.

Entre os colaboradores estão pastores Metodistas Unidos e leigos, incluindo pelo menos três líderes da igreja eleitos para serem delegados da Conferência Geral ou delegados reserva.

A nova Conexão não está pedindo às pessoas que escolham entre o LMX e suas afiliações com outras comunidades religiosas, disse Spencer-Miller por e-mail e no evento.

Ian Carlos Urriola, outro colaborador e delegado veterano da Conferência Geral, disse no evento que a nova denominação planeja trabalhar com as convenções raciais e étnicas oficiais da Igreja Metodista Unida, “ garantindo que permaneçamos em relacionamento com nossos antepassados na luta”.

Neste ponto, a Conexão Metodista da Libertação obteve o status de organização sem fins lucrativos 501 (c) (3) com isenção de impostos nos Estados Unidos. A nova igreja também está em processo de solicitação de isenção de grupo junto ao IRS para simplificar o processo administrativo para suas congregações e ministérios.

A Wesleyan Covenant Association (Associação do Pacto Wesleyano), um grupo na extremidade tradicionalista do espectro teológico, também planeja iniciar uma nova denominação separada da Igreja Metodista Unida. A liderança da WCA inclui delegados da Associação Geral, e a associação já elaborou seu próprio Livro de Doutrinas e Disciplina.

A nova Conexão não tem testes de litmus doutrinário, disse a Revda. Janet G. McKeithen, membro do grupo de trabalho da nova denominação.

O LMX se concentra mais nas ações do que nas crenças, acrescentou Spencer-Miller mais tarde.

“Não buscamos respostas que nos levem a doutrinas corretas sobre porque sofremos. Buscamos ações corretas, práxis corretas onde Deus nos sustenta durante as perguntas irrespondíveis”, disse Spencer-Miller durante o evento online.

Tais ações - segundo as notas do site da Conexão - incluem reparações, cuidar da terra e libertar a tradição metodista do colonialismo, supremacia branca, injustiça econômica, sexismo, apetite, preconceito de idade e heteronormatividade.

A nova igreja tira seu nome da teologia da libertação, desenvolvida por teólogos católicos latino-americanos na década de 1960 e logo aumentada por teólogos metodistas como o reverendo James Cone. A teologia enfatiza o chamado de Deus para libertar os pobres e oprimidos.

Mais sobre os planos LMX

O Liberation Methodist Connexion (Conexão Metodista da Libertação) planeja postar uma gravação de seu evento online até o final da semana.

A nova denominação planeja que seu próximo culto de adoração seja uma vigília de véspera de Ano Novo online. Saiba mais em neste site.

O nome Conexão vem da antiga grafia britânica de conexão usada pelo fundador do Metodismo, John Wesley. A letra “X” também é um símbolo de Cristo, cuja primeira letra se parece com um X em grego. “Dessa forma, lembra a nossa herança, um pouco do solo bom”, disse a Revda. Sue Laurie, uma das organizadoras do grupo, por e-mail.

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

A nova denominação emerge do trabalho da UM Forward, que se formou antes da Conferência Geral especial de 2019 para defender a remoção de todas as restrições Metodistas Unidas contra a homossexualidade. Em vez disso, a maioria dos delegados da Conferência Geral adotou o Plano Tradicional, a legislação que restringe as proibições de clérigos gays “auto-declarados praticantes” e institui penalidades obrigatórias para casamentos entre pessoas do mesmo sexo.

Desde aquela sessão especial, UM Forward tem realizado reuniões em Minneapolis, Denver e Dallas para discutir o futuro da igreja. O grupo também apresentou o seu próprio plano de separação à próxima Conferência Geral, que dissolveria a Igreja Metodista Unida e formaria quatro novas denominações.

Embora a ideia de dissolução tenha ganhado pouca força, vários Metodistas Unidos endossaram outra proposta intitulada “Protocolo de Reconciliação e Graça através da Separação”, negociada por um mediador profissional com um grupo teologicamente diverso de Metodistas Unidos.

O protocolo permitiria que as igrejas tradicionalistas - aquelas que se opõem aos casamentos entre pessoas do mesmo sexo e à ordenação de clérigos gays não celibatários - saíssem com suas propriedades. O novo grupo tradicionalista também obteria $ 25 milhões em fundos Metodistas Unidos.

O protocolo também reserva $ 2 milhões para quaisquer outras novas denominações metodistas que se formarem.

Mas nem dinheiro nem o Protocolo foram destaque no evento de lançamento do LMX. Em vez disso, os organizadores se concentraram em planos para fornecer recursos educacionais, oferecer cuidado pastoral e resolver os pecados que observam atormentar a igreja.

Laurie, uma ativista de longa data pela igualdade LGBTQ na Igreja Metodista Unida, pregou durante o culto de adoração do evento sobre seu cansaço após décadas sem mudança na postura da igreja.

“Agora estou grata por um novo dia, um convite para a Conexão Metodista da Libertação para estar entre uma nova constelação de crentes que têm a urgência de sua visão”, disse ela.

“Estou grata por ser confrontada por pessoas que vieram ao Evangelho de diferentes lugares”.

 

*Hahn é repórter de notícias multimídia Notícias MU. Contate-a em (615) 742-5470 ou [email protected] . Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos diários ou semanais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

 
Missão
De pé em frente ao púlpito da John Wesley’s New Room em Bristol, Inglaterra, o Rev. Jonathan Pye lidera um serviço religioso em 12 de setembro que comemora o 250º aniversário da travessia do Atlântico de Francis Asbury para a América. Pye é o presidente do Distrito de Bristol da Igreja Metodista na Grã-Bretanha e vice-presidente dos curadores da John Wesley’s New Room. A frequência ao serviço foi limitada para permitir o distanciamento social em meio à pandemia de COVID-19. Foto de Tim Tanton, Notícias MU.

Comemorando o impacto de Asbury em 2 margens

A Igreja Metodista da Grã-Bretanha e a Igreja Metodista Unida celebram conjuntamente o 250º aniversário da travessia do Atlântico por Francis Asbury quando veio da Inglaterra para os Estados Unidos.
Igreja Local
As novas recomendações de máscaras dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos e o aumento da variante delta do coronavírus afetam as decisões das igrejas sobre o culto presencial e os protocolos de segurança. Imagem de Pews por Andrew Seaman, cortesia da Unsplash; imagem da máscara cortesia da Pixabay; gráfico por Laurens Glass, Notícias MU.

Igrejas pedem uso de máscara e fecham portas devido aos picos de vírus

À medida que a variante delta mais contagiosa aumenta nos Estados Unidos, as igrejas Metodistas Unidas estão tomando precauções adicionais. As congregações também estão tomando medidas para alcançar aqueles que resistem à vacinação.
Worship
A Primeira Igreja Metodista Unida em Denton, Texas, junta-se à adoração em 6 de junho, a primeira vez que o santuário foi usado para esse propósito desde a pandemia de COVID-19, forçou o fechamento de edifícios em todos os EUA. Foto por Sam Hodges, Notícias MU.

Igrejas são incentivadas a se relançar, não apenas reabrir

O espírito de inovação em face da pandemia COVID-19 deve continuar e se aprofundar, dizem líderes religiosos experientes.