Manifesto dos professores em defesa das instituições democráticas

Os professores abaixo assinados, integrantes do Corpo Docente da Universidade Metodista de São Paulo, apresentam à comunidade acadêmica da instituição e à sociedade brasileira o seguinte.

Acompanhando com atenção o cenário político atual, parece-nos evidente, a esta altura da crise política que o Brasil vive, a aglutinação de forças interessadas em desestabilizar ainda mais o país, reeditando fundamentalismos partidários. Alguns grandes veículos de comunicação insuflam esse clima de antagonismo, inclusive nas redes sociais, ao sabor daqueles que fazem a oposição irresponsável. Neste momento torna-se, portanto, urgente que, acima de quaisquer alinhamentos ideológicos e de afetos ou desafetos por lideranças políticas, reivindiquemos que as instituições cumpram seu papel na garantia dos direitos civis constitucionais.

O lema “combate à corrupção”, que representa uma demanda legítima da sociedade brasileira, tem sido explorado à exaustão por grupos interessados em minar deliberadamente a confiança no país. Há também os oportunistas, aqueles que se pretendem “salvadores da pátria”, que emergem com seus discursos e práticas reacionárias, ultraconservadoras e obscurantistas, baseados no jogo político-partidário sob o manto da legalidade.

Nessa saraivada de acusações diárias, empresas de comunicação buscam proteger interesses particulares e impor sua ideologia conservadora, sensacionalizando cada capítulo do noticiário, com versões parciais e tendenciosas dos fatos, comportamento semelhante ao que ocorreu durante o golpe civil-militar em 1964, que teve forte apoio da imprensa hegemônica.

É urgente estarmos atentos à gravidade dos acontecimentos, com lucidez para entender o que está em jogo no futuro do país. A sociedade civil e suas lideranças, os jovens e suas famílias, trabalhadores e estudantes, os movimentos sociais e populares, e a mídia responsável, devem ficar atentos aos falsos discursos que reverberam na esfera pública e negam, de forma reacionária, as conquistas sociais alcançadas depois do fim do regime militar.

Por isso, nós, professores da Umesp não nos calamos. Até porque o ambiente acadêmico da Universidade Metodista de São Paulo, coerente com a sua tradição de solidariedade e de respeito construídos ao longo de sua história, nos inspira este manifesto.

Unimo-nos a todos os colegas comprometidos com o Estado democrático e com o exercício isento e imparcial do Direito e da Justiça, em cobrar da mídia seu compromisso com a verdade dos fatos: a divergência é salutar à democracia; o linchamento moral e político, não.

São Bernardo do Campo, 17 de março de 2016

Professores

Aguinaldo Mulha

Alacir Villa Valle Crucez

Alexandra Gonsalez Sarasa Martin

Antonio Carlos Soares dos Santos

Bruno Tonhetti Galasse

Cicília Maria Krohling Peruzzo

Claudete Pagotto

Claudio de Oliveira Ribeiro

Cleber Araújo Souto Baleeiro

Cristiane Gandolfi

Daniel Galindo

Daniela Silvestre Alves

Douglas Murilo Siqueira

Edi Luiza Bacco

Edson Cinaqui Filho

Eduardo Grossi

Eduardo Okuhara Arruda

Elizabeth Moraes Gonçalves

Eloiza de Oliveira Frederico

Fernando Almeida

Guilherme Flynn Paciornik

Hegli Kovacic

Helmut Renders

João Batista Ribeiro dos Santos

José Ademar Kaefer

José Carlos de Souza

José Braz Goulart

José Salvador Faro

Júlio Veríssimo

Lauri Emilio Wirth

Liliana Rubia de A. Medeiros

Luci Praun

Luiz Roberto Alves

Luiz Silvério Silva

Márcia Velasques Barbosa

Márcio Guerreiro

Magali do Nascimento Cunha

Margarete Vieira

Marli dos Santos

Marília Martins Vizzotto

Marta Contardo Jaramillo

Nicanor Lopes

Nilson Tadashi Oda

Oswaldo de Oliveira Santos Júnior

Ozeis Rocha Júnior

Paulo Ayres Mattos

Paulo Bessa da Silva

Paulo Roberto Garcia

Paulo Roberto Salles Garcia

Roberto Joquim de Oliveira

Rodolfo Carlos Bonventi

Rodolfo Martino

Rogerio Toto

Rubens Lopes Júnior

Rui de Souza Josgrilberg

Sandra Duarte de Souza

Sebastião Carlos Squirra

Silvia Perrone de Lima Freitas

Silvio Pereira da Silva

Sonia Maria Ribeiro Jaconi

Valdir Aparecido Boffetti

Vanessa Martins

Veronica Cortes

Wesley Fajardo Pereira

Wilson da Costa Bueno

http://alc-noticias.net/bp/2016/03/23/manifesto-dos-professores-em-defesa-das-instituicoes-democraticas/

Missão
Filipa Vierra, bolsista da Federação Portuguesa de Mulheres Metodistas, toca violão na Igreja Metodista de Aguada de Cima, Porto. Foto cedida por Mulheres Metodistas Unidas (UMW).

Parceria com as mulheres metodistas de Portugal

A Federação Portuguesa de Mulheres Metodistas, com apoio das Mulheres Metodistas Unidas, oferece muitos programas que enriquecem as comunidades.
Área Geral da Igreja
Os bispos Thomas J. Bickerton (centro) e Gregory V. Palmer (à direita) conversam com colegas sobre procedimentos legislativos durante a Conferência Geral Metodista Unida de 2019 em St. Louis. Bickerton é o representante do Conselho dos Bispos na Comissão da Conferência Geral. A Comissão da Conferência Geral - que se reuniu a portas fechadas - revisou uma investigação que encontrou evidências de quatro pessoas inelegíveis votando com as credenciais dos delegados que não estavam presentes. Foto de arquivo por Mike DuBose, Notícias MU.

Votação indevida no GC2019 anula voto chave

Uma investigação sobre a Conferência Geral determinou que o número de eleitores inelegíveis era suficiente para afetar um voto sobre como as igrejas podem deixar a denominação.
Sexualidade humana
Pastor Dorlimar Lebrón orando com dois jovens, envoltos no mesmo tipo de cobertores que abrigam crianças e adultos imigrantes detidos, e alguns deles superlotados, no centro de detenção que a ICE mantém em a fronteira. Foto de Michelle Maldonado, UMCOM.

Caucus hispano-latino se prepara para enfrentar mudanças na igreja

Esta 48ª reunião anual do MARCHA concentrou-se na análise do impacto das decisões tomadas na Conferência Geral Extraordinária de 2019 e nas projeções futuras do ministério hispano-latino-americano.