Jovens adultos de Ikhwezi respondem aos necessitados da COVID-19

Grupo de beneficiários de Clermont Township dos Jovens Adultos Hampers, foto de Durban por Nandipha Mkwalo.
Grupo de beneficiários de Clermont Township dos Jovens Adultos Hampers, foto de Durban por Nandipha Mkwalo.
Membros dos Jovens Adultos do distrito de Ikhwezi da Igreja Metodista Unida identificaram uma bolsa de necessidade na cidade de Clermont, em Durban. Cerca de 8 jovens adultos abriram seus corações e carteiras para os mais necessitados, doando pacotes de alimentos para membros da comunidade dos assentamentos informais em 8 de Maio de 2020.

"O projecto de prestação de serviços, chamou pelo Serviço Comunitário dos Jovens Adultos da Metodista Unida para ajudarem os menos privilegiados na cidadela de Clermont", disse Ntokozo Zimasa, presidente dos projectos daquela organização.

O serviço comunitário é uma das quatro comissões da organização de jovens adultos da igreja.

"Faz quase dois meses que estamos trancados e nossos irmãos na comunidade está morrendo de fome" continuou Zimasa.

Clermont é uma das cidadelas informais de Durban, onde a maioria das pessoas nesta comunidade depende de trabalhos humildes para sobreviverem, o que dificulta a vida durante esse período de confinamento por causa da pandemia do novo coronavírus.

"Hoje em dia, a vida está muito difícil em nossas casas.”

“Não podemos nem procurar emprego, porque nos dizem para ficar em casa. Não podemos nos deslocar por causa dessa pandemia", desabafou Sindile Magagu, um dos beneficiários do município de Clermont.

´´Não alimentamos adequadamente nossos filhos neste momento em que as escolas estão fechadas.´´

´´É muito mais fácil quando as escolas estão abertas porque elas comem refeições quentes todos os dias durante o almoço na escola, a partir do esquema de alimentação do governo ", concluiu Magagu , mãe solteira de 35 anos com três filhos.

Sharon Mguzulwa, que actualmente serve como presidente nacional da Organização dos Jovens Adultos da Metodista Unida, disse: ´´ Estou muito feliz e agradecida a Deus pelos membros deste grupo, que tiveram uma iniciativa humana de ajudar a comunidade menos favorecida durante o período de pandemia de Covid-19 e bloqueio nacional.´´ 

“Estou muito impressionada com a forma como os jovens da minha igreja fazem as coisas”, continuou Sharon.

´´Eles são muito gentis e unidos em fazer as obras de Deus. Eles respondem às palavras em Provérbios 19:17, que diz: Ao Senhor empresta o que se compadece do pobre, e ele lhe pagara o seu beneficio’’ compartilhou Sharon.

Mguzulwa, disse que esses "membros deste grupo colectaram dinheiro de seus bolsos e compraram esses cabazes e, aqueles que não contribuíram financeiramente, dedicaram seu tempo e energia para embalar as parcelas de alimentos", disse Sharon Mguzulwa, membro da organização de jovens adultos. 

Parcelas de alimentos foram preparadas nas casas dos jovens para suprir os menos afortunados.

´´Todas as medidas de precaução, como: usar máscaras, lavar as mãos com água e sabão ou usar desinfectantes para as mãos antes e depois da embalagem foram observadas ”, disse Mguzulwa.

Cada cabaz é composto por: farinha, açúcar, leite, arroz, feijão, peixe enlatado, cebola, sabão e sal.
As mãos sendo higienizadas pelos empacotadores voluntários antes de embalar as parcelas em Clermont, Durban. Foto de Nandipha Mkwalo.
As mãos sendo higienizadas pelos empacotadores voluntários antes de embalar as parcelas em Clermont, Durban. Foto de Nandipha Mkwalo.
"Nossos alimentos dificultam o empacotamento de pessoas limpas e, o mais importante, são servidos por amor", disse Othima Mkwalo, membro de jovens do Cargo Pastoral de Pinetown.

"Preparamos 20 cabazes para 20 famílias beneficiárias e, antes de entregá-los, compartilhamos a palavra de Deus, palavra de esperança, apenas para lembrá-los de que Deus está connosco mesmo neste momento difícil" explicou Mkwalo.

Também lembramos a importância de ficar em casa durante esta pandemia e orar sem cessar seguindo Isaías 26:20, que diz: Vá para casa, meu povo, e tranque suas portas! Esconda-se por um tempo até que a raiva do Senhor tenha passado. ", Disse Mkwalo.
 
“É nossa responsabilidade seguir os princípios que promovem o evangelismo, para que eles tenham um entendimento e saibam ser discípulos de Jesus Cristo.”

“Durante este período difícil de ficar em casa - sem escola e sem igreja - me faz ver Cristo de outras maneiras e me coloca mais próximo de Deus do que nunca.´´

“Então, ajudar a igreja a empacotar os cabazes para a comunidade carente, é uma oportunidade de retribuir a Deus o que Ele faz por mim, tenho esse sentimento de satisfação.,” concluiu Mkwalo.

Sharol incentivou o ministério de Jovens da IMU sem fins lucrativos, a apoiar o governo em ajudar os assentamentos informais onde a maioria de nossas igrejas está localizada.

Nem todas as pessoas se beneficiaram dos cabazes de alimentos doados pelo governo para ajuda à comunidade que não consegue comprar, e esse confinamento nacional deixou milhares de pessoas desempregadas, o que coloca milhares de crianças em risco de não receberem alimentos diariamente.

Faith Mahlope, uma avó de 84 anos que vive com 6 netos e beneficiária dos cabazes dos Jovens Adultos em Clermont disse,´´ Meu neto, que é o único que trabalha na família, não está mais trabalhando devido a este confinamento e, se ele não trabalha, não é pago. ´´
 
´´Outros membros da minha família agora contam com a minha pensão, o que torna as coisas muito difíceis para mim e família.´´

‘’Soubemos que cabazes de alimentos foram distribuídos para as pessoas menos privilegiadas, mas ainda não recebemos nada na minha região.”

´´Aprecio os jovens da IMU pela sua generosidade e por permitir que Deus os usasse durante esse período difícil de pandemia, por favor, façam o mesmo que fizeram a nós a outras pessoas ", concluiu Mahlope.

*Mkwalo é comunicadora para a Conferencia da África do Sul.

Contacto com a imprensa: Vicki Brown, editora de notícias, [email protected] ou 615-742-5469. Para ler mais notícias da Metodista Unida, inscreva-se nos resumos quinzenais gratuitos.
Missão
James Hildreth, presidente e CEO da Faculdade de Medicina Meharry, fala durante a coletiva de imprensa no Titans mural no Korean Veterans Blvd., para atualizar o público sobre a resposta de Nashville à Covid-19 e a estratégia daqui para frente. Foto cedida por Alan Poizner para o The Tennessean.

O presidente da faculdade metodista pode estar na equipe de Biden

Hildreth ganhou fama enquanto conduzia pesquisas sobre HIV e AIDS que começaram na década de 1980.