Líderes negros discutem o futuro da Igreja

Other Manual Translations: English

Pontos chave:

  • Os oradores na 55ª Assembleia Geral dos Black Methodists for Church Renewal (Metodistas Negros para a Renovação da Igreja) estavam desconfiados do que uma possível fragmentação da Igreja Metodista Unida significaria para as igrejas negras, com base parcialmente nos resultados de fusões e divisões anteriores.
  • O Bispo Mande Muyombo, orador principal, exortou os Metodistas Unidos Afro-Americanos e suas coortes na África a se unirem à medida que a Conferência Geral se aproxima em 2024.
  • O Rev. Antoine C. Love foi eleito presidente em 2023 da organização que defende os interesses dos Metodistas Unidos Negros.

Em meio a histórias trágicas de racismo e discursos poéticos sobre a força e a relevância da igreja negra, os membros da convenção negra oficial da Igreja Metodista Unida foram encorajados a cuidar de seus melhores interesses enquanto a Igreja Metodista Unida avança em direção à separação.

Os palestrantes durante a 55ª Reunião Geral de Black Methodists for Church Renewal (Metodistas Negros para a Renovação da Igreja) lamentaram o tratamento histórico dos Metodistas Negros e expressaram desconfiança sobre o que uma possível fragmentação da denominação significará para as igrejas Negras.

BMCR elege dirigentes para 2023

Durante sua 55ª Assembleia Geral, os Metodistas Negros para a Renovação da Igreja elegeram sua lista de oficiais de 2023 por uma margem de 96% a 4%. Todos os candidatos concorreram sem oposição. O Rev. Antione C. Love, assistente do bispo na Conferência Baltimore-Washington, foi reeleito presidente. Ele também moderou grande parte da reunião do caucus.

Os demais dirigentes eleitos foram: 

Vice-presidente: Deborah E. Bass

Tesoureiro: Diácono Gail Douglas-Boykin

Secretária: Stacie Hawkins

O orçamento de 2023 não foi aprovado durante as reuniões porque um auditor ainda não o revisou. 

A reunião foi realizada virtualmente de 28 de abril a 1º de maio e contou com palestrantes do Centro de Herança Afro-Americana, Universidade da África, Clérigos Negros da Igreja Metodista Unida e muitas das agências gerais da denominação. 

O Bispo Mande Muyombo fez o discurso principal. Ele lidera a Área Episcopal do Norte Katanga, que inclui Metodistas Unidos em partes do Congo e na Tanzânia. Ele se concentrou na relação entre os Metodistas Unidos Africanos e Afro-Americanos que antecederam a Conferência Geral. A principal assembleia legislativa da Igreja Metodista Unida –  agora agendada para 2024  – enfrenta várias propostas de separação por inclusão LGBTQ.

“Estou pedindo aos africanos e afro-americanos que construam relacionamentos mais fortes e trabalhem juntos em suas buscas pela igualdade racial e pelo fim do colonialismo”, disse Muyombo.

“A guerra política que está queimando há décadas dentro da Igreja Metodista Unida nos EUA está cada vez mais causando grandes danos às comunidades que fiz um voto sagrado de servir em todo o continente africano”, disse ele. “Táticas mercenárias coloniais estão sendo usadas com o objetivo de desestabilizar nossas conferências e explorar nosso valor em número de delegados para ganhar poder e propriedade na próxima Conferência Geral de nossa denominação.”

A relação entre racismo e colonialismo deve levar os africanos metodistas unidos e os afro-americanos a se aproximarem e trabalharem juntos estrategicamente, disse Muyombo.

O Rev. Herbert R. Marbury é professor associado de Bíblia Hebraica na Vanderbilt Divinity School em Nashville, Tennessee. Foto de John Russell, Vanderbilt. 
O Rev. Herbert R. Marbury é professor associado de Bíblia Hebraica na Vanderbilt Divinity School em Nashville, Tennessee. Foto de John Russell, Vanderbilt.

O Rev. Herbert R. Marbury, professor associado de Bíblia Hebraica na Vanderbilt Divinity School, apresentou dois apaixonados estudos bíblicos ligados ao tema da reunião: “Somos fortes. Nós somos relevantes. Estamos aqui."

Ele disse que muitos progressistas e conservadores tomaram decisões sobre o futuro do Metodismo Unido, com alguns conservadores provavelmente se juntando à nova denominação separatista teologicamente conservadora que foi lançada em 1º de maio e outros planejando ficar com a Igreja Metodista Unida. “Não estou dizendo aqui que precisamos escolher lados”, disse Marbury. “Mas estou dizendo… que precisamos escolher.”

Os Metodistas Unidos Negros devem escolher “nós”, disse ele.

Um passo vital para fazer isso é apresentar as perguntas que importam para os Metodistas Unidos Negros sobre o futuro da igreja, e fazer essas perguntas.

“Estamos aqui há 238 anos e ainda estamos aqui”, acrescentou. “Vimos nossas igrejas fecharem por causa das decisões de pessoas que não se importavam com a igreja negra. … Vimos a propriedade que nossos antepassados trabalharam tanto para adquirir vendida sem nossa consulta, e todos vimos os lucros que parecem nunca voltar para a igreja negra.”

Durante uma apresentação, Marbury compartilhou a história de Harry Hosier, um pregador metodista negro “que espalhou o Evangelho como fogo” na segunda metade do século 18 e “foi mais eficaz do que qualquer um de seus colegas, brancos e negros”.

Harry Hosier foi um influente pregador metodista negro na segunda metade do século XVIII. Imagem cortesia da Comissão Metodista Unida de Arquivos e História. 
Harry Hosier foi um influente pregador metodista negro na segunda metade do século XVIII. Imagem cortesia da Comissão Metodista Unida de Arquivos e História.

Hosier foi repetidamente negado a ordenação, “sofreu um colapso e morreu um homem quebrado”, disse Marbury. Hosier foi “rejeitado tantas vezes depois de ter investido tanto de si mesmo para construir o Metodismo Americano”, acrescentou.

O bispo L. Jonathan Holston, da Conferência da Carolina do Sul, detalhou as injustiças do passado, ao mesmo tempo em que destacou a lealdade dos membros negros da igreja.

“Em 1939, a Igreja Metodista do Norte e do Sul, estiveram reunidas para se unir e prontamente segregou seus leigos e clérigos negros”, disse ele. “Então, em 1968, a Igreja Metodista se reuniu para se unir à Igreja Evangélica dos Irmãos Unidos e se integrar, e a Igreja Negra foi colocada em uma espiral descendente de desintegração financeira.

“Hoje, a Igreja Metodista Unida procura se reunir para se separar, fazendo com que a Igreja Negra tenha medo de que qualquer decisão tomada leve à aniquilação das expressões negras no Metodismo Unido. … Nossa extrema lealdade e crença implacável de que a Igreja Metodista Unida tem o melhor interesse de seu eleitorado negro em seu coração não deve ser dada como certa.”

A bispa Cynthia Moore-Koikoi, que lidera conjuntamente as conferências da Virgínia Ocidental, Pensilvânia Ocidental e Susquehanna com a bispa Sandra Steiner Ball, colocou as questões LGBTQ na discussão. 

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Durante um discurso sobre o tema “We Are Here” (Nós estamos aqui), ela disse: “Somos queer, somos gays, somos lésbicas e heterossexuais, e sim, estamos aqui”.

Perto do final de sua apresentação, ela disse: “Estamos aqui até que Deus nos diga o contrário, ou Jesus venha com seu cabelo crespo e um grito longo e alto”.

Os planos compreendem realizar a reunião do próximo ano presencialmente em Pittsburgh, de 13 a 16 de abril.

*Patterson é repórter da Notícias MU em Nashville, Tennessee. Entre em contato com ele pelo telefone 615-742-5470 ou [email protected] Para ler mais notícias dos Metodistas Unidos, assine os resumos diários ou semanais gratuitos.

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]. Para ler mais notícias dos Metodistas Unidos, assine os resumos quinzenais gratuitos.

Racismo
O Rev. Giovanni Arroyo atua como alto executivo da Comissão Metodista Unida sobre Religião e Raça, a agência formada para responsabilizar a denominação pelo seu compromisso de rejeitar o racismo na vida da igreja. Foto por Mike DuBose, Notícias MU.

Fazendo as perguntas difíceis sobre raça

Nascido em Porto Rico, o Rev. Giovanni Arroyo sabe em primeira mão o que é ser uma minoria nos EUA, e essa experiência interfere na maneira como ele persegue sua missão como a principal responsável pela inclusão da Igreja Metodista Unida.
Preocupações Sociais
Robin Rue Simmons fala à congregação da Primeira Igreja Metodista Unida de Evanston, Illinois, sobre o impacto da iniciativa da cidade de fazer reparações pela escravidão e discriminação racial. Simmons é diretor executivo da FirstRepair, uma organização sem fins lucrativos local, e é considerado o arquiteto do programa de reparações da cidade. A igreja apresentou um cheque de $ 50.000 para a Evanston Community Foundation (Fundação Comunitária Evanston) em apoio ao grupo Reparations Stakeholders Authority of Evanston (Autoridade das Partes Interessadas de Reparações de Evanston). Foto de SE Brick.

Igreja de maioria branca doa para fundo de reparações

Membros de uma igreja Metodista Unida em Evanston, Illinois, doaram US$ 50.000 para um fundo que será usado para compensar cidadãos negros descendentes de ex-escravos.
Preocupações Sociais
Robin Rue Simmons fala à congregação da Primeira Igreja Metodista Unida de Evanston, Illinois, sobre o impacto da iniciativa da cidade de fazer reparações pela escravidão e discriminação racial. Simmons é diretor executivo da FirstRepair, uma organização sem fins lucrativos local, e é considerado o arquiteto do programa de reparações da cidade. A igreja apresentou um cheque de $ 50.000 para a Evanston Community Foundation (Fundação Comunitária Evanston) em apoio ao grupo Reparations Stakeholders Authority of Evanston (Autoridade das Partes Interessadas de Reparações de Evanston). Foto de SE Brick.

Igreja de maioria branca doa para fundo de reparações

Los miembros de una iglesia metodista unida en Evanston, Illinois, han donado $50.000 a un fondo que se usará para indemnizar a ciudadanos/as negros/as que descienden de personas que fueron esclavos/as.