A importância da adoração

Adorar é avivar a consciência pela santidade de Deus, alimentar a mente com a verdade de Deus, purgar a imaginação pela beleza de Deus, abrir o coração ao amor de Deus, consagrar a vontade ao propósito de Deus (Willian Temple)

Vemos no Antigo Testamento que Deus, desde o princípio, estabeleceu a adoração como uma forma de o povo viver. Vemos que adoração a Ele, o buscá-lo para suas guerras e batalhas, ouvir a sua voz através dos profetas sempre foi algo que caminhou junto com o povo de Israel.
Deus sempre buscou uma forma de que seus/as filhos/as se aproximassem dEle, tivessem contato com Ele. Em Gênesis 3.8, na “viração do dia”, quando Deus caminhava pelo jardim, ou “ouviam a voz do Senhor”, vemos que Adão estava acostumado a estar com Deus. Enoque, em Gênesis 5.22-24, andou com Deus, e vemos que Ele o tomou para si, pois em seus trezentos e sessenta e cinco anos de vida, ele andou com Deus. Será que Enoque conhecia o que era adorar a Deus?

Vemos tantas histórias, tantos momentos na Bíblia, nos quais Deus amou e continua amando o Seu povo. Me arrisco a dizer que é por causa desse amor que começa a adoração. Assim como sabemos que Ele era, é e há de vir a ser, assim é a adoração, que começa com Ele, passa por Ele e termina nEle. Ela começa nEle, pois sempre houve adoração desde antes, Salmos 93.2, “Desde a antiguidade, está firme o teu Trono, tu és desde a eternidade”. Ela passa por Ele, pois Ele é “… entronizado entre os louvores de Israel”, Sl 22.3, e termina nEle, assim como em Apocalipse 7.12, “Amém! O louvor, e a gloria, e a sabedoria, e as ações de graças, e a honra, e o poder e a força sejam ao nosso Deus pelos séculos dos séculos. Amém!”

Costumo dizer que dentro de nós existe um “DNA” de adoração. Fomos criados/as com adoração dentro de nós; o que precisamos saber é para onde vamos direcionar esta adoração. Normalmente o que mais sai de nossos lábios é o que realmente adoramos. Se falamos muito de futebol, de trabalho, de filhos, de Deus, de carro… Onde está o nosso foco, aí estará a nossa adoração. Isso não quer dizer que não podemos obviamente falar de outras coisas, mas o que me impressiona é ver quantas pessoas dizem que estão com Deus e que buscam a sua face, mas não dedicam nenhum tempo sequer para estar com Ele e ouvir a Sua voz. Ouvir a voz de Deus não é simplesmente ir à Igreja todos os domingos ou às programações eclesiásticas. Para ouvir a voz de Deus, é preciso fé (crendo que Ele real­mente fala), tempo (onde percebemos que nunca “perdemos tempo” quando estamos com Ele, mas sim “gastamos tempo” com Ele) e “energia” (força, dedicação e desejo profundo).

Antes de Jesus ir ao Getsêmani, em Mateus 26.32, ele diz aos/às discípulos/as, “Mas, depois da minha ressurreição, irei adiante de vós para a Galileia”. Quando Ele ressuscitou, as mulheres foram ao sepulcro e o anjo disse: “Vão depressa e digam aos discípulos dele: Ele ressuscitou dentre os mortos e está indo adiante de vós para a Galileia; ali o vereis. É como vos digo!” (Mateus 28.7). Galileia é um lugar de muitas montanhas, e eles tiveram que subir para se encontrar com Jesus e, quando o viram, o adoraram… (Mateus 28.16).

Adoração não é música, mas sim um desejo profundo de estar com Ele, até porque quando realmente vemos o Senhor, não tem como não se prostrar e adorá-Lo. Esse desejo de estar com Ele, de ouvir Sua doce voz é gerado porque existe dentro de nós um amor que nos preenche por completo. A Bíblia nos diz em I Jo 4.19: “nós amamos porque Ele nos amou primeiro”. É este amor que nos une a Ele mesmo e nos leva a adorá-Lo com o melhor que temos e com tudo que somos.

Separe um tempo para estar com Ele, deseje profundamente estar com Ele e sua vida será infinitamente diferente. Lembre-se: adoração não é música, mas sim um estilo de vida!

* Nelson Junker, www.nelsonjunker.com.br

Último artigo

Violência
 O Conselho Nacional de Igrejas (NCC por sua sigla em inglês) insta o Presidente Trump a seguir um caminho de diplomacia e negociações, marcado pela boa fé, para evitar a guerra. Foto cedida por Pixabay.

O Conselho Nacional das Igrejas de Cristo insiste em reduzir as tensões com o Irã

O Conselho Nacional de Igrejas incita fortemente o Presidente Trump a seguir um caminho de diplomacia e de negociações, marcado pela boa fé, a fim de evitar a guerra.
Área Geral da Igreja
Depois da votação de 26 de fevereiro de 2019, que fortaleceu as políticas da igreja sobre a homossexualidade, o delegado Ian Urriola de Nova York fala com outros delegados que, em protesto, formaram um grande círculo no centro do plenário. Foto de Paul Jeffrey, Notícias MU.

Igreja continua em luta com o voto da CG2019

A decisão da Conferência Geral Metodista Unida de 2019 não foi a última palavra para muitos na denominação. Aparentemente todos os dias surgem uma nova declaração pública em apoio ao povo LGBT e seu papel na Igreja Metodista Unida ou em defesa do Plano Tradicional, que afirma que a homossexualidade é “incompatível com o ensino cristão”.
Área Geral da Igreja
O Rev. Adam Hamilton fala em uma conferência de imprensa após a reunião da UMCNext, na Igreja Metodista Unida da Ressurreição, em Leawood, Kansas. Ele foi um dos 17 membros da equipe de convocação para um evento que reuniu os Metodistas Unidos dos EUA que se opõem ao Plano Tradicional. Foto de David Burke, Conferência Anual Great Plains.

Planejando novas direções para a igreja

Mais de 600 metodistas unidos dos EUA passaram três dias lutando com possíveis opções para forjar o que eles esperam que seja um futuro de igreja mais justo e inclusivo.