A epifania: Magos e pastores cultuam a menino Jesus

Michelle Paixão – Igreja Metodista Vila Isabel, Rio de Jainero, Brasil.

(Mt 2.1-12 e Lc 3.23-38)

Dia da Epifania e Estação Litúrgica do Calendário Cristão

A palavra epifania é de origem grega e significa revelação, manifestação, uma teofania (uma aparição divina). Deus aparece e é visto pelo ser humano. Jesus se manifesta e é reconhecido como Deus pelo ser humano através dos magos do oriente e dos pastores do campo. Dá ênfase ao fato de Jesus ter se revelado ao mundo. Os cristãos acreditam que o menino Jesus Cristo não ficou isolado lá na manjedoura de Belém. Começando com sua manifestação aos magos, Jesus Cristo é apresentado a todos como Salvador.

Por isso na história de Jesus, é também uma estação litúrgica que acontece depois do Advento e Natal. A estação litúrgica da epifania tem início no dia 06 de janeiro (considerado pela tradição cristã como o dia em que os magos encontraram e adoraram o menino Jesus, em Belém e, portanto, o dia da Epifania), fala do ministério terrestre de Jesus e vai até a 3ª-feira que antecede a 4ª-feira de cinzas, seguida então do período da Quaresma (que nos faz recordar os momentos difíceis da perseguição, prisão e demais momentos que antecedem a Páscoa). Durante este período, a Igreja relembra vários fatos na vida de Jesus que o tornaram conhecido como o Salvador. Entre seus símbolos estão a estrela (que guia os magos) e a coroa (Jesus rei do Universo). A cor litúrgica é a  amarela, enfatizando a realeza de Cristo. O texto bíblico não diz quantos magos eram, mas a tradição cristã diz que foram três: Belchior, Gaspar e Baltazar. Eles representam os povos de todas as nações, raças e línguas, que se deixam guiar pela mensagem de Jesus.

A Epifania do Senhor

Tendo nascido Jesus em Belém da Judéia no tempo do rei Herodes, alguns magos do Oriente chegaram a Jerusalém. (...) O rei Herodes chamou, então, secretamente os magos e informou-se com eles cuidadosamente sobre o tempo exato em que a estrela tinha aparecido. Depois, mandou-os a Belém e disse: “Ide e investigai bem sobre o menino e, quando o tiverdes Tendo ouvido o rei, eles partiram. E a estrela, que tinham visto no Oriente, ia à frente deles, até parar sobre o lugar onde estava o menino. Quando viram a estrela, encheram-se de grande alegria. Ao entrar na casa, viram o menino com sua mãe; e, prostrando-se, o adoraram. Abriram seus cofres e lhe ofereceram presentes, ouro, incenso e mirra. Depois, avisados em sonho para não voltarem a Herodes, retornaram para sua terra por outro caminho.

Os magos reconhecem, pois, a nova maneira de exercer a realeza e o poder: com amor, compaixão, misericórdia, cuidado social e solidariedade. Aderem ao reinado de Deus, convertem e participam do plano de salvação das pessoas, a partir do “pequeno” Jesus de Nazaré; pobre, sem poder, sem  influência política. Não a partir dos poderosos e violentos como Herodes, apoiado pelos sacerdotes religiosos.

Neste momento, os magos representam os verdadeiros adoradores, aqueles que, descobrem que a salvação não pode vir pela falsa religião. Os magos adoradores de Jesus são os primeiros a intuir isso, e seu desejo é o de adorar esse “novo poder” que nasce do humilde para transformar o mundo. Eles são guiados por uma “estrela” (um sinal divino bem visível), que exprime as intuições mais puras e os anseios mais profundos da humanidade sedenta de paz, de justiça, de amor, de solidariedade e fraternidade.

Último artigo

As máquinas de votação Sobressalentes repousam sobre uma mesa na Conferência Geral Metodista Unida de 2019 em St. Louis. Algumas pessoas na igreja estão pedindo uma investigação independente sobre as irregularidades na votação durante a conferência. Foto de Mike DuBose, SMUN.

Perguntas sobre a força-tarefa repercutindo pela igreja

A integridade do órgão legislativo da Igreja Metodista Unida será o foco de uma força-tarefa especial que incorpora possíveis impropriedades de votação na recente Conferência Geral de 2019.
Preocupações Sociais
Ann Hammond compartilha com o Rev. Barry Steiner Ball os seus planos para criar uma casa de recuperação para mulheres dependentes em um imóvel mais velho, no terreno do Templo Metodista Unido em Clarksburg, Virgínia. Foto por Mike DuBose, SMUN.

Conferência pergunta 'e se' a igreja enfrentou a crise das drogas

A crise nacional das drogas superou as manchetes de notícias há muito tempo, mas ainda não é possível compreender um resumo das estatísticas.
Conferência Geral
O Bispo Gregory V. Palmer, da Conferência Oeste de Ohio, discursa no Comitê Permanente sobre Assuntos da Conferência Central durante sua reunião em Manila. Ele presidiu o subcomitê do Comitê Plano Compreensivo da África. Foto de Heather Hahn, SMUN.

Grupo aconselha onde acrescentar 5 novos bispos africanos

Um corpo de liderança Metodista Unida apoiou unanimemente um plano que modifica o mapa da igreja na África e adiciona cinco novos bispos à região de mais rápido crescimento da denominação.