Comunidade da Liberdade celebra a inauguração de um furo de água

Other Manual Translations: English

Bispa Joaquina Filipe Nhanala dedica um furo de água durante a sessão da Conferência Anual de Moçambique Sul no Cargo Pastoral da Liberdade, do distrito de Maputo Sul.

Nos últimos anos, a situação de escassez da água, fruto da falta de chuvas sobretudo na zona sul de Moçambique, tem agravado a seca e consequente falta de alimentos para a população.

Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), apesar do progresso considerável registado ao longo dos anos, apenas metade dos moçambicanos tem acesso ao abastecimento de água melhorado e menos de um quarto (um em cinco) usa saneamento melhorado. De uma maneira geral, persistem desigualdades flagrantes nos serviços de abastecimento de água e saneamento entre as pessoas que vivem nas zonas rurais e as que vivem nas zonas urbanas.

A comunidade do Cargo Pastoral da Liberdade, no distrito Eclesiástico de Maputo Sul, ficou sensibilizada com a escassez da água potável, não só para os seus membros, mas também para a comunidade daquela parcela da cidade de Matola.

´´A água é vida. Vida necessária para os seres vivos, e humanos em particular´´, disse a Bispa Residente Joaquina Nhanala no acto da dedicação de um furo de água em Matola, que deverá abastecer mais de 1.500 famílias do Bairro da Liberdade e arredores.

O Reverendo Uinge Salatiel Guirruta, pároco daquele Cargo Pastoral e um dos mentores do projecto, explicou que as perfurações duraram apenas três dias. ´´Este é um projecto de sustentabilidade, fruto da grande crise deste precioso líquido aqui na Liberdade e arredores´´, disse Guirruta. O Reverendo afirmou que ainda na fase de construção da torre e colocação da tubagem, muita gente veio até eles questionar se a água daquele furo estaria disponível para o público´.

´´Como puderam ver, hoje mesmo, já havia um camião a espera para que logo que terminasse o acto de dedicação, se carregasse os primeiros metros cúbicos de água para o seu uso particular.´´

Guirruta, que é clérigo itinerante da Metodista Unida, concluiu explicando que a  água, é vendida em metros cúbicos, a um preço acessível.

Revma Bispa Joaquina Filipe Nhanala, bispa Residente da Area Episcopal de Moçambique. Foto de João Filimone Sambo 
Revma Bispa Joaquina Filipe Nhanala, bispa Residente da Area Episcopal de Moçambique. Foto de João Filimone Sambo.

O acto da dedicação contou com uma grande moldura humana de clérigos e leigos. ´´Nós dedicamos este furo de água ao Reino de Deus. Entregamos este furo, e a todos que dele usufruirão, ao cuidado do Senhor, para que as suas vidas possam melhorar, unidos pelo amor e pelo bom espírito do cuidado´´, disse Nhanala.

´´A água deste furo, que sirva para o baptismo das almas e sejam levadas a Cristo, e na proclamação do Evangelho´´, concluiu a Bispa.

O furo de água foi construído graças a um empréstimo da Iniciativa Moçambique –Missouri, que sempre tem apoiado a igreja na provisão de serviços sociais às comunidades necessitadas.

Depois do acto de deicação, o representante da Mozambique Initiative, Ezequiel Marcos Nhantumbo, ressaltou a importância do trabalho para a saúde da comunidade. ´´A provisão de água potável às comunidades, reduz grandemente as doenças de origem hídrica, tais como: a malária, diarreia, cólera´´, disse Nhantumbo.

´´Com a provisão de água, reduzem-se as distâncias em busca deste precioso líquido, poupa-se tempo para as mulheres e crianças, tempo esse que se reverte noutras actividades como: ir para igreja, escola e/ou fazer outros trabalhos, incluindo actividades domésticas´´, continuou Nhantumbo.

A Mozambique Initiative, já abriu desde que esta iniciativa começou nos anos 80, cerca de 400 furos de água em todo o Pais.

´´Só a título de exemplo, no ano passado foram abertos 35 furos, dos quais 6 contam com torres movidas a painéis solares, sendo que estes com torres de retenção, estão inclusos no componente de geração de renda para a sustentabilidade da Igreja´´, concluiu Nhantumbo.

Informações colhidas com a Direção dos Projectos da Conferência Anual de Moçambique Sul, indicam que muitas comunidades têm se beneficiado grandemente deste precioso líquido.

´´Pela graça de Deus, muitos dos locais onde os furos são abertos, a água encontrada é puramente doce´´, disse o Reverendo Xavier Naftal Guambe.

´´Salvo alguns casos em que encontramos água salubre, mas cerca de 90% dos furos jorra água doce e quimicamente saudável para o consumo humano´´, afirmou.

´´ Os furos de água, são projectos de sustentabilidade primeiro para o Cargo Pastoral onde se localiza o furo. Depois de um acumulado de MZN 40,000 (quarenta mil meticais moçambicanosetidos na fonte, todas as receitas subsequentes são partilhadas com a Conferência Anual, na razão de 50% cada, e isso esta estabelecido no memorando de entendimento inicialmente desenhado´,´ concluiu Guambe.

*Sambo é o correspondente lusófono em África das Notícias Metodista Unida. Matéria com informações de UNICEF - Situação da água, saneamento e higiene em Moçambique

Contacto com a imprensa: Vicki Brown, editora de notícias, [email protected] ou 615-742-5469. Para ler mais notícias da Metodista Unida, inscreva-se nos resumos diários ou semanais gratuitos.

**Editado por Sara de Paula, tradutora independente. Para contatá-la, escreva para [email protected]

Evangelismo
Directora Olga Maria Raimundo, Directora da Escola Comunitária Metodista Unida. Matola, foto de João Filimone Sambo.

Em tempos de COVID-19: Escolas Metodistas não cruzam os braços na educação das crianças

A evangelização e educação na Área Episcopal de Moçambique têm sido um dos grandes veículos para a proclamação do evangelho através de palavras e obras, bem como por esperança para todas as camadas e, em particular, para as crianças e jovens.
Igreja Local
Rev. Hermínio Guifutela, Director do Conselho dos Ministérios do Norte do Save. Nampula, foto de Hermínio Guifutela.

COVID-19 EM MOÇAMBIQUE, PREOCUPA MEMBROS DO NORTE DO SAVE

Até o dia 26 de maio de 2020 Moçambique já contava com 213 casos positivos da COVID-19, informação essa revelada pelas autoridades de saúde Moçambicanas. Este factor, preocupa os membros do Norte de Save.
Preocupações Sociais
Camille Cody (esquerda), voluntária do Centenary Community Ministries Inc. em Macon, Geórgia, examina a papelada enquanto conversa com um homem sobre o programa de verificação de estímulo do governo dos EUA. Até agora, os voluntários ajudaram mais de 50 sem-teto e pobres a preencher os complicados formulários de impostos e solicitações necessárias para receber um cheque. Foto cedida pela página do Facebook dos Centenary Community Ministries.

As igrejas estendem as mãos para os sem-teto

Grupos Metodistas Unidos mantêm contato com pessoas sem-teto, devido à sua alta vulnerabilidade em meio à pandemia, para ajudá-las a permanecerem seguras.