Bispos latino-americanos se reunir com pastores/as e ativistas LGBTQI

Bispos de igrejas no Peru, Equador, Bolívia, Argentina, Chile e Uruguai, entre outros, compartilhada com pastores, leigos e líderes da IMU que defendem a inclusão da comunidade LGBTQI.

VERSION EN ESPAÑOL

Bispos e líderes Leigos/as de várias igrejas metodistas autónomas na América Latina se reuniram em 19 de maio, com ativistas e pastores latinos/as que defendem a inclusão da comunidade LGBTQI dentro da Igreja Metodista Unida (IMU) nos Estados Unidos.

O encontro proporcionou um diálogo no qual os bispos puderam conhecer o fundo das discussões históricas que vêm ocorrendo dentro da IMU, nas ultimas quatro décadas sobre o tema da sexualidade, como também as motivações e o papel desempenhado pelos líderes pastorais e leigos Hispânico/Latino neste processo.

Além disso foram abordadas questões relacionadas com as experiências de discriminação não só em relação à identidade sexual, mas também sobre raça e status de imigração, tanto no contexto eclesial e na sociedade em geral.

Os bispos das igrejas na Argentina, Uruguai, Equador, Chile, Bolívia e Peru, entre outros, ouviu as experiências e compartilhou sua perspectiva da América Latina em torno da questão da sexualidade na igreja.

Bispo Frank de Nully Brown, líder episcopal da Igreja Evangélica Metodista da Argentina, disse que "esta reunião foi uma reunião de natureza pastoral, onde meus colegas e eu viemos principalmente para ouvir as histórias e experiências de nossos irmãos/irmãs latinos/as da igreja nos Estados Unidos, sobre a marginalização e injustiças sofridas pelas minorias".

Além disso, o Bispo de Nully Brown compartilhou algumas das experiências da igreja na Argentina sobre o tema da sexualidade, "em nosso país esta questão não tinha sido discutida profundamente o suficiente na igreja até que o estado legalizou o casamento entre pessoas do mesmo sexo, e isso moveu a igreja a abordar este tema com mais disposição. Em nossa igreja (IEMA) não temos legislação específica sobre este assunto como existem na IMU, até porque na Argentina o casamento civil é o que tem valor legal e não o religiosos como nos Estados Unidos".

Líderes metodistas latino americanos/as participaram nas discussões sobre a questão da inclusão e diversidade de identidades sexuais na Igreja Metodista Unida, durante as sessões plenárias da Conferência Geral 2016 e concordaram que é uma questão que precisa de uma abordagem pastoral e não meramente legislativa, de modo que a igreja possa manter a sua união de corpo.

Pastor Jonathan Rodriguez-Cintron da Igreja Metodista Unida Saugus Leste em Massachusetts, referiu-se ao clima de respeito da reunião, o que explica as razões pelas quais tomou medidas e posições públicas em apoio a uma abertura de estrutura e legislação da IMU.

Rodriguez-Cintron enfatizou que "a luta de Latinos/as nos Estados Unidos lado a lado com outras minorias não é uma opção, mas uma necessidade ... O diálogo não é sinónimo de acordo, é um espaço para ouvir com a mente aberta e chegar a acordos convidam-nos a amar com o coração aberto. Ser inclusivo não material de pregação, ou um discurso que se diz antes de participar da Santa Ceia, é sim material da ação coletiva, para construir o reino de Deus no nosso presente".

Esta reunião realizou-se nem um ponto chave da Conferência Geral 2016 em Portland, Oregon, em um momento em que a Igreja Metodista Unida confronta profundas diferenças sobre como lidar com o tema da ministração e inclusão da comunidade LGBTQI e decidiu colocar nas mãos dos bispos/as um processo que conduza a um acordo nos próximos anos.

* O Rev. Gustavo Vasquez é o Diretor de Comunicações Hispânica/Latina IMU. Você pode entrar em contato pelo (615)742-5111 ou por gvasquez@umcom.org.

** Rev. Alex Souto e pastor da Igreja Metodista Unida de New Millford 

Relacionado

Temas Sociales
Fernando, de 19 años, relata su experiencia huyendo de la violencia de pandillas en Tegucigalpa, Honduras, y tratando de llegar a los Estados Unidos. Foto: Carlos Reyes, SMUN-NPHLM.

Metodistas unidos/as hondureños/as entre la migración y la deportación

De acuerdo al Observatorio Consular y Migratorio de Honduras (Conmigho), cerca de 47.000 personas fueron deportadas desde Estados Unidos y Méjico en el 2017.
Misión
De izquierda a derecha: Obispa Peggy Johnson, Hermana Norma Pimentel, Obispa Sally Dyck y Obispa Hope Morgan Ward. Foto cortesía de Tricia Bruckbauer.

El Cuerpo de Cristo en la frontera sur

La Conferencia Anual de Río Texas y el Obispo Robert Schnase encabezaron una delegación de la Junta general de Iglesia y Sociedad (GBCS) de La Iglesia Metodista Unida (IMU) en un viaje a la frontera sur de los Estados Unidos.
Temas Sociales
Al rededor de esta pintura mural que muestra la imagen de Jesús y diferentes episodios de las escrituras, se dieron cita líderes clérigos/as y laicos/as en Ciudad España, para coordinar acciones en favor de la población migrante hondureña.

Metodismo unido en Honduras busca acompañar a quien emigra, a quien se queda y a quien regresa

En convenio con el Plan Nacional de Ministerio Hispano-Latino (PNMHL), la Misión Metodista Unida de Honduras (MMUH) participó en un taller llamado “Migración.